Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ambiente de trabalho V

por Teresa Ribeiro, em 14.03.19

Não sei quando e porque se inventou a norma  de etiqueta que estabelece que nunca, em caso algum, se deve declinar propostas ou convites com um rotundo e inequívoco "não". A verdade é que se tornou uma escola. E no entanto para quem fica suspenso de uma resposta não existe nada mais desgastante. Espero, ou não espero? Mudo de planos? Procuro novos interlocutores?

Tudo o que se obtém é silêncio ou um discurso reticente feito de promessas vagas. Em vez de fumo branco, sai nevoeiro cerrado. Névoa que nos faz perder tempo e isso em ambiente de trabalho tem impacto na  eficiência, o que é grave. 

A quem aproveita esta atitude? Não consigo entender. De um lado espera-se e desespera-se, do outro empata-se. Evitar um "não", em primeira análise, pode parecer simpático e até educado mas em termos práticos resulta muito pior. Leva o outro a impacientar-se, a ter de insistir, a levar com desculpas standard e por fim a perguntar-se se o gesto é deliberado, não passando, nesse caso, de uma grosseira manifestação de arrogância. 

Aonde é que isto conduz? Seguramente, a nada que interesse.


15 comentários

Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 14.03.2019 às 15:18

a norma de etiqueta que estabelece que nunca, em caso algum, se deve declinar propostas ou convites com um rotundo e inequívoco "não"

Nunca ouvi falar de tal norma de etiqueta. A que tipo de propostas ou convites se refere? Em que contexto?
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 14.03.2019 às 17:00

"Norma de etiqueta" foi expressão que usei com ironia para referir um hábito que se instalou.
Como o título indica, observo esse costume sobretudo em ambiente de trabalho, mas não só...
Sem imagem de perfil

De Bea a 14.03.2019 às 15:53

Há propostas que se recusam de imediato, haja ou não etiquetas a respeitar. Outras, é verdade, a etiqueta manda que, ou se aceitam, ou se negam com termos, sem o não rotundo mas rejeitadas na mesma. E depois há os indecisos. Não aceitam nem negam e acredito que exasperem quem espera resposta. Mas os indecisos, e até os medrosos, não me parecem pessoas arrogantes ou grosseiras. Que vai grande distância do parecer ao ser e pode que tenha alguma razão nas suas queixas.
O post fez-me pensar na minha espontânea falta de delicadeza, quando em rotunda negativa. Não entendo por que queremos mudar os outros quando nem a nós mesmos conseguimos mudar. Cada um é um.
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 14.03.2019 às 17:13

Ignoro como isto começou, Bea. Mas tenho bem a noção de que nem sempre foi assim. Na cultura oriental faz parte das normas mais básicas de convívio social evitar dizer "não", mas não creio que a influência venha daí.
Sei, isso sim, que a frontalidade já esteve mais bem cotada. Portanto em parte este comportamento pode ter origem na actual forma de comunicarmos, sobretudo em ambiente de trabalho, usando um discurso mais policiado, evitando exprimir seja o que for que possa ser considerado negativo ou menos simpático pelos outros.
Mas o paradoxo que este hábito, de evitar dizer "não", gera é que me intriga. A menos que seja propositado, e aí, temos de falar de arrogância, como é que as pessoas não percebem que mais desagradável do que ouvir um "não" é ficar eternamente pendurado por uma resposta que não chega?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.03.2019 às 17:34

Vivemos numa sociedade do faz de conta.

"A sua privacidade é importante (mas o respeito não)".

"Por motivos de qualidade e de segurança a chamada poderá ser gravada".

Poderá, não dizem se vai!

Então eu digo, se há problemas de segurança do outro lado, é melhor desligar. E perguntem às pessoas se estão interessadas na dita qualidade?

Nós somos usados para avaliar outros sem o nosso consentimento.
Sem imagem de perfil

De João Silva a 14.03.2019 às 18:11

Fiquei como o Senhor L. Lavoura: não percebi nada, nem sei a que se refere pois nunca presenciei tal situação. Quando me convidam para algo que não quero, respondo sempre com clareza que não quero. Embora evite respostas rotundas no sentido de bruscas ou menos corteses. Francamente não percebo a que se refere. Até fiquei com curiosidade.
Sem imagem de perfil

De Anonimus a 14.03.2019 às 19:32

Tento não usar o rotundo "não".

Opto pelo" não, obrigado ".
Sem imagem de perfil

De António a 14.03.2019 às 21:07

Piores são os que nos dão um rotundo “sim” e depois não aparecem (carpinteiros, canalizadores, electricistas, etc.).
Sem imagem de perfil

De João Silva a 14.03.2019 às 23:18

Apoiado Senhor António. Isso acontece-me muita vez. Isso eu percebo. O rotundo não é que não me entra na cabeça.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 15.03.2019 às 12:01

Os seus pequenos problemas são os seus grandes problemas!
No caso que falou, se uns não querem há muitos outros que querem!

E um grande problema deste país é o povo individualista que só pensa no seu "umbigo"!

E depois o povo ainda tem a lata de criticar alguns!
Sem imagem de perfil

De António a 15.03.2019 às 14:35

Geralmente quando penso em mim não é só no umbigo, e como não espero que você me faça favores acho que vou continuar a pensar em mim. Incluindo o umbigo. Se não gosta dos meus problemas arranje os seus, ok?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 15.03.2019 às 01:13

É possível que a arte esteja em estudar o terreno e só avançar para uma proposta quando é muito provável receber um expedito 'sim' ou, à falta dele, um pronto e delicado 'não'. Sem necessidade de receber rotundos 'não', que só são precisos quando as propostas são descabidas.
É uma hipótese de ver a coisa. Haverá outras, com certeza.
Isabel


Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 15.03.2019 às 14:07

Um "pronto e delicado 'não'" - vejo pelos comentários que foram chegando, que deveria ter evitado o qualificativo "rotundo" e usado uma expressão como esta, que não desviasse as atenções do que eu vim aqui criticar, que é esta mania de deixar as pessoas sem resposta.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 15.03.2019 às 16:09

Percebo o que diz.

Há um tique ou expressão (há mais do que um, aliás, mas os outros que me ocorrem não são dignos de aqui figurarem) de quem não quer decidir e, simplesmente, dizer não: 'a protelar também se resolve'.

Encanita, sim.

Por conhecer bem estes 'nins' em 'nenhures' é que me parece que é de evitar uma proposta a quem não dá mostras de resolver o que aparece para resolver.
Claro que, podemos não reconhecer esta incapacidade ou tique da pessoa em causa à primeira vista, mas lá está: só nos enganam uma vez.


Desviando o assunto e, por favor, não me batam pela referência, mas diz-se que Salazar ao entregar tarefas importantes, procurava sempre os mais ocupados e capazes e nunca quem se mostrava disponível e aparentemente livre. Por alguma coisa, seria.

Isabel
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 15.03.2019 às 10:01

Grande confusão entre o não e o sim, rotundos ou não. Deve ser por isso que andam para aí uns com um autocolante a dizer "não é não". Embora haja muitos casos em que não é sim. Confusão, confusão.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D