Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Vinte cidades que jamais esquecerei (I)

por Pedro Correia, em 13.06.11
PRAGA
"Praga não nos deixa partir." (Franz Kafka)





22 comentários

Sem imagem de perfil

De Joana Lopes a 13.06.2011 às 11:47

Mas que bela ideia, Pedro, a de começar esta série!
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 14.06.2011 às 13:33

Será relativamente grande, Joana. E sempre acompanhada por uma citação de um escritor.
Imagem de perfil

De João Campos a 13.06.2011 às 13:07

Praga é de facto inesquecível... nunca três dias da minha vida passaram tão depressa como os três dias que passei sozinho em Praga...!
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 14.06.2011 às 13:35

Estive em Praga no Inverno. Quase sem turistas. Pude deambular por onde me apeteceu com espaço à vontade. Fiz o roteiro do Kafka, um dos escritores da minha vida. E ouvi música fabulosa nos bairros boémios da capital (boémia).
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 13.06.2011 às 13:39

Pois, partir de Praga é quase uma violência :) Começaste bem.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 14.06.2011 às 13:35

Adorava lá regressar, Teresa.
Imagem de perfil

De Daniel João Santos a 13.06.2011 às 21:05

aqui está uma iniciativa para criar inveja aos leitores.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 14.06.2011 às 13:36

É a minha série deste Verão depois de outros Verões com rios e praias.
Imagem de perfil

De Leonor Barros a 13.06.2011 às 21:16

Boa, Pedro. Acho que não ninguém que não goste de Praga.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 14.06.2011 às 13:36

Não há mesmo, Leonor. Teria de ser alguém com péssimo gosto para não gostar.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 14.06.2011 às 09:51

Grande aranque, compadre. Praga é uma das duas cidades onde posso voltar vezes sem fim.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 14.06.2011 às 13:36

Deixaste-me curioso, compadre. Qual será a outra? Xangai?
Sem imagem de perfil

De Carlos Faria a 14.06.2011 às 11:49

Cá está uma cidade que me inspira sentimentos contraditórios.
Linda, sem dúvida das mais belas que visitei e uma vida músical riquíssima ao nível de Viena, aspectos que adorei. Um povo que não gostei, senti-os antipáticos, ainda com uma tendência excessiva para enganar os turistas em câmbios e lojas e um centro onde a única indústria parece mesmo ser o turismo e preços tão díspares comparados com as escassas centenas de metros do locais turísticos.
Afinal uma cidade que se não fosse o seu povo seria adorável ;)
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 14.06.2011 às 13:43

Para mim é talvez a capital mais bela da Europa. Escrevo 'talvez' porque existe Roma. Geralmente gosto mais de outras cidades, para além das capitais. Prefiro Cracóvia a Varsóvia, prefiro Salzburgo a Viena, prefiro o Rio a Brasília, prefiro Hong Kong a Pequim.
Imagem de perfil

De Leonor Barros a 15.06.2011 às 00:39

Praga é belíssima mas concordo com o que diz em relação ao povo. E mais, tenho a sensação de que é mais dos turistas do que de quem lá vive, o que talvez a descaracterize um pouco.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 15.06.2011 às 09:25

Aí está. Se calhar não senti isso por ter ido em época 'baixa'.
Imagem de perfil

De Leonor Barros a 15.06.2011 às 10:38

Acho que não tem a ver com isso. A primeira vez fui em Setembro, não era época 'muito' alta e a segunda em Dezembro e foi mágico apesar do frio de morte.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 15.06.2011 às 11:34

Eu também gostei do frio de Praga. Aqueceu-me.
Sem imagem de perfil

De Carla Ferreira a 17.06.2011 às 10:51

Apanhei-a nuns dias em Abril, de um frio e chuva de cortar. Ainda assim, teria ficado mais tempo. Vi muito, mas trouxe a sensação de que veria mais.
Marcou-me ainda de forma forte, toda a parte do Cemitério Judeu, onde se encontram expostos os desenhos das crianças. Eu, que os leio todos os dias, nunca tinha lido nada assim...
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 25.06.2011 às 02:20

Eu não apanhei chuva, mas ainda algum frio e um resto de neve. E, sim, também fiquei impressionado com muitos recantos da cidade - do cemitério judeu, que menciona, à janela de onde foi empurrado Jan Masaryk, no golpe comunista de 1948, passando naturalmente pelo local da Praça Venceslau onde em 1969 Jan Palach se imolou pelo fogo em protesto contra a invasão soviética. E pela antiga casa de Kafka. E pelos bares de jazz. E por tanta coisa mais que dava já um outro artigo.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D