Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 15.11.18

PrincípioKarenina Kfrente 300dpi RGB.jpg

 

Princípio de Karenina, de Afonso Cruz

Romance

(edição Companhia das Letras, 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Pensamento da semana

por Pedro Correia, em 15.11.18

 

Nascer velho e morrer jovem é a utopia de alguns.

 

Este pensamento acompanha o DELITO durante toda a semana

Autoria e outros dados (tags, etc)

Canções do século XXI (591)

por Pedro Correia, em 15.11.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

Já li o livro e vi o filme (246)

por Pedro Correia, em 14.11.18

img_210627893_1361546889_pbig[1].jpg

122[1].jpg

 

 

     SANGUE E ARENA (1908)

Autor: Vicente Blasco Ibañez

Realizador: Rouben Mamoulian (1941)

Um dos mais célebres romances espanhóis de todos os tempos, com uma toada folhetinesca muito adequada à época em que foi escrito, gerou uma obra-prima do cinema norte-americano. Com Tyrone Power e a deslumbrante Rita Hayworth.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (80)

por Pedro Correia, em 14.11.18

thumbnail_20180915_115842-1[1].jpg

1474503_197473413772188_1963325171_n[1].jpg

 

  

D. Fernando I (1367-1383)

 

Autor: Desconhecido

Ano da inauguração: 1726, presumivelmente

Localização: Castelo Branco, no Jardim do Paço Episcopal ou de São João Baptista

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sapos bons de engolir

por Pedro Correia, em 14.11.18

Bem acompanhado, o DELITO DE OPINIÃO figura entre os nomeados para a simpática iniciativa Sapos do Ano, destinada a eleger o melhor blogue em diversas áreas, cabendo-nos as de política e economia. As votações decorrem a partir de amanhã, até ao fim do ano.

Desde já os nossos agradecimentos à Magda e ao David - e também, claro, aos leitores que tiveram a gentileza de nos nomear. Ao contrário do que alguns imaginam, há cada vez mais blogues - e cada vez com mais leitores. Como esta iniciativa, aliás, bem comprova.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 14.11.18

9789896232627[1].jpg

 

 Raposa, de Dubravka Ugrešić

Tradução de Guilherme Pires

Romance

(edição Cavalo de Ferro, 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Canções do século XXI (590)

por Pedro Correia, em 14.11.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

Post-it

por Fernando Sousa, em 13.11.18

Agora sempre que vou à FNAC não encontro o (livro) que procuro. Tenho que andar nos alfarrabistas, e às vezes nem aqui tenho sorte, além de que é um lugar péssimo para a asma. Alguém tem por aí a Ilha dos Condenados, do Stig Dagerman?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os meus heróis estão a morrer

por Pedro Correia, em 13.11.18

Lee_AmazingSpiderMan.jpg

 

Stan Lee (1922-2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (79)

por Pedro Correia, em 13.11.18

imagesPY6KK334.jpg

13423193[1].jpg

 

 

D. Pedro I (1357-1367)

 

Autor: Manuel Coelho Pinto

Ano da inauguração: 2006

Localização: Coimbra, Rotunda das Lages (sob o título "Inês, Pedro e o Mondego")

Autoria e outros dados (tags, etc)

Stan Lee

por jpt, em 13.11.18

O macro Stan Lee morreu ontem (os super-heróis também partem). Para obituário nada melhor do que um auto-retrato.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 13.11.18

250x[1].jpg

 

 O Terceiro País, de Joan London

Tradução de Maria do Carmo Figueira

Romance

(edição Bizâncio, 2018)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Canções do século XXI (589)

por Pedro Correia, em 13.11.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

HAL9000.jfif

Douglas Rain faleceu ontem, aos 90 anos. É possível que o nome diga muito pouco à maioria dos leitores; a sua fotografia, se aqui fosse publicada, pouco mais diria. Mas este círculo vermelho e a sua voz grave tornaram-se inesquecíveis quando, há cinquenta anos, construíram a mais famosa inteligência artificial da ficção científica: HAL 9000, o tripulante incorpóreo da Discovery na sua expedição à órbita de Júpiter para confirmar o elusivo primeiro contacto feito com o monólito lunar. Falo de 2001: A Space Odyssey, claro; todo o segundo acto do filme pertence à expressividade impossível que Rain confere ao olho inescrutável que vigia cada recanto da nave espacial, um feito notável quando pensamos que, num filme com tão pouco diálogo, praticamente todas as palavras relevantes são proferidas pela personagem tornada presente pela sua voz. Do orgulho inicial ao impulso homicida, da determinação pela continuidade de uma missão que não consegue compreender até ao desespero dos momentos finais, quando Dave Bowman, suspenso em gravidade zero, lhe desliga os circuitos de memória um por um - o tom enganadoramente monocórdico de Rain transmite todas as emoções da personagem com subtileza, sem esforço aparente. Voltei a confirmar isto mesmo nos últimos meses, nas duas oportunidades que tive de rever a obra-prima de Stanley Kubrick no grande ecrã: inúmeras visualizações depois, o HAL 9000 continua tão fascinante e ameaçador como da primeira vez que o ouvi. Douglas Rain, o actor, talvez tenha tido uma passagem discreta pela Terra; mas a sua voz, essa, perdurará entre as estrelas. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (78)

por Pedro Correia, em 12.11.18

moledo15.jpg

5-c-1024x683.jpg

 

 

D. Pedro I (1357-1367)

 

Autor: Francisco Cid

Ano da inauguração: 2010

Localização: aldeia de Moledo, no concelho da Lourinhã (D. Pedro tem à sua frente Inês de Castro)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 12.11.18

2018___entretanto_1024x1024[1].jpg

  

 Entretanto, de John Berger

Tradução de Júlio Henriques

Ensaio

(edição Antigona, 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

VM1.jpg

O meu amigo Luís Alvarães acaba de partilhar estas declarações de Vitorino Nemésio, proferidas na época em que se preparava a sua nomeação para director de O Século, algo que acabou por abortar, talvez também por causa da entrevista em que as proferiu.

 

Hoje impera a informação. Informação moderna, caminhando mesmo no sentido da informática, ciência que, a partir da termodinâmica, abarcou o próprio boato como objecto. É uma informação quantificada.” (Vitorino Nemésio, entrevista à revista Flama, 1973).

 

O Luís, para além da pertinência da partilha - será interessante compará-la com as opiniões que defendem que Bolsonaro, Trump et al negam o preceito "Não há nada novo sob o Sol" - teve ainda a gentileza de me enviar a digitalização da entrevista. Quem tiver curiosidade em lê-la encontra-a aqui - preferi não a deixar neste blog pois as imagens ocupam algum espaço de ecrã e não quero aborrecer algum passante mais apressado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Canções do século XXI (588)

por Pedro Correia, em 12.11.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fotografias tiradas por aí (434)

por José António Abreu, em 11.11.18

Porto2018_12_600.jpg

Porto, 2018. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O comentário da semana

por Pedro Correia, em 11.11.18

«Eu a julgar que os sérvios tinha lutado pela Grande Sérvia, os franceses pela Alsácia-Lorena, os ingleses para acabar com a indústria pesada alemã e ficar com os melhores bocados do Império Otomano, os italianos por Trento, Trieste e a Dalmácia, os romenos pela Transilvânia, os russos por Deus e pelo Czar (até se fartarem de ambos). E que nós apenas declarámos guerra aos alemães para (na tese oficial) não perdermos as colónias ou (na realidade) para reforçar o precário regime que então nos governava – duas razões que se aplicam à Guerra 1961-1974, que, francamente, não consta que tenha sido uma “luta pela compreensão contra o ódio, a liberdade contra a opressão, a justiça contra a iniquidade, a Europa aberta contra a Europa fechada, o mundo solidário contra o mundo dos egoísmos, das xenofobias e das exclusões”...»

 

Do nosso leitor JPT. A propósito deste texto do JPT.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (77)

por Pedro Correia, em 11.11.18

Pedro I cascais.jpg

Ped I Cascais.jpg

 

 

D. Pedro I (1357-1367)

 

Autor: António Duarte

Ano da inauguração: 1965

Localização: Cascais, na Praça 5 de Outubro

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 11.11.18

img_797x448$2018_11_06_14_08_44_510740[1].jpg

 

 Poemas Escolhidos, de Pedro Mexia

Antologia

(edição Tinta da China, 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

In Memoriam

por Fernando Sousa, em 11.11.18

Ergueu-se Abraão, rachou a lenha e partiu

E consigo levou a chama e um cutelo.

E quando juntos se quedaram ambos,

Isaac, filho primeiro, assim falou: `Meu Pai

Tudo está preparado, o ferro e o fogo

Mas qual é o cordeiro a imolar nas chamas?`

E Abraão prendeu o jovem com cinturões, correias,

Em redor construiu trincheiras, parapeitos

E empunhou o cutelo para matar seu filho.

Dos céus um Anjo lhe bradou então

E disse: `Não levantes a mão contra esse jovem

Nada tentes contra ele que é teu filho.

Vê! Um cordeiro preso está ali naquela sarça.

De orgulho oferece um sacrifício em vez do jovem.`

Mas por não querer assim, matou o velho o filho

E um por um também metade dos filhos da Europa. 

 

Parábola do Jovem e do Ancião, de Wilfred Owen, poeta inglês morto nas trincheiras uma semana antes da assinatura, há cem anos, do Armistício da Guerra de 1914-18, in Elegias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Blogue da semana.

por Luís Menezes Leitão, em 11.11.18

Fernando Pessoa não gostava de viajar. No Livro do Desassossego do seu quase heterónimo Bernardo Soares escreve o seguinte:

"Que é viajar, e para que serve viajar? Qualquer poente é o poente; não é mister ir vê-lo a Constantinopla. A sensação de libertação, que nasce das viagens? Posso tê-la saindo de Lisboa até Benfica, e tê-la mais intensamente do que quem vá de Lisboa à China, porque se a libertação não está em mim, não está, para mim, em parte alguma. «Qualquer estrada», disse Carlyle, «até esta estrada de Entepfuhl, te leva até ao fim do mundo.» Mas a estrada de Entepfuhl, se for seguida toda, e até ao fim, volta a Entepfuhl; de modo que o Entepfuhl, onde já estávamos, é aquele mesmo fim do mundo que íamos a buscar.

Condillac começa o seu livro célebre, «Por mais alto que subamos e mais baixo que desçamos, nunca saímos das nossas sensações». Nunca desembarcamos de nós. Nunca chegamos a outrem, senão outrando-nos pela imaginação sensível de nós mesmos. As verdadeiras paisagens são as que nós mesmos criamos, porque assim, sendo deuses delas, as vemos como elas verdadeiramente são, que é como foram criadas. Não é nenhuma das sete partidas do mundo aquela que me interessa e posso verdadeiramente ver; a oitava partida é a que percorro e é minha.

Quem cruzou todos os mares cruzou somente a monotonia de si mesmo. Já cruzei mais mares do que todos. Já vi mais montanhas que as que há na terra. Passei já por cidades mais que as existentes, e os grandes rios de nenhuns mundos fluíram, absolutos, sob os meus olhos contemplativos. Se viajasse, encontraria a cópia débil do que já vira sem viajar. Nos países que os outros visitam, visitam-nos anónimos e peregrinos.

Nos países que tenho visitado, tenho sido, não só o prazer escondido do viajante incógnito, mas a majestade do Rei que ali reina, e o povo cujo uso ali habita, e a história inteira daquela nação e das outras. As mesmas paisagens, as mesmas casas eu as vi porque as fui, feitas em Deus com a substância da minha imaginação".

Não me revejo nada nesta afirmação e por isso gosto de viajar. A viagem não só nos faz sair da monotonia de nós mesmos, como também nos transforma, fazendo a que cheguemos diferentes quando regressamos. Por isso decidi escolher para blogue da semana um excelente blogue destinado a viagens. O Joland Blog é assim o blogue da semana.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pensamento da semana

por jpt, em 11.11.18

tardi.jpg

 

Como não desprezar toda esta pompa comemorativa se lendo Jacques Tardi, décadas de magistral vasculha da história sem fim da I Guerra Mundial, no mostrar da desgraça de cada poilu, milhões de Varlots, subjugados ao miserando militarismo alimentado do mais torpe e ávido dos nacionalismos, na mais ignóbil das guerras, a do estertor suicidário dos velhos impérios?

E como não resmungar diante do nosso empertigamento falsário, esquecendo aquela república logo-trôpega vendo a guerra como única forma de se sustentar, gulosa da presença no festim dos despojos? Escamoteando um país agressor, na volúpia de mais um pedaço de terra longínqua, subtraída aos que também já dela se haviam apropriado? Glorificando a pobre tropa da Europa, ali indesejada pois inútil no desequipada e impreparada que era, mera má carne para canhão? E falsificando a guerra de África, dizendo-a ainda, com impudicícia neste XXI, "campanhas de pacificação" indígena? Escamoteando a incompetência das expedições, nas quais a pobre soldadesca arregimentada, ali obrigada, tão vítima foi da inexistência de comando, conhecimento de terreno ou material adequado, este aldrabado pelas corrupções da administração militar? E de ter sido aquilo ainda uma tropa de antigo regime, de oficiais privilegiados, com rações e equipamentos superiores, deixando os meros praças morrer à míngua diante da inclemência dos elementos? E o silêncio sobre o descalabro demográfico que foi a hecatombe dos arrebanhados carregadores africanos? Como aceitar tantos meneios contextualizadores quando se refere a "guerra colonial" de 1961-74 e tantos encómios embrutecidos a esta mera guerra colonial de 1915-1918? Como compreender que surjam políticos, ignorantes ou malévolos, apenas netos herdeiros daquele malvado republicanismo, chamar a tudo isto "patriotismo"? 

E diante deste cerimonial patético, alarido de sociedade disfucional, como esquecer Pemba, a antiga Porto Amélia, lá no Cabo Delgado, onde Von Lettow-Vorbeck se cumulou de glória face aos britânicos, diante da total irrelevância inepta do corpo expedicionário português, devastado pelas doenças, palmilhando a selva incapaz até de combater? Como esquecer, ainda para mais vendo as encenações lisboetas d'agora, aquele cemitério militar? 

 

pemba 1.jpeg

pemba 2.jpeg

Ali a irritar-me até envergonhado, no verdadeiro patriotismo, não este de pacotilha, vigente no "Terreiro do Paço", de Belém a São Bento ... A descer destes talhões militares até à baixa da cidade, ao comerciante português residente, "arranja lá uns homens, deixo-te aqui 100 dólares, eles que vão lá capinar aquilo, que é uma vergonha", ainda para mais separado por um mero murete, tão mero que se cruza no alçar da perna, do talhão da Commonwealth, esse arranjado todos os meses, impecável, túmulos à antiga, que os britânicos andaram a recolher os corpos do mato e ali os sepultaram: uma ala de europeus, uma outra de indianos, uma outra de africanos. Todos com uma lápide, um nome, posto, regimento de pertença e datas. Sim, era um império, diferenciavam raças e religiões, hierarquizavam-nas. Mas, pelo menos na morte, cada um era um. Com nome, túmulo e respeito. Até hoje. E os nossos? Anónimos e desgraçados na vida, anónimos e desengraçados na morte.

E depois em Maputo ao adido de defesa, "ó comandante, vá lá ver aquilo, sff, que é uma vergonha". E ele, mar-e-guerra como deve ser, a tomar-se de brios, a visitar, a informar. E, meses depois, "ó doutor, Lisboa diz que não pode ser, em trabalho de arquivo para identificar mortos e arranjo de túmulos seriam para aí mil contos (5 mil euros agora) e não há dinheiro". Mil contos?, "mas isso não são 2 ou 3 bilhetes de executiva para essas missões que cá vêm fazer nada?" avanço eu, no sarcasmo desiludido de quem vai a sul do Equador (ou será do Tejo?). E o comandante, sábio, "ó Zé Teixeira, o que é que quer que eu lhes faça?" e a gente a saber que nada se pode, doutor de gabinete posto é doutor. E uma década depois, numa visita do PR Cavaco Silva, eu a aprumar-me comendador e a avançar para o homem da casa militar, e a explicar ao "nosso" tenente-coronel disto tudo e ele, simpático, que "sim, já estamos informados", até porque este nem é caso único. Pois não, sei bem.

Patriotismo, dizem estes, agora, em festividades encenadas. E lembro, a la Tardi, aquela pobre geração, camponeses arrancados às courelas, operários e serviçais conscritos em nome de uma madrasta, a sorte que lhes coube, "putain". Para serem húmus de capim. E da vaidade de gerações.

Pensamento da semana? Estes d'agora cantam mal e não me encantam.

  

Adenda: escrevi este postal sem saber do conteúdo do discurso de ontem do PR, para o qual um comentário logo me chama a atenção (excerto aqui. Ainda não está colocado no sítio presidencial mas decerto que em breve o estará). Não vale a pena alimentar grandes debates sobre isso, pois as coisas são simples: o que o PR disse é absolutamente crível sobre a II Guerra Mundial. Recaindo sobre a I Guerra Mundial é pura ignorância. Ou, pior, é falsificar a história. 

 

Este pensamento acompanhou o DELITO durante toda a semana

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Canções do século XXI (587)

por Pedro Correia, em 11.11.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

17 de Outubro de 2017

Rui Rio em campanha para a presidência do PSD: «A política precisa de um banho de ética.»

 

13 de Janeiro de 2018

Rui Rio eleito líder do PSD.

 

25 de Janeiro

Salvador Malheiro, director de campanha de Rui Rio, alvo de uma investigação do Ministério Público por suspeitas de favorecimento a uma empresa do líder da concelhia do PSD de Ovar, seu vereador na câmara municipal a que preside.

 

19 de Fevereiro

Elina Fraga, vice-presidente de Rio, investigada por supostas irregularidades na contratação de serviços jurídicos quando era bastonária da Ordem dos Advogados.

 

18 de Março

Feliciano Barreiras Duarte, primeiro secretário-geral escolhido por Rio, demite-se após várias polémicas relativas às sua carreira académica e a ajudas de custo que terá recebido como deputado.

 

3 de Novembro

É noticiado que José Silvano, segundo secretário-geral escolhido por Rio, recebeu senhas de presença (no valor de quase 70 euros cada) por alegada participação em reuniões parlamentares a que não compareceu, a 18 e 20 de Outubro.

 

7 de Novembro

Silvano assina presença numa reunião parlamentar da Comissão de Transparência a que não chegou a assistir, sem ter apresentado qualquer justificação.

 

8 de Novembro

Questionado pelos jornalistas sobre Silvano, Rui Rio responde em alemão: «Ich weiss nicht, was sie sagen.»

 

9 de Novembro

Deputada Emília Cerqueira assume ter «inadvertidamente» registado as presenças de Silvano ao aceder ao computador registado em nome dele na Assembleia da República.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Leituras

por Pedro Correia, em 10.11.18

150x[1].jpg

 

«O tempo e a paciência conseguem levar um caracol à América.»

Colm Tóibín, Brooklyn (2009)p. 39

Ed. Bertrand, 2017. Tradução de C. Santos

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (76)

por Pedro Correia, em 10.11.18

140017381.UXdL0YRu[1].jpg

palacio-1[1].jpg

 

 

D. Pedro I (1357-1367)

 

Autor: Desconhecido

Ano da inauguração: Algures no século XVIII

Localização: Lisboa, no jardim do Palácio Fronteira (São Domingos de Benfica)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 10.11.18

250x[1].jpg

 

 O Pai da Menina Morta, de Tiago Ferro

Romance

(edição Tinta da China, 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Canções do século XXI (586)

por Pedro Correia, em 10.11.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

O PSD

por jpt, em 09.11.18

1200px-Flag_of_the_Social_Democratic_Party_(Portug

 

Uma amiga minha tem as minhas senhas (passeuardes no português de deputado) todas - para, se me der o badagaio, me apagar destas "redes sociais"; e uma familiar minha tem os acessos (passeuardes no tal português de político) à minha parca conta bancária.

Só me falta aldrabar o currículo e aprender um bocado de alemão para me fazer importante no PSD. Alguém por aí me pode assinar a passeuarde de militante?

Autoria e outros dados (tags, etc)

A direita em Portugal

por jpt, em 09.11.18

Tal como Luís Aguiar-Conraria, o autor deste texto que bem recomendo, contactei (e saudei) - vivendo então no estrangeiro - com a explosão do discurso liberal português, no início de XXI, através dos blogs. E tal como ele "Com o passar do tempo, fui-me apercebendo que o liberalismo muitas vezes mais não era do que uma fachada para dar um toque de modernidade ao que não passava de conservadorismo, quando não reaccionarismo.". Deixo a ligação pois é mesmo um bom diagnóstico sobre o que se passa entre o (decadente) PSD e o apardalado CDS. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sobre "fake news"

por jpt, em 09.11.18

Um belo texto de Nuno Garoupa no novo Polígrafo. Deixo excerto: 

(10) Acredito que a única forma de evitar o percurso mais doloroso é reconstruir o “juste milieu” regenerado. Para isso, fact checking é fundamental. Não para proibir as fake news, um perigoso disparate. Mas sim para permitir distinguir aquilo que são interpretações realistas do mundo que nos rodeia das verdades pós-modernas que radicalizam e emocionam. Não acredito na Verdade. Há muitas verdades. Mas há verdades e verdades. Há verdades que fomentam o “agree do disagree”, que facilitam a convivência política, que relembram aos eleitos porque são privilegiados em democracia, que regeneram o contrato social na busca de uma organização social mais adequada para o século XXI. E há verdades que dividem, eliminam, alimentam o ódio, existem apenas pela emoção e para uma visão maniqueísta dos bons (aqueles que partilham essa verdade) e os maus (os outros), promovem a superioridade moral de um grupo em detrimento do resto da sociedade.

A ler, mesmo. E é de acompanhar o tal Polígrafo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tradições

por Teresa Ribeiro, em 09.11.18

1267206.jpg

 

Na China havia, como é sabido, a tradição de enfaixar os pés das meninas desde a mais tenra idade para que não crescessem mais que uns ideais dez centímetros. O sofrimento atroz que resultava da compressão dos ossos e das unhas por forma a impedir o normal crescimento do pé era justificado por motivos estéticos: um pé minúsculo era considerado mais atraente e os passinhos doridos das donzelas, a sublinhar a sua fragilidade, algo de muito erótico. Na  Índia, o costume de queimar vivas as viúvas junto à pira funerária do seu falecido marido (o sati), embora proibido, parece que chegou ao século XXI (há registos de sacrifícios realizados em 2006) nalgumas comunidades hindus. A excisão genital feminina, outra prática bárbara que impende sobre as mulheres, essa está longe de ser erradicada. 

As "tradições" são assim: difíceis de combater. Nem todas refletem o lado mais pérfido dos seres humanos, mas as que o fazem felizmente têm sido pouco a pouco desacreditadas pela civilização, embora - e esse é um traço comum - sob os mais vivos protestos das camadas conservadoras.

Os elos mais fracos - mulheres, crianças, idosos, pessoas doentes - têm sido ao longo dos tempos as vítimas preferenciais de muitos rituais, que sob falsos pretextos mais não fazem do que dar largas à agressividade larvar que faz parte da natureza humana. Mas se no mundo civilizado a que pertencemos a censura social já está perfeitamente estabelecida relativamente a maus tratos infligidos a outros seres humanos, quando se fala de animais, o consenso desaparece. Defender seres que estão abaixo da condição humana é subir mais um patamar civilizacional e isso demora tempo. 

Pessoas e animais não estão no mesmo plano, nem têm os mesmos direitos, mas a discussão não é essa. O que está em causa quando se fala de maus tratos a animais mais do que o sofrimento da vítima é a atitude do flagelador e a complacência que deve ou não existir face à crueldade que manifesta. No fundo é a tolerância relativa ao prazer da carnificina, ao gozo de provocar sofrimento num ser capaz de sentir com todas as fibras do seu corpo a atrocidade a que está a ser sujeito, que se discute. E essa é a questão de fundo da tourada. Algo que os aficcionados pretendem iludir quando falam da "arte do toureio". Mas de eufemismo em eufemismo a que se referem eles, quando elogiam a "festa brava"? À estética. Às chiquelinas, aos pasos dobles, ao confronto estilizado entre homem e besta. A visão crua da realidade, a de que no fundo gozam com a tortura de um bicho, não lhes interessa.

Fossem os toiros robots, as praças ficariam vazias. Porque a festa brava precisa de sangue. Sem sofrimento, sem aquela luta desesperada e inglória do bicho pela sua vida, não seria a mesma coisa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (75)

por Pedro Correia, em 09.11.18

10097015024_fccb34e221_b[1].jpg

Pedro I vila flor.jpg

14280019_CzR4Q[1].jpg

 

 

D. Pedro I (1357-1367)

 

Autor: Desconhecido

Ano da inauguração: Desconhecido, no século XVIII

Localização: Guimarães, na fachada norte do Palácio Vila Flor

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sobre rodas

por Pedro Correia, em 09.11.18

 

ff2fc755e49512f8e16605ac8be18615.jpg

 

O Ministério da Economia tem novo titular e, logo por coincidência, vai passar a ter também carro novo. Com contrato de aluguer publicitado e divulgado pelo blogue Má Despesa Pública.

É extraordinária a prioridade dos membros do Governo: ainda antes de publicarem sequer uma portariazinha, já estão alapados em novas viaturas. Como se a anterior estivesse contaminada.

Por mim, nada a objectar: gosto de vê-los bem instalados e a rodar como lhes apraz. Desde que tenham muita saudinha e não se estampem, como já sucedeu a dois notáveis, em Tancos e Pedrógão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 09.11.18

250x[1].jpg

 

 Luanda, Lisboa, Paraíso, de Djaimilia Pereira de Almeida

Romance

(edição Companhia das Letras, 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Belles toujours

por Pedro Correia, em 09.11.18

0gunez1q[1].jpg

 

Anne Sofie Espersen

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Canções do século XXI (585)

por Pedro Correia, em 09.11.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (74)

por Pedro Correia, em 08.11.18

thumbnail_20180922_142112-1.jpg

alcobaça.jpg

 

 

D. Pedro I (1357-1367)

 

Autor: Desconhecido

Ano da inauguração: data desconhecida, no século XVIII

Localização: Sala dos Reis, no Mosteiro de Alcobaça

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mourinho

por jpt, em 08.11.18

MourinhoprovocacaoDR.jpg

 

(Postal para o És a Nossa Fé

 

Juventus-Manchester United, no palco global da “Champions” o jogo entre as equipas dos dois portugueses mais conhecidos do mundo, pelos seus extraordinários méritos. Também por isso eles alvos de tanta raiva nacional, mostra desse traço cultural constante, a inveja dos patrícios com sucesso “lá fora”, tão paradoxal e desprezível num país que foi colonial (e abominou os seus colonos) e é de emigração (e menospreza os seus emigrantes). A abjecta reacção generalizada, isenta daquilo chamado “dúvida”, às acusações de uma acompanhante de luxo a Cristiano Ronaldo, é um caso extremo disso. Mas é algo continuado, há uns anos (2012, 2013?), num treino da selecção antes de um jogo particular em Guimarães o público gritava “Messi, Messi” para espanto do CR7. Pois porquê aquilo? Tal como a constante maledicência sobre Mourinho – há quantos anos, 10?, se lêem inúmeros comentários e opiniões na imprensa sobre o estar ele “ultrapassado”? – disso é prova.

Ontem o confronto (também) entre eles. Algo que connosco fala, sportinguistas, sobre o nosso clube. O CR7 orgulho máximo da nossa formação, encabeçando o trio maravilha de três décadas gloriosas, Futre-Figo-Cristiano. Talvez o melhor jogador do mundo, e cada vez mais isso se evidencia (Messi como o génio trabalhado, Ronaldo como o trabalho genial). E Mourinho, o técnico em actividade com mais vitórias relevantes, em tempos recusado pelo Sporting (um dos três erros históricos do clube, junto aos com Eusébio e Futre). Negado, julgo recordar (ou sonho a memória?), quando o actual director do futebol do Sporting, então capitão, se armou em Sérgio Ramos e torpedeou em público essa vinda, associando-se aos sábios espectadores, esses sempre armados de vigorosos lenços brancos, que clamaram inadmissível que um treinador transitasse do Benfica para o Sporting. Pois desde há décadas que os fungões espirram …

Enfim, vem isto a propósito do final do jogo de ontem. Mourinho, que em Manchester e Turim foi azucrinado pelos adeptos italianos, jogou bem e triunfou. A Juventus é melhor, ganhara soberbamente fora e em casa tinha o jogo na mão. CR7 fez um jogo magnífico, um golo espantoso e deu outros a marcar, desperdiçados por pés Quadrados. Mas Mourinho pensou bem, substituiu melhor, e teve a sorte (essa grande jogadora) por ele. E fez a reviravolta, mesmo no fim. Jogo épico.

Mas o que é mesmo magnífico é a sua reacção. Provocatória, deselegante, desnecessária, digam o que disserem. Mas é uma delícia. Porque é futebol. Mas ainda mais do que isso, porque é completamente portuguesa. Não exactamente o gesto da mão na orelha, algo mais comum. Mas é aquele trejeito da boca, “hâânnn?”, “dígam lá agóra!!”. Algo, ricto e óbvio som, tão nosso, tão português de rua, bairro, popular, tão “tuga”, tão treinador da bola, como se fosse ali aqueles técnicos dos tempos de antes, os do Aliados do Lordelo ou do Montijo a ganharem à Sanjoanense ou ao Amora, assim a fazer o mundo pequeno e igual quanto às mesuras que se lhe (não) deve, e nisso também tão eu, tão nós, os que não temos nem vergonha de ser portugueses nem abominamos os nossos que ganham alhures. Vejo-o ali na tv e rio-me, gargalho, “ah g’anda Mourinho, meu patrício”, meu e nosso orgulho amanhã. Saídos à rua, entre nós e com os outros, “hâânnn?”, “dígam lá agóra!!”. Nós povo, rindo, que hoje no fim do dia tragaremos o “petit verre”, escorropicharemos o bagaço branco, e irei eu até à rua, à porta da “petite restauration”, a tasca daqui, a fumar o cigarro e, se necessário, no choque com o frio, assoar-me-ei aos dedos, sacudindo o ranho para o chão, e se calhar ainda terei que cuspir, na azia do álcool. E, entre nós, riremos, com desprezo mas também mágoa, desses invejosos lá na terra. E ainda mais, com gargalhada mesmo, com alguma amarga piada sobre essa paneleirage, tão amaricada, sensíveis coitadinhos, a agitarem os lencinhos brancos, arrebitados em meneios no “olhem para mim”, que é para isso que lhes servem os trapos.

G’anda Zé Mourinho, g’anda patrício. E viva também o CR7, o melhor do mundo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Post-it

por Fernando Sousa, em 08.11.18

Uma pergunta: se durante uma lide o touro der uma cornada num desses moços apertadinhos em sedas, adornos, luces, fru-frus, aos gritos de hei, hei, o animal tem direito a palmas, ou fica mal? Só para saber. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Frases de 2018 (41)

por Pedro Correia, em 08.11.18

«A política não é uma questão de vontade, mas de força.»

Catarina Martins, em entrevista ao Expresso

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 08.11.18

2018_guerra_das_salamandras_1024x1024.jpg

 

 A Guerra das Salamandras, de Karel Čapek

Tradução de Lumir Nahodil

Ficção científica

(edição Antígona, 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Canções do século XXI (584)

por Pedro Correia, em 08.11.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

Post-it

por Fernando Sousa, em 07.11.18

Quando a vi agora na imprensa chilena percebi logo que tinha morrido, ela, Ana de Recabarren, que só os anos, 93, e a doença calaram. Conheci-a em 98, em Santiago do Chile, na sede da Associação dos Familiares dos Detidos Desaparecidos, de que fora uma das fundadoras, e nunca mais esqueci o seu olhar já seco e a sua voz apostada: "Vivos mos levaram, vivos os quero!" Em 1976, a DINA levou-lhe o marido, Manuel, dois filhos, e uma nora, grávida. Ana maldisse então tudo o que mexia na terra e no céu mas depressa secou as lágrimas e arregaçou as mangas.E nunca mais baixou os braços. Até há dias. São estas pessoas que são o sal da terra. 

32.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (73)

por Pedro Correia, em 07.11.18

20180915_115659-1.jpg

Jardim_Paco_EpiscopalPRM_2445_FogeC.width-960[1].j

 

  

D. Pedro I (1357-1367)

 

Autor: Desconhecido

Ano da inauguração: 1726, presumivelmente

Localização: Castelo Branco, no Jardim do Paço Episcopal ou de São João Baptista

Autoria e outros dados (tags, etc)

A ler

por Sérgio de Almeida Correia, em 07.11.18

"For a man who famously thought he could grab women by the genitals, Donald Trump is about to experience just how painful a squeeze that can be."

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/2



O nosso livro





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D