Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O estado de desenvolvimento de uma democracia deve ser aferido a propósito de situações concretas. As anomalias no processo eleitoral são uma boa oportunidade para testar a nossa realidade democrática através  de indicadores como:

utilidade dos inquéritos - numa democracia madura os inquéritos fazem-se para determinar aspectos a corrigir e a melhorar. Numa democracia incipiente, os inquéritos permitem diferir as decisões no tempo e diluir os factos em insondáveis meandros técnicos, com o evidente propósito de branquear as situações.

entendimento sobre o conteúdo da responsabilidade política - numa democracia meramente formal, os decisores políticos utilizam os inquéritos e as questões técnicas para se eximirem das suas responsabilidades políticas. Numa democracia avançada, os decisores políticos lançam inquéritos e, ao mesmo tempo, avaliam as consequências e a gravidade dos factos ocorridos, não fazendo depender a responsabilidade política das conclusões dos inquéritos.

valor do discurso desculpabilizante -  em qualquer democracia, a liberdade de expressão reconhecida aos cidadãos permite-lhes proferir as maiores barbaridades. Num regime democrático, pode dizer-se que os eleitores não votaram em 23 de Janeiro por falta de pachorra. E pode referir-se ainda que na década de 70 do século passado as filas para votar eram de horas. Ou ainda que as pessoas não reclamam quando esperam para comprar bilhete para um concerto dos U2 ou para ir de férias ao Brasil. O que distingue uma democracia avançada é o valor reconhecido a este discurso. Que é, em rigor, nenhum. Pois a sua consequência é a completa falta de exigência da sociedade face a quem gere a coisa pública. Colocar o discurso na comparação com o que acontecia há trinta e tal anos ou com decisões individuais mais ou menos sensatas partilha com a batata da mesma lógica. A coisa e os processos públicos são nossos. Devemos exigir que corram bem. Sob pena de termos que admitir calados que a má gestão pública imponha, a cada ano, um aumento de impostos ou um corte de salários. A diferença está em que, numa democracia avançada, o discurso desculpabilizante pode ser proferido. Mas, a falta de pachorra para o aturar é tal que, apesar de não existir censura, só os tontos encontram topete para o fazer. O que, em rigor, os define.

A forma como o processo começou não permite já obter uma aprovação com distinção. O inquérito da Universidade do Minho é útil para prevenir acontecimentos idênticos no futuro. Infelizmente, chego à conclusão que deveriam ter sido solicitados mais dois estudos. Um sobre o sentido da responsabilidade política e outro sobre a exigência de rigor na coisa pública. Espero que, à falta destes dois instrumentos, não cheguemos a resultados completamente medíocres.


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D