Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A duplicidade moral do PCP

por Pedro Correia, em 11.03.11

Devia haver limites para o cinismo político e a duplicidade moral na forma como os partidos portugueses analisam os acontecimentos internacionais. Mas na perspectiva do PCP, pelos vistos, não há. Na Soeiro Pereira Gomes continua a prevalecer a regra maquiavélica: há que pôr de lado qualquer escrúpulo de consciência no apoio aberto aos tiranos de estimação. Sabendo do que a casa gasta, mesmo assim foi com espanto que li na edição do Avante desta semana a defesa despudorada da ditadura líbia em duas páginas dedicadas ao noticiário internacional. Enumerando as revoltas que se registam no mundo árabe, o jornal oficial dos comunistas portugueses assinala as «movimentações de massas» que «alastram» por todo o Magrebe e Médio Oriente, «de Marrocos a Omã, contra os regimes políticos vigentes e por melhores condições de vida». Mencionam-se estes países: Argélia, Bahrein, Marrocos, Iémen, Omã, Koweit, Arábia Saudita, Iraque e Egipto.

E a Líbia? Pois aqui é ao contrário. Títulos desta mesma edição do Avante: «Não à agressão imperialista na Líbia»; «Líbia cercada pelo imperialismo»; «Ingerência comprovada»; «Comissário demarca-se de posição sobre Líbia». O semanário do PCP vibra com as revoltas árabes em toda a parte menos no país do coronel Kadhafi, à revelia de quase toda a comunidade internacional. Garante que a oposição ao ditador líbio é instrumentalizada pela CIA, indigna-se por ver «as afirmações de Kadhafi continuamente deturpadas» nos órgãos de informação ocidentais e alerta na primeira página: «A NATO procedeu a exercícios militares no Mediterrâneo».

Atente-se nesta linguagem colaboracionista com o déspota de Trípoli: «A ONU decidiu também expulsar a Líbia do Conselho dos Direitos Humanos da Organização, medida baseada nas supostas violações dos direitos humanos cometidas pelas tropas leais a Kadhafi durante a alegada repressão de pretensas manifestações de massas, cuja existência não foi possível provar com clareza.» (Sublinhados meus).

 

Ponho de parte esta prosa repugnante, que por algum resquício de pudor surge sem assinatura no jornal do PCP, e abro a edição internacional do Independent. A manchete, assinada por Kim Sengupta, enviado especial do jornal britânico a Ras Lanuf, submetida a raides da aviação de Kadhafi, diz quase tudo: «Why won't the world help us?'». E releio a análise de Lluis Bassets publicada quarta-feira no El País, significativamente intitulada «Contra Kadhafi, guerra justa». Destaco isto:

«A Gadafi está intentando derrocarle su pueblo. Con las manos desnudas. Sin más armas que las que pueden apresar al ejército y hasta ahora sin ayuda internacional alguna. Al contrario, hay suficientes datos para sospechar que el déspota tiene todavía canales de auxilio financiero e incluso político en las capitales occidentales. Hay ya numerosas víctimas civiles, fruto de la represión de las manifestaciones primero y ahora de la guerra civil desigual que ha desencadenado. Una intervención internacional, del tipo que fuere, no sería en ningún caso una guerra preventiva, sino un caso evidente de la obligación de proteger consagrada por Naciones Unidas.»

Poderia recomendar este texto excepcional ao jornal dos comunistas portugueses, assumidamente pró-líbio. Mas não vale a pena: vigora ali a mentalidade da Guerra Fria e a veneração ilimitada aos ditadores de esquerda. Cometa Kadhafi as atrocidades que cometer, será sempre ali enaltecido. Que outra coisa seria de esperar de um partido e de um jornal capazes de elogiar o carcereiro da Coreia do Norte, Kim Jong-il?

Autoria e outros dados (tags, etc)


18 comentários

Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 11.03.2011 às 00:23

Dois pesos e duas medidas, a política no seu pior.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 11.03.2011 às 01:21

Penso o mesmo, Teresa. Os comunistas portugueses não esquecem nada, não aprendem nada. Cometem os erros de sempre.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.03.2011 às 01:48

Duplicidade moral, ou coerência? O PCP esteve com Kadhafi antes e depois da revolta popular; o restante mundo ocidental (à excepção da Frente Nacional de Jornalistas de Causas liderada por Câncio-Correia) apoiou antes e largou assim que foi oportuno. Eu quero ver se voltar a haver revolta nas ruas da Grécia, se o Pedro terá coragem de se colocar do lado dos manifestantes e exigir a queda da oligarquia. Nunca o vi colocar enfoque nos anarquistas (e olhe que têm sido dezenas) que vão presos nas vésperas ou em dias de manifestações e greves gerais nos últimos 2 anos.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 11.03.2011 às 01:56

Coerência? Que coerência? Ser contra a ditadura egípcia e tunisina e a favor da ditadura líbia? Ser contra a defunta ditadura do Pinochet e a favor da actual monarquia vermelha dos déspotas norte-coreanos?
E que raciocínio é esse que o faz colocar no mesmo plano uma ditadura (como a líbia) e uma democracia (como a grega)?
A isso chamo precisamente duplicidade moral.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.03.2011 às 02:03

Coerência, sim. O PCP apoiava e apoia aquela ditadura. O mundo ocidental foi incoerente e isso preocupa-me, porque se achou legítimo apoiar estas ditaduras durante décadas e acorda-se agora a tempo de enfiar lá uns fantoches para domarem a Revolução. A democracia é mais do que o fetiche do voto. Se você deixar Angola ter mais partidos, a oligarquia dividir-se-á por eles (veja como existe uma burguesia para onde é canalizada em Portugal a maioria da riqueza produzida, que apoia o PS ou o PSD, conforme o que está no poder, desde que isso lhe engorde a conta). A democracia como você a entende é um mero formalismo, podre como o capitalismo em que se insere.
Sem imagem de perfil

De fernando antolin a 11.03.2011 às 09:41

Os recentemente festejados 90 anos do PCP, demonstram cabalmente o perigo de desejarmos sucesso a (algumas) experiências sobre a longevidade...
Imagem de perfil

De Bernardo Hourmat a 11.03.2011 às 09:35

Também costumo dar uma vista de olhos pelo que se escreve no Avante e li precisamente o artigo que descreve, sendo que gostei também do bonito encadeamento das "supostas violações/alegada repressão/pretensas manifestações" e até pensei em escrever qualquer coisa, mas achei que não valia a pena.
Acho que escreveria qualquer coisa no dia em que o Avante (e o PC) abdicar de parte da sua "coerência" em nome de algum bom senso e razoabilidade.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.03.2011 às 11:06

E onde é que está a coerência do mundo ocidental?
Quando os separatistas bascos pegam em armas e são "reprimidos" pelo governo, deve a ONU reunir e pedir a demissão do mesmo?
Imagem de perfil

De Bernardo Hourmat a 11.03.2011 às 12:43

Imagino que quando fala em "pegar em armas" se refira aos engenhos que a ETA tem (ou tinha) por hábito largar aqui e ali?
Lamento mas não consigo colocar no mesmo plano a "repressão" espanhola e a "repressão" líbia...
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 11.03.2011 às 12:45

Você fala em coerência? Como é possível comparar pessoas que pegam em armas contra uma das mais brutais ditaduras que persistem no planeta e actos terroristas cometidos num dos países mais democrático no mundo? Como é possível meter Zapatero e Kadhafi no mesmo saco?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.03.2011 às 16:43

Então e onde estava a coerência do mundo democrático ocidental quando apoiou durante 40 anos uma das ditaduras mais brutais da face do planeta?
Imagem de perfil

De João Pedro a 11.03.2011 às 17:08

Apoiou durante 40 anos? Os bombardeamentos de 1986 sobre Tripoli, dizem-lhe alguma coisa?
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 11.03.2011 às 19:33

A leviandade com que se aludiu aqui aos crimes da ETA, com o seu cortejo de 829 homicídios (a maior parte dos quais cometidos em democracia), é obscena.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.03.2011 às 19:53

A leviandade com que se aceita que a "transição" egípcia, após o povo ter arriscado e de algumas centenas terem servido de carne para canhão, é liderada por um espião da CIA que foi qualificado de "melhor torturador do médio oriente" é menos obscena?

Quando comentar o facto de na democracia grega a polícia invadir as casas de alguns anarquistas em vésperas de manifs, e os deter preventivamente, libertando-os depois sem qualquer tipo de acusação formalizada, então aí, dizia, estaremos em condições de argumentar como duas pessoas. Até lá, regozije-se com o movimento rebelde líbio - cujas aspirações democráticas obviamente saúdo - que tem à cabeça membros do antigo executivo, o tal que pelos vistos não era do agrado do ocidente mas com o qual foi conivente.
Sem imagem de perfil

De Sónia Marques a 11.03.2011 às 22:17

Na verdade, todos apertaram a mão a Kadafi, desde Obama, a Blair, ao presidente do Conselho Europeu... até Sócrates lhe deu um abraço... e isso é que é muito triste...
Sem imagem de perfil

De Sónia Marques a 11.03.2011 às 23:05

A Líbia era membro do Conselho dos Direitos Humanos!! A duplicidade e o cinismo político do PCP (para não falar do autismo revelado no artigo do Avante) são uma brincadeira ao pé disso...
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 05.03.2014 às 17:06

Duplicidade, sim.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D