Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Como era o mundo há meio século

por Pedro Correia, em 31.10.10

 

 

Um simples olhar à lista dos dirigentes em funções no mundo há meio século, no início de uma das décadas mais memoráveis de sempre, revela-nos muito do que eram aqueles tempos. Em 1960 mal se haviam dissipado ainda os ecos da II Guerra Mundial: dois heróis daquele conflito, o mais sangrento da História, ocupavam funções presidenciais – Dwight Eisenhower na Casa Branca e Charles de Gaulle no Palácio do Eliseu. A política de blocos – capitalista e comunista – estava no auge, o que se revelava bem na existência de três países divididos: Alemanha (Konrad Adenauer era o chanceler no Ocidente, Walter Ulbricht era o número um da Alemanha de Leste), a Coreia (com o pró-soviético Kim Il-sung a norte e o pró-americano Syngman Rhee a sul) e o Vietname (Ho Chi Minh era o líder em Hanói e Ngo Dinh Diem em Saigão).

 

 

 

Era ainda o tempo das ditaduras: bastava ver o mapa da Europa dessa época, povoado delas. Umas de direita (Franco em Espanha, Salazar em Portugal), outras de esquerda (Tito na Jugoslávia, Novotni na Checoslováquia, Gomulka na Polónia, Kádar na Hungria, Gheorghiu-Dej na Roménia, Enver Hoxha na Albânia).

E havia sobretudo o sonho – rapidamente gorado – de um Terceiro Mundo livre da influência da política de blocos, com dirigentes prestigiados um pouco por todo o planeta, vários dos quais em países que acabavam de se libertar das tutelas coloniais. Nehru na Índia, Sukarno na Indonésia, Nasser no Egipto, Nkrumah no Gana, Sékou Touré na Guiné, Senghor no Senegal.

 

 

 

Era um tempo em que ainda se acreditava na política e nos políticos. Um tempo em que se acreditava que um homem podia fazer a diferença. Líderes tão diferentes como Juscelino Kubitschek (no Brasil), Fidel Castro (em Cuba) e Ben-Gurion (em Israel) mobilizavam multidões para o seu ideário e os seus projectos.

Um tempo que coexistia com a manutenção de reinos e impérios, alguns dos quais milenares. Hirohito, um dos derrotados da II Guerra Mundial, mantinha-se no trono japonês. Hailé Selassié era o imperador da Etiópia, ex-Abissínia. Reza Pahlevi pontificava como xá do irão, antiga Pérsia. Havia também monarcas jovens e dinâmicos, muito populares entre os súbditos, como Hussein na Jordânia e Sihanouk no Camboja.

Nikita Krutchov, o sucessor de Estaline, era o dirigente supremo da URSS, que via a China de Mao Tsé-tung distanciar-se cada vez mais apesar das afinidades programáticas entre os dois gigantes comunistas. A regra mantinha-se, fosse qual fosse o quadrante geográfico ou ideológico: o poder era ocupado por figuras carismáticas – até o poder espiritual, com o jovem Dalai Lama ou o velho Papa João XXIII. Nesse ano em que uma nova palavra entrou nos dicionários: primeira-ministra. Sirimavo Bandaranaike, no Ceilão (actual Sri Lanca), era a primeira mulher a assumir a chefia de um Governo. Num mundo cronologicamente tão perto mas em certos aspectos já tão distante.

 

Imagens:

1 - João XXIII (1881-1963)

2 - Mao Tsé-tung (1893-1976)

3 - Juscelino Kubitschek (1902-1976)

4 - Gamal Abdel Nasser (1918-1970)

5- David Ben-Gurion (1886-1973)

6 - Dwight Eisenhower (1890-1969)


14 comentários

Sem imagem de perfil

De Joana Lopes a 31.10.2010 às 16:11

Excelente, post, pedro. E que dá que pensar.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 01.11.2010 às 23:55

Obrigado, Joana. E pelo destaque no 'Brumas' também.
Imagem de perfil

De Ana Gabriela A. S. Fernandes a 31.10.2010 às 16:25

Pedro

Sem dúvida. E a diferença começou mesmo a fazer-se sentir sobretudo de há 3 década para cá, a partir dos anos 80.
Não me refiro aos regimes totalitários, evidentemente, mas hoje não estaremos a caminhar para novas formas de totalitarismo, mais perverso porque não-identificado como tal e apresentado como democrático?

Mas para além desses falhanços políticos, o mais confrangedor é, realmente, o que o Pedro destaca: não há lideranças, pelo menos lideranças de jeito.
Ana
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 01.11.2010 às 23:55

É isso, Ana. E sobretudo o capital de esperança que havia naquela época, infundada ou não, perdeu-se por completo no caminho.
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 31.10.2010 às 19:39

Gostei muito de fazer esta viagem no tempo. Era de facto um outro mundo, tão distante embora fazeno parte de um passado relativamente recente.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 01.11.2010 às 23:56

Parece que foi ontem e parece, ao mesmo tempo, que foi há uma eternidade.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 31.10.2010 às 20:45

Não há dúvida: o mundo mudou muito em meio século. Especialmente em três destas semanas mais recentes.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 31.10.2010 às 21:19

Como disse um grande pensador português, da melhor escola socrática, "o mundo muda muito em três semanas, o mundo muda quase todo em duas semanas, o mundo muda todo numa semana."
Imagem de perfil

De João Carvalho a 01.11.2010 às 00:14

Fico siderado com tamanha filosofia.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 01.11.2010 às 00:35

E levamos com a taxa máxima de IVA por ficarmos siderados.
Sem imagem de perfil

De Chloé a 01.11.2010 às 00:34

Havia essa coisa que morreu: Renovação. Causas. Espírito.
Estamos no fim da cadeia alimentar.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 01.11.2010 às 23:57

Se não estamos, parece. Mas há quem diga que as grandes crises revelam os grandes líderes. Esperemos que este axioma se confirme.
Sem imagem de perfil

De Pedro Coimbra a 01.11.2010 às 07:03

Ao ler o post ficamos com a certeza que estamos a viver outro tempo, noutro século.
E a sensação não é necessariamente boa.
Em muitos aspectos, é até muito má, Pedro.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 01.11.2010 às 23:58

Houve regressão acelerada, Pedro. Excepto no número de ditaduras: neste particular, ao menos, hoje vivemos melhor.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D