Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Crise? Qual crise?

por Carlos Barbosa de Oliveira, em 21.04.09

 

 

Não deve ter havido ainda nenhum canal de televisão, rádio, revista, jornal ou folha de couve que não tenha abordado as alterações do comportamento dos consumidores face à crise.
Ao pequeno almoço a televisão informa que os consumidores já só comem cereais de linha branca; a meio da manhã uma dona de casa desesperada lamenta aos microfones da rádio já só comer carne branca (seja lá o que ela quer dizer com isso); à hora do almoço leio no jornal que os portugueses estão a substituir a carne por enlatados  (fico logo a pensar como é que o governo irá resolver o problema da ferrugem que ameaça invadir as nossas entranhas); quando regresso a casa aproveito a viagem de metro para  folhear as páginas de uma revista cuja leitura ficou em atraso e, entre as lamentações de duas obesas, pela carestia de vida, salta-me um anúncio de uma cadeia de supermercados anunciando promoções.
Chego a casa, ligo a televisão para ver o telejornal, fico a saber que os portugueses trocam o peixe e a carne por produtos congelados (quanto tempo nos falta para saber  os efeitos no nosso organismo da mistura da ferrugem dos enlatados com o excesso de gelo?) e depois do jantar venho até à blogosfera onde felizmente não se fala destas coisas.
Antes de  me deitar dou uma vista de olhos pelo “Expresso” que não tive paciência de ler durante o fim de semana e… Hélas! Na última página o artigo que me faltava ler: “Consumo - Apertar o cinto”. Entre alguns conselhos que eu me fartei de dar em revistas da especialidade, ainda a crise vinha longe, descortino uma conversa com a responsável pelo gabinete de sobreendividamento da DECO*.
O(a) jornalista pergunta-lhe quais são as principais alterações nos hábitos de consumo, Natália Nunes não se faz rogada e responde “os consumidores começam por cortar nos produtos básicos; trocam os caros por outros mais baratos e…. Suspense…. reduzem as necessidades mais superficiais como… ir ao cinema.
Extraordinário! Para os consumidores portugueses (pelo menos na opinião de Natália…) ir ao cinema é uma necessidade superficial. Provavelmente tão superficial como ler um livro. Compreende-se: mais vale passar o ano a comer atum Bom Petisco, hamburguers, congelados Continente e moelas de frango do aviário do Freixial, do que trocar as férias em Cancún pelo parque de campismo de Monte Gordo.
Mais vale ler as revistas da DECO -  que até oferece um daqueles aparelhómetros supérfluos a quem fizer a assinatura de uma revista no prazo de 10 dias - do que perder tempo a ler um livro ou ir ao cinema. Essencial,  para os portugueses, é continuar a fazer turismo no Verão, em praias distantes, onde podem conviver com milhares de outros portugueses que se acotovelam nos bares e restaurantes e lutam por 10 cms de areia para estender a toalha. O português não gosta de atravessar o Atlântico sozinho, quer sentir o calor humano dos compatriotas, ter um ombro luso onde carpir as mágoas pelo tufão que lhe estragou as férias - pagas em 11 prestações - e só lamenta a falta da sardinha assada e do garrafão de tinto, para ter umas férias perfeitas. A DECO podia aproveitar a embalagem e explicar aos portugueses que com o turismo não se aprende nada. Quem quiser conhecer o mundo e ter uma visão diferente da vida deve é viajar, mas isso é muito complicado para a DECO. E para a maioria dos portugueses também…
Depois, temos ainda aqueles quebra-cabeças que ajudam a perceber a crise.


* Para quem não saiba, a DECO é uma associação de consumidores  especializada em campanhas de marketing agressivas em que oferece produtos supérfluos, a quem assinar as suas revistas (algumas delas também supérfluas).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


20 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.04.2009 às 19:21

Para quem não saiba, subsídios à DECO saem do bolso dos contribuintes.
Sem imagem de perfil

De Que elas mordem, mordem a 21.04.2009 às 19:44

Ó...ó a crise é tão grave que o engenheiro Sócrates deixou de ir fazer safaris fotográficos ao Quénia e ski à Suíça...
Sem imagem de perfil

De Virgínia a 21.04.2009 às 20:03

Crise? Qual crise? Pergunto-me eu inúmeras vezes!
Estou a cuidar dos meus pais, em casa deles, numa vila/aldeia junto ao mar.
O quintal da casa tem mais de uma centena de árvores de fruta, tais como laranjeiras, tangerineiras, limoeiros, macieiras, pereiras, ameixoeiras, pessegueiros, diospireiros, Kiwis, phisalis, etc. etc. muitos frutos.
São de boa qualidade e biológicas, sem pesticidas.
Como em todo o lado há pessoas desempregadas e a viver mal.
Muitas vezes digo a essas pessoas para virem cá a casa apanhar as frutas, conforme as épocas.
Não aparece ninguém... e é tudo oferecido!




Imagem de perfil

De Leonor Barros a 21.04.2009 às 20:43

Também tenho physalis mas este ano estão envergonhadas.
Sem imagem de perfil

De Virgínia a 21.04.2009 às 21:50

Leonor, neste momento as physalis que foram podadas estão a rebentar e os frutos que cairam na terra e largaram as sementes estão a nascer.
Já tive que mondar as minhas. Eram às centenas!
Imagem de perfil

De Leonor Barros a 21.04.2009 às 22:08

A minha não foi podada e até está frondosa mas frutos nada, por enquanto...
Sem imagem de perfil

De Virgínia a 22.04.2009 às 07:22

Leonor, tudo a seu tempo. Ainda é cedo para os frutos, tem de esperar pelo Verão.
Imagem de perfil

De Leonor Barros a 21.04.2009 às 20:42

Os exemplos que têm sido apresentados na comunicação social são ridículos. É que ainda não percebi qual o sacrífico de se tomar o pequeno-almoço em casa em vez de no café ou de se comprarem produtos brancos em vez dos de marca. É apenas uma questão do mais puro bom senso.
Imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 21.04.2009 às 22:15

O problema, Leonor, é que o bom senso dos portugueses emgrou para parte incerta há duas décadas.
Sem imagem de perfil

De António Manuel Venda a 21.04.2009 às 20:49

Carlos, a nota final é de antologia.
Imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 21.04.2009 às 22:16

De antologia, António, é ~uma associação de consumidores utilizar técnicas de marketing, que criticou durante anos.
Sem imagem de perfil

De António Manuel Venda a 22.04.2009 às 15:36

Isso ainda torna a nota mais de antologia.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 22.04.2009 às 00:31

Ena. Vejo que já aprendeste a pôr fotos aqui.
Imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 22.04.2009 às 00:55

Andas com as leituras atrasadas, Pedro! Estreei-me no sábado...
Sem imagem de perfil

De João André a 22.04.2009 às 07:55

O engraçado é que, habitualmente, para quem tem algumas garantias de manter o emprego e não vir o salário baixar, estes são tempos de bonança. Os preços tendem a descer e os salários vão-se mantendo.

Quanto a esses cortes todos já os acho naturais. Cresci com esse tipo de vida (fui adolescente no fim dos anos 80 e início dos 90) e habituei-me ao peixe e carne congelada, a usn enlatados de tempos a tempos e a Nestum, muito Nestum.

Já quanto às férias, não sei o que dizer. É verdade que não estou em Portugal, mas dos meus amigos e das pessoas com quem falo quando aí vou, quase toda a gente diz que vai fazer férias ao Algarve (ou a Espanha, que até é mais barata) ou à Nazaré (sou de Leiria) e quase ninguém fala em destinos exóticos. Mas enfim, gosto de pensar que tenho amigos sensatos...
Imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 22.04.2009 às 22:57

Nem imagina como os aviões vão sempre cheios para o Barsil, Cuba, Cancun e México, durante o Verão. E agora na Páscoa, as agências de viagens annciaram que, apesar da crise, grande parte da oferta que tiham para este período, simplesmente esgotou!
Sem imagem de perfil

De Ferreira-Pinto a 22.04.2009 às 11:19

Que ele há crise, há, embora o problema seja o de que, como é por aqui dito, nem sempre os exemplos apresentados sejam os melhores mas isso, penso, também deve resultar do horizonte geográfico e social dos entrevistadores!

Por outro lado, notei nos comentários que há quem tenha um pomar carregado e que, aparentemente, ninguém quer colher. Tem sorte, digo eu.
A minha mulher, no quintal da mãe, tem um projecto de horta e não raras vezes é visitada por amigos do alheio!
Imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 22.04.2009 às 22:59

Aqui, as pessoas já nem os peixinhos da horta queem, meu caro!
Sem imagem de perfil

De maloud a 22.04.2009 às 17:21

Já pareces o Berlusconi. Queres pôr-me no camping :)))
Imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 22.04.2009 às 23:00

A ti não, maloud, porque nunca te ouvi a queixare-te da crise. E também tens gosto suficiente para não ir para Cancún no nosso Verão.

Comentar post



O nosso livro





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D