Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Valha-o Deus, homem

por Rui Rocha, em 17.02.12

D. Manuel Monteiro de Castro, o novo cardeal português, entende que "a mulher deve poder ficar em casa, ou, se trabalhar fora, num horário reduzido, de maneira que possa aplicar-se naquilo em que a sua função é essencial, que é a educação dos filhos”. É de homem. Das cavernas, benza-o Deus. Desde logo, é lamentável que transpareça do discurso uma visão funcional das mulheres. Se bem a conheço, a visão oficial da Igreja Católica apela à integridade ontológica, independentemente de qualquer função. É nessa perspectiva que se entende, por exemplo, a defesa da proibição do aborto. Entendamo-nos. O lugar das mulheres é onde elas quiserem, mesmo que não sirvam para nada ali onde estiverem. O mesmo se aplica aos homens. Sendo que, no caso destes, a probabilidade de não servirem para nada seja lá onde for é bem maior. Tal como a de fazerem ou dizerem asneira. Depois, as palavras de D. Manuel são incompreensivelmente redutoras. Existem tantas funções essenciais para as mulheres em casa, no escritório, na praia ou no campismo que os dois mil e tal anos de história da Igreja Católica não foram suficientes para as enumerar, quanto mais para as perceber. Mesmo admitindo que uma dessas funções não é dizer missa. Mas, para além disso, esta intervenção é profundamente discriminatória. Na verdade, não admito a D. Manuel que me exclua da possibilidade de, a ficar alguém em casa a educar os meus filhos, ser eu próprio a fazê-lo. Pode um ser humano ter uma visão do Paraíso? Acho que sim. No meu caso, passar os dias com os meus filhos, brincar com eles, ajudá-los, ensinar-lhes o pouco que sei, aprender com eles, zangar-me e logo correr a abraçá-los, rirmos e chorarmos juntos, tudo isto me parece a antecipação do Céu em plena Terra. Digo que não tem comparação, não desfazendo, com a função de Cardeal ou de Penitenciário-mor da Santa Sé. Melhor, só mesmo se a minha mulher pudesse estar em casa connosco. Mas isso, de tão bom, tão bom, talvez já fosse pecado. Por isso, espero que D. Manuel, ungido pelo Espírito Santo, possa um dia ver a luz que o ajude a despir-se, em bom recato se a isso a Providência ajudar, do preconceito que a vontade de Deus o fez exteriorizar. Até lá, resta-lhe enfiar o barrete. Cardinalício.


367 comentários

Sem imagem de perfil

De Cristina Torrão a 17.02.2012 às 19:35

O discurso do cardeal peca precisamente por essa «visão "funcional" das mulheres», querendo impor-lhes uma «função essencial», reduzindo-as a donas-de-casa e educadoras, como se só elas fossem responsáveis pelos filhos.

De resto, a ideia de o Estado contribuir mais para as famílias, a fim de que as mulheres, que o queiram, tenham a possibilidade de trabalhar num horário reduzido, ou mesmo poder ficar em casa, até é louvável. Mas partindo sempre de uma opção da mulher, ou seja, acho que seria bom que o Estado lhes desse essa oportunidade. Ou aos homens, em substituição. Seria bom que as crianças passassem mais tempo com os pais, embora também seja verdade que o mais importante não é a quantidade de tempo, mas a qualidade.

Linda, essa maneira de falar dos filhos, Rui!
Sem imagem de perfil

De Helena Sacadura Cabral a 17.02.2012 às 20:54

Obrigada em nome das mulheres à Cristina.
Eu quero poder optar tanto como um homem. Aceito que durante nove meses o meu ventre seja a única casa deles, o porto seguro onde se fizeram gente. Mas uma vez neste mundo, ser pai ou ser mãe tem obrigações mútuas. Se só a mãe amamenta o pai pode, nesse caso, fazer tudo para a aliviar. Deve.
E a opção tem que ser um direito de ambos, porque educar é uma tarefa do pai e da mãe. Não apenas de um.
Também eu eduquei e tive uma carreira. E não quero ser desvalorizada como mãe por tê-lo feito!
Sem imagem de perfil

De Elisa a 18.02.2012 às 14:05

Eu também sou mãe, amamentei os meus filhos, o pai estava presente mas como teria gostado, se pudesse economicamente, ficar em casa durante pelos menos os seus primeiros quatro anos de existência, com uma redução digna de ordenado e poder regressar ao trabalho quando achasse bem. Era importante que a mulher se pudesse poder escolher mas infelizmente quem manda não nos permite a escolher, não temos poder economico para escolher, e depois andamos desesperadas a correr de um lado para o outro quando a vontade era estar com os pequenitos. Agradeço ao Anónimo que permitiu este debate inteligente.
Imagem de perfil

De Rui Rocha a 18.02.2012 às 22:58

Exactamente, Helena.
Sem imagem de perfil

De Paulo a 14.03.2012 às 13:54

Boa tarde

Sempre com opiniões que tocam e acertam, fazem muita falta, "cabeças" que pensam.
Obrigada
Sem imagem de perfil

De O SÁTIRO a 17.02.2012 às 21:01

esta malta não sabe ler.
falta-lhes a 4ª classe.
onde é q o cardeal IMPÕE?
em lado nenhum.
ele disse PODE...
sabe distinguir um verbo do outro?
neste blog ena blogosfera não sabem..
é a ileteracia "progressista" no seu esplendor
Imagem de perfil

De Jonasnuts a 17.02.2012 às 22:38

Sim disse pode, mas borrou a pintura quando usou a frase "função essencial".

Eu sou mulher, logo, multitasking, logo, tenho várias funções essenciais e, visto que vivemos em Portugal, no século XXI, até posso escolher quais são as funções quero como essenciais, para mim.
Sem imagem de perfil

De Pedro Melo a 17.02.2012 às 22:47

Oh valha-me deus! Deus não existe e pessoas como o Sátiro também não deveriam existir! Quer comparar-se ao R.R.? Tenha juízo homem e aprenda a ler o que conseguir.
Sem imagem de perfil

De O SÁTIRO a 18.02.2012 às 01:06

Pedro Melo
como vc não tem argumentos...é uma cabeça oca, cheia de caca de galinha.....
axa k eu não devia existir.!
´Pois desiluda-se..
há muitos milhões como eu....
e ainda vão existir mais.
não me refiro á europa...q tá em decadência acelerada, por causa de ocos como vc.
mas na Ásia, áfrica e américa latina há centenas de milhões como eu
e muitos milhões são perseguidos barbaramente
e não desistem
vc não entende, claro
é preciso Q.I.
Sem imagem de perfil

De Não Sátiro a 18.02.2012 às 17:19

Quem mediu o seu Q.I., foi deus ou sátiro?
Imagem de perfil

De cneves a 18.02.2012 às 11:19

Ao Pedro Melo: Eu não sou tão radical dizendo que "Deus não existe", mas a minha fé sofreu de facto alguns irreparáveis abalos. Desde logo, para que é que Deus precisou de criar criaturas como este "sátiro" que saltita por aqui, falando, falando, mas sem dizer nada, poluindo o espaço qual ácaro, defendendo a sua "dama" do barrete cardinalício e falando de responsabilidades familiares sem que saiba do que fala?
Quem profere bacoradas - para usar um termo popular - como ele profere, não pode falar em literacias, em QI , em, em verbos ou tempos verbais.
Quem escreve sem nada dizer, precisa de reclamar com Passos Coelho por acabar com as "novas oportunidades", nem que fossem só para ele aprender alguma coisa. Hehehehe !
Imagem de perfil

De Rui Rocha a 18.02.2012 às 23:00

O ponto não está no pode, Sátiro. Está na atribuição de uma função essencial. O que faz de todas as outras secundárias.
Sem imagem de perfil

De Luis a 18.02.2012 às 00:19

Parece-me que o comentário do novo cardeal foi tirado do contexto e dita só a parte em que pressupostamente o cardela quer colocar a mulher em casa , parece realmente sexista. Mas na verdade não foi essa a ideia de quem leu todo o seu discurso . Se inicialmente fiquei constrangido pela noticia , logo fiquei mais ilucidado ao ler todo o texto . Entenda ou não ser sexista , o que se defendeu é nesta altura de tremenda baixa de natalidade na Europa (Portugal com especial incidência) , deva ser dada a opção á mulher de durante uma fase da sua vida decidir desempenhar a sua vocação profissional de forma parcial e deva ser dada também a oportunidade de ela optar por favorecer o seu tempo na sua maternidade. Uma familia não é só constituida pela mulher , é o casal e os filhos (e muitas vezes os avós , tios , etc.) No entanto possamos ou não admitir , é sobre a mulher (ainda hoje) que recai a pedra basilar do seio familiar. É sexista ? não me parece , é uma constactação . Sociedades que nós dizemos socialmente desenvolvidas já desde á vários anos estão a dar essa oportunidade ás mulheres , apoiando-as depois na reinserção da vida profissional . Alemanha (alguns estados), Inglaterra, Noruega , Dinamarca podem ser exemplos .A haver discriminação será pela positiva. Podemos todos considerar que a maternidade é uma opção privada , e é , mas não pudemos continuar a pensar que é um luxo. A falta deste luxo está a fazer com que a Europa esteja a perder a sua posição global e que Portugal esteja a um passo de não conseguir assegurar um sistema social nos próximos 20 anos. Sejamos objectivos , daqui a 20 anos , por cada cidadão com menos de 35 anos haverão 3 cidadãos com mais de 60 anos, ou deixa de haver sistema de saude e de segurança social ou temos de inverter as coisas. Sejamos pragmáticos . Nota á parte , por mais que gritemos pela equidade entre sexos , por mais que alguns defensores extremos defendam que os sexos tendem a ser iguais , acontecem os factos que desmontam esses argumentos , um dos quais , muito curriqueiro de se dar é que por regra quando alguêm está aflito , quando um soldado está ferido , quando o stress é enorme , pnsa-se , grita-se , clama-se pela mãe e não pelo pai . É sexista ? pode ser , é real e bem real. A mulher tem um papel social e maternal insusbstituivel , fruto de uma evolução humana ? talvez , mas é na mulher que a familia se apoia ainda segundo as nossas tradições .Estas podem mudar com os seculos mas neste momento é ainda isso que perdura. Para os mais cepticos e agnóticos , diria mesmo para o darwinitsas , a coisa ainda é mais simples , no reino animal qual é a base familiar ? Somos fruto de euma evolução , seja divina ou animal , não está em causa a filosofia que aceitamos , mas em q uma delas a base conduz-nos a dar mais valor na sociedade á mulher . A meu ver até se deveria dar mais valor ao seu papel mas isso já seria uma descriminação pela positiva ...
Sem imagem de perfil

De Fernando a 18.02.2012 às 08:43

No meio de tanto disparate que já aqui se escreveu neste blog, obrigado pela sua lucidez!
Haja gente assim, que sabe ler, e ir à essência das palavras ditas e dos discursos que são feitos e não os descontextualiza para alimentar polémicas.
Sem imagem de perfil

De jMenezes a 18.02.2012 às 17:28

A polémica revela a mentalidade de alguns portugueses; é óptima! Ou cansa-se de ler e responder? Haja polémica, chamem-se outros temas, podemos ser óptimos a fazer sopa de cebola e cirurgiões noutras horas, qual é o problema? Polémica! Polémica!
Sem imagem de perfil

De Augusto a 18.02.2012 às 10:39

Depois de ter lido todos os comentários até aqui, com muitos disparates e presunções, surge este com qualidade. Vá lá que há quem saiba esclarecer as turbas mentes.
Imagem de perfil

De Rui Rocha a 18.02.2012 às 23:02

Um excelente comentário, Luís. Parece-me todavia uma interpretação benigna. Nada sustentada, por exemplo, numa outra passagem das declarações: "o homem chega a casa e não tem com quem falar"...
Sem imagem de perfil

De Luis a 22.02.2012 às 16:39

Entendo o seu ponto de vista mas mais uma vez o comentário é tirado do contexto e fica só a frase .
Temos de perceber algumas coisas , 1º a hierarquia da Igreja nem sempre fala numa linguagem que é compensivel para o comum dos homens o que está mal e é isso que dá azo a muitas polémicas que depois se reduzem a nada .
2º No seu texto o dito cardeal enfatizou que a falta de convivio familiar leva a um elevado nivel de divorcios . É certo que a meio do seu texto estava lá a frase que retirou mas no contexto que lhe disse.
O que o cardeal quereria afirmar , o que eu depreendo ao ler o seu documento , é que a familia para permanecer como tal , precisa de tempo de convivio , o que nós referimoscomo tmpo de qualidade para convivermos , é compreensivel que com as rotinas que hoje a sociedade que construimos nos impoem , os casais possuem cada vez menos tempo para conviverem , cada vez menos tempo para se irem descobrindo . Hoje o tempo familiar consome-se nas horas de deslocação para o trabalho , no trabalho propriamente dito e que nunca respeita as 8h diárias e no final do dia , no apoio limitado aos filhos . O tempo passa e o conjugue (ele e ela ) deixam de ter alguma privacidade , acabam por ser dois desconhecidos que um dia tiveram filhos. O problema que esta sociedade nos levanta é precisamente esse , tira o temp necessário para o convivio humano . Eu infelizmente não tenho filhos , talvez por isso tenha a possibilidade de ter algumas horas diárias dedicadas á minha esposa (companheira , mulher , etc...). Amigos meus que têm filhos passam os dias a correr , é colocar os miudos na escola , o stress de ver o trabalho a acumular , ter de sair mais tarde e não saber como ir buscar os miudos , chegar á noite , fazer o jantar , alguns trocar as fraldas , ver os trabalhos de caso alg . ainda vê ?) , preparar jantar , lavar loiça , estender roupa , passar a ferro , prepara o dia seguinte , deitar os miudos e ...meia-noite. Aquela conversa de como correu o dia, que problemas surgiram , o que vamos fazer , etc.não tem tempo de existir . Onde existe ? no trabalho , com outras pessoas ... Acabamos por nos dissociar daquela pessoa com quem escolhemos partilhar uma vida ... E isso além de triste é deprimente . Todos queremos ser felizes , acontece que com o stress que hoje temos acabamos por não o ser. Admito que o Cardeal , e mesmo a hierarquia religiosa não esteja confortável a abordar este assunto , literalmente falta-lhe a experiencia lol ) mas ao menos fala , tenta e foi nesse sentido que li o texto . Admito que nesta parte tenha dado algum desconto mas também tenho de admitir que ler só uma frase no meio de um parágrafo maior é tirar coisas do contexto.
Sem imagem de perfil

De Luis a 22.02.2012 às 16:45

Rui , só agora vi que era o autor do blog, perdoe-me a ousadia de responder . Foi só uma contra-argumentação , o que até acho benéfica para que vários pontos de vista se cruzem .

abr
Imagem de perfil

De Rui Rocha a 18.02.2012 às 22:41

Excelente o seu comentário, Cristina.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D