Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




22

por Luís Naves, em 19.03.20

Ao longo da vida, assisti do camarote a quatro grandes mudanças no mundo. A primeira chegou tardiamente a Portugal, sob a forma de revolução. Na altura, não entendi quase nada, mas agora percebo que houve uma espécie de tsunami social, económico e político que trouxe o país para a normalidade contemporânea. A segunda alteração foi simbolizada pela queda do Muro de Berlim e marcou o fim da Guerra Fria. Vieram depois o 11 de Setembro de 2001, que mudou o nosso sentido de segurança física, e a grande recessão de 2008, que abalou a segurança económica, mas estes dois movimentos estavam ligados a perturbações tecnológicas mais complexas. Não parece ousado dizer que a nossa vida vai levar outra volta. Muitas mudanças podem ser boas, as duas primeiras foram-no, mas esta vai atingir uma sociedade envelhecida e habituada a certos privilégios. Não coloca ponto final numa guerra que nos podia aniquilar nem abre os costumes a novas ideias, antes vem na sequência das outras duas mudanças, a encerrar-nos um pouco mais no medo: o que se aproxima ameaça erodir a abundância, fechar os portões de algumas liberdades, promete dividir ainda mais as gerações e as classes. Os historiadores do futuro talvez olhem para os 50 anos anteriores a 2020 como uma interessante anomalia, onde por acidente estávamos nós, entretanto esquecidos.


6 comentários

Sem imagem de perfil

De Vento a 19.03.2020 às 22:09

Há aí uma muito próxima dessa primeira que refere ter ocorrido em Portugal: o choque petrolífero de 70 que provavelmente ficaram-lhe algumas conversas na memória.
Os americanos, "acossados pelo seus credores", em mãos com a guerra do Vietnam, astutamente criaram os petrodólares para evitar que seus credores lhes desvalorizassem a moeda e a retirassem como referência mundial, se tivessem cedido à pressão para que o dólar fosse indexado ao padrão ouro. Aliás o problema do Iraque, pós Bush pai, foi precisamente a ameaça de Saddam ao afirmar que usaria o Euro como referência para transacção do petróleo.

O século XX e a primeira década do XXI estarão na memória dos vindouros da mesma forma que esteve na nossa memória colectiva o que nos antecedeu: nada.

Quero com isto dizer que não aprendemos nada com a história e o mesmo ocorrerá a esses. Dirão somente que os sobrevivos, pelos comportamentos que apresentarão e as histórias que lhes contarão, são uns traumatizados - o mesmo que dizemos ou dissemos sobre os anteriores - e que a vida continua.
A história repete-se porque os comportamentos não evoluem e ninguém quer viver pelas experiências dos outros.
Nada de novo debaixo do Sol.

Porém é uma excelente reflexão.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.03.2020 às 23:55

Informe-se sobre o valor de todo o petróleo no comércio mundial na altura ou hoje em vez de trazer os habituais lugares comuns.
E depois a % do Iraque...

lucklucky
Sem imagem de perfil

De Vento a 21.03.2020 às 18:14

Pois, na altura a chantagem foi mesmo o petróleo e sem lugar-comum porque todos sentiram a crise. E os petrodólares uma realidade.
Nos anos 80 em Portugal várias moedas serviam para se transaccionar no mercado negro, mas o dólar mantinha-se a referência para as mais diversas actividades. E sei o que escrevo.
Comparar o preço em situações diversas é fazer disto um lugar-comum para justificar um não sei quê. Talvez a agressão dos erquerdistas lá do outro lado da muralha ou cortina.

Quanto ao Iraque e %. A questão não se coloca nas percentagens , mas sim no que ele poderia fazer com o petróleo, ganhando a % que lhe fosse possível, e com indexação ao euro. Aliás, anteriormente a isso existiu uma razão para se patrocinar a guerra Iraque/Irão. Sabe ou não sabe?
Sem imagem de perfil

De Bea a 19.03.2020 às 22:23

O presente é já tanto que não me apetece pensar em futuro. É um dia de cada vez como os AA.
Sem imagem de perfil

De V. a 19.03.2020 às 23:17

Seria interessante verificar qual tem sido a estratégia dos vírus ao longo da história dos animais na terra. Não deve ter sido muito diferente da de agora ;)
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 19.03.2020 às 23:39

Gosto deste todo que há em cada fragmento.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D