Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O meu 25 de Abril

por Cristina Ferreira de Almeida, em 24.04.09

Confesso que não me lembro bem de como era a vida antes do 25 de Abril. Lembro-me dos padres operários que iam lá  a casa, do disco do Zeca Afonso que o meu pai ouvia baixinho, dos sussurros sobre o padre Alberto, que tinha sido preso porque tinha armas debaixo da cama. Lembro-me que não fui à escola num dia que não era feriado, já íamos a sair quando a porteira sussurrou qualquer coisa ao meu pai e voltámos para casa. Ouvimos rádio todo o dia, mas eu não percebi nada. No dia seguinte voltei à escola e a oração da manhã tinha passado a incluir um pedido de atenção a Nossa Senhora para este "nosso Portugal". Não percebi nada. O meu catequista deixou crescer o cabelo e a barba, cantávamos "toco-te e respiras" na missa das sete de Santa Isabel e o catequista, agora cabeludo, pedia assinaturas para a legalização do PSR. Alguns padres continuaram a ir lá a casa mas falavam de outros países, davam missa na sala de jantar, repartiam carcaças e vinho tinto entre os presentes e, percebi mais tarde pelos sussurros, acabaram por casar-se. O meu tio Manuel voltou da Suiça, onde tinha estudado num seminário, e foi dar aulas de História Económica e Social na Universidade Clássica, até ser saneado porque tinha entrevistado Marcelo Caetano em Paris. O 25 de Abril teve a  turbulência que tem sempre a infância, pensava eu. Só muito tempo depois percebi que nem todas as infâncias têm um 25 de Abril. Só muito tempo depois percebi que estava a espreitar pela porta das traseiras da igreja católica, através do chamado catolicismo progressista. Tive mesmo sorte, acho eu agora.


22 comentários

Imagem de perfil

De Cristina Ferreira de Almeida a 25.04.2009 às 00:06

Obrigada, Pedro. O problema é arrumar a memória e não maçar os outros com os nossos retratos de família. Mas o que já estudei sobre este assunto faz-me pensar que os católicos progressistas, e figuras desarmantes como o padre Felicidade Alves, entre outros, tiveram um peso maior na queda do regime do que o que lhes é atribuído.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D