Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A vandalização do Arco do Triunfo.

por Luís Menezes Leitão, em 03.12.18

668128.jpg

Eu até tenho alguma compreensão pelo protesto dos coletes amarelos contra a carga fiscal insustentável que o Estado cada vez mais faz recair sobre os cidadãos. Mas já acho absolutamente intoleráveis actos de destruição da propriedade pública e privada e especialmente actos de vandalização de monumentos nacionais, com o simbolismo do Arco do Triunfo. A isto a única resposta só pode ser a da força da lei. Como disse De Gaulle perante os protestos do Maio de 1968: "la République n'abdiquera pas".

Autoria e outros dados (tags, etc)


17 comentários

Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 03.12.2018 às 09:17

o protesto dos coletes amarelos contra a carga fiscal insustentável

O que deu início ao protesto foi a vontade do governo de aumentar o imposto sobre o gasóleo para o colocar igual ao imposto sobre a gasolina. Isso é inteiramente devido - não há qualquer justificação para que o gasóleo pague menos imposto do que a gasolina (de facto, até deveria pagar mais).
Sem imagem de perfil

De António a 03.12.2018 às 14:42

Cada vez há menos justificação para o gasóleo ou a gasolina pagarem impostos. Não esqueçamos que o diesel foi abertamente encorajado pelos governos europeus, pelas suas putativas vantagens - e agora que já representa a maioria do parque automóvel é taxado, na mesma óptica do traficante que oferece as primeiras doses para viciar o cliente. Acontecerá o mesmo com o combustível prevalecente, seja electricidade, hidrogénio, ou o que fôr - primeiro subsídios para criar uma base alargada, depois taxas em cima. O GPL safou-se porque é marginal.
Lendo as palavras deste gajo, pergunto-me, e pergunto-lhe; porque é que nunca lhe ocorre que há outra forma de igualizar os impostos, que é baixar o da gasolina?
Ou seja, quanto recebes dos impostos dos outros para quereres mais?
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 03.12.2018 às 15:15

Concordo que seria adequado, até em termos políticos, baixar o imposto sobre a gasolina em conjunção com aumentar o imposto sobre o gasóleo.
Outra coisa que seria adequada seria fazer a coisa de forma gradual, ao longo de vários anos, ao contrário do que Macron está a tentar fazer - aumentar o imposto sobre o gasóleo em 15 cêntimos por litro em menos de um ano.
Quanto a baixar o nível geral de impostos sobre os carburantes, isso acho errado. Como Macron muito bem diz, o que é preciso é baixar os impostos sobre o trabalho (IRS, etc); os impostos sobre a energia e sobre a poluição devem ser mantidos.
Sem imagem de perfil

De António a 03.12.2018 às 20:40

Acho temos uma idéia bem diferente sobre a bondade dos impostos. Para certas pessoas, nunca será uma solução viável o Estado gastar menos, sobretudo em WebTretas, ParqueEscolares, EuroCoisas, TAP, RTP, CP, banca, e etc.
Os argumentos de que o Estado deve providenciar são recorrentes para justificar impostos. Só que nunca pagámos tantos, e as estradas caem, as florestas ardem, as escolas metem água, os hospitais não têm camas nem pessoal, os combóios não andam, os bombeiros não recebem, a polícia não tem meios, o exército é roubado, crianças com cancro são tratadas em contentores, e mais uma galeria de horrores. A dívida pública aumenta, o que significa que não é por pagarmos o que devemos ao estrangeiro que o dinheiro está a desaparecer.
Qualquer pândego que defenda qualquer imposto, neste momento, só pode estar a gozar, ou a beneficiar deles. Vá trabalhar.
Imagem de perfil

De Pedro Vorph a 03.12.2018 às 09:35

Nas greves existem sempre alguns Black bloc's que nada têm a ver com os grevistas, ou as suas reivindicações.

O Arco do Triunfo foi destruído, ou pintado?

Qual o simbolismo do Arco do Triunfo? A guerra europeia levada a cabo por um déspota de nome Napoleão, que em nome da República se fez coroar Imperador, invadindo e saquendo Portugal. Mandando os patriotas lusos " para o maneta".

Adoro o Arco do Triunfo pelo que ele é e não pelo que simboliza.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 03.12.2018 às 10:26

Nas greves existem sempre alguns Black bloc's que nada têm a ver com os grevistas, ou as suas reivindicações.

Mas os coletes amarelos fizeram uma manifestação em Paris há uma semana, e houve merda. Então fizeram outra manifestação este fim de semana, e voltou a haver merda (maior). E agora já dizem que irão fazer mais uma manifestação no próximo fim de semana - na qual se pode prever que vá voltar a haver merda. Só se pode concluir que eles gostam que haja merda - fazem uma, duas, três vezes para que ela surja. Não é defeito, é feitio.
Perfil Facebook

De Carlos Gonçalves a 05.12.2018 às 23:02

Exactamente!
Acabei de comentar algo de muito semelhante porque só agora li o seu comentário. A diferença é que no meu caso, desprezo mesmo a porcaria pinchada; pelo que é e pelo que simboliza.
Perfil Facebook

De Rão Arques a 03.12.2018 às 10:26

Normal no conceito de Costa.
A sua anormalidade democrática não começou apenas quando para contornar os resultados de uma eleição que perdeu, se aliou aos declarados inimigos de véspera para salvar a própria pele.
Um histórico abominável que lhe fazem o frete de abafar.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.12.2018 às 11:43

Sou 200% a favor das reivindicações.
Sou 200% contra a violência.
A questão é:
- De que lado está a maior responsabilidade?
João de Brito
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 04.12.2018 às 15:45

Entre outros provavelmente dos coletes amarelos, querem o Estado para tudo, dão todo o poder à Política e depois queixam-se que a Política lhes tira tudo.

Qual foi o último Governo Francês que diminuiu ou sequer manteve a carga fiscal sem aumentar o endividamento para compensar?

Isto vale para cá. A variação do CDS ao PCP no caminho para a Democracia Totaliária é só o grau. A "Direita" sempre que esteve no Governo aumentou impostos, criou novos impostos e entregou sempre mais e mais poder ao Estado.

Ou seja Socialistas.
Sem imagem de perfil

De jo a 03.12.2018 às 15:17

"especialmente actos de vandalização de monumentos nacionais, com o simbolismo do Arco do Triunfo"

O monumento em questão celebra o triunfo de um caramelo que morreu exilado, depois de ter perdido a guerra. Tem um túmulo de um bravo defensor da Pátria que a Pátria mandou morrer por ela sem sequer saber o seu nome.

Como símbolo não é lá grande coisa. Só se for como memória.
Perfil Facebook

De Carlos Gonçalves a 05.12.2018 às 22:58

No meu caso - precisamente porque tenho memória e aprendi alguma da nossa história - , o arco do triunfo é um símbolo que me inspira o mais absoluto desprezo.
Sem imagem de perfil

De Bea a 03.12.2018 às 16:14

Bom, não interessa verdadeiramente, pelo menos aos estrangeiros, o que simboliza, para os franceses, o Arco do Triunfo. Para toda a gente, ele é um símbolo de França (senão O símbolo). Ponto. E quantos países se deram ao trabalho de fazer uma réplica?!

É provável que os desagradados tenham razão nos seus motivos, mas julgo que a mesma razão se perde quando, para dizê-la e expô-la, usamos meios irrazoáveis que lesam terceiros e, como no caso do Arco do Triunfo, a humanidade em geral. Além disso, a sua luta nada tem a ver com os valores defendidos no Maio de 68. Nada de confusões.
Sem imagem de perfil

De JPT a 03.12.2018 às 19:28

Dizer que fazer réplicas de arcos triunfais é "imitar os franceses", deve deixar o Tito e o Constantino (e mais uns 20 ou 30 imperadores) a rebolar na tumba.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 04.12.2018 às 15:41

Hehe, ainda bem que li fora de sítio esta replica à Bea.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.12.2018 às 19:26

Discordo das razões do protesto porque eu acho que os combustíveis fósseis deviam ser fortemente taxados. Mas lá que Macron é um desastre e tem que ser combatido, lá isso é verdade.
Perfil Facebook

De Carlos Gonçalves a 05.12.2018 às 22:54

Eu sou mais de me incomodar com o esventramento dos túmulos de D. Pedro e Dona Inês em Alcobaça, de uma maneira geral com a barbárie, a pilhagem e selvajaria de que nos sobrou a memória de um "ir para o maneta".
Agora essas coisitas pinchadas no arco das ditas, perpetradas pelos filhos de tal gente... dão-me um certo gozo, confesso...

Comentar post



O nosso livro





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D