Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Delito de Opinião

A Galp deve ter razão

Rui Rocha, 24.11.12

A DECO publicou um estudo em que conclui que os combustíveis premium como o G Force e o H Energy são iguaizinhos aos de marca branca. A GALP, entretanto, ripostou dizendo que os combustíveis são iguais à saída da refinaria mas são diferentes na bomba. Não sou especialista, mas inclino-me para dar razão à GALP. Na verdade, abasteço sempre em postos de marca branca e posso garantir que nunca me aconteceu nada assim:

9 comentários

  • Sem imagem de perfil

    portuguesacoriano 25.11.2012

    Você não reparou que o condutor afinal é um camelo?
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 25.11.2012

    Amigo das ilhas atormentadas por ventos ciclónicos, não esperava que referisse que existem preços para camelos e para pessoas?
  • Sem imagem de perfil

    portuguesacoriano 26.11.2012

    Sr. Anónimo, não é fácil perceber se esta afirmando alguma coisa, ou se me esta perguntando alguma coisa.
    Seja como for; os combustiveis, as potencias e os consumos, na sua multiplicidade, incluem uma grande quantidade de truques de ilusiunismo.
    Na base de toda a ação esta a energia dispensada para a relisação do mesma, é medida em calorias, na mecânica usa-se a unidade joule que compreende a quantidade de energia necessaria para efetivar uma ação. Para calcular a quantidade necessaria para qualquer ação, deve-se ter em conta muitos factores, mas os principais são: peso, velocidade e resistencia.
    Os combustiveis fosseis são trabalhados em refinaria, o mais comum é a gasolina que têm 34,8x10-elevado a 6) joules de energia por cada litro, traduzido a calorias é mais ou menos o equivalente a 15 hamburgers MC.D. Se voçê ficar todo o dia no sofá no minimo de activiade possivel talvez tenha combustivel para 15 dias, se voçé trabalhar 12 horas por dia talvez tenha combustivel para 5 dias, se você for muito pesado talvez tenha combustivel para 2 dias.
    Na construção de um automovel pode-se optimisar a perdas de energia dissipada, por exemplo: reduzir o atrito, optimisar mistura com o oxigénio, ou reduzir o peso da maquina, mas milagres ninguem consegue porque no final é sempre um determinado peso movido por um determinado combustivel, que para andar mais, seja em velociade, força ou em tempo; gasta sempre mais.
    Eu não acredito na publicidade da Galp. Você acredita?
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 26.11.2012

    Não amigo, fiz uma pergunta. Obrigado pela informação, quem está habituado a trabalhar em regime elevado sabe bem o que o amigo refere. Hoje as caixas dos automóveis, com o número de velocidades que nos apresentam, são mais do que suficientes para manter o regime certo com menos desgaste e menos consumo. E os óleos também estão preparados.
    Sim, a Galp tem diferença nos preços, porque uma é aditivada e a outra não. Se resulta ou não, deixemos isso com os estudos da Deco e a refutação da GALP. Eu cá prefiro a normal, e adquirida em estações low cost.
  • Sem imagem de perfil

    portuguesacoriano 26.11.2012

    Sim, é bem verdade, mas para fazer bom uso de uma caixa de velocidades, até agora, só mesmo o homem, mas não é para todos, na outra forma, a tecnologia ainda não alcança a sabedoria de quem a cria.
    Os óleos são efectivamente uma boa ajuda mas não deixam de ser um pormenor. Por exemplo: você desloca-se numa maquina com um óleo sintético bom, do melhor, que lhe vai facultar menor consumo de combustível, como pode se dar a essa regalia, fá-lo por isso mesmo. Existem casos excepcionais, por exemplo; os apanhados pelos carros. Para maioria dos comuns vai acabar por desaproveitar o que ganha, ora pelo custo mais elevado desse óleo, ora pelo nível de vida que leva, noutras palavras é; vivem com muito mas vivem desorientados.
    Resumindo: Luxos, é disso que tratamos, pura e simplesmente luxos, sem qualquer sentido no que diz respeito a respeito, seja ele pelo proximo seja ele pelo planeta.
    Sr. Anonimo, só há duas formas de passar pelo mundo; ou vivemos na realidade ou vivemos na treta, a escolha é feita segundo a capacidade e a vontade de cada qual.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 26.11.2012

    Tudo muito bem esgalhado, prezado Senhor açoriano. Em resumo, é tudo uma questão de manter as rotações ao nível da marcha, e de encaixar as velocidades na situação e terreno adequados.
    Mas deixe-me confessar-lhe algo, a vida já me ensinou que há certos acontecimentos que se vivem não por opções feitas. Às vezes há quem pense que tem o direito e o dever de pensar e agir pelos outros, e geralmente dá borrasca. Bem, não me interprete mal, há uma atitude que me toca particularmente quando a vejo: ou se vive com coragem ou como um cobarde. E é aqui que eu discordo do Senhor açoriano, ou seja, só há mesmo uma forma de se passar pela vida: ou com coragem ou com cobardia.
  • Sem imagem de perfil

    portuguesacoriano 26.11.2012

    Ó Sr. Anónimo, deixe-se de cobardias e mostre o seu rosto, é que isto de viver fustigado por ventos ciclónicos deixa a malta sem pachorra, sabe?. É que aparece tanto palerma com tanta treta e tanta léria que muito sinceramente vou chegando a pontos de desistir desta coisa chamada democracia.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 27.11.2012

    Prezado Senhor açoriano, as suas reflexões são estimulantes, pois de tão profundas que são fazem sempre lembrar-me coisas mais elevadas. Ainda assim, dividindo-me entre a caridade e a espada, optei pela primeira. O seu comentário transportou-me àquela afirmação muito conhecida, e também ao seu significado: "não deis aos cães o que é santo, nem lanceis entre os porcos as vossas pérolas, para que não as pisem com os pés e, voltando-se, vos dilacerem".
    Olhe que é preciso muita coragem para levar isto a peito.
    Não desista, não desista. A verdadeira coragem reside no facto de contrariarmos os nossos impulsos, ou pulsões, "mortais".
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.