Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Tristes críticas a Alegre

por Pedro Correia, em 08.03.09

No PS, a coisa já não se faz por menos: as divergências de opinião transformaram-se em falhas de carácter. José Lello, o poderoso membro do Secretariado que tem a tutela directa da gestão do partido - e que nunca falaria desta maneira sem o acordo prévio de José Sócrates - acaba de dar o mote. Utilizando a argumentação errada para contestar Alegre: se há defeito que o autor da Praça da Canção não tem é falta de carácter. Isso mesmo, aliás, ficou evidente nas últimas presidenciais, em que enfrentou com sucesso a candidatura oficial do partido para honrar um compromisso anteriormente assumido. Nessa altura, alguns que agora se queixam da "falta de solidariedade" de Alegre, como o líder federativo do Porto, Renato Sampaio, não estranharam a falta de solidariedade que o partido lhe manifestou.

Alegre, ao contrário de muitos socialistas que só surgem nos telejornais para dizer ámen ao chefe, tem currículo e biografia. Ainda José Sócrates andava na JSD, ao lado de Paulo Portas, e já ele travara muitos combates difíceis, antes e depois do 25 de Abril. Basta lembrar o modo como virou o primeiro congresso do PS, a favor de Mário Soares, num momento crucial da vida portuguesa.

Por tudo isto, são ainda mais para lamentar as palavras de Lello. E também foram infelizes as declarações de Almeida Santos, hoje no largo do Rato: "Ele [Alegre] tem direito às suas opiniões, nós temos direito às nossas." Está criada oficialmente a fractura, por sentença do presidente do PS: o histórico socialista é um dissidente, voz solitária que se distingue do corpo partidário. Ele de um lado, nós do outro. Ao contrário do que Almeida Santos supõe, há no entanto muitos eleitores socialistas que pensam como Alegre. E que se revêem, hoje mais que nunca, nas palavras desencantadas do poeta. Sócrates jamais revalidará a maioria absoluta sem estes eleitores.

 

Ler também:

- Manuel Alegre e José Lello. De Bruno Pires, no Corta-Fitas

Autoria e outros dados (tags, etc)


6 comentários

Imagem de perfil

De João Carvalho a 08.03.2009 às 21:30

Ainda bem que o dizes, porque está a ser difícil a outros reconhecê-lo.

1. Fiquei siderado com a alusão ao carácter, coisa que só um José Lello poderia fazer (com as costas quentes, claro).

2. A divisão interna ultrapassou o argumento tradicional da pluralidade e está oficializada.

3. Almeida Santos há muito que não diz coisa com coisa, mas hoje bateu o recorde.

Face a isto, até Vitalino Canas falou sem dizer nada. Nem mesmo um daqueles lugares-comuns do costume.
Imagem de perfil

De jojoratazana a 08.03.2009 às 22:13

PS triste espectáculo o aparelho socrático no seu melhor.
Um partido de esquerda?
Um grupelho em que a única cola é a governação e as suas benesses, unido só com muita fita cola e socialista basta ver os ataques a Manuel Alegre.
Imagem de perfil

De José Gomes André a 09.03.2009 às 03:59

O que tem graça é a versão "o PS é um partido plural" veiculada mil e uma vezes nos últimos meses. Quer dizer, o Alegre é uma besta imoral que não pensa como "nós", mas "nós" gostamos imenso de o ter connosco! Isto tem uma lógica...
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.03.2009 às 10:34

"Nós" cheira a 'linha justa', a 'centralismo democrático'. Não foi para ist que se fez o 25 de Abril, quero dizer não foi para isto que se fundou o PS.
Imagem de perfil

De Pedro Oliveira a 09.03.2009 às 09:38

Como sempre, nos partidos que têm maioria absoluta, também a critica é absolutamente silenciada.
Muito me engano ou até ás eleições o PS vai fazer um favor ao PSD.
Sem imagem de perfil

De - a 09.03.2009 às 10:54

Quando entra o Almeida Santos (que nunca ganhou coisa nenhuma) a questão é simples: "nós"=maçonaria, "eles"=nós

Comentar post



O nosso livro





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D