Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Grandezas e misérias da política

por Pedro Correia, em 23.02.11

 

Poucas figuras reflectem tão bem as vicissitudes da política, no seu cortejo de grandezas e misérias, como Adolfo Suárez, o homem escolhido em 1976 pelo Rei Juan Carlos para uma tarefa que todos anteviam impossível: sepultar definitivamente o regime franquista, a mais férrea ditadura da Europa Ocidental, substituindo-o por um sistema democrático. Suárez conseguiu o impossível ao longo de 11 meses alucinantes: levou as Cortes franquistas a decretar a sua própria dissolução, desarticulando o aparelho da ditadura, e convenceu simultaneamente o secretário-geral do Partido Comunista de Espanha, Santiago Carrillo, a aceitar a bandeira monárquica e Juan Carlos como Chefe do Estado, neutralizando os elementos mais duros da oposição clandestina, entretanto legalizada. Venceu as eleições de 1977, à frente da recém-criada União do Centro Democrático – um escrutínio em que o então recém-legalizado PCE obteve apenas 9% – e fez aprovar no ano seguinte a Constituição que ainda hoje, com pequenas alterações, vigora em Espanha.

Fez o mais difícil. Mas fracassou no que parecia mais fácil: governar. O terrorismo e o golpismo constituiram ameaças permanentes ao seu Executivo. Em 1980 a ETA assassinou 98 pessoas. E em todos os quartéis se conspirava. Sabia-se que haveria um golpe, só faltava saber quando. Aconteceu no momento mais dramático, faz agora 30 anos: na própria sessão de investidura do novo Executivo, ministros e deputados foram sequestrados quando um Suárez exausto dava enfim lugar a Calvo-Sotelo .
À ordem de “todos para o chão”, seguida de uma rajada de tiros, apenas três das centenas de pessoas ali presentes recusaram obedecer: Suárez, Carrillo e o vice-primeiro-ministro Gutiérrez Mellado. Correu mundo a imagem do chefe do Governo firme na sua cadeira, enfrentando desarmado os esbirros de Tejero Molina. Com aquele gesto, que representava simultaneamente o apogeu e o fim da sua carreira política, garantia um lugar na História.
O golpe falhou, a democracia e a coroa saíram robustecidas. Suárez, hoje com 78 anos, goza de um raro consenso na sociedade espanhola, que resiste a venerar os seus heróis. Envolto nas brumas da doença de Alzheimer, numa espécie de glória póstuma ainda em vida, esqueceu há muito que chegou a ser o homem mais odiado do país. E quase todos se esqueceram disso também.

 

Publicado no DN

Imagens:

- 23 de Fevereiro de 1981, 18h23: Tejero de Molina e mais de 200 guardas civis sequestram o Governo e os deputados espanhóis no edifício do Congresso

- Adolfo Suárez na capa da Time (27 de Junho de 1977)

 

Adenda das 23.50: Do editorial de hoje do El Mundo: «La imagen del entonces presidente, Adolfo Suárez, sentado en su escaño sin plegarse a las órdenes de los amotinados quedará para siempre como ejemplo de dignidad y valentía, aunque por una injusticia del destino su enfermedad le impida ser consciente de la admiración creciente de la sociedad española hacia su figura.»

Autoria e outros dados (tags, etc)


12 comentários

Sem imagem de perfil

De João Branco a 23.02.2011 às 18:48

E em 11 meses alucinantes, Adolfo Suarez fez um trabalho que se pode catalogar como "excelente" para a transição democrática espanhola, ao contrário do país vizinho que 36 anos depois da Revolução ainda não conseguiu estabilizar a sua democracia.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 24.02.2011 às 00:00

Excelente, mesmo. Exemplar. Só ele conseguiria operar tal milagre político: a tal ponto que a Constituição aprovada em 1978 é a que hoje vigora quase sem alterações - ao contrário do que sucedeu com a nossa, que já foi profundamente modificada.
Apesar de tudo três anos depois de assumir funções Suárez já era a figura mais odiada da política espanhola. Não é só cá que se detesta o mérito.
Sem imagem de perfil

De FNV a 23.02.2011 às 22:20

Caro Pedro,
A sua sugestão "Anatomia de um instante", do Javier Cercas, foi excelente.
abraço,
FNV
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 24.02.2011 às 00:01

Caro Filipe, terei ocasião de escrever detalhadamente sobre esse livro, que tanto me impressionou. Sem dúvida o melhor que já li este ano (e já li vários, felizmente).

Abraço
Sem imagem de perfil

De Pedro Coimbra a 24.02.2011 às 07:44

Neste dia assistiu-se a um verdadeiro Discurso do Rei, Pedro
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 25.02.2011 às 00:52

Bem dito. Por si (e por ele também).
Imagem de perfil

De João Pedro a 24.02.2011 às 11:29

Lembrei-me da mesma coisa, Pedro. Dos trinta anos sobre o canto do cisne do franquismo e da vitória definitiva (ainda que com aparência de derrota) de Suarez e de Juan Carlos I. O antigo Presidente do Governo não merecia ser atraiçoado pelo abismo do Alzheimer.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 24.02.2011 às 12:04

E lá, como cá, as pessoas só são admiradas e louvadas tarde de mais, João Pedro. Hoje fazem-lhe imensos elogios, que ele já não consegue registar. Alguns são os mesmos que o consideraram traidor, oportunista, incmpetente, o pior político espanhol de sempre...
Sem imagem de perfil

De FNV a 24.02.2011 às 11:35

Caro Pedro,

Sobre a História política, recente, de Espanha, deixo-lhe também uma sugestão: "Serrano Suñer - Historia de una conducta", de Ignacio Merino, seu colega.

abraço
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 24.02.2011 às 12:06

Meu caro, ora aqui está uma sugestão que lhe agradeço - e muito oportuna, já que dentro de poucos dias tenciono dar um salto ao lado de lá da fronteira (culturalmente, podemos e devemos falar ainda em fronteiras, tantos anos depois da chamada 'união política') para um dos meus periódicos banhos de 'hispanidad'.
Abraço.
Sem imagem de perfil

De João Branco a 24.02.2011 às 22:31

A meritocracia é uma palavra que devia ser banida de qualquer dicionário de língua portuguesa. Mesmo dos novos dicionários, abrangidos pelo Novo Acordo Ortográfico. Sabe porquê? Não existe. Não é praticada. Por vezes é nos ensinada quando somos pequeninos mas quando crescemos apercebemo-nos que a teoria não existe na prática.

A meritocracia é algo saudável. Por um lado. Por outro lado, gera inimigos. Dos mais reles que o homem tem de suportar. Aqueles inimigos que pregam armadilhas sem no entanto terem a decência de mostrar algo que os valha. Inimigos rasteiros, cínicos.

Esqueça tudo aquilo que eu escrevi nestes dois parágrafos. Pergunte melhor ao Armando Vara. Ele sabe a resposta.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 25.02.2011 às 00:53

Sério candidato a comentário da semana, meu caro.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D