Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A morte do jornalismo desportivo

por jpt, em 15.06.19

recordLogoShare.jpg

Escolho o "Record" porque é o jornal desportivo que mais frequento. Pois este jornal não monopoliza a deriva - ainda que seja o que mais nela se embrenha, comparativamente ao "O Jogo" ou mesmo ao "A Bola". 

Escrevo às 17.34 (daqui) de hoje. O sítio do "Record" apresenta-se neste estado (tudo notícias com fotos chamativas): 2ª notícia: as vestes do casamento do capitão do Real Madrid, Sérgio Ramos; 4ª notícia: declarações do pai da mulher que acusou Neymar de violação; 5ª notícia: férias do jogador do Benfica Ruben Dias, foto da namorada anunciando que ela "mostra tudo" (um tópico nos títulos do jornal); 6ª notícia: o estado de espírito de uma adepta fervorosa (e com generoso colo, como antes se dizia, bem iconografado) dos Golden State Warriors, clube de basquetebol americano; 7ª notícia: um jogador da Juventus mostrou uma mulher na sua cama; 8ª notícia: as regras para o vestuário e comportamento no casamento do capitão do Real Madrid; 10ª notícia: sobre a divulgação de imagens da mulher que acusa Neymar de violação; 11ª notícia: a reacção da namorada de Ruben Dias a uma partida que ele lhe fez; 16ª notícia: as imagens do casamento de Sérgio Oliveira, jogador do F.C. Porto; 19ª notícia: desenvolvimentos sobre a acusação a Cristiano Ronaldo de ter violado uma prostituta americana; 20ª notícia: a lista de convidados do casamento do capitão do Real Madrid; 21ª notícia: o advogado da mulher que acusa Neymar de a ter violado; 22ª notícia: uma rapariga muito magra mas com par de mamas bem constituído, dita Júlia Palha, num barco de recreio em bikini; 23ª notícia: fotogaleria dos convidados ao casamento do capitão do Real Madrid; 24ª notícia: uma rapariga voluptuosa em lingerie provocatória sob o título "Bastou alguém chamar-lhe Barbie e o nome pegou"; 25ª notícia: bis, fotogaleria em que a namorada do benfiquista Ruben Dias "mostra tudo"; 27ª notícia: namorada do futebolista Cédric, voluptuosa na piscina, mostra como foi a sua despedida de solteiro; 28ª notícia: as imagens do casamento de Simeone, treinador do Atlético de Madrid; 29ª notícia: fotos das férias dos craques, anunciada com um tipo debruçado sobre uma tipa, em trajes menores; ...

Valerá a pena a continuar? É necessário armar um texto com laivos de semiólogo? Ou basta este rol para provar que aquilo morreu? E fede? (Ainda que as garotas que costumam aparecer tenham, sempre, fartas mamas - lembro que não é ordinarice, é assim que se diz correctamente - e curvas apreciáveis).

 


77 comentários

Sem imagem de perfil

De Anonimus a 15.06.2019 às 18:36

Fosse isso o pior...

(o site tem o seu... como se diz, mercado-alvo? E aqueles títulos, mercado ferve, Mourinho de cabeça perdida, Ronaldo conta tudo...)
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 07:24

Calma, que eu não considero que seja "o pior". Ou, quanto muito, parte (substancial) desse "pior" é bem aprazível a estes cansados olhos.
Sem imagem de perfil

De V. a 15.06.2019 às 18:41

Era tão bom.
Sem imagem de perfil

De V. a 16.06.2019 às 16:51

Ahahah
Sem imagem de perfil

De António a 15.06.2019 às 20:58

O jornal diz mesmo que a alegada vítima da alegada violação de Cristiano Ronaldo é, ou era, uma prostituta?
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 01:31

António é mesmo isso que o preocupa? Então explico: sou eu que o digo.
Imagem de perfil

De Sarin a 16.06.2019 às 02:02

Não nos devemos rir num funeral, as minhas desculpas! (apesar de a responsabilidade ser sua)
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 07:25

Uma boa gargalhada num velório é capaz de ser exagero, mas convocar a boa-disposição é sempre uma homenagem ao falecido
Imagem de perfil

De Sarin a 16.06.2019 às 09:43

Concordo, e talvez por isso prefira recordar os mortos à mesa do que em velórios e funerais, a que muito raramente assisto; coisas minhas.

Neste caso, não foi homenagem ao falecido, foi comicidade pura - porque à quarta notícia já havia procurado o parágrafo seguinte, confesso!

E, derivando por caminhos que não acompanho e por isso pouco saiba da vida e feitos pessoais dos protagonistas, o jpt traduziu à moça o eufemismo, ou apenas lhe supõe a actividade - ou, ainda, referir-se-à a outro caso que não Ronaldo vs Mayorga? Curiosidade, já que falaram nisso.
Sem imagem de perfil

De António a 16.06.2019 às 02:14

Não me “preocupa”. Muita gente lhe chamou isso numa defesa cega dum ídolo. E no entanto, pode, simplesmente, não o ser. Como também lhe colocou o rótulo pensei que fosse um facto.
Terá de me desculpar, mas quanto ao resto, os jornais “de bola” ainda me importam menos que a “bola”. Respeito o Cristiano Ronaldo como atleta profissional. Respeito igualmente as prostitutas.
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 07:16

É apenas um pressuposto seu considerar que eu desconsidero a senhora por ser prostituta ou que tomei a defesa do jogador E é um defeito do seu raciocínio considerar que eu coloquei algum "rótulo". O respeito pela prostituta e pela prostituição passa mesmo por não esconder a sua existência - e haverá quem queira, estuporadamente, chamar-lhe "profissionais do sexo" talvez para que não lhe digam que usam "rótulos" - e mascará-la com outros epítetos. Tem aquela profissão, exerce-a a tempo parcial ou completo, é assunto dela, ponto final parágrafo.
Sem imagem de perfil

De António a 16.06.2019 às 09:22

O turno da noite não é a melhor hora para lhe explicar o contexto mas não tem absolutamente nada a ver com o que ficou para aí a pensar. Apenas queria confirmar uma coisa. Como escreveu tão casualmente pensei que estivesse a referir um facto comprovado. Não está em causa consideração ou desconsideração, apenas informação. Pensei que soubesse algo que eu não sei.
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 21:51

ok, compreendo. Nada sei que não seja do conhecimento público. E nem de todo esse "saber" eu comungo.
Imagem de perfil

De Sarin a 16.06.2019 às 11:35

Esta sua resposta é, na essência, parecida com um comentário que deixei há minutos no postal de João André - antes, portanto, de lho ler; e acredite que muito me agrada vê-lo assim confirmar o que supunha.


No entanto, a minha curiosidade sobre a sua fonte para a ocupação de Mayorga mantém-se.
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 14:34

não posso dizer-lhe as fontes, houve imensos textos que referiam as actividades laborais da acusadora. google-se que se encontrará essas descrições
Imagem de perfil

De Sarin a 16.06.2019 às 14:45

Li algumas, mas em nenhuma vi o termo prostituta, apenas eufemismos - e daí a pergunta.
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 15:02

respondi a isso no meu comentário ao postal de João André
Imagem de perfil

De Sarin a 16.06.2019 às 15:09

Li-lho, e supunha no meu comentário com a transcrição ter dito que as minhas dúvidas haviam sido respondidas na totalidade. Explicava apenas o porquê dessa dúvida.
Imagem de perfil

De Sarin a 16.06.2019 às 18:54

E, sendo a deriva já tanta, sempre acrescento que "profissional do sexo" é uma classificação generalista, como o é por exemplo "militar", e abarca prostitutos, actores pornográficos, terapeutas sexuais, vendedores de sex shop, instrutores de kama sutra, desenhadores de artigos sexuais, sexólogos e mais uns quantos profissionais que não recordo ou não conheço.
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 21:52

há o termo "para-militar" (ou será "paramilitar", que com isto do Acordo Ortográfico me desifinezei por quase completo) que serviria como condutor aqui
Imagem de perfil

De Sarin a 16.06.2019 às 21:56

Também pensei no para-militar (será assim?), mas temi que me não lessem o hífen ou o tomassem por hímen, sei lá, e para polémica já chega a da falta de assertividade que para ali vai...
Sem imagem de perfil

De António a 16.06.2019 às 22:20

Ora bem, vamos lá ao contexto que se faz tarde.
O caso CR7 Vs. Kathryn Mayorga apareceu em destaque num pico de denúncias mais ou menos associadas ao movimento #MeToo. Nessa altura era o que estava a dar, e muita gente se pôs em biquinhos dos pés a acenar com o seu “harassment” de estimação. O caso de CR7 polarizou muito – é a maior estrela portuguesa global.
Houve muita hipocrisia à mistura com testemunhos certamente sofridos e verdadeiros.
Houve também acusações insubstanciais, gente que veio lamentar nos media que o actor “x” lhe colocou sorrateiramente a mão no joelho há vinte anos, e os danos psicológicos foram irreparáveis – e é possível, mas é preciso ser-se de porcelana.
Os media comportaram-se dum modo absolutamente tóxico, dando megafone igual a vítimas e oportunistas, sem filtros, quase sem contraditório, sem dúvida porque era o “trend”, e era onde estava o dinheiro dos cliques. Houve gente presa, pouca – Harvey Weinstein, que me lembre - mas houve, sobretudo, muitos linchamentos públicos, carreiras em pausa indeterminada, ou destruídas, sem, na realidade, provas.
O caso CR7 pertence a outra classe, com factos e provas em jogo. A divulgação dos “leaks” feita pelo Der Spiegel foi muito cuidadosa e completa – tanto quanto sei, até hoje CR7 não levantou nenhum processo à revista. Os “football leaks” não tinham directamente a ver com o #MeToo, eu diria que foi mau timing para CR7.
Passemos então para a blogosfera nacional, específicamente para um blogue que eu considero absolutamente tóxico e para uma blogger que eu considero particularmente venenosa num blogue tóxico.
O Blasfémias é um site onde passo de vez em quando para ver o estado da nossa “direita musculada”, raramente me detendo a ler, mais raramente ainda a comentar, e, mais raramente ainda, a ver comentários meus publicados. Por estes dias andam a provar por a+2=bécas que o aquecimento global é uma fraude, não por acaso pela pena prolífica de Cristina Miranda. Outras idéias peregrinas dessa senhora incluem o “facto” de Trump e Bolsonaro não serem de direita, os pobres serem pobres porque são fundamentalmente preguiçosos, e, evidentemente, as mulheres só serem violadas porque deixam. Quem tiver dúvidas vá lá ver, só não digam que vão da minha parte.
O que essa senhora escreveu acerca de Kathryn Mayorga foi tão preconceituoso e reaccionário que eu, parvo, não resisti a comentar. Apresentei-lhe a possibilidade da rapariga ter razão. Fiz notar que as “provas” não eram provas, lá por a rapariga ser nova, bonita, usar saia curta, andar sem sutiã, sorrir, ser casada, trabalhar numa discoteca, em Las Vegas, ter subido à suite, não a tornam necessáriamente numa prostituta aproveitadora e calculista – que até poderá ser, mas não é assim que se prova. Aliás, em nenhuma fonte minimamente credível, ao tempo, a palavra “prostituta” foi mencionada, nem pelo Der Spiegel, nem pelos advogados de CR7.
O “silêncio comprometedor” e o acordo extra-judicial vieram à baila, para desacreditar Mayorga, embora na realidade possam pender para qualquer dos lados. Uma das razões invocadas por Mayorga para o silêncio e o acordo foi o medo de represálias dos fãs de CR7. Paranóia? Não sei, Mónica Seles foi esfaqueada num Open por um fã de Steffi Graf, e CR7 tem milhões de fãs. Presumo que no futebol sejam mais destrambelhados que no ténis, isto a avaliar pelo que vai sucedendo nos estádios (ou em Alcochete), e que é raro nos courts. O receio dela parece-me plausível.
E agora passemos para o DO, para o post do JPT, para a descrição casual de Kathryn Mayorga como prostituta. O que é que essa *weasel-word* altera? Nada. As prostitutas também são passíveis de ser violadas. Mas fiquei curioso – afinal é?
Afinal não sabe. E pronto, a minha curiosidade fica onde estava. Também não sei.

Esclareço o caro JPT que quando lhe fiz a pergunta não havia comentários. O seu post estava com zero comentários. Já reparei que recebeu uns quantos mimos acerca do assunto. Se foi por minha causa, lamento. Só procurava um esclarecimento.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.06.2019 às 23:53

Comentário apagado.
Sem imagem de perfil

De António a 17.06.2019 às 02:26

Quando era bem miúdo desapareceram lá de casa os parcos ouros da família. Podia ter sido eu, a minha mãe, o meu pai, ou uma vizinha que tinha a chave de casa. Os meus pais suspeitaram de mim. Nunca consegui provar a minha inocência. É muito difícil provar que não se fez. Um culpado pode mostrar o produto do roubo, eu só podia apresentar as mãos vazias. E esperar que o culpado fosse apanhado. Não foi.
Por ser criança, não me passou sequer pela cabeça suspeitar dos meus pais. Hoje, adulto, não os poria de parte. Até por razões altruístas, poderia ter sido um deles. O mundo torna-se complexo quando crescemos, a justiça, essa é sempre vital para os inocentes. Para os culpados, nem tanto.
Imagem de perfil

De jpt a 17.06.2019 às 07:12

Lamento essa história
Sem imagem de perfil

De António a 17.06.2019 às 10:08

Deu-me apreço pela justiça, sentir a injustiça logo de pequeno. E mesmo assim de vez em quando sou injusto com os outros. Aprende-se sempre.
Imagem de perfil

De Sarin a 16.06.2019 às 11:27

Subscrito na íntegra.
Imagem de perfil

De Sarin a 16.06.2019 às 15:42

Esta minha minha subscrição era ao comentário do António, pois à data ainda não lera os esclarecimentos que jpt publicou aqui e no postal do João André.

Continua a ser para a generalidade do comentário do António, retirada a rotulagem indevida.

E, não o escrevi pois supus implícito nos meus comentários posteriores, mas: sim, subscrevo a visão explanada nas suas explicações. Na íntegra.
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 21:53

ok, e em assim sendo redobro a expressão da minha gratidão pela referência à sua anuência
Imagem de perfil

De Sarin a 16.06.2019 às 22:00

Pois eu não me dobro e muito menos redobro na concordância - não por esta, que reitero, mas pelo raio do contexto - que nem era o deste postal.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 16.06.2019 às 09:36

Talvez devesse escrever para um jornal de bola, jpt. Por esse linguarejar diria sobrar-lhe jeito. O problema não é escrever barbaridades ( quem delas está inocente?). O problema é, com o tempo, não nos darmos, delas, conta. Revelador.
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 13:41

Sobre a utilização do "prostituta", que desagrada a vários, há este postal de João André e a minha resposta nos comentários - deixo a ligação para não repetir aqui argumentos: https://delitodeopiniao.blogs.sapo.pt/a-morte-do-bloguismo-decente-10876216
Imagem de perfil

De Sarin a 16.06.2019 às 14:12

E porque o meu comentário ao referido postal tarda, deixo a transcrição - acrescentando que a margem de dúvida que consta no original foi totalmente eliminada pela leitura da resposta (segmentada mas única) que o jpt lá deixou.

"Questionei o autor sobre isso, e suponho que a explicação não será tão simples como o João André a expõe - ou talvez seja; mas, apesar da prosa por vezes violenta, nunca lhe li nada semelhante a sexismo e por isso aguardo resposta antes de comentar.Achei e acho cómico terem lido toda a lista de notícias apresentadas (parei à quarta e saltei o parágrafo, enfadada com o teor cofinado e nada desportivo). E não esqueço a experiência recente com os textos de João Miguel Tavares e Sampaio da Nóvoa. Nem olvido que a Mayorga foi atribuída a profissão de chamariz (palavra minha para a aparentemente sem nome profissão de angariadora de clientes em bares), acompanhante e modelo - basicamente, desconheço qual a ocupação que teria. Sobre a acusadora de Neymar não lhe li profissão ou ocupação - desinteresse meu certamente e até que não lhe possa escapar, como não pude escapar a CR7 vs Mayorga.Mas, supondo ambas prostitutas, qual a diferença? Ser profissional do sexo não é carta branca para violação, e serem prostitutas apenas alterará a percepção de culpabilidade nos que entendem a violação como função da vítima e não do agressor. Não me parece que seja o caso de jpt, mas o próprio talvez nos esclareça.

Sarin
16 de Junho 2019, 11:00"



Deixo a transcrição porque o jpt me merece respeito e no comentário não defendo nem ataco nenhum dos autores, antes analiso as leituras e interpretações que fazem dos textos.
E também porque aproveito para dizer que me afasto cada vez mais do DO devido a estas moderações que, em casos muito convenientes de inconveniência para o autor, atrasam a sua publicação e até os eliminam, num interessante gesto de auto-proclamados grandes defensores da liberdade de expressão.
Não ligue, jpt, há dias em que também estou com pouca paciência para o insólito.
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 14:35

Você afinal leu isto? Que patetice. Ou, de outra forma, revelador. Siga.
Imagem de perfil

De Sarin a 16.06.2019 às 15:25

Saiu abaixo do meu comentário, mas suponho não ser para mim.

Se for... leio sempre que posso onde for publicado primeiro.
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 22:13

Não, comentadora Sarin, isto é efeito de um defeito do sistema SAPO no item comentários - não é a primeira vez que o refiro. A resposta ("V. afinal leu isto ...") é para o seu confrade bloguista Vorph - que tem o absoluto desplante de aqui vir-me dar lições de português, baseado num (mau) dicionário, olvidando o sentido metafórico da expressão referida; que tem o desplante de me vir dar lições de compostura; que tem o desplante de me vir aqui chamar grosseiro; que acumula esse desplante com o facto de ir comentar outro postal onde este meu postal é visado dizer, afivelando desprezo, que não leu este postal (depois de o comentar); que tem o desplante de ali renovar comentários sobre este postal (que afirma não ter lido) considerando-me um falsário hipócrita. E que continua, com perfeita inconsciência, a enviar comentários para este postal -. que apaguei, tal como apagarei qualquer futuro comentário a algum postal de tão desagradável personagem -, como todos os dislates lhe fossem permitidos, sabe-se lá porque estatuto ele considera ter. Isto prende-se também com um seu anterior comentário acima (acima colocado), sobre o atraso das publicações dos comentários no DO: há a questão tecnológica, a "edição" (publicação) dos comentários depende dos autores, e por isso pode ser morosa - nós não estamos sempre ligados ao blog (a vida não é um blog). Isso não impolica que não sejamos (no global) defensores da liberdade de opinião (ainda que eu não reclame o estatuto de "campeão" dessa causa, apenas concordo). Mas acima de tudo prende-se com o facto de termos que aceitar os dislates dos comentadores - há blogs (eu escrevi sobre isso no És a Nossa Fé, há bem pouco tempo) onde surgem constantemente anónimos insultuosos e deturpadores, coisa que é bastante desagradável. E que retira o prazer ao blogar. Mas aqui no DO é diferente: ainda que por vezes surjam anónimos abrasivos é fundamentalmente no contexto dos "comentadores residentes" que o acinte brota: o que nem percebo, é um colectivo heterogéneo, sem agenda, donde virá isto? E torna-se-me um pouco difícil, ainda que defenda o tal "direito à liberdade de opinião", aturar este verdadeiro despautério, de pessoas que por terem o hábito de frequentar um blog se permitem liberdades para com os autores que não se permitiriam face-a-face (V. imagina a porrada que eu daria, apesar dos meus quase 55 anos, num pateta de meia-idade, que me aparecesse num café a dar-me lições de compostura e a chamar-me hipócrita e falsário?). Julgo ter-lhe respondido à sua meia-dúvida ...
Imagem de perfil

De Sarin a 16.06.2019 às 23:09

Respondeu, sim.

Mas sobre a moderação, e sobre isso também já respondi ao João André, duas notas: 1. tenho blogues, conheço as várias opções de moderação, sei como a moderação pode atrasar as publicações dos comentários porque há vida fora disto. No entanto, e isso é opção pessoal, faço questão de moderar os comentários que me fazem por ordem de entrada, e no postal do João André inicialmente pensei que este tivesse libertado os seus por ser o visado, depois percebi ter provavelmente activada a opção de publicação para autores que segue. Só depois ponderei poder ser atraso propositado, e isto porque 2. tive comentários apagados aqui no DO e também no Fé. No Fé ainda relativizei, mas aqui? A primeira vez atribuí a engano. Nas segunda e terceira vezes não o pude fazer, tanto mais que os apagaram sem um comentário sobre a sua inconveniência ou inadequação, como é uso fazer-se - e que, espero reconheça, não é nem nunca foi a minha abordagem. Portanto, jpt, lamentavelmente tenho motivos para afirmar o que afirmei e agir como agi.

Quanto ao acinte, também não o percebo, e menos percebo a ausência de um pedido de desculpa ou de uma explicação quando apontadas as falhas. Mas talvez seja eu que desconheço o protocolo - e durmo muito bem assim.
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 23:26

Sobre comentários: não há "más-práticas". Os comentários dos autores do DO não são "editado", entram imediatamente, e os dos comentadores externos esperam pela sua publicação (normalmente realizada pelo autor do postal). Por isso os nossos, dos co-bloguistas, podem surgir antes ainda que escritos posteriormente a alguns dos comentadores (ainda que depois surjam, no postal, por ordem cronológica). E a gente não está sempre ligada ao blog, a publicar comentários recebidos (eu ainda por cima perdi o telemóvel, ainda mais me atraso).

Quanto ao acinte nos comentários dos comentadores habituais: é algo estranho, francamente.
Imagem de perfil

De Sarin a 16.06.2019 às 23:38

Rebobinando: não aludi, nem foi intenção aludir, a más práticas, reconheço aos bloguistas o direito de gerirem os comentários como entenderem. O que não reconheço é idoneidade para apagarem comentários onde contesto opinião sem sequer uma explicação e continuarem a debater comigo noutros postais como se nada tivesse acontecido.
Mas isto são outros quinhentos, que vieram à conversa apenas porque induziram suspeita de intencionalidade neste atraso. Já esclarecida, consigo e com o próprio, e por mim assunto encerrado. Este, que o da Mayorga parece estar para durar.

Por falar nisso,

https://sarin-nemlixivianemlimonada.blogs.sapo.pt/cr7-e-mayorga-43120
Imagem de perfil

De jpt a 17.06.2019 às 00:10

O affaire Mayorga não é meu, referi-o en passant, sem mesmo pensar nisso, e deu nisto tudo ... não tenho mesmo paciência para a minha Pátria Amada, para esta gente.
Imagem de perfil

De Sarin a 17.06.2019 às 00:19

Pois, eu percebi - e nem sequer o tinha lido no seu postal. A sério, jpt, não tinha nada melhor para fazer do que listar aquelas 327 não-notícias do Record?
Não me interprete mal, o postal está óptimo - mas 4 ou 5 não-notícias teriam sido suficientes para caracterizar o coiso, o jornal desportivo. Ou talvez não, sei lá eu!

Não o posso ajudar com isso da paciência, a minha escasseia por volta das 11h da manhã embora aos feriados possa durar mais se não sair à rua nem ligar a televisão.
Imagem de perfil

De jpt a 17.06.2019 às 00:46

Lamento, comentadora Sarin, que tenha considerado o postal fastidioso. Ou, pelo menos, a sua forma. Mas no seu detalhe - eu diria, abusivo, até etnográfico - procurei enfatizar a situação. Pois uma coisa será aludir a um estado outra é demonstrar que a situação se compõe de 19 notícias "socialites" nas primeiras 29. É a atracção pela estatística, o recuo do pensamento indutivo.
Imagem de perfil

De Sarin a 17.06.2019 às 00:56

Não o achei propriamente fastidioso, apenas li o que havia lido em visitas ao Record e julguei perceber o teor - como percebi.

Simplesmente, dado o acima e porque os cabeçalhos a que aludia são os mesmos, ou parecidos aos, que me fazem largar um jornal ou levantar da mesa de café, resolvi atalhar caminho... que depois refiz por mor do postal vizinho.

Não foi crítica ao postal, foi, digamos, admiração pelo método - e não serei das menos metódicas no enunciar de dados.
Imagem de perfil

De Sarin a 17.06.2019 às 00:20

O affaire Mayorga nunca foi meu, o único postal que lhe dediquei foi esse cuja ligação lhe deixei. Espreite, talvez desanuvie.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 16.06.2019 às 16:32

Peço desculpa pelos termos "linguarejar", etc....gosto de o ler, admiro-lhe a sagacidade e a letra. Quanto ao resto, escrevi. E deixei escrito.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.06.2019 às 19:54

Apenas isso me preocupou. O senhor é um nojo (sou eu que o digo).
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 22:15

Anónimo, creia que não discordo completamente de si
Imagem de perfil

De Corvo a 16.06.2019 às 02:00

Prostituta é um bocado forte, convenhamos.
Digamos: uma senhora nas suas actividades extra-curriculares.
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 07:16

em part-time, quer dizer? É possível, não tenho mais informações do que as vindas nos cabeçalhos.
Sem imagem de perfil

De Vento a 15.06.2019 às 22:30

Para mim, tudo que se assemelhe ao esférico enquadra-se bem no tema futebolístico (desde que não seja fake). Terá sido a Barbie a levar a taça? Adoro bonecas. Espero que a FiFA esteja de olho neste marketing, para atrair mais mulheres para o futebol. Só espero que não inventem quotas.
Meu caro jpt, deixo aqui uma ligação para que se mantenha atento ao futebol:
https://www.fifa.com/womensworldcup/
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 07:18

Obrigado. Tenho que lhe confessar que o meu interesse pelo futebol feminino é totamente inexistente.
Imagem de perfil

De Sarin a 16.06.2019 às 02:11

O Record, sendo do grupo Cofina, provavelmente obedece à lógica editorial do Correio da Manhã.


E finalmente leio um homem chamar mamas às mamas! Garanto que é cansativo explicar que aos seios temo-los nos ossos.
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 07:22

Olhe que ele há outros. Mas sim, há muita gente a chamar em público "seios" às ditas mamas. Procuram parecer educados (ainda que em pequenos comités, ditos "privados", falem sempre em mamas, que lhes parece mais coloquial). São exactamente como aqueles que não chamam "prostitutas" às prostitutas, se em público, mas dizem-nas e tratam-nas como putas quando no remanso do privado.
Imagem de perfil

De Sarin a 16.06.2019 às 09:26

Sim, há outros, mas os que me doem são esses.

Esquecendo que prostituta e puta não são bem a mesma coisa, defina o vernáculo o que quiser...
Enfim, todos teremos palavras preferidas para cada contexto social, mas suponho que apenas a hipocrisia lhes adapta o sentido.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 16.06.2019 às 09:47

Dizer em público o que devemos dizer em privado é de uma grande falta de educação. Mas lá está, o boçal confunde sinceridade com grosseria. Very typical, como dizia o outro.
Imagem de perfil

De Sarin a 16.06.2019 às 14:42

Errado, podemos e devemos dizer em público o que pensamos também em privado. As palavras poderão ser menos cuidadas em privado, mas o sentido não poderá nem deverá ser adulterado. Claro que o que dizemos em público poderá ser alvo de responsabilização, mas um indivíduo consciente e bem formado assume responsabilidades pelo que faz em qualquer contexto.
Sem imagem de perfil

De Vento a 16.06.2019 às 13:15

jpt, V. caracteriza bem os e as hipócritas. A nojeira reside na hipocrisia, e querem fazer desta cultura Universal. Ao fazerem distinção entre espaço público e privado nada mais revelam a nojeira privada em públicas "virtudes".
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 22:16

Vento tem muita razão em aludir a isso, muito haverá a falar sobre o assunto. Mas passo, "falta-me o rancor" como naquela velha e brejeira anedota ...
Imagem de perfil

De Sarin a 16.06.2019 às 14:26

Penso que foste tu que, algures, deixaste a completa classificação taxonómica da nossa sub-espécie.

Saberás certamente que somos Mamíferos por termos mamas, não por termos seios. Se foste dado à luz, eu prefiro ter sido parida e bem parida continuo a defender o bom nome das coisas.
Chamarem-lhes seios poderá, até, ser visto como repressão do poder da mulher, além do óbvio pudor - e como ambas as abordagens me chateiam de morte, podes pegar no Priberam e enfiá-lo noutro regaço que não o meu.

Bom domingo.
Sem imagem de perfil

De Anonimus a 16.06.2019 às 19:15

É tão longe daqui a mamas como de mamas aqui.

(com seios não soa tão bem)
Sem imagem de perfil

De Hannibal a 16.06.2019 às 13:28

Se considerarmos o facto de Las Viegas ser a cidade americana com mais prostitutas por metro quadrado, a probabilidade da Mayorga ser - ou ter sido - uma trabalhadora do sexo ("sex worker", como por lá dizem) torna-se altamente provável!
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 14:36

É possível. É assunto dela.
Imagem de perfil

De Sarin a 16.06.2019 às 15:55

E depois de ler a prosa que por aqui e por ali vai, vê-se que o postal saiu do seu objectivo, a ausência de notícias de desporto num jornal desportivo, e caiu em cima do chorume que o jpt tentou evitar... paciência, jpt, e gabo-lha.
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 22:17

é preciso essa paciência (ainda para mais porque o "prostituta" me saiu sem qualquer segundo sentido, ao correr de um postal escrito de rajada numa tarde de sábado imediatamente antes de sair de casa para um ameno convívio. Mas as pessoas têm os seus peculiares, e furibundos, interesses ...)
Perfil Facebook

De Cristina Filipe Nogueira a 16.06.2019 às 17:40

Transcrevo, aqui, a resposta deixada no inenarrável post do João André, que teve como origem este.


De acordo com as notícias que li sobre os dois casos, não em jornais desportivos, que os não leio, mas em jornais ditos de referência, ao falar-se de Mayorga (alegadamente violada por Ronaldo) e de Najilla ( alegadamente violada por Neymar) estamos perante situações distintas.
Najila e Neymar, pelo que decorre das declarações prestadias por ambos, tiveram um relacionamento fugaz, alguns encontros, um “flirt”, o que lhe quiserem chamar.
Najila trabalha como modelo e actriz.

Já Mayorga, esteve com Ronaldo umas horas.
Trabalhava como profissional de alterne, num hotel de luxo em las Vegas e acedeu a ir para o quarto do cliente Ronaldo. Também estes factos decorrem das declarações de ambos.

Ao acompanhar o cliente de alterne ao quarto (independentemente do que depois do que lá se terá passado, nomeadamente se houve violação ou não) , Mayorga deixa de desempenhar as suas funções de alternadeira, para passar a assumir as de prostituta.

Julgo que, não será por o cliente ser o Ronaldo, e o local ser um hotel de luxo, que a actividade desempenhado por Mayorga, a de prostituta, terá outra designação.“
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 22:20

Obrigado
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.06.2019 às 18:11

Ah, és leitor do Record? Então, está tudo esbandalhado.
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 22:20

Só agora é que percebeste?
Sem imagem de perfil

De lello a 16.06.2019 às 18:35

Parabéns pelo texto, de facto assiste-se á morte do jornalismo desportivo e este jornal em particular usa e abusa do mau jornalismo desportismo.
Imagem de perfil

De jpt a 16.06.2019 às 22:21

Obrigado pelo comentário

Comentar post


Pág. 1/2



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D