Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os ecos das revoluções tunisina e egípcia não chegam apenas aos países vizinhos. Na China, a elite que detém o poder também os escuta. E quer abafá-los. A ideia de que os chineses comuns possam sentir-se inspirados pelos ventos da liberdade aterroriza os seus dirigentes. Por isso, a palavra Egipto foi banida nos motores de busca utilizados em território chinês. Sempre presente, está o fantasma de Tiananmen. À partida, a situação da China não é comparável à de qualquer dos países em que o processo revolucionário está em curso. A China atravessa um período de fortíssima expansão económica. E, apesar de alguns desequilíbrios evidentes, é previsível que a economia chinesa possa continuar a crescer a um ritmo acelerado. À primeira vista, o contexto parece favorável ao aproveitamento pelos dirigentes da expansão económica para melhorar o nível de vida, assim se  perpetuando o poder. Todavia, o gráfico infra, roubado no blog de Paul Krugman, poderá ter parte da explicação para o nervosismo das autoridades chinesas. O Egipto, apesar de tudo, tem um perfil bem diferente daqueles que, por exemplo, as Filipinas e a Indonésia apresentavam antes de sofrerem graves convulsões. No fundo, a pista que o gráfico deixa no ar é a de que a razão fundamental do descontentamento não está sempre indexada aos indicadores de crescimento económico. Em certas circunstâncias, será ainda mais relevante a capacidade de promover a redistribuição da riqueza criada. E poderá bem acontecer que seja isso que os dirigentes chineses não querem ou não sabem fazer. Sendo esta uma pista de análise, resta uma outra justificação para a inquietude dos líderes chineses. O estômago vazio é um bom detonador do sentimento da revolta. Mas, a liberdade é um valor em si mesmo. O seu aroma é inebriante e a sua ausência agride igualmente o mais básico sentido da dignidade humana. E é particularmente preocupante para o regime que esta aragem chegue através do Google às imediações da cidade proibida. Até porque pode bem acontecer que numa futura revolta, tal como aconteceu na Tunísia, o exército se recuse a tomar partido contra o povo.DESCRIPTION

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D