Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O drama da Guiné-Bissau

por Pedro Correia, em 12.03.09

 

Cansei-me de ouvir o discurso da nossa responsabilidade histórica perante os morticínios que continuam a cometer-se em África. Três golpes de Estado, um presidente assassinado, três chefes militares abatidos e um primeiro-ministro executado em menos de 35 anos, a Guiné-Bissau em estado de insolvência, uma esperança média de vida baixíssima, o poder nas malhas do narcotráfico internacional - e há ainda quem venha explicar tudo isto com a Conferência de Berlim, de 1885, e a colonização portuguesa. É o caso do João Tunes, uma das pessoas que mais respeito na blogosfera. Os argumentos que invoca merecem-me reflexão. Mas não me convencem. Pela mesma lógica, poderíamos sempre culpabilizar a conferência de Viena, de 1815, que redesenhou o mapa da Europa, como causa da I Guerra Mundial um século depois e as imposições do Tratado de Versalhes, em 1919, como chave de ignição da II Guerra Mundial - e neste caso atenuando desde logo as responsabilidades históricas do impulso totalitário de Adolf Hitler.

Num mundo interdependente, a causa do progresso é a construção de grandes blocos regionais com fronteiras diluídas. João Tunes fala na Conferência de Berlim, mas esquece que os movimentos progressistas que tomaram o poder em África, no final dos anos 50, impuseram como dogma a intocabilidade das fronteiras coloniais, assumindo-as na plenitude. Precisamente na mesma época em que Jean Monnet e outros visionários lançavam os alicerces de uma Europa unida.

A União Europeia como aglutinação voluntária de povos que travaram batalhas milenares é uma causa progressista. A multiplicação de estados "étnicos" nos Balcãs ou a edificação de um País Basco "independente" à força da bomba, tudo em nome do nacionalismo, são causas reaccionárias, que nada deviam ter a ver com a esquerda. Lamento que haja tanta gente de esquerda a dar-lhes caução política, tão equivocada como quando via em Nkrumah ou Sékou Touré, nos anos 60, os estadistas iluminados de uma nova era. Tudo isso era um logro, como aqui já sublinhei.

O drama da Guiné-Bissau não é filho de pai incógnito: tem rostos, tem nomes, tem protagonistas. Quase todos do PAIGC, a força política que durante tanto tempo foi erigida como símbolo da nova África e afinal era apenas uma erupção da África velha. Sei que este é um facto incómodo. Mas é tempo de o deixar escrito com todas as letras.

 

Ler também:

- Guiné-Bissau, um olhar moçambicano. Editorial do jornal Savana, transcrito na Estrada Poeirenta.

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Anonimo a 12.03.2009 às 14:54

"Sei que este é um facto incómodo. Mas é tempo de o deixar escrito com todas as letras."

E é preciso também, como diria a Rititi, te-los no sitio.

Felicito-o pela Coragem Serena.
Sem imagem de perfil

De jpt a 13.03.2009 às 08:50

a imputação dos problemas em África à dominação colonial, a sua redução a tal, deriva de nada mais do que do racismo - execrável como sempre é este, mesmo que quando travestido do paternalismo típico da "esquerda" totalitarista

Comentar também: o texto do Savana demoniza Nino Vieira elogiando o clã Cabral. De Amílcar nada a dizer, intelectual progressista assassinado antes do poder. De Luís Cabral, o exemplo-mor do nosso desrespeito por nós mesmos, convém sempre lembrar que aquando da sua presidência se procedeu ao massacre dos guineenses que tinham combatido na exército português (por indução, por opção, por obrigação, por arregimentação), uma terrível violação dos direitos humanos, uma escabrosa violação dos acordos de independência. Depois Cabral foi apeado e refugiou-se, tranquilamente, em Portugal onde tem envelhecido em paz - para vergonha de meia dúzia de portugueses e para complacência (e até simpatia) dos outros 9 999 994. Que um moçambicano jornalista escreva uma patacoada daquelas, elogiosa de Cabral é uma ignorância [nem em Moçambique nem em Angola se passou uma vergonha daquelas] mas não surpreendente. Que portugueses comam esta tralha que esconde a maior vergonha da nossa história recente e da nossa elite política é uma vergonha. Nada surpreendente mas horrível. Execrável

Depois um tipo escreve um comentário destes, super-adjectivado e chamam-lhe reaccionário colonialista.

Comentar post



O nosso livro





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D