Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A chuva e o bom tempo

por Pedro Correia, em 25.01.20

caricamento-temporaneo-per-contributo-ceo1xu7yhp-5

 

Lembram-se do "risco de seca severa e extrema" que ainda há pouco nos gritavam ao domicílio de telediário em telediário? Lembram-se dos desesperados alertas para as "barragens em mínimos históricos de água", entre outras mensagens de igual teor apocalíptico?

Foi há pouco tempo. Trombeteado pelos mesmos órgãos de informação que agora lançam uivos de advertência contra o "mau tempo". E o que é afinal o "mau tempo"? Simplesmente a boa e velha chuva invernal, acompanhada do inevitável e velho frio e por vezes da pura, alva e velha neve. Tudo próprio da estação. A mesma chuva pela qual as tais trombetas do Apocalipse imploravam para encher barragens e pôr fim à seca.

Um final feliz é uma chatice quando se desespera por cliques em tempo de escassez. Não de chuva, mas de leitores e audiência.


10 comentários

Sem imagem de perfil

De jo a 25.01.2020 às 12:15

Tem de se informar melhor. Choveu pouco no sul e parte do país ainda está em seca.

As únicas fontes para as notícias não podem ser as suas costas. Se estão secas é bom tempo, se estão molhadas não há seca.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 25.01.2020 às 12:52

Deve estar uma seca aí onde você vive. Já falta pouco para medrarem camelos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.01.2020 às 13:27

Premeditada, e contínua, infantilização "do pagode" - do urbano, bem entendido.


JSP
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 25.01.2020 às 14:03

Um absurdo, primeiro implorar por chuva e depois, quando ela vem, chamar-lhe "mau tempo". No Inverno, com frio e às vezes neve, não pode haver nada tão banal.
O mais absurdo é que alguns destes responsáveis editoriais nem se apercebem da contradição. Outros até percebem, mas apostam no alarmismo para prender audiências a reboque do medo. Há sempre motivo para alarme. Ou porque chove ou porque não chove, ou porque está calor ou porque está frio.
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 25.01.2020 às 17:24

"(...) apostam no alarmismo para prender audiências a reboque do medo. Há sempre motivo para alarme. Ou porque chove ou porque não chove, ou porque está calor ou porque está frio".
Inteiramente de acordo consigo: está montada uma máquina para manter o povo sempre assustado, ora porque estamos em seca, ora porque chove demais; ora porque está muito frio, ora porque está muito calor, etc.. E cada vez são mais os agentes do Estado que aparecem a pregar essas desgraças.
No passado eram somente os técnicos meteorologistas (poucos), agora para além desses, são imensos os técnicos da Protecção Civil e, por vezes, dos Bombeiros Sapadores, que vêm com ameaças, quase diariamente, a mostrar a cor dos muitos alertas, ora vermelhos, ora amarelos. Há alguns dias andaram a ameaçar com ventos fortes - rajadas com velocidade superior a 100 K/h - que aconteceriam simultaneamente com a possibilidade de geada nas terras abrigadas, coisa nunca vista quando o vento é forte.
E não me parece que esta máquina de propaganda esteja para abrandar o ritmo, antes pelo contrário.

Imagem de perfil

De Pedro Correia a 25.01.2020 às 17:50

Um caudal enorme de gente vive à pala do alarmismo para puxar audiências mediáticas. Não sei se rende milhões, mas rende audiências e muitos cliques na internet.
Chuva, vento, frio e neve no Inverno causam alarmismo.
Sol e dias secos no Verão causam alarmismo.
Flores a despontar na Primavera causam alarmismo.
Folhas a cair no Outono causam alarmismo.
Tudo quanto há de mais normal causa alarmismo.

Qualquer dia ninguém se alarma com coisa nenhuma. Mesmo quando houver necessidade disso.
Sem imagem de perfil

De jj.amarante a 25.01.2020 às 15:51

Lá de longe em longe temos um ponto de convergência, publiquei e m Dez/2019 um post ( https://imagenscomtexto.blogspot.com/2019/12/precipitacao-de-agua-em-portugal.html ) desenvolvendo essa sua linha de raciocínio de que destaco:

"... além de termos muito sol, temos também muita chuva".

Também me perturba muito dizerem no meio dum calor infernal no Verão que se prevê a continuação do "bom tempo", deveriam dizer do "tempo quente" e deixarem de usar os adjectivos bom/mau que devem ser reservados para outras coisas, e mesmo assim com moderação e cautela.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 25.01.2020 às 16:52

Não posso estar mais de acordo.

Os cretinos que clamam contra a ausência de chuva e logo depois, mal chove, clamam contra a chuva chamando-lhe "mau tempo" são também aqueles que, havendo seca e solo a rodos, chamam "bom tempo" a dias com temperaturas de 40 graus e um calor que mal se aguenta.

Mas mais cretinos ainda são aqueles que ao menor pretexto desatam aos gritinhos histéricos contra as "alterações climáticas" quando vêem chover no Inverno e passam um par de semanas sem chuva no Verão. Quando alteração climática, sem aspas, seria ao contrário: chuva muito forte no Verão, Inverno sem uma pinga de água caída do céu.

Felizmente em 2019-2020 todas as estações do ano têm estado reguladas entre nós.
A Primavera foi uma verdadeira Primavera.
O Verão foi à moda antiga (embora tivesse chovido, como nos Verões antigos)
O Outono foi digno desse nome.
O Inverno está como mandam as regras e a tradição.

Nada a obstar. Tanto alarido para quê?
Sem imagem de perfil

De Anonimus a 25.01.2020 às 17:43

O Verão não foi "à Verão", foi bem mais fresco, nomeadamente (disseram) no all-garve. Aqui nas berças foram raros os dias de calor dito de praia
Quanto ao Outono, foi normal, o Inverno não me parece demasiado frio, e está seco para os antigamentes.
Disso do bom ou mau tempo, ainda o comentava há uns dias, é melhor tempo para dar umas corridas o frio do que o calor, e mesmo uma chuva é mais agradável do que sol abrasador
Perfil Facebook

De Antonio Vaz a 25.01.2020 às 20:11

Na minha suposta ingenuidade, tendo a acreditar que qualquer um dos meus concidadãos até consegue perceber a “mensagem” de cada uma das ligações às notícias mencionadas aqui neste (mais um) amorfo “post”, por um dos quaisquer media, a que recorreu o seu autor: «do "risco de seca severa e extrema" que ainda há pouco nos gritavam ao domicílio de telediário em telediário? (…) dos desesperados alertas para as "barragens em mínimos históricos de água", entre outras mensagens de igual teor apocalíptico» aos «uivos de advertência contra o "mau tempo"»…
Para os que não me perceberam – ou não me querem perceber, tipo Trump quando “tuíta” que «What the hell is going on with Global Waming? Please come back fast, we need you!», acerca de «In the beautiful Midwest, windchill temperatures are reaching minus 60 degrees, the coldest ever recorded. In coming days, expected to get even colder» – eu explico a “coisa”: o "risco de seca severa e extrema" e as "barragens em mínimos históricos de água" são factos reais, estatísticos, científicos; os «uivos de advertência contra o "mau tempo"» apenas se referem a aquilo a que todos nós nos referimos quando, de guarda-chuva aberto ou sopramos para as mãos apertadas em concha: percepções temporárias do clima.
Mas lá está, sim, eu até sou um daqueles «mais cretinos (…) que ao menor pretexto desatam aos gritinhos histéricos contra as "alterações climáticas"» e é claro que não é porque quando vejo «chover no Inverno e passam um par de semanas sem chuva no Verão» mas sim porque, de facto, eu, como mero ignorante na matéria tenho a maldita tendência a acreditar no que a Ciência me diz…
É claro que sempre me poderia comportar como o tipo que vendo o Sol, no início do dia, ali e, no fim do dia, acolá, concluir, “logicamente”, que o Sol gira em torno da Terra: «What the hell is going on with Global Waming? Please come back fast, we need you!»

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D