Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A golpada

por Pedro Correia, em 21.04.18

«As luvas alegadamente pagas a José Sócrates, Bava, Granadeiro, Bataglia e mesmo Ricardo Salgado foram financiadas por veículos financeiros que usaram dinheiro dos clientes que compraram papel comercial do BES ou do Banque Privée em esquemas semelhantes aos que destruíram as poupanças de tantos.»

 

Da série de grandes reportagens da SIC que nos tem conduzido aos meandros do maior escândalo político e financeiro da democracia portuguesa.


7 comentários

Sem imagem de perfil

De rão arques a 21.04.2018 às 22:17

Passos do andar de Massamá meteu-se com os DDT das quintas das marinhas e fizeram-lhe a folha.
Se tem acedido a injetar dinheiro nosso nas salsicharias Salgados talvez a quadrilha de moinantes que se fartaram de mamar ainda se movimentasse à solta no labirinto dos cantos sombrios.
Pagou cara fatura, desde a vingança dos nobres até à ingratidão dos pobres.
Imagem de perfil

De Sarin a 22.04.2018 às 09:35

Mas acredita mesmo que a massa de que é feito Passos é pura e impoluta?

Um governante nascido e criado no universo das Jotas que entre ser deputado e deputado foi consultor de empresas financiadas para fazerem nada e sobre cuja profissão apenas descobriu as obrigações fiscais quando surgiram nos jornais?
"Não foi o único", poderá dizer, "nem foi tão grave".

Não, aparentemente não foi tão grave, e não, nitidamente não foi o único.
Mas esperava que todas estas notícias, entre suspeitas e certezas, todas estas consequências que ainda mal sofremos, que todas estas ignobilidades levassem os meus concidadãos a exigirem muito mais daqueles que nos representam.
Afinal, servem apenas para enaltecer os prevaricadores de terceira linha.

Um drama, nada aprendermos.
Sem imagem de perfil

De FatimaMP a 22.04.2018 às 18:53

"Mas acredita mesmo que a massa de que é feito Passos é pura e impoluta?"

Penso que ninguém é "puro e impoluto", eu, pelo menos, não espero isso de ninguém. Somos humanos, a "massa" de que somos feitos teve (tem) a mesma origem. Mas que há diferenças abissais entre os níveis de libertinagem moral e ética, e outros, que nos caracterizam como humanos, parece-me indiscutível. E sim, há níveis intoleráveis, sórdidos, tóxicos, perigosos demais. E são tantos os exemplos por esse mundo fora, que só não vê quem não quer.
Realmente, mas é só a minha opinião, não me parece que Passos seja um desses.
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 22.04.2018 às 19:18

Tem razão, não é sério comparar a gestão do Sócrates com a gestão do Passos, nem a relação de ambos com a honestidade.
Imagem de perfil

De Sarin a 23.04.2018 às 11:51

Não é séria qualquer comparação que sirva para avaliar o menos mau.

As avaliações resultam mais claras e mais saudáveis quando comparamos os nossos governantes e as suas acções com as qualidades que lhes exigimos, e só depois com as políticas que deles esperamos.
O problema é que exigimos pouco.
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 23.04.2018 às 14:40

Sim, também penso que devemos ser exigentes, muito exigentes, para com os nossos governantes, a todos os níveis, desde os autarcas, até aos ministros, sem esquecer aqueles que dirigem instituições que prestam serviços públicos financiados com os nossos impostos
O que me custa é que estas coisas venham à baila quando censuramos políticos desonestos, mais parecendo uma forma de reduzir a culpa dessa gente corrupta. Acho desprezível aquela ideia de que "rouba mas faz" ou "são todos iguais".
Também lamento que, em termos de seriedade, se exija tão pouco aos nossos eleitos, como, escandalosamente, aconteceu em Oeiras.
Imagem de perfil

De Sarin a 23.04.2018 às 15:44

Caro Tiro ao Alvo, plenamente de acordo!

Só que Passos não foi chamado para desculpar Sócrates, mas a inversa: usaram Sócrates para enaltecer e lamentar Passos.

Os nossos dirigentes deveriam valer por si mesmos e não pelo resultado de comparações.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D