Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Delito de Opinião

Convidada: FRANCISCA PRIETO

Pedro Correia, 09.05.11

 

20+20 é muito diferente de quarenta

 

Há um par de semanas uma grande amiga minha comemorou a sua chegada à meta dos 40. Ao invés de se lançar em festividades pomposas, optou por oferecer uma simples ceia aos amigos do coração.

Estou a falar de uma bela rapariga que, dois filhos depois e com algumas chatices pela vida, preserva intacto o sentido de humor e o ar jovial.

O marido, a quem os anos e os litros de cerveja aumentaram consideravelmente o perímetro abdominal, quando chegou a altura de se cantar os parabéns, lançou uma risadinha e, à laia de piada, gritou alarvemente “é agora que eu te troco por duas de 20”.

Em defesa da aniversariante, e porque era um facto evidente, apressei-me a atirar de volta um “para isso era preciso que houvesse duas de 20 anos que te quisessem para alguma coisa”. E não me inibi de lhe relembrar que, há bem pouco tempo, uma amiga da sobrinha de 18 anos, tinha proferido uma frase qua ficou nos anais: “Aquele teu tio tem ar de quem foi giro quando era novo.”

Os convivas rebentaram em gargalhada geral e o assunto ficou por ali. Mas depois fiquei a pensar neste velho mistério de haver homens que chegam realmente a trocar as suas companheiras de vida por mulheres muito mais novas.

 

Um casamento é um processo. É verdade que começa pela fase “Lua de Mel”, mas vai gradualmente ganhando peso à medida que os anos se desenrolam. A fase dos filhos pequenos é a travessia do deserto, mas vivemos com a miragem de que dias mais fáceis chegarão.

Que haja gente que não se aguente, é perfeitamente compreensível. Nem todos temos vocação para expedicionário e é natural que desatemos a embirrar com o companheiro de viagem.

O que não consigo perceber é que se troque esse companheiro por outro que está em pleno ponto de partida, a léguas do nosso azimute.

Isto para dizer que, se o meu marido me trocasse por uma miúda de 20, me limitaria a achar que estava meio louco ou com areia na cabeça.

O que me lixava mesmo era se ele me trocasse por uma trintona mais enxuta.

 

Francisca Prieto

6 comentários

Comentar post