Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A semana do desespero.

por Luís Menezes Leitão, em 03.07.15

320100-d8f9772c-1fec-11e5-9bcb-f95a534f046c[1].jpg

 

Um leitor deste blogue chamou-me a atenção para estas imagens publicadas pelo Observador, demonstrando as filas dos reformados gregos, tentando receber as suas pensões de bancos que têm que estar fechados pois de outra maneira não resistiriam perante os contínuos levantamentos por parte dos depositantes. Os reformados gregos são as vítimas inocentes desta estratégia do Syriza, que de um momento para o outro pode deixá-los sem nada.

 

Isto porque provavelmente estes levantamentos serão os últimos que terão em euros e o novo dracma só pode significar a miséria na Grécia. Diz-se que a saída do euro implicaria em Portugal uma desvalorização de 50% enquanto que na Grécia chegará aos 80%. Ou seja, Portugal entrou no euro com este a valer 200,482 escudos e agora sairia com o novo escudo a valer 1/300 avos de um euro. Já quando a Grécia entrou no euro o dracma foi convertido a €0.0029 e agora seria convertido a €0,00058. Ou seja o novo dracma será equivalente a 1/1724 avos de um euro. Podem naturalmente dar outros valores às novas moedas criadas mas a realidade económica subjacente é esta. 

 

O problema é que isto não vai ficar por aqui, pois como se viu depois do confisco de Collor no Brasil em 1990 ou do corralito argentino de 2001, o resultado destas brincadeiras é sempre uma hiperinflação, com uma alta do custo de vida que destruirá completamente o valor das pensões. Estes reformados já viveram muito e sabem bem o que os espera. O sarilho em que o governo do Syriza fez cair a Grécia vai-lhes custar muito caro.

Autoria e outros dados (tags, etc)


14 comentários

Sem imagem de perfil

De Vento a 03.07.2015 às 21:25

Luís, o primeiro parágrafo já foi resolvido.

Deixe-me contar-lhe um segredo: No caso português aponto para que a banca tenha adquirido entre 50 a 60 mil milhões em dívida soberana. Se atribuir uma taxa de 3% sobre o montante facilmente se afiguram umas mais valias do arco da velha. Em resumo, é uma pipa de massa.

Imagine agora este cenário: os juros a dispararem desalmadamente pela força dos mercados, isto é, acima da taxa de referência acima exposta.

A partir daqui tente imaginar também o que ainda existe nas mãos da banca internacional e também no BCE (Grécia, Portugal, Itália, Irlanda, Bélgica, França...), e veja as perdas que não resultam nos títulos já adquiridos.

Pergunta: Acredita mesmo que haja alguém imune a um contágio grego? Acredita que o Eurogrupo, com sim ou com não, poderá ignorar a catástrofe que se avizinha e que todos pagaremos novamente para segurar aqueles que também nos conduziram a esta situação?
Acredita que a economia mexe para suportar um choque sobre outro?

Não vale a pena continuar com jogos que sabemos será de todo difícil de suportar quer pela Grécia, quer Portugal quer por qualquer outro país.

O que andaram a fazer foi usar todos quantos caíram na miséria mais aqueles que ainda não tendo caído para lá caminham no sentido de "imunizar" um sector que não está ainda imune, apesar de ter transferido algumas das suas pérolas podres para cima de si, de mim, daquele e de todos os demais cidadãos um pouco por este mundo fora.

Eu estou grato aos gregos pelo impulso dado à mudança. Certamente que ainda temos um caminho difícil a percorrer, mas com um rumo mais definido e uma atitude mais honesta por parte dos "mercados" e dos governantes.
Sem imagem de perfil

De Segredos de avençados a 04.07.2015 às 09:25

Segredos de avençados são shit.
Sem imagem de perfil

De és um moscardo a 04.07.2015 às 11:58

E as moscas trazem na boca o conteúdo por onde pousam.
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 04.07.2015 às 16:56

Este Vento leste é um pândego.
Sem imagem de perfil

De Vento a 04.07.2015 às 11:26

Parece que faz sentido o que afirmei. Veja esta fresquinha:

http://economico.sapo.pt/noticias/tusk-talvez-tenhamos-de-nos-habituar-a-viver-com-um-pais-em-bancarrota-na-ue_222790.html
Sem imagem de perfil

De isa a 04.07.2015 às 11:48

Pelo que sei, presentemente, dois terços da dívida grega é dinheiro dos contribuintes europeus, nós não entrámos no último empréstimo porque estávamos no programa de resgate mas, mesmo assim, o dinheiro que os contribuintes portugueses já deram, deve ser um pouco menos de dois mil milhões... mas o que eu penso ser mais curioso, é falar-se em solidariedade e que devíamos continuar a ajudar, quando ficamos sempre, sem saber ao certo, exatamente, quanto isso já nos custou ou vai custar e, pelo que tenho lido, especialmente na imprensa estrangeira, se a Grécia receber mais um empréstimo, ficará mais barato do que se sair porque, o restante terço da dívida que a Grécia deve a instituições como o FMI vai ter que ser paga, na devida proporção, por todos os restantes estados europeus, incluindo Portugal.
A grande maioria dos portugueses tem duas ideias muito erradas, implantadas na cabeça. A primeira, é pensar que quando exigem isto ou aquilo do Estado, não ligam o conceito Estado ao do conjunto de todos os cidadãos, ou seja, o dinheiro é obtido pelos impostos de todos, às vezes, ouço pessoas a falar do Estado como se o dinheiro fosse tirado dos bolsos de quem está a governar, uma espécie de ideia de "papá e mamã" que não lhes dão o que eles querem.
A segunda ideia errada é que isto de apelar à solidariedade é apenas "beijinhos e abraços" e que a União Europeia através do BCE vai imprimir mais umas notas para ajudar os gregos. Mas a culpa nem sequer é das pessoas, elas estão a ser manipuladas quando parte da informação é omitida. Tal e qual, como um 3º erro que, finalmente, alguns estão a começar a perceber mas que fazem de conta que não percebem, é que ninguém andou a descontar para um mealheiro, porque o sistema sempre foi os que estão a trabalhar pagarem aos que estão na reforma nesse momento. Claro que depois, quando se fala nisso, vem à baila aquela ideia arrogante e egoísta, própria da natureza humana, de que há alguma coisa nesta vida que seja adquirida e garantida para todo o sempre. Curiosamente, não vejo grandes manifestações de protesto quando um terramoto acontece ou quando alguém morre jovem ou antes de começar a receber a reforma, nesse caso, não podendo protestar em São Bento, deve ser ao São Pedro e, em caso de recusa, presumo que estejam à espera que haja por lá... um Tribunal Constitucional ;)
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 04.07.2015 às 16:52

Inteiramente de acordo.
E penso que será bom lembrar que, quando foram criadas as Caixas de Previdência (Segurança Social), os trabalhadores (e as correspondentes entidades patronais) descontaram muitos anos sem terem direito à reforma, uma vez que aquelas entidades estavam em fase de capitalização, para poderem assumir, como então se dizia, as despesas com as pensões de reforma.
Posteriormente os governos mudaram as regras de jogo e agora é o que se sabe.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.07.2015 às 17:35

É assim como diz.
Usam palavras de circunstância, marcadamente ideológicas abusando da adjectivos e nada de substantivo.
E neste assunto, um pouco de aritmética vinha a calhar, sem prejuízo de pedagogicamente esclarecerem que o Estado são os nossos impostos e taxas, quem são os sócios do FMI (além de Portugal) e quem é o BCE.

Neste assunto era bom saber,quanto nos pode caber no peditório.
Será pedir muito ou já nem vale a pena?








Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D