Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A Europa rendida ao medo (5)

por Pedro Correia, em 30.01.15

4bd2ad7d4026a943c0fbb157c310[1].jpg

 

Uma instalação artística "blasfema" foi removida de uma exposição nos arredores de Paris por receio de causar protestos violentos. Esta instalação, da franco-argelina Zoulikha Bouabdellah, exibia sapatos de salto alto sobre tapetes de oração islâmica.

Autoria e outros dados (tags, etc)


16 comentários

Sem imagem de perfil

De campus a 30.01.2015 às 12:03

O que esperava de uma velha Europa completamente laica ? Não se pode ser todos os dias charlie. A nossa religião é o materialismo, conforto e alguma segurança.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 30.01.2015 às 14:01

Não tem nada que ver com Laicismo, tem que ver com o Marxismo e os seus derivados. O òdio à Civilização Ocidental nascida do Marxismo.
Sem imagem de perfil

De campus a 30.01.2015 às 14:45

Laicismo e marxismo são faces da mesma moeda
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 01.02.2015 às 00:56

Quando se fundem transformam-se em laxismo.
Sem imagem de perfil

De Onde Já Vamos a 30.01.2015 às 13:32

E, se bem vejo, os sapatos não estão SOBRE os tapetes, mas sim nuns orifícios dos tapetes... E, se bem leio, a obra é da autoria de uma franco-argelina.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 30.01.2015 às 14:13

Os orifícios constituirão provavelmente circunstância agravante, não atenuante, da putativa blasfémia.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 30.01.2015 às 16:01

Nem todos os franceses de origem argelina são muçulmanos. Não se deve confundir a origem racial de uma pessoa com a sua religião.
Sem imagem de perfil

De Relações Públicas do ISIS a 30.01.2015 às 18:33

Sr. Lavoura entre rapidamente em contacto connosco. Allahu Akbar
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 30.01.2015 às 14:40

Independentemente da decisão sobre a retirada desta "obra" de uma exposição supostamente artística, eu diria que ela nem deveria estar lá exposta em primeiro lugar... oscila entre o mau gosto, a inanidade e a estupidez.
Seria como fazer uma "obra de arte", sei lá, em que se pusesse um Cristo pregado na cruz pendurado por uma corda com um laço corrediço ao pescoço, a fingir enforcamento. Seria estúpido, sem sentido e de mau gosto.
Sem imagem de perfil

De Centro de Recrutamento do ISIS a 30.01.2015 às 18:35

Sr. Lavoura aguardamos que entre em contacto connosco. Allahu Akbar
Imagem de perfil

De Ssssstress a 30.01.2015 às 15:23

"De repente" toda e qualquer imagem e/ou conversa aludindo ao mundo árabe/muçulmano é considerada um atentado ao Corão, ao Profeta, aos muçulmanos!
A sério...?
Cumprimentos.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 30.01.2015 às 18:03

E quem não vergar a mola leva chumbo.
Sem imagem de perfil

De joão a 30.01.2015 às 19:23

O sr. Lavoura sabe muito bem que qualquer instalação artística de merda que verse o catolicismo é recebida com júbilo. Trata-se sempre de arte, de polémica saudável, de irreverência, de intervenção cívica e seja lá o que for. O engraçado é que os merdas artísticos que projectam tais maravilhas nunca se metem com a religião da paz, ~vá-se lá saber porquê.
Sem imagem de perfil

De campus a 31.01.2015 às 16:24

Gosto.
Sem imagem de perfil

De Apapumbas a 02.02.2015 às 21:11

Curiosamente, qualquer instalação artística que verse o catolicismo é sempre uma instalação artística de merda. Quanto à instalação artística do post, não sei se é de merda ou não. Acho apenas que não deve ser proibida. Nenhuma opinião ou expressão artística deve ser proibida - seja ela de merda ou não. A liberdade não é só para o Leonardo da Vinci. Também é para quem tem opiniões ou expressões artísticas de merda.
Finalmente, além de termos a liberdade de dizer o que queremos, também temos a liberdade de não dizer o que não queremos. Quem quer meter-se com o catolicismo, mete-se. Quem não quer, não se mete. E quem quer meter-se com o catolicismo não fica obrigado a meter-se também com o islamismo, o judaísmo, o zoroastrismo ou a cientologia. E vice-versa.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 23.02.2015 às 18:02

«Termos a liberdade não dizermos o que não queremos»? O seu conceito de liberdade é, no mínimo, muito original. Quase me parece sinónimo de censura. Vou até grafá-lo como merece: com as respectivas aspas. Fica assim: «liberdade».
Lindo, não?

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D