Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A grande ilusão.

por Luís Menezes Leitão, em 21.06.15

 

António Costa acusa Passos Coelho de criar a ilusão de que o país está melhor. Trata-se de uma ilusão tão grande que até António Costa foi iludido. Afinal não foi ele que há quatro meses foi dizer à comunidade chinesa que Portugal está melhor hoje do que há quatro anos? Mas António Costa não é ilusionista e por isso não faz promessas que não pode cumprir, como a abolição ou redução das portagens na via do Infante. António Costa limitou-se a descobrir a solução para a crise. A solução não está nem "na saída do euro, nem na prossecução da austeridade". Está na "coesão e convergência das economias europeias". Acho que o Syriza fez mais ou menos a mesma promessa, de que iria abolir a austeridade sem sair do euro, apostando na coesão e convergência dos restantes países europeus. Os quais, diga-se de passagem, não lhe têm faltado com o seu apoio nesta fase crítica.

 

Mas António Costa tem todas as garantias para conseguir ter sucesso nas suas promessas eleitorais. Para isso conta com o seu candidato presidencial que já avisou que, se for eleito (longe vá o agoiro), vai exigir que as promessas eleitorais sejam cumpridas. Isto porque, como bem salienta o candidato, "um Presidente da República pode exigir que as promessas sejam cumpridas. Pode exigir e vigiar e se entender que as promessas não estão a ser cumpridas, deve usar todos os meios ao seu dispor para encetar uma renovação política". Ficamos assim a saber que Sampaio de Nóvoa admite demitir o governo e dissolver a assembleia, se chegar à conclusão que as promessas feitas na campanha não estão a ser cumpridas. Se calhar alguém já lhe chamou a atenção de que a assembleia pode nesse caso renovar a confiança no governo, ou o país reeleger novamente o mesmo partido, caso em que ao presidente só resta renunciar ao cargo. Mas isso não preocupa nada o candidato. "Serei um Presidente da República despojado porque não tenho nenhuma carreira política ou outra qualquer pela frente. Não hesitarei nunca em tomar as decisões que eu ache que devem ser tomadas”. Teríamos assim um Presidente cheio de iniciativa. Como o próprio assume: "Todos os dias acordarei a pensar e a mobilizar os portugueses para as grandes causas”.

 

Estes dois precisam rapidamente de um profundo mergulho na realidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)


14 comentários

Sem imagem de perfil

De O grande par de cromos... a 21.06.2015 às 11:51

É certamente por isso que o Messias Costa já começou a distinguir "objectivos" de "promessas", não vá sair de lá com um aspecto ainda mais suado que aquele que o caracteriza, de cada vez que se for encontrar com o presidente dos 75+.
Sem imagem de perfil

De Vento a 21.06.2015 às 13:26

Deixe-me transmitir parcialmente um comentário que acabei de postar para mostrar uma outra visão e também uma outra realidade.

O que está em causa e a julgamento é o actual desgoverno. Sócrates afirmou, e eu parafraseio-o: "Eu sou o líder que a direita gostaria de ter". Esta afirmação foi uma precognição de Sócrates que se vê hoje concretizada.
Quem não soube fugir ao carisma de Sócrates em matéria de política e de governação foram precisamente PSD/CDS. De tal forma assim é, que um dos mentores desta coligação, o Presidente da República, vem reconhecer publicamente condecorando um ministro do governo Sócrates. Significa isto que condecorar o ministro de Sócrates é o mesmo que dizer que o PSD/CDS aceitaram e assumiram as políticas de Sócrates e, mais ainda, assumem também que quem governou Portugal nesta legislatura foi Cavaco Silva, e mal.

Portanto, Costa é um homem de tácticas e tem gerido o silêncio em torno da Grécia porque deseja encontrar parceiros por esta Europa, incluindo os socialistas ou sociais democratas alemães, que o ajudem a concretizar as reformas europeias que PSD/CDS não desejam.
De tal forma não desejam que já vimos Passos sair a público a gritar pela expulsão da Grécia da zona euro.
Este grito, associado ao grito do PR na visita à Bulgária, só nos indica que ambos estão conscientes que perderam e que sua voz na Europa não só não passou de um som ao serviço dos alemães, e quando refiro ao serviço dos alemães refiro-me aos interesses das entidades financeiras alemãs representadas por Schauble, como também que eles já se deram conta que foram usados e que a situação da Grécia é resolvida não pelo Eurogrupo mas por quem domina e governa esta instituição.

Concluindo, desviar as atenções desta verdade e atirá-la para cima do PS de Costa é enviesar a realidade apocalíptica a que nos conduziu PSD/CDS pelas mãos do PR.
Sem imagem de perfil

De Concluindo a 21.06.2015 às 16:44

Avençados nem aos Domingos folgam.
Sem imagem de perfil

De Vento a 21.06.2015 às 18:28

Tu o dizes, fofinho.
Sem imagem de perfil

De Nem mais a 21.06.2015 às 23:35

Mas para os dois lados, não se deu conta disso?
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 21.06.2015 às 22:25

Ena Vento desta vez excedeste-te, até poderias ter dito ao mesmo nível de delírio que António Costa quer que o PSD/CDS ganhem as eleições.
Sem imagem de perfil

De Vento a 22.06.2015 às 15:25

Permita-me, Luís, continuar a justificar com grandes obras e serviços à pátria a avença que recebo.

Depois de ter pedido a expulsão da Grécia da zona Euro, o nosso primeiro de não sei quê vem agora dizer isto:
http://visao.sapo.pt/cimeira-iberica-passos-espera-solucao-que-funcione-para-a-grecia-e-toda-a-zona-euro=f823450

Tão, tão, tão doce que ele anda agora. Será que foi o nosso PR a instruí-lo? Este último também deu um tiro no pé lá pela Bulgária.

Mas vejam bem até onde vai esta doçura:
http://visao.sapo.pt/grecia-presidente-do-eurogrupo-diz-que-pode-haver-acordo-no-fim-desta-semana=f823451

A história grega fala-nos de um cavalito que acabou por arrumar todo o impasse. Este cavalito, hoje, leva por nome Turkish stream que representa um investimento numa primeira fase de 2 mil milhões (os gregos são melhores que Passos e Portas a captar investimento estrangeiro). Mas este cavalinho também tem em seu ventre outras armas e guerreiros valentes para colocar em batalha no momento certo.

Muito obrigado. Vou agora emitir online o recibo, pois quero que a nação beneficie do meu esforço.
Sem imagem de perfil

De Avençados RUA!!! a 22.06.2015 às 20:35

Vais mas é receber a avença dos avençados como tu...
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 21.06.2015 às 14:48

Por uma vez concordo com o Sampaio da Nóvoa.
Claro que eu sei que como bom Marxista o que ele diz é ao nível da igualdade em que há uns mais iguais que outros.

Sampaio da Nóvoa só quer um pretexto para demitir com quem não concorda.

Tivesse o Costa, o Bloco, ou o PCP mentido nas promessas a ver se os demitia.

É como a Constituição, é só cumprida para alguns.
Sem imagem de perfil

De O João Pinto é que sabia a 21.06.2015 às 23:37

O João Pinto é que sabia: «Prognósticos só depois do jogo».
Imagem de perfil

De cristof a 21.06.2015 às 15:48

A percepção das coisas por vezes tem importancia; mesmo que a realidade até seja outra. Como eleitor percebo que o d.sabastiao Costa, é simpatico mas um aldrabão igual aos que nos têm governado e levado a tres bancarrotas (presumo pelas sondagens que há por aí mais enganados como eu).
Percebo que há uma constelação de "iluminados" com ideias luminosas que se fossem eficientes até poderiam levar muitos eleitores a apostar em novas politicas, mas que não passam a prova de apresentar um programa coerente, sustentavel e que nem com os das "famílias" próximas conseguem juntar esforços; presumo que mais eleitores há por aí como eu.
Será que somos um país de iluminados ou de doentes de umbigopatia? A minha percepção é que somos um pais de liricos, culpa cultural ou genética é que não consigo escolher.
Sem imagem de perfil

De Já tarda (i) a 21.06.2015 às 17:11

Já tarda que leia a CdR ou sofrerá de iliteracia?

PARTE III
TÍTULO II
Presidente da República
CAPÍTULO II
Competência
Artigo 133.º
(Competência quanto a outros órgãos)
Compete ao Presidente da República, relativamente a outros órgãos:
a) Presidir ao Conselho de Estado;
b) Marcar, de harmonia com a lei eleitoral, o dia das eleições do Presidente da
República, dos Deputados à Assembleia da República, dos Deputados ao Parlamento Europeu e dos deputados às Assembleias Legislativas das regiões autónomas;
c) Convocar extraordinariamente a Assembleia da República;
d) Dirigir mensagens à Assembleia da República e às Assembleias Legislativas das
regiões autónomas;
e) Dissolver a Assembleia da República, observado o disposto no artigo 172.º, ouvidos os partidos nela representados e o Conselho de Estado;
f) Nomear o Primeiro-Ministro, nos termos do n.º 1 do artigo 187.º;
g) Demitir o Governo, nos termos do n.º 2 do artigo 195.º, e exonerar o PrimeiroMinistro, nos termos do n.º 4 do artigo 186.º;
h) Nomear e exonerar os membros do Governo, sob proposta do Primeiro-Ministro;
i) Presidir ao Conselho de Ministros, quando o Primeiro-Ministro lho solicitar;
j) Dissolver as Assembleias Legislativas das regiões autónomas, ouvidos o Conselho de Estado e os partidos nelas representados, observado o disposto no artigo 172.º, com as necessárias adaptações;
l) Nomear e exonerar, ouvido o Governo, os Representantes da República para as regiões autónomas;
m) Nomear e exonerar, sob proposta do Governo, o presidente do Tribunal de Contas e o Procurador-Geral da República;
n) Nomear cinco membros do Conselho de Estado e dois vogais do Conselho Superiorda Magistratura;
o) Presidir ao Conselho Superior de Defesa Nacional;
p) Nomear e exonerar, sob proposta do Governo, o Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, o Vice-Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, quando exista, e os Chefes de Estado-Maior dos três ramos das Forças Armadas, ouvido, nestes dois últimos casos, o Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas.
Artigo 134.º
(Competência para prática de actos próprios)
Compete ao Presidente da República, na prática de actos próprios:
a) Exercer as funções de Comandante Supremo das Forças Armadas;
b) Promulgar e mandar publicar as leis, os decretos-leis e os decretos regulamentares, assinar as resoluções da Assembleia da República que aprovem acordos internacionais e os restantes decretos do Governo;
c) Submeter a referendo questões de relevante interesse nacional, nos termos do artigo 115.º, e as referidas no n.º 2 do artigo 232.º e no n.º 3 do artigo 256.º;
d) Declarar o estado de sítio ou o estado de emergência, observado o disposto nos artigos 19.º e 138.º;
e) Pronunciar-se sobre todas as emergências graves para a vida da República;
f) Indultar e comutar penas, ouvido o Governo;
g) Requerer ao Tribunal Constitucional a apreciação preventiva da constitucionalidade de normas constantes de leis, decretos-leis e convenções internacionais;
h) Requerer ao Tribunal Constitucional a declaração de inconstitucionalidade de
normas jurídicas, bem como a verificação de inconstitucionalidade por omissão;
i) Conferir condecorações, nos termos da lei, e exercer a função de grão-mestre das ordens honoríficas portuguesas.
Artigo 135.º
(Competência nas relações internacionais)
Compete ao Presidente da República, nas relações internacionais:
a) Nomear os embaixadores e os enviados extraordinários, sob proposta do Governo, e acreditar os representantes diplomáticos estrangeiros;
b) Ratificar os tratados internacionais, depois de devidamente aprovados;
c) Declarar a guerra em caso de agressão efectiva ou iminente e fazer a paz, sob proposta do Governo, ouvido o Conselho de Estado e mediante autorização da Assembleia da República, ou, quando esta não estiver reunida nem for possível a sua reunião imediata, da sua Comissão Permanente.

Sem imagem de perfil

De Já tarda (ii) a 21.06.2015 às 17:12

Artigo 172.º
(Dissolução)
1. A Assembleia da República não pode ser dissolvida nos seis meses posteriores à sua eleição, no último semestre do mandato do Presidente da República ou durante a vigência do estado de sítio ou do estado de emergência.
2. A inobservância do disposto no número anterior determina a inexistência jurídica do decreto de dissolução.
3. A dissolução da Assembleia não prejudica a subsistência do mandato dos Deputados, nem da competência da Comissão Permanente, até à primeira reunião da Assembleia após as subsequentes eleições.

(...)

Artigo 186.º
(Início e cessação de funções)
4. Em caso de demissão do Governo, o Primeiro-Ministro do Governo cessante é exonerado na data da nomeação e posse do novo Primeiro-Ministro.

(...)

Artigo 195.º
(Demissão do Governo)
2. O Presidente da República só pode demitir o Governo quando tal se torne necessário para assegurar o regular funcionamento das instituições democráticas, ouvido o Conselho de Estado.



IRRA!
Sem imagem de perfil

De Marquês Barão a 21.06.2015 às 17:16

Antes de despacharem santa Apolónia um balde de plástico para quem prometer um nabiçal no terreiro do paço, um condomínio de luxo na estufa fria e um terminal de camionagem no museu dos coches. E ainda ratoeiras no largo do rato, um santuário na s. caetano e uma feira de loiça no largo do caldas. Podem começar por uma levada na rua da horta seca.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D