Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Polémica Fracturante na Fajã de Baixo

por Francisca Prieto, em 05.09.16

Açoriano Oriental.JPG

Transcrevo as letras pequenas da notícia que apresenta o tema mais fracturante da actualidade da Fajã de Baixo, na Ilha de São Miguel:

Presidente da Casa do Povo da Fajã de Baixo acusa o director da Casa de Saúde de São Miguel "de se apropriar" da realização do Festival da Sopa, que há 18 anos tem lugar na freguesia, numa iniciativa da instituição particular de solidariedade social.

Senhor Director da Casa de Saúde, não tem vergonha? Se quer protagonismo, faça favor de promover um Festival do Ananás, uma Barrigada de Pão de Massa Sovada, uma Tertúlia de Queijo de São Jorge. Deixe lá a malta da sopa dar à colherada em paz. Afinal, já o fazem há 18 anos. É uma maioridade, caramba.

O que eles escreveram

por Sérgio de Almeida Correia, em 11.07.16

4967285_6_1ede_cristiano-ronaldo-souleve-le-trophe

"Portugal can duly reflect on their greatest ever victory, made all the more remarkable by the fact they could not beat Iceland, Hungary or Austria in the group stages. Their safety-first tactics will not appeal to everyone but nobody could dispute their competitive courage and mental toughness after the jarring challenge that meant their three-times Ballon d’Or winner was unable to influence the game in the way he would have imagined." - Daniel Taylor, The Guardian

 

"The winner always merits their trophy. They didn’t make it to the final by chance. This is the first time a team who finished third in their group finishes as European champions. They didn’t win many games in normal time, but they won the important one. Perhaps there were some other generations in Portuguese football with more talent, but they didn’t win. This team won." - Didier Deschamps, The Guardian

 

"So the one-man team become European champions, defeating the host nation without the one man they apparently could not win without." - The Independent

 

"Having received the ball on the halfway line, Ronaldo was flattened by a clumsy, and reckless, challenge by Payet which went unpunished by referee Mark Clattenburg." - The Independent

 

"Critiqué tout au long de la compétition pour son manque d'ambition offensive, le Portugal a fini par remporter son premier Euro. Le tout grâce à l'entrée du seul véritable attaquant de pointe du groupe : l'attaquant lillois Eder." - FranceFootball  

 

"Admirable esta Portugal que sólo ha ganado un partido en los 90’ minutos, pero que ha sabido salir de situaciones difíciles. El fútbol también es esto." - Alfredo Relaño AS

 

"Cuando saltó Eder al campo, en el Fado brotaron las dudas. Hasta que Luis Loureiro, un chaval portugués nacido en Celorico Beira, me susurró al oído: “Roncero, le han criticado mucho y justo por eso meterá el gol de la victoria. Ya lo verás”. No hace falta que les diga cómo vivieron mis amigos el triunfo final. Paulo lloraba junto a su niño Diego (con cuatro añitos sabe de fútbol como si tuviera 34) y las camisetas de Cristiano, Figo, Futre y Eusebio se fundían en un sentimiento común. Va por todos ellos. ¡Viva Portugal! ¡Viva Cristiano!" - Tomás RonceroAS

 

"Y Santos estuvo inteligente cuando en el 79’ (parecía tarde) dio campo a Éder para pelear con la defensa francesa. Desde el principio se le vio fantástico, aguantando balón, girando, saltando, inquietando. En la prórroga arruinó a Francia con su golazo." - P.P. San MartínAS

 

"Es cierto que Portugal no ha jugado mejor en esta Eurocopa que en torneos anteriores, y que su llegada a la final no significa un chorro de fútbol, pero se han apreciado dos o tres señales de cambio. La primera ha sido su resistencia a la derrota, una virtud que esta vez no ha estado ejemplificada sólo por Cristiano Ronaldo. Todo el equipo le ha acompañado, con el admirable Pepe —uno de los tres mejores jugadores de la Eurocopa— a la cabeza. Tan importante o más ha sido la compañía. Junto a tres veteranos de toda la vida —Rui Patricio, Pepe y Nani—, Cristiano se ha visto rodeado de una imprevista malla de jóvenes jugadores, o sin apenas experiencia en la selección: Cédric, Raphael Guerreiro —el mejor lateral izquierdo del torneo—, William, Danilo, André Gomes, Joao Mario, Adrien Silva y esa dinamo inagotable que es Renato."- Santiago SegurolaAS 

 

"A Saint-Denis, les Bleus ont été dominés par le Portugal de Cristiano Ronaldo, pourtant sorti sur blessure dès la 25e minute de la partie. La Selecçao conjure ainsi « sa » malédiction face aux Tricolores. Elle n’avait plus gagné contre l’équipe de France depuis un match amical disputé au Parc des Princes en 1975… Battue en finale de « son Euro » par la Grèce, en 2004, la sélection lusitanienne réussit ainsi à remporter le premier trophée majeur de son histoire." - Le Monde

 

"È la grande notte dei portoghesi, che qui, nella Parigi multi-etnica, sono noti più che altro per essere ottimi portinai e muratori. Da oggi sono anche i campioni d'Europa. E scusate se è poco." - La Gazzetta dello Sport 

 

"Un destro poderoso. Un fulmine. Il catenacciaro Fernando Santos, perso Ronaldo, ha deciso a 11 minuti dalla fine di mettere dentro un attaccante che nella fase a eliminazione diretta non aveva mai schierato: aveva capito che poteva vincere sfruttando la sua forza, i suoi 188 centimetri. La sua potenza. E ha vinto." -  La Gazzetta dello Sport 

 

"La selección portuguesa se aseguró con el título en la Eurocopa su presencia en la Copa Confederaciones del próximo año en Rusia. Los portugueses acudirán como campeones continentales a un torneo que se celebrará del 17 de junio al 2 de julio en cuatro diferentes ciudades rusas. Además de Portugal, estarán allí Alemania (campeona del mundo), Rusia (anfitriona), Australia (campeona de Asia), Chile (campeón de la Copa América), México (campeón de la Copa Oro) y Nueva Zelanda (campeón de Oceanía). Falta por saberse el representante africano, que saldrá de la próxima Copa de África." - Aritz GabilondoAS

 

"Tras perder a su referente, Portugal, que ya tenía previsto salir a jugar sin correr el más mínimo riesgo, aumentó sus precauciones defensivas mientras que Francia, aferrada a un fútbol metalúrgico a más no poder se estrellaba una y otra vez ante el muro portugués que protegió a la perfección el portero Rui Patricio demostrando que para ganar un partido de fútbol no basta con tener un equipo de decatletas, más preparados para hacer una mudanza o llevar un paso de Semana Santa, hay que tener una idea de juego colectivo, calidad e inteligencia. Y de esto último, Portugal tuvo mucho porque los de Fernando Santos supieron adaptarse al medio y llevar a cabo el plan que les ha servido para llegar a la final. Un plan, que dicho sea de paso, que mata de aburrimiento al más pintado, pero que es tremendamente efectivo." - Aritz Gabilondo, AS

 

"Für manche ist er ein arroganter Fatzke. Für andere ein Held. Nach dieser EM ist er aber auf jeden Fall: POKALNALDO!"- Bild 

 

"Portugal ganó una Eurocopa de forma heroica. Jugando casi todo el partido sin su estrella Cristiano Ronaldo , en campo contrario, logró su primer Euro, el trofeo que el fútbol le debía desde el 2004. Lo hizo con un gol milagroso de Éder en la segunda parte d ela prórroga, la quinta del torneo. Tuvieron todo en contra y supieron resistir como leones. Al final tuvieron la suerte de los campeones, aunque nadie puede negar su lucha. Los lusos ganaron, por primera vez, a Francia en un partido oficial. Esta final vale por las otras tres derrotas. Fue una final sin fútbol como todo el campeonato, pero plena de emoción."- Francesc AguilarMundo Deportivo

 

E reincide

por Diogo Noivo, em 18.05.16

Nuno Saraiva diz-nos esta semana que o mundo está perigoso. Por via democrática, afirma, o mundo anda a eleger déspotas. Convenhamos que o fenómeno não é novo, mas, claro, quando achamos que o mundo nasceu connosco tudo nos parece uma novidade.

No entanto, é curioso assistir à inflexão de pensamento de Nuno Saraiva de uma semana para a outra. Na semana passada, o jornalista do Diário de Notícias jubilava com o regresso da ideologia à política. Em boa verdade, era apenas o elogio da ideologia – o regresso identifiquei-o eu. Mas esta semana insurge-se contra a ideologia. Os tiranetes que Nuno Saraiva critica, dos Estados Unidos da América à Ásia, têm em comum programas políticos fortemente ideológicos e, na maioria dos casos, abertamente nacionalistas. São, portanto, o expoente máximo da ideologia na política. E obtêm bons resultados eleitorais porque fazem política usando ideologia. Na semana passada, Nuno Saraiva escrevia que “aquilo que se exige a um governo, seja ele qual for, é que cumpra e respeite a ideologia à boleia da qual foi eleito”. Esta semana a ideologia é nefasta.

Como é evidente, mais do que discutir a existência ou não de ideologia, o que se deveria discutir é a adesão das várias ideologias aos valores e às instituições que fundam o Estado de Direito Democrático. Mas isso obrigaria o jornalista a reequacionar a sua opinião sobre os partidos que sustentam o actual Executivo. O que, como é óbvio, não interessa. Logo, o que na semana passada era bom, nesta já é mau. Se continuo a ler o Diário de Notícias acabo esquizofrénico.

O Fim da História e os Homens que Temos

por Diogo Noivo, em 12.05.16

Neste editorial do Diário de Notícias, Nuno Saraiva afirma, e bem, que a existência de uma agenda ideológica de esquerda no Governo é natural e expectável. Escreve mesmo que “um dia destes ainda os ouviremos [a “direita”] exigir a queda do governo porque, vade-retro, só faz política”. Seja bem-vinda a política e seja bem-vinda esta leitura da nossa vida pública.

Porém, vemos aqui uma das principais mudanças na opinião publicada no nosso país. Há uns anos, não muitos, as litanias da imprensa viam nas decisões entendidas como sendo ideológicas – privatizações, concessões a privados, redução da tributação das empresas, entre outras – expressões de sectarismo. Escrevia-se na altura que Portugal precisava de consensos, de acordos, de pactos de regime. A ideologia era portanto um anacronismo perigoso que impedia o país de tomar o caminho correcto. Passados seis meses, a ideologia volta a ser política. Sem sobressaltos ou ruído. E ninguém se ri.

Homens e mulheres para queimar

por Pedro Correia, em 17.03.16

Expendable29[1].JPG

 Cena do filme They Were Expendable, de John Ford (1945)

 

Fala-se muito na crise do jornalismo contemporâneo. Mas, entre os factores desta crise, é quase sempre omitido um dos principais: a gritante incompetência de muitos proprietários de órgãos de informação, que não têm cultura mediática e por vezes são totalmente destituídos de dinâmica empresarial. Usam títulos prestigiados dos media como mero veículo de promoção pessoal ou plataforma intermédia para negócios de outro tipo, ao ritmo voraz das ervas daninhas.

Por vezes são pessoas que não lêem um jornal e desprezam profundamente o universo jornalístico. Não têm sequer formação académica ou humanística que lhes forneça a convicção de que a existência de meios prestigiados de comunicação social é um requisito fundamental das democracias. E seriam incapazes de parafrasear Thomas Jefferson, que preferia a existência de jornais sem haver governo a um governo com ausência de jornais.

 

É imensa a lista dos periódicos desaparecidos no último quarto de século em Portugal. Boa parte deles foi confiada na pior altura às piores pessoas, que lhes ditaram ou apressaram o fim. O primado dos ignorantes e dos trampolineiros, rodeados de pequenas cortes de gente medíocre e totalmente divorciada da missão de serviço público que deve ser desempenhada pelos títulos jornalísticos, condenou muitos deles a uma acelerada extinção enquanto outros, já mortalmente feridos, vegetam em penosa e prolongada agonia.

Largas centenas de genuínas vocações jornalísticas foram amputadas ao longo destes anos em que assistimos ao maior êxodo de profissionais de que há memória neste ofício em contínua degradação salarial e social – aqui tão depreciado enquanto noutros quadrantes, como no Brasil, é cada vez mais valorizado.

 

O que vemos por cá? Jornalistas dispensados, afastados, saneados, emprateleirados, escorraçados. Só por terem experiência, cabelos brancos, pesarem mais na folha salarial – numa visão míope do custo/benefício. Enquanto é recrutada mão-de-obra quase escrava para as redacções – sem contratos, sem direitos, sem salários dignos. Nenhum jornalismo digno desse nome pode ser exercido, de forma continuada, em empresas onde existem editores a trabalhar 14 horas por dia, seis dias por semana, com todo o desgaste e o peso da responsabilidade que isso implica, e a levarem para casa 700 euros. Enquanto alguns dos proprietários ou administradores dessas empresas exibem obscenos sinais exteriores de opulência, indiferentes às situações de desespero humano que vão gerando em seu redor.

Conheço diversos jornalistas que comem apenas uma vez por dia para poderem pagar a renda ao fim do mês.

 

diario_nova.destaque[1].jpg

 

Por estes dias, mais um título prestigiado da imprensa portuguesa – o Diário Económico – atravessa um momento gravíssimo.

Foi mal gerido, mal administrado, mal dimensionado por quem quis dar o passo maior que a perna. Sobreviveu a múltiplas crises internas que se somavam às naturais dificuldades provocadas pela reconversão tecnológica do sector e à endémica crise financeira da última década. Mas, como outros antes dele, foi duramente atingido pela incompetência de um dos William Randolph Hearst de pacotilha que pululam por aí – desses que abrem e fecham jornais como se fossem mercearias ou lojas de penhores sem nunca deixarem de pavonear-se nas festas da moda.

Há meses que no Económico os salários deixaram de ser pagos com regularidade. Muitos profissionais abandonaram entretanto o jornal. Mas vários outros permanecem lá, com a angústia que adivinho. Sentem-se como aqueles soldados do filme de Ford, They Were Expendable (Homens Para Queimar, na versão portuguesa). As dificuldades são tantas e o desrespeito da entidade patronal por eles é tão notório que cumpriram um dia de greve no passado dia 10. Sem meios, sem motivação, sem perspectivas de futuro, cada edição que vai saindo tornou-se um pequeno milagre quotidiano.

Leitor regular do jornal que sou, e amigo de alguns, é para todos que envio um forte abraço solidário. Eles, os que sofrem, são a parte boa do empreendimento. Enquanto quem os colocou nesta situação, a erva daninha, se comporta como se fosse digno de apreço público. Sem sobressaltos de consciência, sem um pingo de vergonha.

 

ADENDA: o Diário Económico publica amanhã a última edição em papel.

O declínio da imprensa

por José Navarro de Andrade, em 31.12.15

Mesmo no fim do ano aparece um artigo solitariamente lúcido sobe a crise da imprensa. De quem havia de ser senão de João Carlos Barradas?

Clique-se à vontade porque vale a pena, mas para ler há que pagar. Se fosse à borla o artigo não existia - uma lógica simples, não?

Direito ao contraditório

por Pedro Correia, em 08.05.15

«Britânicos vivem hoje as eleições mais incertas de sempre»

Título de primeira página do Público de ontem

 

«Cameron deixa trabalhistas para trás e vence com mais deputados do que em 2010»

Título de primeira página do Diário de Notícias de hoje

A ventoinha é rotativa

por Sérgio de Almeida Correia, em 30.04.15

"Núncio perdoa IVA a Lalanda"

"Empresa de ex-patrão de José Sócrates isenta de pagar imposto"

"Secretário de Estado assinou despacho"

"Empresário meteu `cunha´ no gabinete de Paulo Núncio e secretário de Estado deu despacho a favor"

A tradição ainda é o que era

por Pedro Correia, em 22.01.15

Indiferente às acusações de sexismo, machismo e misoginia, o Sun reconsiderou, decidindo manter uma tradição de 44 anos que contribuiu como nenhuma outra para arejar a imprensa britânica. Um gesto que só pode merecer aplausos de qualquer conservador: as boas tradições devem ser mantidas.

O amigo

por Pedro Correia, em 13.12.14

Últimas e penúltimas notícias da horrível imprensa tablóide que "pratica o linchamento público""alimenta uma psicose neste país contra José Sócrates":

 

"José Sócrates escutado a pedir dinheiro a amigo"

"Amigo de Sócrates confirma que lhe entregou dinheiro e pagou carro e motorista"

"Os mistérios da Covilhã e o outro amigo do Zé"

Destaques de um jornal de referência

por Teresa Ribeiro, em 22.06.14

 

São doze e estão no online da edição de hoje do Diário de Notícias:

 

1 - Mãe do Daniel foi detida

2 - Filhos de Will Smith dormem com cobras na cama

3 - Futebol (Ronaldo)

4 - Futebol

5 - Avó baleada por neto de 16 anos

6 - O que fazer quando os filhos pedem para sair à noite

7 - Futebol

8 - Jornalista grávida de gémeos

9 - Futebol

10 - Futebol

11 - Neandertais: o segredo está nos dentes

12 - Futebol

 

 

Hesitei entre o Ronaldo e o Ronaldo. Mas depois achei mais palpitante a notícia da jornalista que engravidou, de modo que foi aí que cliquei, mas devagarinho para não incomodar os bebés.

"Diário das Festas" não anda a despedir. Anda é a despedir-se.

Como juntar a injúria ao drama

por Pedro Correia, em 12.06.14

 

Um novo despedimento colectivo no grupo Controlinveste. O segundo em cinco anos. Em 2009, já tinha sido o maior de sempre na imprensa portuguesa: de uma vez só, da noite para a manhã, foi apontada a porta de saída a 122 profissionais. Agora o mesmo sucede a 160 trabalhadores, num novo e ainda mais lamentável recorde. Decidido no Dia de Portugal, por amarga ironia. Em vésperas do início do Mundial de futebol, quando as atenções gerais andam dispersas pelos estádios brasileiros. E com o requinte acrescido de ocorrer quando toda a fachada do edifício-sede está engalanada com um cartaz alusivo às festas de Lisboa, como a Teresa já aqui observou.

Pior ainda: numa edição que devia trazer hoje a solenidade do luto ou pelo menos o recato que o pudor impõe, em elementar respeito pela dignidade de profissionais que no seu conjunto deram milhares de anos àquela empresa (e sei de quem falo pois conheço-os a todos), o DN surge nas bancas com um eufórico encarte, ligeiro e colorido, cheio de meninas risonhas, com a legenda "Vamos viver juntos as emoções do Mundial". Nem é publicidade paga: trata-se de um anúncio da própria empresa proprietária encimado com o histórico cabeçalho do matutino. Como se o tempo na Controlinveste fosse propício a festas. Como se ainda ali houvesse algo para celebrar.

Pior: a notícia do brutal despedimento surge com o seguinte título, na página 44 do jornal: "Controlinveste Conteúdos faz redução de 160 efe[c]tivos". Ou, como se escreve noutro periódico do grupo, "Controlinveste avança para reestruturação". Que títulos vergonhosos são estes, meus senhores? Despedir é "avançar"? Pôr na rua é "reestruturar"? Como se a palavra trabalho queimasse. Como se trabalhar fosse algo indigno. Como se um trabalhador devesse ocultar esta sua condição numa sociedade - e num continente inteiro, como bem revelam as estatísticas europeias - onde um posto de trabalho é um bem cada vez mais escasso.

Quem pretendem iludir com tão inaceitáveis eufemismos?

Nessa casa, tanto quanto sei (e trabalhei lá 14 anos), um trabalhador sempre foi um trabalhador - nunca foi um "efe[c]tivo". Nessa casa, que foi domicílio profissional de muitos dos melhores jornalistas portugueses desde o século XIX, nunca se escreveu "fazer redução"[sic] para evitar recorrer ao termo despedimento.

É duro, bem sei. É incómodo, não duvido. Mas corresponde a uma das principais regras da escrita de imprensa, que recusa a imprecisão e a ambiguidade. E evita juntar ao drama do despedimento, já de si tão chocante, a injúria de ver esta palavra banida do dicionário jornalístico quando está mais presente que nunca na vida real.

Valor e preço

por Pedro Correia, em 09.05.14

 

Vale a pena reflectir sobre o valor noticioso do silêncio: na maior parte dos casos, o preço aumenta na razão inversa das declarações que justificam sonoros títulos propagados pelos tambores mediáticos. Incluindo aqueles que não hesitam em fazer do mau gosto uma permanente senha de identidade.

Monica Lewinsky rompe agora um silêncio de uma década em sóbrias confissões à Vanity Fair. Talvez a mais relevante seja a de que chegou a ser aliciada com dez milhões de dólares para ampliar de viva voz o escândalo que a ligou ao ex-presidente Clinton.

Numa época fértil em propostas irrecusáveis, a recusa em falar ao longo deste tempo tornou cada palavra sua ainda mais cobiçável pela comunicação social de todos os matizes. Mas haverá justo preço para a dignidade que apenas o silêncio voluntário permite preservar?

"Todo necio / confunde valor y precio", escreveu Antonio Machado. Tinha razão, como sempre acontece com os melhores poetas.

Texto publicado inicialmente aqui

O infortúnio de Hillary

por Helena Sacadura Cabral, em 08.05.14
Decorridos dezoito anos, Monica Lewinsky resolveu quebrar o silêncio para dizer que se arrepende «profundamente» do que aconteceu entre ela e Bill Clinton, então presidente dos Estados Unidos.
«É altura de «queimar a boina e enterrar o vestido azul», escreve num artigo na  revista «Vanity Fair», a antiga estagiária da Casa Branca, hoje com 40 anos.
Na altura dos acontecimentos Lewinsky tinha 22 anos. Agora insiste na ideia de que o que se passou foi uma relação consensual entre adultos. Num artigo intitulado «Vergonha e sobrevivência», hoje divulgado na íntegra, a antiga estagiária considera que Bill se terá aproveitado dela e que os “abusos”  terão ocorrido posteriormente, quando a transformaram no bode expiatório necessário para proteger a posição do presidente americano.
A relação de Monica e Clinton foi revelada por Linda Tripp, uma colega de Lewinski, que gravou em segredo as conversas entre ambos. Foi ela que entregou as cassetes ao procurador Kenneth Starr que já investigava o presidente norte-americano por obstrução à Justiça e este decidiu avançar com o caso.
Clinton foi acusado de perjúrio e obstrução à justiça mas acabou por ser absolvido pelo Senado e terminou o seu mandato.
Esta é uma das piores notícias que Hillary poderia receber, numa altura em que tudo aponta para a sua candidatura à Casa Branca.
Há, de facto, no casamento grandes riscos. E quando se trata de políticos, eles são ainda maiores. Não me admiraria muito que Hillary se divorciasse do marido para se candidatar...

Faz sempre falta uma voz livre

por Pedro Correia, em 01.02.14

 

«Los problemas que hemos tenido no han sido nunca por mentir sino por decir la verdad.»

Pedro J. Ramírez

 

Amanhã de manhã -- talvez ainda mais cedo do que é costume --, repetindo um hábito que tenho enraizado há longos anos, comprarei o habitual exemplar de domingo do El Mundo. Não será, no entanto, um domingo como os outros: esta é a última vez em que o nome do seu fundador e director, Pedro J. Ramírez, surge impresso sob o cabeçalho do jornal, um dos meus preferidos desde sempre.

Pedro 'Jota', como é conhecido em Espanha, é afastado da direcção do segundo matutino generalista de maior circulação em Espanha, a poucos meses de cumprir um quarto de século nestas funções, pelos proprietários italianos, detentores de larga parte da estrutura accionista do jornal. Um afastamento ditado, segundo circula em Madrid, pela pressão conjunta do Governo conservador de Mariano Rajoy e da Casa Real, com o aplauso implícito dos socialistas, que há muito tinham El Mundo sob ponto de mira.

 

Escreveu Fitzgerald que não existem segundos actos nas vidas americanas. Pedro 'Jota' não pode dizer o mesmo: já lhe havido sucedido algo muito semelhante em 1989, ao ser afastado do cargo de director do influente Diario 16, devido a pressões do executivo socialista de Felipe González, na sequência da investigação pelo jornal do maior escândalo de sempre da democracia espanhola: o caso GAL - o "terrorismo de Estado" movido contra a ETA nos anos iniciais do felipismo.

Ramírez não se resignou. Meses depois do despedimento, fundava El Mundo que teve sucesso desde o início por apostar decisivamente no jornalismo de investigação: a autópsia jornalística ao caso GAL foi retomada, levando em 1995 às primeiras condenações a penas de prisão de governantes espanhóis.

Por contraste, na etapa pós-Ramírez o Diario 16 foi-se afundando, acabando por fechar.

 

El Mundo manteve-se fiel ao seu código genético, desvendando o escândalo Filesa (financiamento ilegal do PSOE), as escutas ilegais que levaram à queda do vice-primeiro-ministro Narcís Serra e do ministro da Defesa, e o caso Faisán, de que resultaram condenações de responsáveis policiais com laços de cumplicidade à ETA. Apostando, por outro lado, na reportagem de guerra -- outra das suas marcas de origem -- e na crítica sem rodeios à violência terrorista no País Basco. Alguns dos seus mais competentes repórteres foram tombando pelo caminho, como Julio Anguita Parrado (filho do ex-líder comunista Julio Anguita), morto durante a invasão de Bagdad, ou José Luis López de Lacalle, assassinado pela ETA. Outro grande repórter do jornal, Javier Espinosa, permanece sequestrado na Síria desde 16 de Setembro.  

Ramírez reuniu também alguns dos melhores colunistas da imprensa espanhola, que leio com interesse e proveito há vários anos. Colunistas como Francisco UmbralPedro G. Cuartango, Lucía Méndez, Manuel Hidalgo, Arcadi Espada, Santiago González e David Gistau. O que ajuda a explicar o facto de, mesmo em tempo de quebra de circulação de jornais devido à grave crise económica e à drástica alteração de hábitos de consumo, El Mundo continua a ser o segundo maior periódico de informação generalista em Espanha, com tiragens próximas dos 200 mil exemplares diários e mais de um milhão de leitores, mantendo-se líder mundial na imprensa on line em língua espanhola.

 

 

Personalidade controversa, que não deixa ninguém indiferente, Ramírez recomendou o voto no Partido Popular de Rajoy nas legislativas de Novembro de 2011. Mas algumas das investigações mais incómodas para o Governo continuaram a partir do seu jornal. Com destaque para o caso Bárcenas, o ex-tesoureiro do PP que durante anos montou um esquema de financiamento ilegal do partido -- nenhuma outra notícia causou tanto dano ao Executivo conservador como esta, forçando Rajoy a comparecer duas vezes no Parlamento para prestar esclarecimentos, que aliás não convenceram praticamente ninguém. E também para o caso Noos-Urdangarin, que teve repercussões inéditas na Casa Real, com a imputação de uma filha e um genro do Rei de Espanha, acusados de evasão fiscal e branqueamento de capitais.

A investigação destes casos, em fidelidade à marca de origem do diário, traçou o destino de Pedro 'Jota', levando em 2014 à repetição do que lhe sucedera em 1989. Esta semana, o director mais célebre e mais polémico da imprensa espanhola despediu-se da redacção com frases emocionadas que podem ser acompanhadas aqui.

Amanhã lerei a última das suas Cartas do Director -- sempre tão apreciadas, sempre tão discutidas. Algumas delas ficar-me-ão para sempre na memória. Como a de 27 de Outubro de 2013, intitulada "Oa, oa, oa... Mariano a la Moncloa!" Um dos mais brilhantes textos jornalísticos que já li, sátira corrosiva ao actual chefe do Governo, atribuindo-lhe todas as características negativas do antecessor, o socialista José Luis Rodríguez Zapatero.

 

Outros jornais têm directores anódinos e cinzentos: singram durante anos nas redacções sem quase ninguem saber quem são. Pedro 'Jota', pelo contrário, pagou o preço de uma irreverência que nunca deixou de ser exuberante até para os padrões de Espanha e da militância no jornalismo acima de tudo o resto.

Não chegará a cumprir 25 anos como director do jornal que fundou. Mas tenho a certeza de que se saberá reinventar, como sucedeu naquelas horas amargas de 1989 quando enfrentou a razão da força de empresários timoratos munido com a força da razão. Os jornalistas como ele deixam sempre rasto e são sempre necessários. Porque dispõem do mais precioso dos trunfos: uma voz livre.

 

Leitura complementar:

Un relato modesto y sentimental, de Lucía Méndez

El segundo naufragio, de Pedro G. Cuartango

El Mundo de ayer, de F. Jiménez Losantos

Pedro J. qué les das?, de Santiago González

A minha carta a Ramírez, André Macedo

"Manchetes" sem notícias

por Pedro Correia, em 28.01.14

    

 

    

 

Um dos maiores grupos empresariais portugueses desencadeou hoje uma mega-operação publicitária na imprensa. Não com anúncios nas páginas interiores nem num destacável, mas ocupando grande parte de todas as primeiras páginas dos jornais -- incluindo os desportivos e os gratuitos. Esta campanha ocupa cerca de metade da mancha gráfica de todas as capas, tornando praticamente irrelevantes as manchetes noticiosas: a verdadeira "manchete" acaba por ser o anúncio de uma operadora de telefones móveis.

Dir-se-á que é uma boa notícia para as empresas jornalísticas, que andam carentes de receitas publicitárias. Sem dúvida. Mas é também mais um passo, subtil mas preocupante, nos constrangimentos à liberdade de imprensa -- na linha de outro que já aqui assinalei, em data muito recente.

Porque, no limite, basta um poderoso conglomerado empresarial reservar espaço publicitário em todas as primeiras páginas para suavizar ou anular o impacto das notícias, por mais acutilante que seja o seu conteúdo. O que acabará por constituir uma grave ameaça à liberdade editorial.

Eis um tema que justifica uma reflexão séria em todos os órgãos de informação. E também no conjunto da sociedade portuguesa. Antes que "arrastões" como o de hoje se banalizem e nos habituemos a ver anúncios de telemóveis, gasolineiras, bancos ou marcas de veículos onde só deviam vir notícias. Incomodem quem incomodarem, doam a quem doerem.

É com alguma surpresa que descubro nas páginas do Correio da Manhã não uma mas duas bandas desenhadas diárias. E, pasme-se, bandas desenhadas clássicas: Garfield, de Jim Davis, e a incontornável Calvin & Hobbes, de Bill Waterson, provavelmente o melhor cartoon jamais concebido para o formato. Sim: já foram publicadas e republicadas milhares de vezes; e, no caso do gato cor-de-laranja, já passou há muito para a televisão, para o cinema e para merchandising diverso (Watterson, por seu lado, sempre rejeitou qualquer exploração comercial de Calvin & Hobbes). Nem por isso, porém, perderam qualidade ou pertinência.

 

Honra seja feita ao Correio da Manhã, tantas vezes criticado pela sua linha editorial popular, por manter viva a tradição da banda desenhada de qualidade na imprensa diária - finda a publicação de anos da célebre tira de Rick Kirkman e Jeryr Scott, Baby Blues, o diário da Cofina opta por não por um mas por dois títulos incontornáveis na história do formato. Diga-se de passagem que está bem acompanhado nessa tradição: o Diário de Notícias continua a publicar as excelentes tiras do nosso Bandeira, e tanto o Público (que durante anos publicou a tira de Bill Watterson) como A Bola mantêm tiras diárias do bem-humorado Luís Afonso (que também publica semanalmente na Sábado). Os outros dois desportivos, RecordO Jogo, também mantêm as suas bandas desenhadas. 

Sinal dos tempos

por Pedro Correia, em 08.01.14

Vejo os títulos da imprensa de hoje nos quiosques. Títulos? Não, título. A manchete é comum: "Millennium apoia as empresas portuguesas". Um título não informativo, mas publicitário. Muda apenas o grafismo, cuidadosamente adaptado a cada periódico. Por aqui se vê a extrema debilidade financeira da nossa imprensa: basta um banco -- qualquer banco -- lançar uma campanha publicitária para todos os diários generalistas lhe cederem o seu espaço mais nobre, que devia estar reservado a notícias e não a anúncios.

Acontecesse isto noutro tempo e não tardariam vozes de indignação a multiplicar-se contra este abastardamento da nobre função de informar. Mas a coisa já passa agora sem o mais leve sussurro crítico, o que é um inequívoco sinal dos tempos.

Compro um exemplar do i - o único diário generalista que ficou à margem desta campanha. É o único que tem, portanto, uma manchete noticiosa: "Portugal sem estratégia para tempestades marítimas". Aqui fica a minha singela homenagem, enquanto leitor, ao jornal que quebrou o monopólio do Millennium neste chuvoso dia do novo ano.

O aldrabismo no poder

por jpt, em 14.11.13

A entrevista de Fernando Moreira de Sá à revista "Visão" (quem tiver interesse saiba que a reproduzi aqui) é um retrato nojento do país, do PSD, da escumalha que governa o país e dos jornalistas e/ou bloguistas que por aí andam e que se prestam a isso. Agora tantos deles identificados, e que entretanto ascenderam ao poder como assessores ou mesmo detentores de cargos governativos.

 

Mas ao mesmo tempo é uma benesse. Alegra-me por estar imigrado.

 

 

O jornal de cada um

por jpt, em 10.07.13

 

A aplicação Paper.li é óptima. Permite a cada um fazer o seu próprio jornal (diário ou semanário, como se quiser). O esquema é simples, cria-se a conta, selecciona-se até 25 origens (jornais, revistas, agências, blogs, etc.) e os temas desejados (arte, beleza, caça, desporto, educação ... zoologia, um A-Z como se quiser). E todos os dias (ou semanas ou isso) se recebe o jornal no e-mail, algo à nossa medida. Os mais "articuláveis" podem agregá-lo às suas contas nas redes sociais. E pode-se também subscrever os jornais que outros constroem.

 

O meu jornal é diário e levou o nome de Courelas, basta clicar e ler. E subscrever, se gostarem da selecção. Mas acima de tudo esta é uma fantástica opção para nos organizarmos em tempos de tsunami informativo, há tanta coisa que nos perdemos. Faça o seu jornal ...


O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D