Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Alberto Martins, a homenagem que se impõe

por André Couto, em 20.07.12

 

Terminava a manhã do dia 17 de Abril de 1969 e decorria a inauguração do Edifício das Matemáticas, na Universidade de Coimbra. Alberto Martins, Presidente da Direcção Geral da Associação Académica de Coimbra pede, em nomes dos estudantes, a palavra ao Presidente da República, Américo Thomaz. Ia transmitir o sentimento geral em máximas como: "exigimos diálogo", "educação para todos" e "estudantes no governo da Universidade". A palavra foi-lhe negada, Alberto Martins foi preso pela PIDE e, horas mais tarde, a polícia de choque foi largada sobre os estudantes que faziam uma vigília pacífica de solidariedade para com o dirigente preso. No dia 30 de Abril, o Ministro da Educação Nacional, José Hermano Saraiva, acusou os estudantes de desrespeito, insultos ao Chefe de Estado e do crime de sediação. Concluiu dizendo que a ordem seria restabelecida em Coimbra. E foi, em 25 de Abril de 1974.

A minha homenagem a Alberto Martins e aos anónimos que não se conformaram. É de Homens destes, exemplos de luta pela Liberdade, que é feita a memória e a História de Portugal.

Os outros são páginas negras.


24 comentários

Imagem de perfil

De Pedro Correia a 21.07.2012 às 12:19

Tem havido alguma confusão nestes conceitos. Há os historiadores, com pergaminhos académicos e cátedra universitária, que elaboram a História. São por vezes péssimos narradores, de leitura penosa e nada fluente: isso não lhes rouba o brilho académico.

Há outros, pelo contrário, que se especializaram em narrar histórias da História. Não têm pergaminhos académicos e são encarados com desdém pelos catedráticos do ramo. Mas têm grande aceitação popular devido à sua capacidade de "efabular" a História, precisamente. Nenhuma História o é verdadeiramente sem uma narrativa - todos os esforços feitos até hoje para abolir essa narrativa foram condenados ao fracasso - nem sem alguma capacidade de "supor factos" na ausência de documentos categóricos e esclarecedores.

É certo que houve a carta de Pero Vaz de Caminha, é certo que houve as crónicas de Fernão Lopes, é certo que houve os éditos reais e os registos de baptismo. Mas quanto da nossa história carece de documentos abrindo assim espaço à especulação? Dou apenas o exemplo: as chamadas Actas das Cortes de Lamego, que terão sido realizadas durante o reinado de D. Afonso Henriques e sobre as quais assentou durante séculos boa parte do direito consuetudinário português, eram afinal apócrifas. Pelo simples facto de essas cortes, como é muito provável, jamais terem existido.

Qual o mérito de Saraiva enquanto divulgador? Precisamente esse: o de abrir ao cidadão comum o gosto generalizado pela História. Houve demasiado espaço à especulação sem fundamento documental nos livros que escreveu? Houve. Mas em muitos casos isso era-lhe permitido por ter estudado com grande profundidade aquilo sobre o qual se pronunciava. E o exemplo mais óbvio que me vem à memória é o de Luís de Camões. Quantas vezes a sua biografia foi feita e refeita, ditada e contraditada por inúmeros autores ao longo dos séculos com base em linhas ou entrelinhas de poemas, na ausência de matéria documental inequívoca e rigorosa?

Autores com as características de Saraiva têm desde logo este mérito: aquilo que escrevem abre muitas vezes o caminho para a leitura de obras mais complexas situadas noutros patamares de exigência, à luz dos cânones académicos. Tal como a leitura dos livros de aventuras ou da banda desenhada popular abre o gosto por leituras mais exigentes. Sei do que falo: isso sucedeu comigo.

Recordo, aliás, outro historiador de uma geração anterior à de Saraiva: Mário Domingues. Foi um escritor prolífico, autor de dezenas de biografias. Mas também um narrador notável e com muita audiência na era pré-televisiva. A História que nos deixou não é uma História académica, cheia de notas de rodapé que nos remetem para as vetustas e esmagadoras obras do Doutor X ou da Eminência Y. Mas é uma história popular, onde sentimos palpitar a vida.

É um pouco isso que nos sucede ainda hoje ao lermos os romances históricos de um Dumas, um Hugo, um Scott. A História vista de outra maneira.
Imagem de perfil

De José Maria Gui Pimentel a 23.07.2012 às 15:19

É inegável que o JHS contribuiu imenso para a divulgação da História. E isso, por si só, já resumiria a discussão. Concordo que o resto pouco interessa.

Ainda assim, já que se fala nisso, convém descrever as coisas como são. O que ele fazia muitas vezes não eram simplesmente inferências arriscadas -- a historiografia não é uma ciência exacta... -- eram lapsos (para o bem e para o mal). Pelo menos eu interpreto-os assim, porque não eram amparados por uma justificação, por um argumento, qualquer que fosse.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D