Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Grandes romances (5)

por Pedro Correia, em 01.05.13

 

VOZ DO SANGUE, VOZ DA TERRA

Pais e Filhos, de Ivan Turguéniev

 

«Uma folha seca do ácer arrancou-se e cai no chão; o seu movimento é perfeitamente idêntico ao voo de uma borboleta. Não é estranho? O mais triste e morto parecido com o mais alegre e vivo.» (p. 142)

 

A família, matéria-prima do romance por excelência. Dela tudo nasce, a ela tudo regressa com uma espécie de fatalismo que seduziu tantos escritores. O título desta obra não engana: escrevendo na Rússia imperial, com o czar Alexandre II no trono, Ivan Turguéniev (1818-1883) faz da família o principal condimento deste livro, que Vladimir Nabokov não hesitou em considerar o melhor romance do prolífero autor, "um dos maiores do século XIX" - opinião corroborada em listas como esta.

Todo o enredo, desenrolado como um novelo, é aqui pura filigrana. Tendo na mira principal dois jovens estudantes, Arkadi e Bazárov, de visita às respectivas casas paternas, algures na Rússia profunda. Vêm iluminados pelas luzes e pelas letras da cosmopolita Petersburgo e ambos, cada qual à sua maneira, sentem um choque cultural neste regresso às origens, no contacto subitamente reatado com o país rural que parece perpetuar-se na imobilidade desde os confins dos tempos.

São duas personagens em movimento constante, contrastando com esse aparente imobilismo da pátria-mãe - vão de casa em casa, de emoção em emoção, de paixão furtiva em paixão furtiva. Viajam em duplo sentido - no espaço e no tempo, trocando confidências incessantes que permitem ao leitor estabelecer laços de intimidade com qualquer deles.

Arkadi é mais cordato, mais convencional. Bazárov, aprendiz de biólogo, proclama-se niilista e resume toda a sua filosofia ao livre fluir das sensações, apossado por uma insólita fúria de viver: «Cada homem está pendurado por um fio, o abismo pode abrir-se por baixo dele a qualquer momento.» Conhecem-se há tempo suficiente para se considerarem o melhor amigo um do outro, ignorando ainda que a voragem dos dias não tardará a diluir os alicerces dessa amizade à medida que outras personagens forem surgindo em cena.

E este é precisamente um livro com riquíssimas personagens, em que a paisagem humana configura toda a atmosfera do romance.

 

Arkadi é filho de um próspero aristocrata rural, que confunde a voz do sangue com a voz da terra. O pai, viúvo, apaixonara-se na sua ausência por uma rapariga órfã que acolheu em sua casa e entretanto lhe dera outro filho, ainda bebé. Na mansão familiar vive também um tio solteirão, Pável, que "entrava naquele tempo incerto, crepuscular, em que as nostalgias se parecem com esperanças e as esperanças se parecem com nostalgias, em que a juventude já passou e a velhice ainda não chegou".

Bazárov - "primeiro bolchevista surgido na literatura russa", na opinião de alguns críticos - é o maior orgulho de um casal humilde, simultaneamente dilacerado pela ausência do filho único. Quando regressa, por apenas três dias ao fim de três anos, enche de alegria a velha mãe que já pensava nunca mais o ver.

Os dois jovens têm sonhos grandiosos - querem singrar na vida, pretendem distinguir-se da massa informe dos restantes mortais, ambicionam atingir patamares de felicidade nunca alcançados pelas gerações precedentes. O destino, no entanto, encarrega-se de comprovar que existe sempre um abismo entre o sonho e a realidade. Cada geração tende, muitas vezes, a emular o conservadorismo e a mentalidade conformista das gerações precedentes numa espécie de tributo ao instinto de sobrevivência. Quando isso não sucede, o preço a pagar pode ser a morte.

 

Pais e Filhos, publicado originalmente em 1862 (com excelente edição portuguesa da Relógio d' Água, datada de 2007 e traduzida do russo por António Pescada), contribuiu em larga medida para a sólida reputação da ficção russa do século XIX - talvez a mais invejada e decalcada de todos os tempos. A par de Tolstoi, Dostoievski, Gogol e Tchekov, Ivan Turguéniev é uma das figuras cimeiras dessa ficção que mudou para sempre a literatura universal e continua a assombrar o mundo.

Este foi um romance que inspirou muitos jovens a iniciar-se na escrita literária: aconteceu, por exemplo, com Ernest Hemingay, que o leu pela primeira vez em Paris, na década de 20, e nunca deixou de incluí-lo  entre os seus livros preferidos. Percebe-se bem o fascínio do autor de Adeus às Armas por Turguéniev, aliás na vida real também caçador e viajante como ele: nestas páginas, como em todos os bons romances de Hemingway, a personagem principal é tocada pela tragédia e enfrenta a morte com corajosa galhardia.

Esse fascínio prolonga-se nas gerações contemporâneas. E não custa explicar porquê: como sempre sucede na melhor literatura, a de Turguéniev é profundamente ancorada na sua época - abordando temas como os primórdios da emancipação feminina e a inaceitável servidão feudal - sem deixar de ser também profundamente universal ao falar-nos de temas que nunca passam de moda, confirmando o que dizia Balzac: "O romance é a história privada das nações."

 

Pais e Filhos fala-nos do que permanece imune à passagem do tempo, da natureza que cumpre o seu destino indiferente às paixões humanas e dos genuínos afectos, capazes de formar de modo mais decisivo um carácter do que toda a sabedoria académica.

É um romance quase musical, cheio de admiráveis diálogos e onde inesperadamente surge um trecho de Schubert ou Mozart que imaginamos mesmo escutar, tal é o poder sugestivo do escritor. Ivan Turguéniev acreditava - como depois dele aconteceria com Henry James ou Joseph Conrad, por exemplo - que o maior dever moral de um romancista é escrever bem.

E é também um romance cheio de cenas inesquecíveis. A do fugaz beijo trocado entre Bazárov e a jovem madrasta de Arkadi. A do duelo que culmina uma relação de ódio entre o biólogo niilista e o aristocrata eslavófilo, incapaz de aceitar os novos tempos. A do definitivo adeus de Bazárov, que tantas vezes se despede neste romance. A daqueles pais revisitando o túmulo do filho, amparando-se mutuamente num afago cúmplice que por vezes só a dor propicia, com um pranto indizível perante um ciclo existencial que inesperadamente se quebrou.

O sangue do seu sangue devolvido à terra, raiz e fim de tudo.

 

...........................................................................................

Outros textos desta série:

O Velho e o Mar - Um homem destruído mas não vencido

O Poder e a Glória - Ler para crer

Mrs. Dalloway - Esplendor na relva

Santuário - Sombras profundas num Sul sem sol

Autoria e outros dados (tags, etc)


4 comentários

Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 03.05.2013 às 00:16

Ainda bem que retomaste esta série, de que gosto tanto.
Este é mais um título que adiciono à minha lista de clássicos a visitar.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 03.05.2013 às 00:38

Vale a pena, claro, Teresa. A série vai prosseguir, com novos títulos já este mês.
Sem imagem de perfil

De ilda pontes a 03.05.2013 às 12:40

Para ler as suas palavras, escolhi Tchaikovsky
http://youtu.be/SZQzW_QfPew
Fico a tremer ... tal é a emoção que sinto ... deliro com a cultura russa ...

( Obrigada por tudo ... o que me ensina, e o que me faz recordar, tão Bom ...)
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 03.05.2013 às 21:31

Boa escolha, a deste excelente coro, Ilda. Pode perfeitamente ser a escolha mais adequada para ler 'Pais e Filhos' - ou, em alternativa, a Sinfonia nº 6, também de Tchaikovski. Uma das minhas favoritas de qualquer compositor.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D