Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Seis opiniões socialistas

por Pedro Correia, em 20.02.13

«Sou do tempo em que um estudante em Coimbra foi impedido de falar perante o Presidente da República [em 1969]. Não sou do tempo nem quero ser do tempo em que estudantes impedem professores ou membros do Governo de falar.»

Augusto Santos Silva, TVI 24

 

«Perguntei-me se o caminho para mudar o estado de coisas passa por impedir os Ministros - ou as oposições, tanto faz - de falarem nas Universidades, lugar por excelência da liberdade. Quem vai decidir quem pode falar? Quem tiver mais cartazes, insultar e gritar mais?»
Paulo Pedroso, Banco Corrido

 

«Uma das coisas que mais me tem preocupado na vida política portuguesa é o tom da discussão e a linguagem utilizada. Não fico nada satisfeito - pelo contrário, fico profundamente preocupado - quando vejo o primeiro-ministro a ser sistematicamente apupado. Isso é mau, é negativo.»

Francisco Assis, Rádio Renascença

 

«O boicote arruaceiro de discursos ministeriais não é aceitável nem é tolerável numa democracia. O direito de manifestação tem regras e não pode sobrepor-se à liberdade de palavra. Ninguém é obrigado a ouvir um ministro; ninguém tem o direito de o impedir de falar. Por mais malquistos que sejam, os ministros integram um órgão de soberania, legitimado pelo voto dos portugueses, não podendo estar sujeitos à "acção directa" de pequenos bandos mais ou menos anarquistas. Isto devia ser uma "linha vermelha" para todos os partidos institucionalistas, no governo ou na oposição.»

Vital Moreira, Causa Nossa

 

«O protesto é legítimo e tem um espaço na democracia. Quem governa tem de estar preparado para enfrentar todas as críticas. Considero todavia que há limites que põem em causa a democracia e a governabilidade nos regimes democráticos. E esses limites atingem-se quando se impede o outro - quem quer que seja - do uso da palavra.»

Maria de Lurdes Rodrigues, SIC Notícias

 

«Não aceito que se estabeleça o princípio de que o País está num estado anormal e que, portanto, a reacção também pode ser anormal. Fora de um quadro democrático, toda a violência é legítima. Dentro de um quadro democrático, nenhuma violência é legítima. E a violência não é só física: é também a que coage o outro quando o impede de exercer a sua palavra.»

António Costa, SIC Notícias

 

(acrescentei os depoimentos de VM, MLR e AC aos três iniciais)

Autoria e outros dados (tags, etc)


18 comentários

Imagem de perfil

De Pedro Correia a 21.02.2013 às 11:30

Lamento, não tenho comigo nenhum socialómetro para avaliar do grau de pureza socialista dos políticos em causa. Pensei, aliás, que esse debate em torno do "verdadeiro socialismo" tinha ficado encerrado de vez em Portugal num certo dia de Novembro de 1975. Sendo do PS, estes políticos para mim são socialistas. Tal como Bernardino Soares e Jerónimo de Sousa, sendo do PCP, são comunistas. Em 1975, recordo-me, havia também um debate muito exacerbado sobre o "verdadeiro comunismo" - debate entretanto atirado para o local merecido, isto é, o caixote de lixo da história.
Sem imagem de perfil

De Anónimo Desconhecido a 21.02.2013 às 11:48

Não se enerve, foi o próprio "Pai do PS e da Democracia Portuguesa" que colocou o Socialismo na gaveta há tantos anos, mas já depois do 25 de Novembro 1975, o Pedro ás vezes parece que cristalizou no PREC....há mais vida para além de 1975.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 21.02.2013 às 12:36

Eu não me enervo com facilidade, meu caro. Mas gosto de um bom debate. Claro que há mais vida para além de 1975, felizmente para todos nós. Mas as lições desse ano devem estar sempre presentes. Desde logo, explicam por que motivo a esquerda portuguesa - ao contrário da direita - continua incapaz de entendimentos políticos tantos anos depois. Prescinde-se da convergência possível sempre em nome da unidade utópica. As dilacerantes fracturas do PREC deixaram um rasto muito prolongado.
Sem imagem de perfil

De Anónimo Desconhecido a 21.02.2013 às 14:51

Discordo, começando logo por não considerar o PS um partido de esquerda, nem me lembro da ultima vez que ouvi um dirigente do PS falar em socialismo, é um partido muito mais próximo do PSD do que do PC ou BE. Não existe uma esquerda e uma direita, existem vários partidos com projectos e conceitos diferentes de sociedade. No caso do PSD/PP, é mais fácil o entendimento porque não são partidos de projecto ou ideiais, são partidos que variam consoante a direcção que têm. Como representam mais interesses económicos do que ideiais, é mais fácil a negociação, porque é disso que se trata, negoceiam quem serão os beneficiários económicos, como sabe é mais fácil negociar interesses financeiros do que ideiais de sociedade e conceitos. Além de que é fácil para qualquer partido estabelecer uma aliança com o PP de Paulo Portas para governar, Paulo Portas quer ser estadista e para isso estou convencido que até com o PCP governaria, desde que lhe dessem um ministério e mordomias. É como os deputados do PP, o que votou em consciência, foi ostracizado, os que falaram bem mas votaram contra o que afirmaram, foram premiados com lugares no governo. Alianças são mais fáceis quando falamos de trocar apoios por mordomias.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 21.02.2013 às 15:57

Caro 'Anónimo Desconhecido':

Concordo consigo num aspecto importante: existem várias esquerdas e várias direitas.
A Esquerda é plural, felizmente.
A Direita também.
Este é um dado a ter em conta em qualquer grelha de análise política.

Mas discordo de si quando rejeita, liminarmente, incluir o PS na esquerda política.
Repare: este tem sido o principal obstáculo para um entendimento global à esquerda como alternativo ao entendimento entre PSD e CDS.
As diferenças entre estes dois partidos são notórias, como aliás se tem visto no próprio exercício da actual coligação governamental, e entroncam nas raízes ideológicas e na matriz fundacional de cada um - muito para além dos "interesses económicos" a que alude.

No espectro político oposto, nenhum entendimento sério é possível se cada força política começar por questionar as credenciais de "esquerda" das restantes. Isso, conforme referi anteriormente, remonta aos confrontos traumáticos de 1974-76, e já devia ter sido superado há muito. Em nome da honestidade política, do rigor intelectual e da ética republicana.
Nenhum partido político, seriamente, deve pretender dar lições de moral a outros. Sobretudo quando esses partidos se situam na mesma margem do espectro partidário.
Sem imagem de perfil

De Anónimo Desconhecido a 21.02.2013 às 16:17

Mas não concorda que, até historicamente, PS e PSD são muito mais parecidos, ou têm sido umas vezes outras menos conforme a liderança, do que com quaisquer outros partidos ? eu acho que hoje falar de esquerda e direita até nem é o fundamental, o que contestei inicialmente, até mais em jeito de ironia, foi o facto do PS não ser hoje um partido de ideologia socialista, isso penso que até é evidente e não vem daí nenhum mal ao mundo. Acho que uma aliança que inclua PS e PCP não faria sentido do ponto de vista governativo, têm projectos praticamente antagónicos, só por eventualmente se considerarem de esquerda. Já PS/BE não me chocaria, o BE é mais um partido de causas, não seria impossível ao PS ceder em algumas coisas. Mas para mim a aliança mais natural entre 2 partidos do espectro político português é entre PS e PSD.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 21.02.2013 às 16:47

Caro 'Anónimo Desconhecido':

É interessante o elenco das questões que formula. Interessante, sobretudo, porque o simples enunciar dessas questões permite-nos abrir pistas para as respectivas respostas, como tentarei demonstrar.

Respondendo sinteticamente às questões que formula, na mesma sequência:
- Sim, genericamente, PSD e CDS são mais 'agregáveis', sem menosprezo das diferenças até de ordem genética que evidenciam
- Não obstante, faço-lhe notar que CDS e PSD têm consideráveis diferenças a nível regional e em termos históricos. Sob este último prisma, recordo que o CDS foi o primeiro partido a aceitar coligar-se com o PS no actual quadro constitucional, o que faz muita diferença
- De acordo consigo, a divisão esquemática entre Esquerda e Direita é hoje redutora em diversos aspectos
- PS e PCP, tal como refere, são muito dificilmente congregáveis para efeitos de uma futura coligação governativa
- À esquerda, e apesar de tudo, parece-me muito mais provável - e clarificadora - uma aproximação do BE ao PS
- Discordo de si sobre a "naturalidade" da suposta aliança entre PSD e PS. Estes partidos, mal ou bem, representam os dois principais polos do nosso sistema político. Mesclá-los ou confundi-los, ao estilo do velho PRI mexicano, seria muito pernicioso para a democracia portuguesa. Já tivemos quatro décadas de União Nacional. Bastou-nos.

Permita-me, no entanto, mudar de agulha.
Enuncia vários cenários de opções governativas em coligação (excluindo naturalmente os cenários de maioria absoluta). Sintomaticamente, nenhum destes cenários inclui o PCP.
Ora reside precisamente aqui o problema da Esquerda portuguesa. E refiro Esquerda como soma das diversas esquerdas.
O PCP não soma, o PCP subtrai.
Acaba de acontecer hoje mesmo, em Lisboa. O PCP anuncia prematuramente um candidato à presidência da câmara mais emblemática do País sem ter revelado - tanto quanto é do conhecimento público - qualquer preocupação de entendimento político com as forças partidárias que à partida lhe seriam mais próximas.

Indo dieito ao assunto: isto favorece a candidatura conjunta PSD/CDS, que deverá ser encabeçada por Fernando Seara.
Uma perspectiva que, pelos vistos, não travou o PCP, cujo único objectivo táctico momentâneo parece ser o de empurrar o Bloco de Esquerda para os braços do PS.
Talvez obtenha sucesso. Mas com tanto tacticismo perde-se de vista o mais importante, que é a estratégia. O problema da Esquerda em Portugal é sobretudo este: táctica a mais, estratégia a menos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo Desconhecido a 22.02.2013 às 11:48

É interessante o que diz e concordo em muita coisa, mas respondendo resumidamente à questão que coloca em relação ao PCP, direi que essa é a grande diferença do PCP para os outros partidos, não procura o poder a qualquer custo, não troca as suas convicções por lugares no poder. Pelo menos quero acreditar que assim é e por isso sempre votei nesse Partido, além de que a luta política não se esgota no governo ou presidências de câmara. Se há coisas no PCP com as quais não concordo, há outras fundamentais que me continuam a fazer acreditar no Partido, muito lamentaria ver o PCP fazer, por exemplo, a figura que o PP faz neste governo, não concorda com nada mas aprova tudo, a bem da nação !

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D