Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A via grega.

por Luís Menezes Leitão, em 12.09.11

 

Ao aumentar os impostos de nove em nove dias, sem nada fazer para reduzir a despesa pública, o Governo está a seguir exactamente a mesma via que a Grécia segue a caminho do desastre. O imposto extraordinário de solidariedade que foi anunciado não passa de uma cópia descarada de iniciativa semelhante que a Grécia lançou em Junho deste ano. Faço uma aposta que só vai ter efeitos perversos e que por isso este delirante novo aumento de impostos que a Grécia agora também anunciou irá ter igualmente em breve a sua versão portuguesa. Tudo isto, no entanto, para nada, uma vez que quem sabe do assunto já anunciou que a Grécia terá um hard default o mais tardar em Dezembro.

 

Portugal deveria olhar para isto como um aviso sério e seguir um caminho radicalmente diferente, deixando os impostos quietos e apresentando imediatamente um programa agressivo de redução da despesa pública. A insistência do Ministro das Finanças em seguir a via grega cabe na definição perfeita do que é um comportamento irracional: adoptar sempre o mesmo procedimento, esperando que ele alguma vez conduza a um resultado diferente.


8 comentários

Imagem de perfil

De Luís Menezes Leitão a 12.09.2011 às 16:57

Há muitos sectores onde cortar. Eu começava por extinguir ou fundir todos os organismos que constam da lista de Marques Mendes. Para cortar na despesa basta querer começar.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 12.09.2011 às 17:14

Há muitos sectores onde cortar

Sem dúvida que há, mas qual o setor preferido pelo Luís para os cortes? O setor militar? O setor da saúde? O setor da justiça? O setor dos negócios estrangeiros? O setor da educação? O setor policial?

Eu começava por extinguir ou fundir todos os organismos

E o que faria aos funcionários desses organismos? Extinguia-os? Fundia-os? Ou, mais simplesmente, mandava-os para o desemprego? E, se não lhes fizesse nenhuma dessas três coisas, pensa que a despesa seria muito reduzida lá por extinguir ou fundir os organismos, sem no entanto extinguir nem fundir os seus funcionários?

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D