Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Regresso à política

por Pedro Correia, em 28.02.13

 

De facto, não adianta tentarmos varrer a política para debaixo do tapete substituindo políticos por contabilistas e procurando refúgio num discurso que se esgota na magna questão das finanças públicas. O caso italiano, somando-se a tantos outros, aí está para o demonstrar.

Não farei, por agora, qualquer avaliação sobre Beppe Grillo. Interessa-me, isso sim, analisar a eficácia do seu método para conquistar um em cada quatro eleitores italianos, mobilizando-os para o conceito de democracia directa na terceira maior economia da Europa.

Os gurus do comentário não previam isto - e daí também eles terem sido derrotados neste escrutínio.

 

Há três anos, não havia nada. Ou antes: havia um blogue. E foi aí que tudo começou. No blogue de Grillo.

O actor, especializado em papéis de comédia, ficou indignado com a reiterada manutenção na Câmara dos Deputados de parlamentares imputados pela justiça italiana. E lançou uma petição para pôr termo a isso.

Foi uma espécie de rastilho. Pedindo de empréstimo o jargão revolucionário, as condições estavam maduras para algo mais.

Seguiu-se a reivindicação de listas nominais para as eleições aos mais diversos níveis, do voto electrónico para formar listas de deputados, da redução de 25 para 18 anos da idade para escolher os representantes ao Senado, do referendo à manutenção do país na zona euro, do combate sem tréguas à corrupção que mina como um cancro voraz os órgãos políticos em Itália.

Seguiram-se mobilizações impressionantes nas principais praças das maiores cidades do País. Não houve debates televisivos, nem foram necessários: a força da Rede levou Grillo a comunicar directamente com os cidadãos através das redes sociais. Entre os jovens, foi de longe o mais votado nas legislativas. O Le Monde aponta-o sem rodeios como "único verdadeiro vencedor das eleições".

 

Ninguém levava a sério este movimento, intitulado Cinco Estrelas. Hoje é o mais votado na Sicília, domina a câmara de Parma e tornou-se a força política individual com mais representantes no Parlamento - conseguiu eleger 54 senadores e 108 deputados.

"Em Itália não há democracia: há burocracia: um Estado que se exprime através de 350 mil leis, um aparelho judicial paralisado com nove milhões de processos, um Parlamento que funciona com decretos-lei do Governo no qual se senta gente que não foi eleita pelo povo." Palavras de Grillo, o ex-actor convertido em estrela mediática, em entrevista ao El Mundo.

Palavras que poderiam ter sido proferidas por milhões de italianos.

 

É preciso saber escutar os sinais emanados desta ampla mobilização cívica, de carácter pós-ideológico mas profundamente política. Porque este sinais prenunciam mudanças decisivas nas instituições europeias, que não podem permanecer indiferentes às vozes dos cidadãos. Seria demasiado fácil ridicularizar movimentos como o de Grillo, mas a este suceder-se-ão outros, em qualquer país, todos apontando na mesma direcção: há que aproximar as estruturas políticas da cidadania, sob pena de condenarmos a democracia ao insucesso, um pouco à semelhança do ocorrido nas décadas de 20 e 30 do século passado que serviram de via aberta às piores tiranias que o mundo conheceu.


14 comentários

Sem imagem de perfil

De Também Temos a 28.02.2013 às 12:37

O Coelho da Madeira.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 28.02.2013 às 12:55

As piores tiranias que o mundo conheceu começou na década de 10 do século passado. Ninguém a bateu.

Quanto ao resto Grillo é o espelho das contradições insanáveis de quem quer o estado para tudo e depois protesta contra a burocracia que o estado cria para tudo.

Da Itália também se pode dizer outra coisa: Ela move-se, talvez para tudo ficar na mesma.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 01.03.2013 às 12:49

Digamos que as piores tiranias surgiram no período entre o início da I Guerra Mundial e o início da II Guerra Mundial. A origem foi sempre a mesma. O hipernacionalismo europeu, a diabolização do outro - seja sob forma de nação, raça ou classe.
Assistimos ao ressurgir desses cavaleiros do Apocalipse - e devemos travar-lhes o passo sem demora.
Devemos aprender com as lições da história, não me canso de dizer.
Sem imagem de perfil

De Marcos Liotti a 28.02.2013 às 13:08

Bom dia,

Cheguei a este texto, após ter assinado a petição que pede a revisão da Constituição, para que casos como o de Itália possa acontecer em Portugal.

Ninguém pode ficar indiferente a esta nova realidade e o poder que possui na mudança de paradigma das sociedades ocidentais.

Por isso, gostaria de perguntar se há desenvolvimentos desta petição, e ou, se mais acções estão sendo realizadas para o efeito.

Obrigado.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 01.03.2013 às 12:45

Gostaria de poder ser-lhe útil, caro Marcos, mas sinceramente não sei.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.02.2013 às 13:17

Muito interessante esta matéria, Pedro. Depois de um discurso e prática musculado a que assistimos por toda a Europa, em particular no que respeita aos países "resgatados", continuamos a verificar que os resgatadores não se deixam resgatar. Traduzindo isto para linguagem interna, verificamos que os que fazem os discursos de renovação não se deixam renovar. Pensam também muitos deles que este renovamento é um renovamento geracional, mas é mentira, a renovação virá pelo renovamento do pensamento. As instituições faliram, porque o que faliu foi o modelo corporativista que espartilhou os centros de decisão e libertação do cidadão. Os confadres renderam-se à miséria que o luxo proporciona e, convencidos ser os iluminados, criaram uma escola de virtudes que se aplica aos outros e nunca a eles.
Vai daí, Mammon (ou mamona), o deus do dinheiro, das finanças e do mercado, escravizando ainda mais toda esta vaidade, julgou ser possuidor dos meios, dos confrades, para versar nas salas de mercados e em acordos profanados sua lânguida voz. Para isto, também, era necessário colocar as ovelhinhas a balar o mesmo balido.
Esqueceu-se Mammon que uma nova era e um novo meio tinha surgido, ou seja, a era da comunicação e o meio de comunicação dos pobres, que leva por nome internet. Certamente que Mammon, num futuro que é hoje, tudo fará para limitar a liberdade de acesso a este meio e também de aí, aqui, se versar a liberdade do pobre e oprimido, mas é tarde, muito tarde, felizmente.
Este meio de comunicação é poderoso, porque é capaz de contrapôr a verdade à mentira, o conhecimento à ignorância e a informação à desinformação. E também é poderoso porque, em tempo real, permite corrigir o erro, e não mais fazê-lo permanecer sob a aura da verdade.
Os políticos e poderosos, que os governam, sabem que vivem o fim dos tempos, mas continuam a mexer, tal como a serpente estrebucha mesmo depois de decapitada.
Sem imagem de perfil

De Alexandre Carvalho da Silveira a 28.02.2013 às 20:01

Não deixa de ser interessante que tenham sido os maiores adoradores de Mammon, que tenham desenvolvido, posto a funcionar e divulgado aquilo a que chama " meio de comunicação dos pobres (????), que se chama internet".
E que sejam alguns dos "profetas do novo pensamento" que muitas vezes defendem o condicionamento do seu uso.
Os problemas que se colocam actualmente aos europeus, são essencialamente dois: como arranjar empregos para uma população cada vez mais instruída e habituada a viver no conforto, e como arranjar dinheiro para pagar um estado social cada vez mais dispendioso. E este debate, que a esquerda por não ter soluções diz que é ideológico e evita a todo o custo, é essencial.
Esta Europa do bem-estar social, foi pensada para pouco mais de uma dúzia de paises; a queda do Muro e a globalização, practicamente em simultâneo, vieram pôr a nú as frágeis linhas que até aí tinham cozido a coesão europeia, apesar do euro, que não passou da adopção pelos outros países do marco alemão. Agora, temos de nos reinventar politica e económicamente; mas infelizmente ouço pouca gente a falar disso.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.02.2013 às 21:55

Certamente que se quer referir ao Arpanet (o sistema de comunicações americano) e eu refiro-me ao interface criado com a desigbação world wide web (www). Ficamos esclarecidos?
Que novo penamento se refere? Pode concretizar? Quem condiciona tal uso? O descendente de Rockfeller, com sua proposta no senado americano? Se é este estamos de acordo.
Bem estamos de acordo sobre os problemas, mas não vi que estivéssemos de acordo quanto ao que os causou. Na realidade ter emprego é um conforto, porque permite sustentar uma família, pagar casa, pão e escola. Acha demasiado, ou isto, Alexandre, para si é um luxo?
O Alexandre centra sempre a questão entre esquerda e direita, eu falo de pessoas, da direita e da esquerda. Ou será que umas contam mais que as outras?
Sabe o que coseu a coesão europeia do pós guerra, assim como a coesão americana? Pois bem, foi o equílibrio do medo. Com a queda do muro e a rendição da URSS a coesão acabou, porque o medo deixou de existir. A Europa, Japão, EUA cresceram e foram coesos enquanto souberam que a atitude de uma população desesperada poderia originar fragilidades militares e até mesmo de soberania. Depois que tudo isto acabou foi um reinar vilania, com vilões a corromper outros tantos.
Bem, finalmente, parece que veio ao encontro de meu comentário. Mas parece-me que aqui não necessitamos de reinvenções, basta olhar uns para os outros. Só precisamos de nos converter, ou seja, mudar de sentido.
Sem imagem de perfil

De Ferrugem a 28.02.2013 às 14:28

Grillo consegue a proeza de, por uma vez, me pôr de acordo com Daniel Oliveira.

http://expresso.sapo.pt/a-birra-italiana=f789787
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 28.02.2013 às 17:12

«A democracia não é um centro comercial, onde se escolhe, à última da hora, o produto que se quer comprar. Aqui o cliente não tem sempre razão», escreve DO. Subentende-se: o povo não tem razão porque não votou do modo como DO gostaria que votasse.
Fica registado, para memória futura. Talvez até venha a fazer doutrina. Embora eu prefira que não faça.
Sem imagem de perfil

De Ferrugem a 28.02.2013 às 17:35

Acrescenta ele: "Porque o cidadão não é cliente e as escolhas políticas não são produtos...o voto inconsequente de mero protesto - como se o protesto pudesse ser resolvido em cinco minutos, numa mesa de voto - resulta de uma infantilização dos cidadãos. Que os próprios cidadãos alimentam para se desresponsabilizarem pelas suas escolhas."

Já agora, no JN, Fernando Santos escreve: "...o discurso anticorrupção e a formação de listas de deputados constituídas por estudantes, desempregados e donas de casa redundaram no êxito de um "saco de gatos" especialista no protesto. Uma parte dos italianos trocou a retórica institucional e adotou a velha teoria do perdido por um, perdido por mil. E logo se verá."


Sem imagem de perfil

De Pedro Santos a 28.02.2013 às 18:47

Mas... não é o povo quem mais ordena? ou será, ordenha?
:D
Sem imagem de perfil

De José Catarino a 28.02.2013 às 18:56

E os políticos tradicionais, inconsciente e alegremente, tanto se esforçam para que os Grillos ou os Coelhos ou os Tiririca cheguem ao poder. Foi o que pensei esta manhã, ao ver a alegre presidente da Assembleia da República "explicar" porque é que a lei da limitação dos mandatos autárquicos não será clarificada pelo Parlamento. Por outro lado, ver um debate parlamentar, ouvir a retórica estafada de todos os partidos, agoniar com os brilharetes que eles e elas julgam fazer (como seria bom para a democracia se se enxergassem!), revoltar-se com a comédia -- quem não acaba por preferir, palhaços por palhaços, profissionais com alguma graça?
O descrédito da política é obra dos políticos e não dos eleitores.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 01.03.2013 às 12:44

Bateu no ponto certo, caro José Catarino. Não adianta iludir a questão.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D