Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




RTP promove insegurança

por Carlos Barbosa de Oliveira, em 06.03.09

Hoje, traído pelo cansaço, prolonguei a minha estadia no sofá, diante do televisor, para além do Telejornal. Fiquei ali à espera de ver o que aquilo dava. Saiu-me um “Pai à Força”, título que, em circunstâncias normais, seria suficiente para me levar a fazer “zapping”. Não fiz. Fiquei ali, meio pasmado, a ver passar diante dos meus olhos e ouvidos diálogos forçados escritos por um grupo de amadores que se esforçaram (não duvido) para nos proporcionar uns minutos bem passados.
Pelo que percebi, a série gira em volta de um médico solteirão e "bon vivant", mais preocupado em levar as pacientes para a cama do que em zelar pela sua saúde, mas admito que esteja a fazer um juízo errado.
Julgo também ter percebido que esse médico ficou com três crianças a seu cargo, devido à  morte dos pais, mas que não está minimamente para aí virado e espera a chegada de um salvador que o livre do pesado fardo.
Bem, mas não é para dissertar sobre a série que escrevo este post. Apenas pretendo escrever sobre um facto que me chamou a atenção. Durante os 40 minutos da série, o médico fez umas três ou quatro viagens de “jeep” transportando no banco de trás três crianças, sem cadeirinhas nem cintos de segurança apertados.
Ver aquilo, em horário nobre, provocou-me alguns engulhos. O Estado gastou milhões de euros em campanhas, alertando para a obrigatoriedade do uso de cinto de segurança e de cadeirinhas. A APSI faz campanhas por todo o país, ensinando como se colocam as cadeirinhas e explicando que existem à venda exemplares não homologados que não oferecem condições de segurança e, em breves minutos, a RTP propagandeia a transgressão. Fiquei a pensar se os pais dos miúdos não terão morrido de acidente por não usarem cintos de segurança…
Sou acérrimo defensor da televisão pública, mas quando vejo o canal do Estado a desfazer em poucos minutos o esforço de uma camanha que custou dinheiro aos contribuintes, não consigo ficar calado. Mesmo arriscando a escrever um post sem cinto de segurança, onde me parece haver vírgulas em excesso, mas que não me apetece corrigir. Por uma vez, sigo o exemplo da RTP e sinto o prazer de ser irresponsável. 


2 comentários

Imagem de perfil

De Pedro Correia a 06.03.2009 às 22:59

Muito bem, Carlos. Ora aqui está um caso em que a RTP nega a sua vocação de serviço público. Outro, que pretendo abordar um dia destes, é anunciar diariamente ou semanalmente títulos de jornais que promoveram despedimentos colectivos de jornalistas e decretaram falências fraudulentas mas continuam a sair para as bancas. A RTP não devia, em circunstância alguma, anunciar estes títulos.
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 06.03.2009 às 23:37

Bem observado, Carlos. A RTP não pode permitir-se essas distracções.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D