Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A escola da minha terra

por Paulo Sousa, em 22.01.20

Como disse ontem, frequentei a Escola Secundária de Porto de Mós, aquela que continua cheia de amianto.

O autocarro deixava-me à porta da escola mais de uma hora antes das aulas. Depois disso ia fazer uma segunda volta para a serra a recolher mais alunos. A escola ainda estava fechada e os cafés mais perto da escola ficavam logo cheios. Haviam os grupos que se juntavam atrás do pavilhão 3 ou 4 e haviam os grupos que se juntavam no café A ou B. Eram como uma extensão do espaço escolar. No meu grupo do café todos fumavam menos eu. Confesso que tentei repetidamente travar sem tossir mas apesar de muito empenho nunca consegui. Felizmente era um grupo de mente aberta e apesar de fazerem piadas sobre isso nunca me excluíram por não fumar.

O Instituto Educativo do Juncal (IEJ) foi inaugurado pouco depois disto e desde há mais de 30 anos, foram muitas as centenas de alunos que deixaram de ter de acordar de noite para ir à escola.

Desde o primeiro momento o IEJ conseguiu, e graças à liderança do seu fundador Dr. João Martins, ter um ambiente caloroso onde se aprendia quase em família. Já se sabe que são os clientes satisfeitos que fazem a melhor publicidade e, ano após ano, a procura aumentava. O quadro pedagógico era estável e sintonizado com a identidade da escola.

Muito antes do Ministério de Educação inventar as AEC's para o primeiro ciclo já o IEJ proporcionava aos seus alunos actividades extra-curriculares como o Basquetebol, Futsal, Voleibol, Ténis, Ténis de Mesa, Ginástica, Atletismo, Xadrez, Ciências Experimentais, Pintura, Laboratório de Matemática, Jornalismo, Teatro, Cinema, Culinária (havia alunos que aprendiam a cozinhar!!), Canto Coral, Banda, Italiano, Programação, Horta Pedagógica, entre outros que me estarei a esquecer.

Quando começaram a ser comparadas as classificações dos alunos das várias escolas, o IEJ obteve desde logo uma boa classificação. Ano após ano, os critérios foram sendo afinados de acordo com a sensibilidade do Ministério de Educação, e a boa classificação inicial acabou por não se conseguir manter.

Claro que a procura crescente de alunos fazia concorrência à Escola Secundária do amianto. Os país dos alunos sabiam que as aulas dos seus filhos não eram perturbadas pelas frequentes greves dos professores. O alivio dos pais era simétrico ao desapontamento sentido pela Fenprof.

Alguns anos mais tarde houve quem quisesse comparar os custos por aluno nestas escolas com as demais e os resultados que obteve foram novamente perturbadores para a Fenprof e para os defensores do status quo público. E não é que este tipo de ensino tinha o atrevimento de custar menos ao OE do que a chamada escola pública?

Não sei relatar em detalhe, mas algum tempo mais tarde foram feitas mudanças nas carreiras dos professores de modo a que em pouco tempo o corpo docente passou a ser como os da escola pública, ou seja, mudava com frequência e isso criou, como acontece em todo o lado, instabilidade na escola.

No governo da Troika, ainda antes da Geringonça, o valor assumido pelo estado por cada aluno baixou significativamente o que teve impacto imediato no dia a dia da escola. Era mais fácil cortar ali do que na escola pública.

A narrativa contra os directores que iam de Porche para a escola foi lançada já no tempo da Geringonça, e bem sabemos qual é a última palavra dos Lusíadas. Nessa altura o incómodo acumulado desencadeou o pogrom.

Se em algumas regiões as escolas em contrato de associação eram demasiadas, todas levaram por tabela. Não eram necessários quaisquer estudos pois a decisão já estava tomada. E o resto já sabemos. Ano após ano deixaram de entrar novas turmas, foram acabados apenas os ciclos em curso e algumas já fecharam.

Não fosse ter-se transformado numa escola profissional e o IEJ teria seguido o mesmo caminho.

O meu filho foi aluno do IEJ e agora anda na escola pública. Nos primeiros dias após a mudança chegou a casa espantado dizendo que em cada pavilhão havia 3 funcionários... e na secretaria havia mais de 10!! Isso era impensável no IEJ, onde tudo funcionava com muito menos gente. Lembrei-me novamente disso quando já este ano lectivo ano houve uma greve a denunciar a falta de pessoal não docente.

Se o bom senso fosse para aqui chamado tudo isto seria diferente.


11 comentários

Sem imagem de perfil

De Manuel a 22.01.2020 às 22:45

" Haviam os grupos ..." !!!!!!!!!!!
Imagem de perfil

De Paulo Sousa a 23.01.2020 às 08:43

Terceira pessoa do plural. Haverá outra forma de escrever mas na escola onde andei esta era a forma correcta. Talvez o abundante amianto tenha tido influência nisso.
Sem imagem de perfil

De jo a 23.01.2020 às 09:57

"Não sei relatar em detalhe, mas algum tempo mais tarde foram feitas mudanças nas carreiras dos professores de modo a que em pouco tempo o corpo docente passou a ser como os da escola pública, ou seja, mudava com frequência e isso criou, como acontece em todo o lado, instabilidade na escola."

Mudavam com frequência porque eram miseravelmente pagos. Pagas amendoins, recebes macacos.

"O meu filho foi aluno do IEJ e agora anda na escola pública. Nos primeiros dias após a mudança chegou a casa espantado dizendo que em cada pavilhão havia 3 funcionários... e na secretaria havia mais de 10!"

Tem que avisar o Ministério ou a Câmara. O normal é não haver sequer 1 funcionário por pavilhão.

"No governo da Troika, ainda antes da Geringonça, o valor assumido pelo estado por cada aluno baixou significativamente o que teve impacto imediato no dia a dia da escola. Era mais fácil cortar ali do que na escola pública."

Alguma vez lhe passou pela cabeça porque é que a escola pública está degradada, não substituiu os amiantos tem falta de professores e funcionários? Dou-lhe uma pista, tem a ver com cortes mais fáceis de fazer do que num contrato. As famosas contas, foram feitas uma vez, antes dos cortes e com uma metodologia muito duvidosa.
Imagem de perfil

De Paulo Sousa a 23.01.2020 às 20:52

Talvez esteja a observar o fenómeno com demasiada proximidade. À distância o que se vê é diferente. Quando os ordenados dos professores são congelados as suas expectativas são abaladas e isso é lamentável. Quando se ataca uma escola não pública ao ponto de a conseguir encerrar há sempre quem fique desempregado. Claro que essas pessoas não fazem parte dos patrícios do regime e isso não gera indignação. O meu congelamento é um caso gravíssimo, o despedimento de centenas é uma estatística.
O menor custo por aluno e o serviço superior das escolas com contrato de associação foi sempre um facto difícil de lidar pela situação. Mas isso já está resolvido.
Só falta pagar o alargamento da Escola de Porto de Mós, mas o país é rico e os serviços públicos estão excedentários financeiramente. Tá-se bem.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 23.01.2020 às 12:08

Cá em Lisboa também há escolas privadas muito boas onde eu gostaria de poder inscrever os meus filhos. Infelizmente, porém, o Estado não me paga essas escolas, tal como não paga aos pais do IEJ em Porto de Mós. É justo. Ou se paga a todos, ou não se paga a ninguém.
Imagem de perfil

De Paulo Sousa a 23.01.2020 às 21:03

Aqui na província, como os lisboetas tratam todo o país para lá da ponte 25 de Abril e do Ralis, o custo de vida é bem menor. Veja lá que o IEJ tem agora ensino básico bilingue com uma alargada parafernália de actividades e horário igualmente alargado por pouco mais que o valor de uma creche. Não há vida como a do campo.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 24.01.2020 às 09:23

Não há vida como a do campo.

Tendo a concordar, mas tem uma grande desvantagem: tem que se andar sempre de carro. A pé quase não se chega a lado nenhum.
Imagem de perfil

De Paulo Sousa a 24.01.2020 às 10:39

As grandes viagens começam com um pequeno passo
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 23.01.2020 às 12:11

em cada pavilhão havia 3 funcionários... e na secretaria havia mais de 10

Nas escolas públicas onde os meus filhos andaram, em Lisboa, nunca notei que houvesse grande excesso de funcionários.
Acredito que em concelhos do interior deprimido as Câmaras Municipais atafulhem funcionários na escola como forma de lhes dar emprego.
Imagem de perfil

De Paulo Sousa a 23.01.2020 às 21:04

Deprimido fico eu quando vejo os lisboetas a tratarem toda a província por interior deprimido.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.01.2020 às 12:48

E mais eu!

Muito bom.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D