Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




De antologia.

por Luís M. Jorge, em 13.04.12
Porque a vida está cheia de surpresas .


15 comentários

Imagem de perfil

De José António Abreu a 13.04.2012 às 11:47

Pronto, estou confuso. Ela até pode ter razão mas antes não apoiava o governo que tomava medidas dessas e criticava os partidos que as criticavam? Bolas, a lista de incongruências neste país é maior que a dívida externa...
Imagem de perfil

De Luís M. Jorge a 13.04.2012 às 11:58

Bem, suponho que tu actualmente tambem apoias o Governo que toma medidas dessas que antes criticavas. De facto é confuso.
Imagem de perfil

De José António Abreu a 13.04.2012 às 12:19

Eu criticava os gastos muito mais do que os cortes. E a incongruência de cortar nuns lados continuando a gastar noutros (TGV, aeroporto, auto-estradas, etc.).
Imagem de perfil

De Luís M. Jorge a 13.04.2012 às 12:26

Pois, mas as incongruências de que se fala neste texto são outras. Não menos interessantes.
Sem imagem de perfil

De VF a 13.04.2012 às 12:29

Razão? Desde quando tirar frases do contexto, eliminar o hiato temporal e omitir o fundamento de determinadas políticas tem fundamento científico? Ah, já sei... Desde que os jornalistas se tornaram "analistas".
Imagem de perfil

De Luís M. Jorge a 13.04.2012 às 13:33

O que você quer dizer é que estava bem dito na altura mas não se aplica agora? Percebo-o.
Sem imagem de perfil

De VF a 13.04.2012 às 14:32

Não. O que eu quero dizer é que este método de expôr contradições nas tiradas dos políticos ignora, fundamentalmente, todo o seu contexto - como se o objectivo da política (a sã) tivesse deixado de ser a boa gestão e passado a ser a congruência.
Imagem de perfil

De Luís M. Jorge a 13.04.2012 às 15:31

Mas estas tiradas não fazem parte do contexto? Não "contextualizam" aqueles que as dizem? Isso é que é interessante.
Sem imagem de perfil

De VF a 13.04.2012 às 16:17

Certo, mas não identifica as difierenças no contexto. À altura das afirmações do PSD/CDS o Governo falava de crescimento, maravilhas e escondia problemas gravíssimos - e fazia PEC's, enquanto que o Governo de agora está não apenas manietado pelo compromisso internacional como resignado a medidas de austeridade que obviamente têm mais impacto sobre os mais desprotegidos. Não há volta a dar. Mas vejamos, o problema aqui é (não fujamos demasiado à questão inicial) o método da D. Câncio: o que é que este jogo adianta?
Imagem de perfil

De Luís M. Jorge a 13.04.2012 às 18:35

Da-nos um bom retrato da retórica politica. Quando aquela gente falava em "medidas de crescimento" e em salvaguardar os apoios sociais já sabia ao que vinha. Não houve um antes e um agora nas opções ideológicas da maioria. Só cinismo.
Sem imagem de perfil

De c. a 13.04.2012 às 15:58

jaa, este governo é estatista, sendo que o estatismo é a religião oficial do estado português, que se adora a ele mesmo.
Livrámo-nos de um bando que chegava ao puro gangsterismo, o que, não deixando de constituir uma melhoria, está longe de ser suficiente. Basta o maçon Relvas para a gente perceber que o status quo se mantém no essencial. Apenas sobre pressão estrangeira e com uma lei eleitoral que dê alguma espécie de controlo aos eleitores sobre os deputados as coisas poderão mudar um pouco. Por enquanto, vamos continuar a aturar atrevidotes: o secretario viegas, a ministras Cristas, as proibições de fumar no carro...
Sem imagem de perfil

De Alexandre Carvalho da Silveira a 13.04.2012 às 12:36

A incongruencia está na post da Dona Cancio. Todas as medidas que este governo tem tomado, são para resolver os problemas que as medidas dos governos do amiguinho dela criaram a este país. É espantoso como é que ela escreve e diz tantos disparates e ainda lhe pagam por cima.
Imagem de perfil

De Luís M. Jorge a 13.04.2012 às 13:34

Por acaso não nota incongruências nos textos do PSD e CDS que ela cita? Aí népias, não é?
Sem imagem de perfil

De António P. a 13.04.2012 às 15:27

Por este pequeno teste pode-se concluir que no fundo, bem lá no fundo, somos todos uns incongruentes.
Cumprimentos

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D