Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Não há coincidências (19)

por Ana Vidal, em 03.07.12

Uma grande canção, mil vezes ouvida ao longo de uma vida, pode ser o pior inimigo de quem faz... canções. Não, não estou baralhada. É que um clássico, uma canção de que gostamos muito, vai muito mais longe do que ficar-nos só no ouvido. Como canta o Chico na sua "Terezinha" (uma canção maravilhosa, a propósito), a melodia "instala-se feito posseiro" nos interstícios do nosso património musical e emocional, colando-se-nos irremediavelmente à pele e tornando-se nossa para sempre. Essa invasão amiga do inconsciente pela música é um fenómeno comum, e não é por acaso que determinadas sequências musicais nos evocam de imediato lembranças (boas ou más, mas sempre ligadas às emoções) a que estão associadas.

 

Para quê toda esta introdução? Para vos lembrar de que, se isso acontece a todos nós, mais facilmente acontece a quem faz da música a sua vida. Por excesso de exposição e interesse permanente, a mente não reconhece o déjà vu (déjà entendu, no caso) e "acredita" estar a criar uma nova sequência musical, quando, afinal, está apenas a reproduzir uma que tem gravada na memória. Esta é a explicação mais lógica para os muitos casos de plágio inconsciente, alguns deles já relatados nesta série, que atingiram compositores da craveira de Paul Simon, George Harrison, Mark Knopfler, Sting, John Lennon, etc, para já não falar nos compositores da chamada música erudita. Claro que não é por falta de criatividade própria que todos eles caem no logro da "cópia", mas, quase sempre, devido à traição dos sentidos.

 

O caso que vos trago hoje é nacional, e por isso mais delicado: envolve músicos que conheço bem e respeito, que já nos deram inúmeras canções dessas que forram o património musical que gostamos de preservar. Falo de João Gil (Luís Represas é apenas intérprete nesta canção, segundo a informação da editora). Falo ainda de João Monge, um grande letrista português, porque também na letra há uma coincidência espantosa. A canção em causa é recentíssima - faz parte do último álbum de originais que Gil e Represas gravaram em Novembro de 2011 - e chama-se Quando eu voltar a nascer. Pois é, o título parece premonitório. Logo que a ouvi pela primeira vez, a melodia dos couplets soou-me a alguma coisa conhecida, de tal maneira que foi fácil trauteá-la e adivinhar-lhe os acordes sem nunca a ter ouvido antes. Não tardei a identificar a semelhança: havia uma terceira voz por detrás das vozes do João e do Luís, e essa voz era a do Caetano Veloso. Cantava, só para mim e em uníssono com eles, o seu terno e eterno Leãozinho. E o leãozinho voltou a nascer nesta canção.

 

 

 

Aqui estão os dois videos para o vosso próprio julgamento, porque às vezes penso que estou a ficar "apanhada" por este meu ouvido implacável. Acrescento uma curiosidade: reparem em como a palavra "entristecer" (na letra de João Monge) cai praticamente no acorde que corresponde, na letra brasileira, à palavra "desentristecer". Que las hay, las hay.


16 comentários

Sem imagem de perfil

De Paulo a 03.07.2012 às 18:34

Muito curioso. Gosto muito de "gosto muito de você" e de "gosto de te ver ao sol" e etc. E não consigo achar piada à canção de João Gil & Co. E sim, que há semelhanças, ah pois hay.
Imagem de perfil

De Ana Vidal a 04.07.2012 às 17:12

O Leãozinho é, como se diz agora, "incontornável".
;-)
Sem imagem de perfil

De Gi a 03.07.2012 às 18:36

Na "mouche", Ana.
Imagem de perfil

De Ana Vidal a 04.07.2012 às 17:13

Pois, Gi.
Sem imagem de perfil

De leitor a 03.07.2012 às 22:04

Achei muito a música portuguesa demasiado sem graça (como diriam os brasileiros). Até porque acho que tudo o que seja cantado pelo Represas soa-me foleiro.

Desafio-vos a linkar do youtube músicas realmente bons Represas e João Gil.
Imagem de perfil

De Ana Vidal a 04.07.2012 às 17:15

Não estamos de acordo, por isso esse exercício de enumerar uma lista de músicas seria inútil. Se há coisa que seja subjectiva é o gosto musical.
Imagem de perfil

De José Navarro de Andrade a 04.07.2012 às 00:28

Ai! (outra vez)
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 04.07.2012 às 00:30

Ora aqui tens o meu aplauso, Ana: gostei muito que tivesses retomado esta tua série tão original sobre plágios, reais ou virtuais. De acordo contigo: a dupla Monge-Gil tem assinado algumas das melhores canções portuguesas das últimas duas décadas. Ocorre com frequência o chamado 'plágio inconsciente', que segundo dizia o Picasso é a melhor forma de homenagear alguém. Mas neste caso parece-me haver apenas uma vaga similitude entre os dois temas. Embora admita sem dificuldade que o teu ouvido é melhor do que o meu.
Imagem de perfil

De Ana Vidal a 04.07.2012 às 17:17

Obrigada pelo imerecido aplauso, Pedro. Ter um ouvido difícil de enganar pode ser tramado. :-)
Sem imagem de perfil

De Ouvinte atento a 04.07.2012 às 10:23

Ainda com músicos consagrados: ouçam Stuck on you de Lionel Richie (1984) e Wonderful tonight de Eric Clapton (1977). E depois digam se o ouvido vos diz algo...
Imagem de perfil

De Ana Vidal a 04.07.2012 às 17:21

Já passou por esta série Eric Clapton, também na qualidade de "plagiado". E por outro grande músico: Mark Knopffler. Vou ouvir atentamente a sua sugestão, que até agora me escapou. Se me convencer, por aqui passará também. Obrigada.
Imagem de perfil

De Ana Vidal a 04.07.2012 às 17:27

Já fui ouvir e convenceu-me plenamente, Ouvinte Atento. Tem toda a razão, há uma sequência de acordes exactamente igual. Continue "atento", a sua sugestão há-de dar um post desta série.
Obrigada mais uma vez.
Sem imagem de perfil

De Ouvinte atento a 06.07.2012 às 12:09

=)
Imagem de perfil

De semprescp a 05.07.2012 às 16:31

Um dos casos mais flagrantes que conheço. Comparem:

Alanis Morissett: Your House
http://www.youtube.com/watch?v=1JacKpS-aaE

Perfume + Rui Veloso
http://www.youtube.com/watch?v=qLYdlZWrBRQ
Imagem de perfil

De Ana Vidal a 05.07.2012 às 21:28

Caramba, é flagrante mesmo! Não conhecia esta música da Alanis Morissette.
Obrigada pela dica, dará um post também. Só não posso citar a fonte porque não sei o seu nome...

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D