Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Pelo menos os efeitos especiais serão bons

por João Campos, em 08.12.11

Se há um realizador de cinema a quem costumo dar porrada verbal regularmente, esse realizador é Roland Emmerich. É claro que gostei de Independence Day quando o vi na minha já distante pré-adolescência, mas daí para a frente pareceu-me que o homem andava a repetir a mesma história em todos os filmes que se seguiram, com o único propósito de estoirar o orçamento em efeitos especiais para mostrar as grandes cidades do planeta - sobretudo as norte-americanas - a serem destruídas. Basta conferir: em Independence Day (1996), uma civilização extra-terrestre hostil chega à Terra e destrói metodicamente as principais metrópoles humanas, com destaque (naturalmente) para as americanas; em Godzilla (1998), uma iguana mutante gigantesca anda a espezinhar tudo o que pode em Nova Iorque; em The Day After Tomorrow (2004), uma catástrofe climática congela, se bem me lembro, o Hemisfério Norte; e em 2012 (2009), bom, não sei ao certo porque não vi o filme, mas considerando a inspiração e os teasers, deve ter sido para aí tudo isto misturado. Enfim, há aqui um padrão claro.

 

No entanto, há dias vi, no programa de cinema da RTP2, Emmerich a ser entrevistado pelo nosso Mário Augusto, e fiquei surpreendido com duas coisas: a primeira, com o seu sentido de humor, capaz de gozar com a sua própria filmografia; a segunda, com o seu filme mais recente, Anonymous, sobre a possibilidade de Shakespeare ter tido um ghost writer - e não, a Londres shakespereana não é invadida por extraterrestres ou devastada pelas profecias do Al Gore. Não sei se o filme é bom ou mau, (o trailer está interessante, e a fotografia parece ser muito boa) mas também fiquei a saber entretanto - a curiosidade deu origem a uma rápida pesquisa - que o senhor tem também no seu currículo The Patriot (2000), com Mel Gibson, que não sendo uma obra-prima não é de todo um mau filme, e Stargate (1994), um filme muito interessante que acabou por dar origem a uma das melhores séries televisivas de ficção científica da minha geração (Stargate). Já é qualquer coisa.

Tudo isto para dizer que quando soube que os direitos de adaptação cinematográfica da série de ficção científica Foundation, de Isaac Asimov, estavam com Emmerich, fiquei decepcionado. Os livros são formidáveis, e certamente mereceriam um realizador à altura: um Spielberg, talvez, apesar de a melhor opção ser provavelmente Ridley Scott. Roland Emmerich está obviamente vários furos abaixo de ambos; no entanto, e apesar de algumas catástrofes cinematográficas (em ambos os sentidos), não será o pior realizador que anda por aí (continua alguns furos acima de Michael "Explosions! More explosions!" Bay). Talvez haja esperança para esta produção, caso se concretize.


2 comentários

Sem imagem de perfil

De João André a 09.12.2011 às 11:13

Falta referir o hilariante 10.000 BC, onde Mamutes eram usados para construir as pirâmides egípcias :).

Confesso que Emmerich, tendo um belo sentido de humor (os filmes demonstram-no e são por vezes a única coisa que se aproveita) é um homem aparentemente inteligente que descobriu uma forma de ganhar a vida a fazer aquilo que gosta. Isso implica fazer os tais blockbusters, mas que se há-de fazer. Como está escrito no post, pelo menos não é um Michael Bay (que ainda tem a particularidade de se levar a sério e se julgar um "cineasta").

Quanto aos filmes a adaptar Foundation, não vale a pena ficarmos para já assustados. Este tipo de projectos tende a flutuar muito e a ficar no limbo por muito tempo. Os direitos para a adaptação poderão ainda passar por meia dúzia de mãos antes de os filmes serem feitos.

Apesar de não ter lido os livros, vi a recensão que lhes fez e tenho grande expectativa pela obra. Ainda assim não gostaria de ver nem Scott nem Spielberg a pegarem neles. Se fosse há uns 10 ou 20 anos, tudo bem, mas hoje em dia não. Scott tanto faz bons filmes como montes de me---. Spielberg parece já não ter paciência para o assunto. Opções interessantes seriam Duncan Jones ou Andrew Niccol (este se lhe dessem a liberdade criativa). Ou então ir para algum(a) realizador(a) que fugisse completamente ao conceito SciFi, o que atendendo à descrição que fez das obras, não seria desajustado.

PS - quanto a The Patriot, não o achei minimamente recomendável. Realização banal, actuações fraquinhas e uma corrupção vergonhosa da história. Além de ser algo ridículo ver os dois grandes protagonistas americanos do filme desempenhados por australianos...
Sem imagem de perfil

De Gi a 09.12.2011 às 17:30

Concordo consigo, a série Foundation devia ter um realizador à altura, que poderia ser Ridley Scott.
Até tenho medo do que vai sair... Há cada adaptação! (Pensando em Sherlock Holmes, por exemplo)

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D