Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Portugal dos pequeninos

por Rui Rocha, em 02.07.13

Seguro tem razão. O nosso é um problema de crescimento. Antes de mais, e sobretudo, dos líderes políticos. Coelho, Portas, Relvas, Sócrates e ele própio são raquíticos. E o mais grave é que não só são pequenos, como se recusam a crescer. E vivem, assim, como meninos perdidos numa Terra do Nunca, uma fantasia de histórias de piratas, fadas, crocodilos, traições e juramentos. O problema é que as nossas vidas dependem das aventuras destes garotos. Das suas jogadas, dos seus caprichos e cumplicidades. Os acontecimentos das últimas horas seriam uma brincadeira de espadas de madeira num conto infantil, mas só podem ser considerados uma traição se ainda quisermos acreditar que temos um país. Traição ao esforço, ao sofrimento e ao sacrifício de milhões de pessoas nos últimos anos. Não se trata já de falta de sentido de estado. Estamos, mais do que isso, perante a ausência total de sentido de estrado. A começar em Passos e a acabar em Seguro, esta gente perdeu já qualquer noção do ridículo. 


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Outside a 02.07.2013 às 22:51

Exacto; uma Neverland do avesso.
Um País onde é cada dia mais difícil, sonhar.
E não, não merecemos quem nos governa, desde que me lembro; nunca viveram ou sentiram o esforço ou a abdicação dos que representam.

Ai Portugal Portugal, do que é que Tu estás à espera?

Agora? Nem imagino...
Sem imagem de perfil

De William Wallace a 02.07.2013 às 23:39

Discordo , merecemos quem nos governa !
São uma cambada de traidores que foram postos lá
por quem votou :

1 º - não em consciência mas sim levado pelo ódio.
2 º - elegeu nos seus partidos jotas cedendo a interesses que não o do bem publico.
3 º - via o abismo perto mas preferiu olhar para o lado onde lhe prometerem benesses de 3% e agora já deve ter perdido mais de 30%.
4 º - naqueles que eram mais bonitos e bem falantes.
5 º - que pensa e continua a defender que o PEC IV lhes resolvia a vidinha.
6 º - Porque exige responsabilidade e esforço lá em "casa" mas não dá o exemplo.
7 º - Que pensa que se o vizinho tem um série E é porque gamou mas tolera que o cacique local ou regional faça negócios escabrosos com dinheiros públicos.
8 º - aceita uma cunha de bom grado e depois diz que a culpa é dos outros que são politicos.


Portugueses o tempo que estamos a passar foi feito por nós por omissão da responsabilidade enquanto cidadãos de agirmos pelo bem comum por isso o 2º resgate está aí á porta e o Tó Zé também agora apoiado na alta finança nacional e nos empresários monopolistas que todos os dias lavam as mãos no suor do nosso trabalho.

Quem teve sorte , vontade e capacidades já saiu de cá por isso ou a malta atina e muito ou espera-nos 20 anos (no mínimo) de sofrimentos e tribulações.

Os anos que se seguem são o resultado final de 40 anos de cleptocracia e partidocracia por isso não digam que a culpa não é nossa , assumam as vossas responsabilidades enquanto cidadãos no dia-a-dia e verão que lenta mas solidamente o futuro poderá ser melhor.

Não pensem que deve ser só nos partidos , façam-no em casa , no trabalho , na escola , procurem ser melhores e maiores e se não vos deixarem , gritem , lutem que só isso já é suficiente para parar de cair e ganhar bases para quando possível começar a sair deste buraco. .

Sem imagem de perfil

De Outside a 02.07.2013 às 23:57

Está equivocado meu caro; conheço muitos, uma imensidão na minha dimensão pessoal, que não votaram sustentados nessas oito doutrinas.

E garanto-lhe, com sentido de dever e responsabilidade pelas minhas obrigações, sem à priori exigir os meus direitos, constitucionais, de cidadão contribuinte...que os portugueses, o Portugal que conheço, não merece quem nos governa.

A democracia tem destas coisas.

E não obstante à espera de Portugal, do Portugal que se adia, tenho mais optimismo que pessimismo, justamente por conhecer imensos portugueses que não merecem este (des)governo.
Imagem de perfil

De Gui Abreu de Lima a 02.07.2013 às 23:23

Sempre arrastei descansada a minha ingenuidade, confiando que os crescidos tomavam conta do País. Com o tempo e os Governos da democracia fui aprendendo a pensar, mas foi um Governo de imberbes que me obrigou a crescer.
Subscrevo-te.
Sem imagem de perfil

De marta a 03.07.2013 às 21:53

subscrevo também eu, rui

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D