Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Habituem-se

por Luís Menezes Leitão, em 28.09.11

Eu não concordo muito que o Estado dê prémios pecuniários aos alunos, mas acho absolutamente inconcebível que um prémio já atribuído possa ser retirado a 48 horas de antecedência da cerimónia, quando os alunos já tinham sido avisados que o iriam receber. Imagino a enorme decepção que todos os alunos contemplados irão sofrer quando forem à cerimónia e não receberem prémio algum. E o que terão que passar as suas famílias para compensar a sua desilusão.

Mas há que reconhecer que com esta decisão o Ministério da Educação acaba de prestar um grande serviço pedagógico aos alunos. Ficaram desde já a saber que é este o Estado Português com que terão de conviver em adultos: um Estado que a todo o tempo pode desrespeitar os seus compromissos, cortar unilateralmente os salários aos seus funcionários, as pensões aos seus pensionistas e aumentar retroactivamente os impostos que cobra. Os alunos podem assim desde já habituar-se a que é este o país em que vivem e pensar em emigrar para o estrangeiro. Só essa lição vale mais que o prémio.


136 comentários

Imagem de perfil

De Rui Rocha a 28.09.2011 às 16:35

É, Luís. Chama-se a isto educar pelo exemplo.
Sem imagem de perfil

De urtiga maria a 04.10.2011 às 22:43

Gostaria de comentar mas o novo acordo ortográfico não permite...... é que nele já não existem epítetos eficazes para a merda que nos governa
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.10.2011 às 18:17

Concordo plenamente.
Imagem de perfil

De jaimer a 04.10.2011 às 23:31

Haverá porventura algo a comentar, Este, é o estado português que terão que lidar ?. Como tem sido esse estado desde à uns anos atrás . Seria bom reflectir e tirar conclusões.
Mas, Alguém atribui responsabilidades a tantos irresponsáveis , hoje dadores de lições que estão governados para muitas gerações deixando a solução dos problemas para quem não os criou.
E evidente que os jovens pagarão agora e no futuro. também os trabalhadores e pensionistas pagam agora. Chamem as coisas pelo seu nome.
Reparem nos buracos em tudo no que o tal estado se meteu. Para que resultados ?. Muitos sabem. O nosso Pais é o único onde os que diziam governa-lo, permitem-se pirar-se deste pais que deixam à deriva, fugindo responsabilidades.
Será que os vencimentos permitem tantas larguezas. Haverá muito trabalho para quem quiser escrever a historia deste pais.
Haja quem a escreva já , Não deixem que ela seja escrita um dia por quem não a viveu. Ninguém poderá contestar porque antes disso o trabalho de manipulação poderá ser feito.
Alguém que tenha um pouco de bom senso, pode observar a situação, quem não a sente ?. Muitos, nos sabemos. Mas para esses muitos, esperemos que os tais jovens cresçam, tomem naturalmente as responsabilidades e possam vir a desfazer leis protectoras, e criar leis de justiça para que ainda seja tempo de chamar as coisas pelo seu nome e no lugar certo se pesam contas a quem se devem pedir.
Faz doer saber que este povo corajoso , que pelo mundo fora é exemplo, se tenha deixado no seu próprio Pais regredir e comprometer o presente para todos, e o futuro das novas gerações.
Agora resta ser realista. Não soubemos controlar os gastos de tanta riqueza, tantos subsidios , tantas ajudas externas, tantas economias, receita dos Portugueses do Mundo, Vimos mas não quisemos saber.
Agora resta ou aceitar e convencer-nos que é pelo trabalho, pela união, pela responsabilidade de cada um que fara a responsabilidade colectiva, que sairemos deste contexto terrivel. senão for desta forma, então havera certamente outra mais dolorosa que dividira amigos e familias e espedaçara a sociedade.
Ha um ditado popular que diz, na casa que não ha pão, todos ralham e ninguem tem razão.
Nos estamos a comer o pão que nos emprestam. Desse pão todas as migalhas são o mesmo pão. Talvez gastar so o necessario hoje para não tornar os dias mais dificeis amanhã, seja um principio de solução.
Podemos fazer muito com menos, é preciso reaprender a fazer. Consideremos que estamos em tempo de guerra, e as coisas estão racionadas. Com bom senso faremos muito bem. Não desperdiçar pode ser uma nova forma de educar as novas gerações a quem foi muitas vezes dado em excesso e esse excesso não preparou melhor as gerações. Uns tem que ter paciencia , outros coragem. Tantos são os que trabalharam uma vida, geriram, acreditaram no sistema politico financeiro, para se encontrarem hoje na parte inferior da sociedade. Podem acreditar que é em conhecimento de causa que o afirmo.
Agora que tanto mal foi feito. Devemos dar-nos as mãos, ser solidarios , evitar corporativismos, não deixar ninguem cair no desanimo. Todos unidos seremos muito fortes e venceremos. Exijamos dos governantes, rigor, honestidade, transparencia , que todos juntos façamos Portugal no mundo que estamos, pois podemos ser os melhores e merecer a consideração dos que hoje nos observam do canto do olho.
Desejemos muita energia e coragem à equipa governante. Qualquer um que sabe o que é gerir mesmo um pequeno comercio, sabe que é dificil e estamos em tempos de adversidade. Então dar tempo ao tempo para depois julgar.
Sem imagem de perfil

De Cecilia a 05.10.2011 às 00:10

Pois é, mas lá diz o ditado: em casa onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão.
Sem imagem de perfil

De nico a 05.10.2011 às 10:41

exacto
Sem imagem de perfil

De Falcao a 05.10.2011 às 13:31

Pois, mas o pão falta a quem? ao ministro!!? Eu não uso automóvel de 60 mil€. A Cilinha anda? ou é compincha do ministro...um bom pão, sem dúvida...
Sem imagem de perfil

De bandarra a 05.10.2011 às 20:34

Você de falcão só tem o nome. Pelo comentário torpe deve ser abutre.
Sem imagem de perfil

De Falcao a 06.10.2011 às 00:25

Olá bandarra, espro que não o de Trancoso. Como bem diz eu não sou esquisito, como de tudo... está disposto? Descubra...a sapiência parece estar do seu lado, sou formado mas não me gabo.
Imagem de perfil

De ferfaria a 05.10.2011 às 14:58

Pois aí é que está um grande erro, permita que o diga pois o dinheiro não desapareceu, mudou de mãos, portanto não se recolha em ditados, procure descobrir é como tudo se passou (poucos com muito e muitos sem nada).
Fernando Faria
Sem imagem de perfil

De Indignado a 05.10.2011 às 01:04

É só mais uma pedrada no charco......politicos tão ricos e tão pobres são.
Sem imagem de perfil

De Paula Coelho e Silva a 05.10.2011 às 02:38

Hoje viajava no comboio um grupo de cerca de 10 jovens universitários que transmitiram como objectivo de vida, terminar a licenciatura em Portugal e emigrar para o estrangeiro.
Tenho 44 anos e um filho de 11 anos. Senti-me triste, desiludida, sem esperança no futuro.
Que país é este que maltrata os seus? Não lhes reconhece mérito, não os incentiva nem permite ir mais além.
E são tantos os portuguese que em países estrangeiros brilham, revelam ser pequenos grandes génios, inventores, os melhores cientistas!
Quando se trata de mérito não pode haver descriminação quanto à condição social, raça, sexo, religião ou outro.
Aquele que se esforçou, que é inteligente, que trabalhou, que abdicou de estar com a família ou de momentos de lazer e atingiu determinados objectivos, deve ser premiado pelo seu mérito.
Seja rico ou pobre, branco ou negro...
O reconhecimento do mérito incentiva à continuação de um excelente trabalho, incentiva à competição para se fazer mais e melhor.
Faz falta neste país valorizar-se as pessoas pelo seu mérito e acabar com as cunhas e compadrios.
Existem muitas formas de fazer justiça social, e muitas despesas onde o governo cortar.
O prémio pelo reconhecimento de mérito não é um gasto do Estado, mas antes um pequeno investimento naqueles que querem trabalham no seu país e para o seu país.
O prémio de mérito constitui um reconhecimento da sociedade e das instituiçoes para com aqueles que deram já antecipadamente o seu contributo e são a esperança, a luz dessa própria sociedade.
Decisões como esta conduzem Portugal a um país desinteressante, sem futuro, sem jovens competentes e competitivos, que têm como meta emigrar.
É de louvar a Ordem dos Médicos que assumiu parte da responsabilidade do Estado na entrega dos referidos prémios. Os médicos mais do que outra profissão qualquer sabem valorizar o mérito!
Sem imagem de perfil

De Andrade a 05.10.2011 às 14:12

Durante os muitos anos em que estudei , já era bem bom passar de ano.!!!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.10.2011 às 18:40

E quanto aos operarios que ficam sem nada quando de manhã vêem a fábrica fechada?
Sem imagem de perfil

De Maria Melo a 05.10.2011 às 21:21

Hoje festeja se a república. ASSASSINOU-SE UM REI E SEU FILHO, para quê? que raio de pais é este? houve uma revolução para quê? para além das famílias antigas comerem a custa do Zé povinho milhares de "boys", que já devem de ir numa segunda geração. Pois os pais, podem fazer tudo, ate serem suspeitos de pedofilia, e os filhos aparecem nos ecras da tv a gozarem com a nossa cara pois como que dizem com o seu sorriso de orelha a orelha; "aconteça o que acontecer, nós ficamos sempre por cima".
Pois um dos meus filhos, ainda tem a sorte de estar em Erasmus, mas já disse: Mãe, vou ai acabar o curso e volto para aqui. Não quero a ficar a viver nesse país. O outro filho, abdicou de Erasmus, mas a acabar o seu curos, responde já a entrvista de emprgos... no estrangeiro! E os pais, que podem dizer! Fiquem!!! Claro que não!, Vão meus filhos, que Deus vos guie e desculpem por term nascido neste páis, desculpem por não termos tido a força de correr seja de que modo fosse, com esta cambada de politicos que apareceram desde 1974. E ainda se festeja a revolução! Tenham dó!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.10.2011 às 00:05

Pois estas medidas devem ser o tal eduquês que o Prof. Crato tanto falava.
Sem imagem de perfil

De Beirão a 28.09.2011 às 17:31

Absolutamente incompensível este perfeito disparate, para não lhe chamar uma perfeita idiotice, de o Ministério da Educação , em cima da hora da cerimónia oficial de entrega de prémios aos melhore alunos das nossas escolas (de 500 euros por prémio), dando o dito por não dito, unilateralmente e discricionariamente, decidir que o os valores desses prémios sejam entregues, não a quem pelo trabalho e aplicação de um ano lectivo justamente os merece, mas, isto é de bradar aos céus pela sua demagogia populista, aos chamados 'meninos pobrezinhos ', coitadinhos, que, se calhar, passaram a ano a malandrar, sem pegar num livro e a arrastar o rabo pelos bancos da escola. Brilhante exemplo, sim senhor, está o Estado a dar a estes adolescentes e jovens que, a 48 horas da cerimónia e recebimento do seu prémio, sem vêem assim, desta maneira vergonhosa, defraudados de um direito seu alcançado justamente.
Como pode perceber-se que o ministro Crato, que parece ser uma pessoa inteligente e proba, tenha uma atitude destas tão levianamente injusta e sem sentido?
Sem imagem de perfil

De s o s a 04.10.2011 às 22:06

Luis Leitão aproveitou o caso para desmascarar, radiografar o estado-governo. Porque, comparado com os referidos cortes nos salarios, esta " desistencia" dos premios é nada. Sim, a menos que mal explicado pelos governantes, também ouvi e logo discordei que o premio fosse desviado para os pobrezinhos. Mais não digo, também porque continuo sem saber quantos os premios, qual o montante total ? Depois de ter ouvido ontem o Jardim de que a divida de portugal é maior que o total dos submarinos americanos, preciso saber se o valor desses premios equivalem á cauda ou á barbatana de um submarino.
Sem imagem de perfil

De Manuel Santos a 05.10.2011 às 04:56

... caro SOS... pois também voçe parece precisar de ajuda... õs submarinos não precisam de país para terem sido uma compra pouco habilidosa... para não dizer criminosa... mas chamar-lhes americanos... será porque também se começa a escrever com "a" de Alemães... será uma vontade infantil e tão a moda de dizer mal dos americanos...ou é apenas ignorancia? Que eu saiba, uma compra má, é má de 1 centimo ou de um milhão, que eu saiba quando é poupar é poupar em tudo...
Sem imagem de perfil

De João a 05.10.2011 às 23:07

Ou o Manuel dos Santos não sabe ler ou é muito "anti-qualquer coisa primário". Perece-me que o SOS se estava a referir aos submarinos que a marinha norte-americana tem...
Sem imagem de perfil

De Manuel Santos a 06.10.2011 às 04:46

...dr. Portas absteve-se na Lei de Finanças Regionais, foi cúmplice na roubalheira que o engenheiro Sócrates fez à Madeira". "Em terceiro lugar, o dr. Paulo Portas comprou dois submarinos cujo custo é quase a dívida direta da Madeira", concluiu Alberto João Jardim....
João, se alguém comparar dividas portuguesas em 2011 com o valor de uma frota de submarinos americanos, comprados e usados por americanos nos ultimos 30 anos (só os que estão no activo), essa pessoa seria desiquilibrada mental... Não parece ser o caso de SOS, que confundiu a divida portuguesa com a da Madeira, e a nacionalidade do fabricante dos 2 submarinos que Portugal comprou aos alemães, sugerindo que seriam (erradamente) americanos... francamente, o seu caso é diferente... voçe devia estar a dormir quando me respondeu... eu não faço a mais pequena ideia do valor da frota americana, nem voçe, nem o sr. SOS... nem isso interessa para nada... vai ver que vale a pena ler algum jornal de vez em quando antes de formar opinião... eu dei a minha (que não foi publicada e não sei porquê)... e corrigi o erro do sr. SOS... má ou boa compra... os submarinos de que se fala são os dois que Portugal comprou... e não a frota americana... e são de fabrico alemão e não americano... e o seu valor foi comparado com a divida da Madeira e não a divida portuguesa...
Espero que perdoem o meu desabafo... que vou repetir... é lamentavel a extinção do prémio a bons estudantes... mas as conclusões que leio aqui no blog são até um pouco ridiculas tendo em conta os sacrificios impostos a tantos portugueses... incomparavelmente mais gravosos que os 500 euritos retirados a alguns estudantes com méritos comprovados...
Imagem de perfil

De pmmoreira2 a 05.10.2011 às 09:47

O Ministro Crato e todos os outros são uns autênticos Zé mandados, pelos Lobys que temos no nosso País, não se pense que é o imaturo que está a governar o nosso querido País, mas sim terceiros. Também não admira, eles são todos uns incompetentes e uns parasitas da Sociedade, só espero que o Povo Português não demore muito a acordar deste pesadelo?
Sem imagem de perfil

De TAD a 05.10.2011 às 22:16

Sim. Mas há um se não que é a falta de dinheiro e uns mentirosos que nos andaram a induzir que com a democracia eramos ricos.
No meu tempo que tinhamos muita mais riqueza, tinhamos as colonias ) levantava-me às 7h às 8h estava a trabalhar numa carpintaria saia às 17h, às18h estava a entrar na escola tecnica às 23h regressava a casa.
Soube assim o que era o valor do dinheiro e nunca perdi ano nenhum.
Agora é isto tem tudo e ainda se acham que lhes é devido mais.
Terra de iresponsaveis...
Sem imagem de perfil

De Cristina Torrão a 28.09.2011 às 18:28

Bom texto, subscrevo!
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 28.09.2011 às 18:39

Muito bem. O que só mostra que o comportamentos continuam os mesmos. E incluí este Ministro.
Sem imagem de perfil

De Rui a 05.10.2011 às 14:21

Então os jóvens andam a estudar para terem prémios ?!! Eu, no meu tempo,estudava para saber...
Sem imagem de perfil

De diamantino a 05.10.2011 às 18:07

PARA DONA . PAULA COELHO
Eu tenho 44 anos 2 filhas com 17 e 12 e digo para elas imigrarem pois cá não vão ter nada , e eu com os meus 44 anos trabalho por conta própria a 20 anos estou a ver que o que ganhei até agora corro o risco de perder ,pois estou a pensar seriamente também imigrar e também apensar no futuro delas (filhas) para não vir a perder o que ganhei até aqui, e acho que todos os jovens que imigram um ato de coragem , mais difícil era nos anos 60 e meu pai também foi e não sabia falar a língua
Imagem de perfil

De Leonor Barros a 28.09.2011 às 19:01

É um belíssimo exemplo da estatura deste Governo.
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 29.09.2011 às 00:22

Estranha pedagogia esta!
Imagem de perfil

De José Maria Gui Pimentel a 29.09.2011 às 09:43

Fiquei muito desiludido com esta notícia, particularmente por vir do Ministro em questão. Como dizia alguém, esta medida "é completamente contraditória com o discurso da valorização do rigor e da excelência", o qual, para mim, era o principal "pró" deste Ministro.

Já agora, Luís, discordo radicalmente com a frase inicial. Acho os prémios pecuniários um excelente e justo incentivo. Para mim foram.
Sem imagem de perfil

De s o s a 04.10.2011 às 22:12

respeitando absolutamente a opinião do jose pimental favoravel aos premios, e salvaguardando que não sou especialista, e portanto receptivo a concordar com a opinião, todavia arrisco que os alunos não são animais de circo, genero elefante a quem é dado uma cenoura. Não sendo este nem o momento nem o espaço, abrevio que o estudante está a tratar da sua vidinha, e o exemplo vem dos pais. Que eu saiba não existem filhos de doutores nas obras.
Sem imagem de perfil

De Ana a 05.10.2011 às 12:04

Muito sinceramente, não consigo "encaixar" esta medida/decisão na maneira de ser do Ministro, tendo em conta aquilo que norteou as suas posições, num passado muito recente. A valorização pelo trabalho, empenho e mérito foi para mim, e como o registado às 9h43, o principal "pró" deste Ministro. Assim, há qualquer coisa que me escapa, tanto mais que o valor em prémios, diz-se, não era por aí além. Foi pena.
Sem imagem de perfil

De monteiro a 04.10.2011 às 21:29

Pois sr. ministro não seria melhor partir para outro País já?
Sem imagem de perfil

De Mário Carvalho a 04.10.2011 às 21:30

Concordo plenamente com as ideias acima expostas. Falta humanismo a este ministro. Trata as pessoas como se fossem números e esquece que por trás do número há um rosto...
Sem imagem de perfil

De Grão-Titular a 04.10.2011 às 21:35

Seguimos a mesma linha de opinião, nada como o exemplo na prática pedagógica e política.

http://ordemdostitulares.blogspot.com/2009/03/boas-praticas-o-exemplo.html

Comentar post


Pág. 1/10



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D