Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Diário irregular

por Sérgio de Almeida Correia, em 22.02.11

22 de Fevereiro de 2011

 

Dir-se-ia que ainda estamos no ano lunar do tigre. A violência do sismo em Christchurch, o grau de destruição da cidade, não é compatível com a serenidade do coelho. Uma vez mais dei comigo a reflectir sobre a nossa pequenez perante uma tragédia com os contornos do que ali aconteceu. Há vinte cinco anos passei por essa outrora acolhedora cidade do sul da Nova Zelândia, a caminho de Queenstown, do Monte Cook, de Milford Sound e dos fiordes do outro lado, cuja beleza guardo como se tivesse sido ontem. Ver esta manhã as imagens da Catedral anglicana em cacos deixou-me sem palavras. Passear pelos seus jardins seria agora um martírio. Sentir a paz e respirar a liberdade da sua natureza em estado puro um suplício para quem viu tudo colapsar. Se havia sítio onde a alegria do aristotélico viver simples e a confraternização entre iguais tinha sentido era ali. Podemos não voltar aos lugares onde fomos felizes, seguindo a máxima de Pavese, mas jamais imaginamos que a memória dos tempos felizes possa ser violentada e partir na evanescência de um momento como aquele que sacudiu Christchurch.

 

A tragédia em toda a sua brutalidade tem sempre uma dimensão épica. Seja provocada por causas naturais ou por acontecimentos políticos. O caso líbio não foge à regra. Mas enquanto ali é a natureza em todo o seu fulgor que destrói o que tantos em paz construíram, na Líbia é a brutalidade humana que transparece em toda a sua crueza e boçalidade. A realpolitik dos tempos modernos tem tanto de hipócrita quanto de criminoso. Talvez um dia as sociedades, isto é, os nossos políticos, percebam que é impossível servir dois amos ao mesmo tempo. É impossível apregoar a liberdade e os direitos humanos enquanto se faz o deve e o haver das negociatas que alimentam as camarilhas autocráticas das ditaduras do século XXI. Se tivermos que encontrar um fio condutor naquilo que se está a passar no mundo árabe ele resume-se a uma única palavra: corrupção. Os povos são feitos por homens. Os homens, pelo menos os de bem, escolhem os seus amigos. Porque não aqueles? A diplomacia deixou há muito de ser a arte do possível. É cada vez mais um caminho para justificar a ausência de cerviz e a falta de solidariedade para com muitos dos que sofrem. A boa diplomacia de um dia é o erro do dia seguinte. Só isto é infalível.

 

O Governo empenha-se em promover as novas tecnologias. Os advogados são "convidados" a fazer uso das plataformas informáticas (Citius e Sitaf) para enviarem os seus articulados. O Estado continua a não dar o exemplo. Em tão pouco tempo já são três os casos em que no Administrativo e no Fiscal vejo serviços públicos enviarem para tribunais articulados por fax e depois em papel, pagando a totalidade das taxas de justiça devidas sem direito a qualquer redução. Não há nada como gozar com o dinheiro dos outros. Se neste país se quisesse mesmo acabar com o défice público punha-se a cambada dirigente a pagar do seu bolso a diferença entre o que os “seus” institutos pagam e o que pagariam se mandassem as peças processuais para os tribunais por via electrónica.

 

Os serviços e institutos públicos são a imagem dos seus dirigentes. Como os partidos.

 

Ontem, um amigo veio pedir-me para subscrever uma proposta de candidatura de um militante do PS a secretário-geral e, ao mesmo tempo, uma “Moção Política de Orientação Nacional” para ser apresentada no próximo Congresso. Fiz-lhe ver que não via no candidato a pessoa indicada para essas funções, mas que não teria qualquer problema em subscrever a moção. Quanto mais não fosse para agitar a modorra instalada no partido à sombra do “chefe”. Disse-me que não podia ser, “porque agora quem apresentar uma moção para ser discutida em congresso tem de se candidatar à liderança”. É o artigo 9º do Regulamento para Eleição do Secretário-Geral que o diz. Fiquei perfeitamente elucidado. Um tipo pode ser um excelente estratega, ter o azar de ser mais gago do que o rei George VI, não ter carisma, jeito nem vocação para a liderança, que será obrigado a candidatar-se a secretário-geral se quiser ver discutir as suas ideias no local apropriado. Não admira que o partido esteja como está. José Sócrates será recordado pelo que fez no PS nos mesmos termos em que Churchill se referiu a Chamberlain (Joseph): “we have a splendid piebald: first black, then white, or, in political terms, first Fiery Red, then True Blue” (Winston Churchill, Great Contemporaries). Só espero que o partido não acabe internamente com um papel idêntico ao desempenhado pelos liberais ingleses nas últimas décadas



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D