Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Estrelas de cinema (17)

por Pedro Correia, em 10.02.13

 

 A IMAGINAÇÃO JÁ NÃO É O QUE ERA

***

Sejam bem-vindos de regresso ao cinema antigo, que nos mostra um mundo a preto e branco, em que bons e maus são facilmente reconhecíveis. O sucesso de Argo explica-se por isto: a nostalgia que tantas vezes sentimos de voltar a ver uma história bem contada, com protagonistas destituídos de dilemas morais, sem as tortuosas errâncias de fidelidade que caracterizam as personagens de um Graham Greene ou de um John Le Carré.

Este filme não engana ninguém: cumpre os objectivos com uma eficácia digna de aplauso. Herdeiro directo do chamado cinema político norte-americano dos anos 70, mas com muito mais certezas que dúvidas, conta-nos a história de um agente da CIA que resgata um reduzido grupo de compatriotas refugiados na embaixada do Canadá em Teerão nos meses de loucura colectiva - e homicida - que se sucederam ao derrube do Xá, em Janeiro de 1979.

Com um ritmo trepidante, uma notável fluência narrativa e uma meticulosa reconstituição daqueles dias de som e fúria que marcaram a transição entre um trono milenar convertido em inaceitável símbolo do despotismo e uma revolução que prometia ser fiel à voz da rua mas não tardou a silenciá-la por sua vez, Argo é um daqueles filmes que sabem o que querem e para onde vão. Rodado com mão segura por Ben Affleck, que aqui se confirma como cineasta de mérito e actor de gama muito mais vasta do que sugeriam as comédias românticas em que se vinha enredando com excessiva frequência.

A qualidade do desempenho deste actor-realizador pode ser avaliada pela credibilidade da sua caracterização como operacional da CIA dos anos 70 disposto a desrespeitar instruções dos superiores hierárquicos para levar por diante aquilo em que acredita - e sobretudo pelas cenas em que apenas se exprime pelo silêncio. Não conheço, aliás, melhor maneira de avaliar uma interpretação cinematográfica.

 

Argo podia ser apenas mais um título no já longo rol de filmes e séries que aproveitam o acesso a material desclassificado dos ficheiros secretos da CIA e que têm servido de algum modo para reabilitar a imagem da agência, diabolizada nos anos de chumbo da Guerra Fria. Ao contrário do FBI, desde sempre idolatrado nas películas de Hollywood, a agência sediada em Langley nunca caiu nas boas graças da Meca do cinema. Até hoje.

Que isso aconteça aqui graças a uma operação de "espionagem" real que recorre a uma fictícia produção hollywoodiana como pretexto para o resgate dos reféns (com John Goodman e Alan Arkin insuperáveis em contraponto cómico ao tom dramático do filme) é um prodígio de ironia do argumento, inspirado num livro de Antonio Mendez, o agente que protagonizou o arriscado episódio aqui revivido. Prova evidente - uma mais, entre tantas outras - que o cinema imita crescentemente a vida. Longe vão os dias da Sétima Arte como "fábrica de sonhos". Tão distantes como a era dos espiões com dúvidas existenciais.

Sejam bem-vindos ao tempo das novas certezas e da vida filmada a imitar em cada fotograma a vida real. Como se o artifício tivesse passado irremediavelmente de moda e a imaginação, que em certo período já remoto alguns quiseram levar ao poder, tivesse emigrado para parte incerta.

 

 

Argo (2012). De Ben Affleck. Com Ben Affleck, Bryan Cranston, Alan Arkin, John Goodman, Victor Garber, Tate Donovan, Clea DuVall, Scott McNairy, Rory Cochrane, Christopher Denham, Kerry Bishé.


6 comentários

Imagem de perfil

De João Campos a 10.02.2013 às 17:37

Ainda não vi o filme, mas deixo uma curiosidade - que não sei se chega a ser mencionada de forma explícita no filme. Durante a operação, o filme a ser rodado seria uma adaptação cinematográfica do livro "Lord of Light", de Roger Zelazny - um clássico da ficção científica publicado em 1967. E, não incluindo espiões e ayatollahs, é um belo livro, um dos melhores que li durante o ano passado.

(há uma tradução portuguesa, mas recomendo o original - a escrita do Zelazny é muito boa, e duvido que as pobres traduções de FC em Portugal lhe façam justiça)

Quanto ao filme, como disse ainda não vi. Confesso que o Ben Affleck actor afasta-me um bocado. Mas já são demasiadas pessoas diferentes a recomendar o filme, pelo que sou capaz de lhe dar uma oportunidade um dia destes.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 10.02.2013 às 23:04

Sim, João, a obra é mencionada no filme - aliás mais do que uma vez. O filme também é interessante por observarmos a metamorfose do Ben Affleck. Marca vários pontos com esta surpresa proporcionada aos espectadores, como refiro no texto.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 10.02.2013 às 19:27

Com a Esquerda a dominar o poder as "certezas" aparecem.
Valery Plame não aconteceu por acaso.
A sequência foi assim Departamento de Estado> CIA > e agora em curso a operação para tomar conta culturalmente do Pentágono e das Forças Armadas.
Não é por acaso que os soldados têm aulas de "sexual awareness " em que calçam saltos altos...

Questionar o Estado hoje é de Tea Party...
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 10.02.2013 às 23:10

O caso de Valery Plame também já deu um filme.
Imagem de perfil

De Laura Ramos a 12.02.2013 às 02:39

Vi o filme há umas semanas. Adorei.
Nenhum ingrediente em especial, aparentemente. Mas Affleck está muito bem, digam o que disserem. E depois, há sempre aquele sabor indescritível do retorno aos incidentes históricos que nos marcaram, e já nem nos lembravamos quanto. Ri-me em surdina ao lembrar-me que me estreei na escrita pública "interventiva" nesta altura, precisamente a propósito de Khomeini e a favor do Xá Reza Pahlevi. Era uma emoção ir contra a opinião oficial dos idos de 78/79, connosco, a estudantada, a sofrer a tiraniazita dos líderes de então. Belo filme.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 12.02.2013 às 23:31

Ben Affleck, tão surpreendente neste papel à revelia do estereótipo a que nos habituou, é talvez o principal ingrediente de sucesso deste filme, Laura. Ingrediente a dobrar, pois é tão eficaz na realização como na representação.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D