Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Da produtividade dos opinion makers

por Teresa Ribeiro, em 12.05.11

Aquele tique, muito português, de olharmos para o lado e ver no outro os defeitos que nos recusamos a assumir como nossos, também se observa entre quem produz opinião. É interessante observar com que convicção se digladiam opinion makers classificando-se mutuamente de sectários e como, não raras vezes, ambas as partes têm razão.

Apesar de gozarem de uma liberdade intelectual a que os políticos, presos às suas estratégias, não podem aspirar, estes opinadores evitam os mesmos assuntos e reproduzem os mesmos chavões dos partidos em que se revêem. Lê-los ou ouvi-los é redundante. Parte do cansaço que a política provoca nas pessoas deve-se a estas caixas de ressonância.

No país onde estranhamente temos políticos como opinion makers e em que muitos jornalistas alternam as suas funções nos jornais com assessorias políticas, a informação política e a opinião são, por tradição, demasiado engagée, colaborando docilmente com os partidos de maior influência. Ainda há pouco tempo Cavaco Silva o admitiu em off, para grande desconforto do sector.

Poucas são as vozes verdadeiramente independentes e as que se reconhecem como tal são frequentemente desvalorizadas pela opinião dominante, alinhada e reverente. Até a realidade começar a dar-lhe razão, Medina Carreira era apelidado de catastrofista e António Barreto, agora tão citado, era por muitos apontado como um pessimista impenitente.

A crise valoriza agora as suas palavras porque criou uma apetência invulgar por factos. Preocupadas, as pessoas querem perceber o que se passa. É deste interesse renovado dos portugueses pelo seu país que pode sair uma sociedade civil mais informada e mais activa. Mas se os nossos supostos líderes de opinião e directores de jornais não fizerem, também eles, da crise uma oportunidade e continuarem apenas a debitar as verdades convenientes dos partidos que apoiam, não avançaremos muito.

Antes de apontarem o dedinho aos tugas que os lêem e ouvem perorando em tom paternalista sobre produtividade, os nossos "analistas" deviam reflectir sobre a sua. Quantas vezes ousam dizer e escrever mais do que aplausos ao partido do coração e apupos aos seus oponentes? Quantas vezes denunciaram factos que afrontam os interesses dos rapazes de quem são próximos, por amor ao bem comum? Quantos inimigos são capazes de fazer em nome da verdade?


1 comentário

Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 13.05.2011 às 11:01

Andamos a levar com doses maciças de opinião. Por vício gosto de ler e ouvir tudo, mas depois constato que passo o tempo a ouvir as mesmas "análises". Porque se repetem umas às outras. Agora já não é só o PCP que tem cassetes. São todos. E este "todos" inclui, tristemente, os chamados opinion makers, aqueles que supostamente deviam ter o pensamento livre mas não têm, porque não podem. Começo, Ana, a ficar cansada de servir de plateia para esta gente que afinal só anda a tratar da vidinha.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D