Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Où sont les neiges d'antan?

por José Navarro de Andrade, em 24.04.12

Aquele Portas do Passos Manuel é o pior deles todos, avisou o controleiro.

E lá fomos preparados então para o pior, a pé, obviamente em manifestação. Devia ser Outono, era no final de 74 de certeza e o nosso objetivo revolucionário consistia em ganhar as eleições do MAESL na reunião geral do ensino secundário de Lisboa a realizar a meio da tarde de aulas no pavilhão da cidade universitária.

Lista A a nossa, a única coerente e popular. Lista B dos NEIP do Nery, insidiosamente inteligentes, intelectuais mesmo. Lista C de uma qualquer das milhentas facções que dividiam os 10 trotskistas de Lisboa. Lista D a do Portas, o rei dos revisionistas, ou social-fascistas como berravam os MRPPs à porta, porque nunca participavam em nada que não fosse a revolução socialista aqui e agora e já.

Inicia-se a reunião em sala tumultuosa, cada um colocando as suas peças em lugar estratégico para o caso de haver molho. E houve, e a culpa foi do Portas. Ia-se votar uma moção – votava-se tanto e tão de braço no ar a fazer peito – e o Portas pergunta à magna assembleia:

“Quem é que não está em desacordo com esta proposta?”

Levantou-se uma tremenda surriada, provocador!, golpista!, revisionista!, insultos assim dos piores, e a páginas tantas já está ali um foco de confusão. O Nery ainda grita “calma! Calma!” mas alea jacta est. Ferveu tabefe em todas as direcções, a mim calhou-me o braço ir em direção à incipiente calva do Portas. O gajo vira-se e volta-se – vai responder. Um trotska, os empatas do costume, interpõe-se sem querer e a cena morre como começa. O Portas olha-me de lado com cara de que haverá próxima – não houve.

Foi preciso passar muito tempo para perceber que nós éramos assim porque os nossos pais nos deixaram. Ofereceram-nos o presente liberdade e nós soubemos abusar dela, tal como devia ser, incorrendo em toda a sorte de tropelias idealistas. Na verdade, descobrimos depois, fizemos tudo aquilo que os nossos velhos desejariam ter feito quando tiveram o nosso tempo, que para eles fora negro e triste – quem não seja disparatado aos 15 será enfadonho aos 30. O mundo era nosso e já amanhã. Foi quase.


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D