Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O homem que não gosta de referendos

por Pedro Correia, em 02.03.09

 

É bom que os eleitores tenham a noção clara disto: Vital Moreira, o cabeça de lista do PS às europeias, é frontalmente contra a convocação de um referendo europeu. Em Junho de 2008, quando os irlandeses foram chamados às urnas para se pronunciar sobre o chamado Tratado de Lisboa, Vital Moreira apressou-se a clamar na Causa Nossa contra esta consulta popular. Considerando, de caminho, que o referido tratado é "um texto incompreensível para quase toda a gente", o que não parece nada lisonjeiro para os eurocratas que deram à luz este texto, em boa hora chumbado pela Irlanda. Quando se confirmou a vitória do 'não', logo sugeriu que Dublin devia ficar fora da União Europeia. E aproveitou para se demarcar por completo do seu ex-partido, o PCP, e do Bloco de Esquerda em matéria europeia, numa demonstração cabal de que é a personalidade menos indicada para atrair votos à esquerda do PS.

Nesta rejeição do referendo, curiosamente, Vital Moreira está em total desacordo com o Sócrates de 2005, que inscreveu a consulta europeia no programa eleitoral socialista: "No curto prazo, a prioridade do novo Governo será a de assegurar a ratificação do Tratado Constitucional. O PS entende que é necessário reforçar a legitimação democrática do processo de construção europeia, pelo que defende que a aprovação e ratificação do Tratado deva ser precedida de referendo popular". Está mais de acordo com o Sócrates de 2008, que rasgou a referida promessa, como ela nunca tivesse existido.

 

ADENDA: Vital Moreira foi contra o referendo irlandês, de 13 de Junho de 2008, que se saldou pela vitória do não. Mas aplaudiu o referendo espanhol à Constituição europeia, de 20 de Fevereiro de 2005, que deu vitória esmagadora ao sim. Dois pesos e duas medidas...

Autoria e outros dados (tags, etc)


13 comentários

Sem imagem de perfil

De http://portaria-59.blogspot.com/ a 02.03.2009 às 22:28

Peço ajuda aos bloguistas que publiquem esta ideia: http://comnexo.blogspot.com/2009/03/exercer-o-direito-de-cidadania.html trata-se de uma forma de se exprimirem livremente e de poderem exercer pressão sobre quem nos governa, a finalidade é verificar quem realmente se interessa pelo POVO Português e podermos fiscalizar quem nos governa. Agradeço a ajuda aos bloguistas para este projecto que dará lugar à criação de um novo blogue participado por quem se inscrever.
AS ELEIÇÕES ESTÃO PRÓXIMAS, VAMOS VER O QUE ELES VALEM NA VERDADE!
E-mail por agora é: portaria59@gmail.com

Imagem de perfil

De J.M. Coutinho Ribeiro a 02.03.2009 às 22:37

Eu confesso que também não gosto de referendos.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 02.03.2009 às 23:39

Meu caro Joaquim: e eu confesso que não gosto de governos que rasgam promessas eleitorais, como fez o Governo Sócrates com a promessa de referendo europeu. O Vital Moreira de 2008, que foi contra o referendo na Irlanda, certamente aplaudiu. Mas o Vital Moreira de 2005, que foi a favor do referendo em Espanha, provavelmente não gostou.
Imagem de perfil

De J.M. Coutinho Ribeiro a 03.03.2009 às 00:00

Ah. Eu também não gosto de mentirosos. E de pessoas que gostam de referendo, depende.
Sem imagem de perfil

De Alexandra Carreira a 02.03.2009 às 23:00

Pedro,

O argumento de que os outros não podem ficar "reféns" parece-me absolutamente cretino. Primeiro, e acho que toda gente pensará o mesmo, se mais países tivessem convocado referendos, teria havido uma multiplicação de "nãos" por essa Europa fora.
É um escândalo que se tente marginalizar/pressionar/intimidar um país só por que exerceu o seu direito democrático e legítimo. E é isto que se passa.
Se as duas formas de ratificação são legítimas - como disse Sócrates para explicar a não convocação do referendo - então há que viver com as consequências. A simples sugestão de que a Irlanda ou diz sim ou está fora é a prova mais do que clara de que não se pretende uma UE próxima das pessoas.
Pessoalmente, sou pelos referendos à Europa. A união até pode funcionar ao nível dos mercados só com o aval político dos representantes, mas não acredito que possa vir a ser uma verdadeira união política sem a "legitimação democrática do processo de construção europeia", para usar as palavras do nosso PM !
E, claro, está fora de questão parar para perceber as causas do distanciamento dos europeus em relação à UE - e isto, parece-me, vai muito além de analisar as razões pelas quais os irlandeses disseram que não ao Tratado de Lisboa.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 02.03.2009 às 23:41

Inteiramente de acordo, Alexandra. Com a agravante, no caso de Vital Moreira, de ele ter sido contra o referendo na Irlanda quando tinha sido favorável ao referendo em Espanha. Só porque neste caso havia a certeza antecipada do 'sim'. Bela noção de democracia...
Sem imagem de perfil

De Alexandra Carreira a 03.03.2009 às 00:11

Provavelmente, Vital Moreira utilizaria, para se defender, o mesmo argumento de que uma coisa era a Constituição Europeia, outra 'completamente diferente' é o Tratado de Lisboa. É outra anedota!
Sem imagem de perfil

De artesaoocioso a 02.03.2009 às 23:11

A deriva de Vital Moreira já vem de trás.
Não lhe faltando inteligência, parece faltar-lhe
intuição para a política.
O risco de uma má votação também não está fora de casa.
Cumprimentos
Imagem de perfil

De Tiago Moreira Ramalho a 02.03.2009 às 23:40

A questão dos "dois pesos duas medidas" é mais que usual em Vital Moreira. Já escrevi sobre isso no Corta-fitas, até...

Abraço
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 02.03.2009 às 23:48

No caso de VM, caro Tiago, pode até inverter-se o raciocínio lógico: convém descortinar em que raros casos ele não teve dois pesos e duas medidas.
Abraço
Sem imagem de perfil

De João André a 03.03.2009 às 08:52

O grande problema com Vital Moreira é que se convenceu das suas próprias capacidades intelectuais e julga por isso que consegue defender tanto uma coisa como o seu oposto.

Ainda assim, deixo uma pergunta extra Pedro: como pode um homem que é, segundo a sua mais recente posição, contra um referendo europeu, querer ir a votos para um órgão que ele entende que não se deve intrometer no assunto?
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 03.03.2009 às 22:29

É uma boa pergunta, João André.

Comentar post



O nosso livro





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D