Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A família inventada

por Ana Lima, em 25.03.14

 

Quantas de nós, ao longo da vida, não ouvimos já perguntas do género: "Então, quando é que te casas?" Ou a variante: "Então quando é que te casas novamente?" E a questão eterna: "Então quando é que resolves ter um bebé?"

Apesar de as expectativas acerca do papel da mulher na sociedade terem vindo a sofrer alterações ao longo do tempo, ainda se assume, com frequência, que a realização plena das aspirações femininas se prende com a vida familiar estável à volta de um casamento "feliz" e dos filhos que dele resultarem.

Cansada de ouvir as tais perguntas, a artista Suzanne Heintz resolveu brincar com o assunto e criar, artificialmente, uma família que responda ao estereótipo da mulher feliz americana. Para tal, comprou dois manequins que interpretam, nas fotografias encenadas, o marido e a filha “perfeitos”.

O projecto "Life once removed" (que podem acompanhar aqui) inclui fotografias do quotidiano, dos momentos festivos, de férias familiares.

Pelo humor que demonstra e pelo seu significado parece-me um trabalho muito interessante. Claro que uma interpretação mais psicanalítica da obra poderá dar-lhe uma outra perspectiva. Mas fico-me apenas pela ideia e pela sua concretização que, só por si, já têm uma grande força.


4 comentários

Sem imagem de perfil

De fruiar a 25.03.2014 às 16:00

UMA ATITUDE DE JUSTIÇA E UMA ADAPTAÇÃO VÁLIDA: o Direito à Monoparentalidade em Sociedades Tradicionalmente Monogâmicas
.
.

É errado estar a dizer «a Europa precisa de crianças, não de homossexuais»... isto é, ou seja... a Europa precisa de pessoas (homossexuais e heterossexuais) com disponibilidade para criar crianças!
É UMA MUDANÇA ESTRUTURAL HISTÓRICA DA SOCIEDADE: os homens poderão vir a ter filhos... sem repressão dos Direitos das mulheres; leia-se: o acesso a barrigas de aluguer.
.
Obs: Quando se fala em Direitos das crianças... há que ver o seguinte: muitas crianças (de boa saúde) hão-de querer ter a oportunidade de vir a ser pais... oportunidade essa que lhes é negada pela 'via normal'.
.
.
.
P.S.
Existem muitos homens sem filhos ['por isto ou por aquilo' não agradam ás mulheres; adiante] que devidamente motivados/acompanhados... poderiam ser óptimos pais solteiros!!!
A ausência de tal motivação/acompanhamento não só é uma MÁ GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS da sociedade... como também, um INJUSTIÇA HISTÓRICA que está grassando nas Sociedades Tradicionalmente Monogâmicas.
[ ver blog http://tabusexo.blogspot.com/ ]
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 25.03.2014 às 16:08

as expectativas acerca do papel da mulher na sociedade

que a realização plena das aspirações femininas se prende com a vida familiar estável à volta de um casamento "feliz" e dos filhos que dele resultarem

São coisas diferentes. As aspirações de cada mulher são distintas, e muitas mulheres não aspiram a vida familiar nem a filhos. Já quanto ao papel das mulheres (em geral) na sociedade, parece-me indubitável que esse papel é, de forma crucial, a reprodução.
Sem imagem de perfil

De Carlos Duarte a 25.03.2014 às 17:14

Cara Ana Lima,

Muito interessante o projecto e mais interessante por ser capturado num meio estático (fotografia). A verdade é que a grande maioria das fotografias são encenações (olh'ó passarinho!), à volta das quais construímos uma narrativa ou moldamos as nossas memórias. O ideal da família feliz - especialmente para quem tem uma "das normais" - não passa disso, de um ideal. As fotografias raramente mostram o resto (as noites mal-dormidas, as birras, as preocupações) e cria-se, à custa disso, um ideal (demasiado) desfasado da realidade.

Portanto, o uso do manequim como substituto de um ser humano real acaba por representar isso mesmo - uma substituição que, na maioria dos casos, representa a realidade por completo. Uma fotografia - ou uma simplificação por via do estereótipo - é isso mesmo: a redução da complexidade humana a um momento, a uma impressão. E nessa redução, tanto vale carne e osso ou plásticos moldados.
Sem imagem de perfil

De xico a 25.03.2014 às 17:48

Sou homem. A realização das aspirações de grande parte dos homens que conheço prende-se com a vida familiar estável à volta de um casamento feliz e dos filhos que dele resultarem. O trabalho e a carreira é uma seca que é preciso aguentar para sustentar a família, coisa impossível sem a contribuição da mulher, que tinha sido dispensada no meio burguês. (no campo sempre assim foi ao longo de séculos. O homem e a mulher sempre trabalharam em equipe para o sustento do núcleo familiar). Julgar que a mulher é uma vítima deste estereótipo é coisa que me escapa da compreensão. Sempre vi o trabalho e a carreira como um meio para atingir um fim: A estabilidade, o bem estar e o prazer da vida em família.
Que haja outras aspirações, tudo bem. Mas não digam que estas eram ou são atribuídas, unicamente às mulheres.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D