Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Fotografias tiradas por aí (428)

por José António Abreu, em 30.09.18

Mértola2018_1_600.jpg

Perto de Mértola, 2018. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Entre os mais comentados

por Pedro Correia, em 30.09.18

Em 20 destaques feitos pelo Sapo em Setembro, entre segunda e sexta-feira, para assinalar os dez blogues nesses dias mais comentados nesta plataforma, o DELITO DE OPINIÃO recebeu 15 menções ao longo do mês.

 

Os textos foram estes, por ordem cronológica:

Estátuas dos nossos reis (9) (22 comentários)

Estátuas dos nossos reis (11) (26 comentários)

Deve haver algo errado (56 comentários, o mais comentado do dia)

Ser de esquerda ou de direita (24 comentários)

A Hungria e o social-fascismo (30 comentários)

Estátuas dos nossos reis (20) (34 comentários)

Estátuas dos nossos reis (22) (30 comentários)

Estátuas dos nossos reis (23) (24 comentários)

Um país de opereta (23 comentários)

Estátuas dos nossos reis (25) (24 comentários)

Sem rodeios (68 comentários, o mais comentado do dia)

A diferença entre "legítimo" e "asséptico" (37 comentários)

Pensamento da semana (46 comentários, terceiro mais comentado do dia)

A Uber agradece (36 comentários)

Chamar as árvores pelos nomes (62 comentários, terceiro mais comentado)

 

Com um total de 552 comentários nestes postais. Da autoria do JPT, do Luís Menezes Leitão, do Diogo Noivo e de mim próprio.

Fica o nosso agradecimento aos leitores que nos dão a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O dilema da democracia

por Alexandre Guerra, em 30.09.18

Uns meses depois do fim da Guerra dos Balcãs (1991-95) e perante a maior barbárie na Europa desde a II Guerra Mundial, cometida entre “vizinhos” sob a égide de projectos políticos nacionalistas, o diplomata Richard Hoolbroke, que ajudou a forjar os Acordos de Dayton, deixava no ar uma questão que pertencia mais ao campo da filosofia política do que, propriamente, ao ramo da ciência política: “Suponha-se que as eleições são livres e justas e que aqueles que são eleitos são racistas, fascistas, separatistas. Esse é o dilema [da democracia].” No fundo, aquela pergunta era uma outra forma de consubstanciar o dilema clássico na discussão em torno das formas sãs e degeneradas de Governo e que pode conduzir a um exercício teórico útil para nos ajudar a compreender alguns fenómenos recentes de apetência para projectos mais populistas e nacionalistas.

 

No âmbito desse exercício, existem dois cenários, algo extremados, é certo, a ter em consideração. Por um lado, temos uma autocracia liderada por um “príncipe” virtuoso, onde a sua principal preocupação é o bem-estar da população, garantindo-lhe elevados índices de qualidade de vida e satisfação. No entanto, neste regime, onde o bom governante herda o poder do pai, não existem partidos políticos, a crítica é “silenciada” e os movimentos civis são frágeis ou inexistentes. Mas, veja-se o outro cenário, onde uma democracia consolidada, dentro de todas as regras constitucionais, elege um tirano. Esse mau governante vai exercer o poder em interesse próprio e dos seus “amigos”, dentro de um projecto pessoal alimentado com demagogia e populismo, deixando o seu povo à mercê da fortuna. No entanto, neste regime multipartidário, a crítica é livre, os partidos da oposição exercem a sua função, o associativismo é vigoroso e o direito de voto é universal.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (35)

por Pedro Correia, em 30.09.18

3662967539_beb4f9db80.jpg

DSC02771-1[1].JPG

 

 

 D. Sancho I (1185-1211)

 

Autor: Moisés Preto Paulo

Ano da inauguração: 2009

Localização: Sesimbra, Rotunda da Corredoura

Autoria e outros dados (tags, etc)

Eleições à vista?

por Luís Menezes Leitão, em 30.09.18

Ontem foi Jerónimo de Sousa a dizer que era preciso um novo governo. Hoje é Catarina Martins a ameaçar votar contra o orçamento, a menos que Costa cumpra uma exigência impossível de cumprir. Parece manifesto que os queridos parceiros da geringonça já querem abandonar rapidamente este barco. Resta agora saber se Rui Rio vai querer assumir-se como muleta deste governo ou dá a Costa o destino que a sua votação eleitoral em 2015 lhe deveria ter traçado desde o início. Mas com as constantes demissões que a sua estratégia de ligação ao PS está a causar no PSD, não me parece que Rui Rio tenha grande alternativa. Está hoje na mesma posição de Passos Coelho, que também apostou inicialmente na colaboração com Sócrates, e a quem disseram que ou havia eleições no país ou havia eleições no partido. Claro que as eleições no país neste momento podem ser um maná para António Costa, que seguramente não deseja outra coisa, e uma tragédia para os restantes partidos. Só que é uma tragédia inevitável. Marcello Caetano, também ele uma personagem trágica, disse uma vez que é um erro pensar que se pode deixar de ir a Alcácer-Quibir. O destino está escrito nos astros.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O comentário da semana

por Pedro Correia, em 30.09.18

«Há um artista português que me confunde - o grande Leonel Moura, que recentemente deu Ina Fundação Soares dos Santos, e autor do lema "A Esquerda Não Tem Que Ser Pobre".
Leonel Moura inventou um robôs que pintam, diz ele que com Inteligência Artificial. São umas coisinhas com rodinhas que se passeiam pela tela despejando tinta e mais ou menos conseguindo não esbarrar muito umas nas outras, e não caírem da tela.
Sabendo que o estado da arte no que à Inteligência Artificial diz respeito ainda implica armazéns repletos de torres de processamento, e reclamando o grande Leonel Moura que as suas caixinhas de sapatos pintoras são Inteligência Artificial, claramente o homem devia estar na IBM - ou parar de dizer asneiras.
Mas num mundo onde uma selfie dum macaco levantou a magna questão sobre a quem pertenciam os direitos de autor da foto, com muitos a dizerem que eram do macaco, o grande Leonel Moura não devia perder os direitos das obras para as suas caixinhas de sapatos pintoras?
Se ele mesmo se gaba de não ser o autor, porque recebe os proventos?»

 

Do nosso leitor António. A propósito deste texto do Luís Naves.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Blogue da semana

por Marta Spínola, em 30.09.18

Esta semana o blogue da Moira, Tertúlia de Sabores.

Não é apenas um blogue de receitas, é uma cozinha acolhedora, onde cheira a memórias de cozinhas da nossa infância e o apetite cesce a cada fotografia.  

Estas linhas resumem bem a Manuela:

Receitas favoritas tenho muitas, apesar de gostar de experimentar sabores de outras paragens e também de inovar, as minhas receitas favoritas são sempre as mais simples e tradicionais.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 30.09.18

transferir.jpg

 

A Puxar ao Sentimento, de Vasco Graça Moura

Poesia

(edição Quetzal, 2018)

"Por expresso desejo manifestado por Vasco Graça Moura, as suas obras são publicadas com a ortografia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Pensamento da semana

por Pedro Correia, em 30.09.18

 

Em política, não há bons e maus extremismos. São todos maus.

 

Este pensamento acompanhou o DELITO durante toda a semana

Autoria e outros dados (tags, etc)

Canções do século XXI (545)

por Pedro Correia, em 30.09.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (34)

por Pedro Correia, em 29.09.18

544053[1].jpg

544052[1].jpg

 

 

 D. Sancho I (1185-1211)

 

Autor: Isidro Baptista

Ano da inauguração: 2001

Localização: Penalva do Castelo, Rua da Escola

Autoria e outros dados (tags, etc)

Expressamente

por Pedro Correia, em 29.09.18

thumbnail_20180929_141018-1[2].jpg

 

Já tínhamos o saco de plástico "inventado" pelo arquitecto Saraiva para resguardar o conteúdo do semanário do olhar alheio - e forçar assim os leitores a comprarem aquilo que ignoram, tornando opaco o jornalismo, algo que por definição deve ser transparente.

Já tínhamos as falsas primeiras páginas com conteúdos publicitários, anunciando uma conhecida marca ou propagandeando uma grande empresa.

Hoje passámos a ter uma primeira página inteirinha com promoção ("grátis", dizem eles) de uns livrinhos lançados pelo próprio jornal. Coisa pífia - sem escala, sem dimensão, sem classe.

Abdicam das notícias para isto.

Quando se fala da crise do jornalismo português, há que apontar responsáveis. A crise não é filha de pais incógnitos. Os responsáveis são gente que faz coisas como esta, mergulhando no ridículo aquele que ainda é o melhor jornal português.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O estado da arte

por Luís Naves, em 29.09.18

Discute-se muito se os penduricalhos de Mapplethorpe são arte ou censura, mas podíamos talvez discutir o estado da arte, os teatros vazios e os teatros fechados, as livrarias a abarrotarem de subprodutos, a indigência do cinema, as instituições subfinanciadas, a falência imparável dos jornais. Devíamos questionar o estado da arte, se temos uma literatura exportável, se as bibliotecas renovam as colecções, se os museus estão seguros, se os artistas nacionais trabalham de borla, se o ensino artístico melhorou ou se é melhor que os talentos procurem outros países. Podíamos discutir isto, mas mergulhámos numa espécie de sonambulismo, a debater os méritos da fotografia americana, tema que teria inegável interesse, se os bárbaros não estivessem já instalados deste lado da muralha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 29.09.18

250x[2].jpg

 

 À Luz do Índico, de Amélia Vera Jardim

Poesia

(edição D. Quixote, 2018)

"Este livro segue a ortografia anterior ao Novo Acordo"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Canções do século XXI (544)

por Pedro Correia, em 29.09.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

O aumento da função pública.

por Luís Menezes Leitão, em 28.09.18

Este anúncio de aumentos na função pública é o mesmo esquema de sempre de governar para as clientelas, normalmente sem qualquer pudor de as enganar. Sócrates também aumentou os funcionários públicos em 2,9% em ano eleitoral. Logo a seguir às eleições estabeleceu cortes de salários entre 5 a 10% para os funcionários públicos, levando-lhes ainda mais do que os tinha aumentado. Só me espanta é que ainda haja gente que acredita nestas medidas eleitoralistas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (33)

por Pedro Correia, em 28.09.18

4108998238_a42b5d1ed1_o[1].jpg

Roc2c%202013%20Vila%20Nova%20Famalicão%20Portugue

 

 

D. Sancho I (1185-1211)

 

Autor: João Cutileiro

Ano da inauguração: 1997

Localização: Famalicão, no topo da Avenida de França

Autoria e outros dados (tags, etc)

Como eu gosto de ver a História

por Marta Spínola, em 28.09.18

Escrevi em tempo este texto. Reli-me e gostei de voltar a ser quem fui. 

 

No comboio, senta-se ao meu lado um homem que parece o meu antigo professor de Civilizações Clássicas. Quero ser um capitel, não me apetece conversar. Tudo o que tenho a dizer do curso, é que continuo a gostar de História, mas assumidamente mais para saber segredos e intrigalhada de alcova. Esta manhã, sou a porteira de Atenas.
Eu não fui uma aluna aplicada, Zeus sabe que não. Nesta cadeira, fiquei com um 16 graças a Esparta, aos bebés fortes que sobreviveram para terem o ventre roído por lobinhos, e ao mega-espartano que era Aquiles e eu venerei em papel. Ai, porque sim, nunca deixarei de ter 15 anos. Na altura, as Termópilas ainda não tinham o Butler como Leónidas, e já me faziam vibrar: In your face, Xerxes, filho de Dário! Não é bem in your face, que os persas ganharam, mas fica a ideia. E os gregos morreram livres, que era o big deal da altura. Mais ou menos isto.
Mais sobre porquê Esparta: sempre sonhei com a máquina do tempo. Na falta de mesma, tendo a transportar-me para tempos e lugares sobre os quais vou sabendo. Às terças pelas 8 (havia mais horas de Civilizações Clássicas, mas é mais fácil viajar no tempo com muito sono), seguia para a Grécia. Sendo mulher, não era uma emoção… mas sempre foi em Esparta que quis estar: entre zelar por bebés fortes que não sejam atirados de ravinas, ou recolher ao gineceu porque a rapaziada vai pensar e amar-se para a acrópole, não hesito.

O 16 à dita cadeira de Civilizações Clássicas veio muito – tenho tanto essa noção, já na altura tive – pelo elogio a Esparta que pus em página e meia. A manipulação da paixão de um professor, podiamos chamar-lhe. Ele também era team Esparta, e deixou-me perceber não só isso, como que a concordância era valorizada. Alinhei, não me custou muito.
Ainda da cadeira, Roma não foi a emoção que eu esperava: a quantidade alarve de informação sobre instituições, cônsules, pretores, senado e quejandos, fez-me perder a ansiedade pelo pão e circo. O meu professor não gostava de Roma, e disse-o em sala. Passei a não gostar dele. Tudo muito pedagógico, portanto.
Entretanto, o homem ao meu lado não era quem pensei. Mas saiu em Belém, o mesmo destino do meu professor naquela altura, e fico a pensar se já os clonam. Posso deixar de ser um capitel.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Complicar o que é simples

por Pedro Correia, em 28.09.18

atum-santa-catarina-acores-conjunto-6-conservas_66

 

Compro uma embalagem de lombos de atum em conserva. Bom atum, açoriano, da ilha de São Jorge.

Reparo no rótulo da embalagem: é um modelo de correcção política. Além dos elementos básicos, relativos aos ingredientes e ao prazo de validade, sou municiado com um estendal de "informação nutricional".

Energia.

Lípidos.

Lípidos saturados.

Açúcares.

Hidratos de carbono.

Fibras alimentares.

Proteínas.

Sem esquecer o sal. 

Mas não fica por aqui. Garante-me a pequena embalagem de atum Santa Catarina que o atum foi capturado com recurso a "pesca salto e vara": não percebo o português, mas devem querer dizer que o bicho não sofreu no momento da captura. Asseguram-me que o atum é "laborado manualmente": continuo sem entender o português, mas parece algo destinado a apaziguar por antecipação a minha suposta ira contra a morte de seres vivos destinados à alimentação humana, como se eu fosse um feroz militante animalista. 

O espaço é curto, mas os dados informativos estão longe de esgotar-se. "Pescamos artesanalmente à cana" e "protegemos os golfinhos", proclama ainda a simpática indústria conserveira de São Jorge.

 

Tudo numa simples lata.

Enquanto cozinho sem peso na consciência o meu prosaico esparguete de atum com molho de tomate e cogumelos, vou pensando que, de ansiedade em ansiedade, passamos hoje o tempo a complicar o que é simples. Depois não nos sobram horas, por vezes sequer minutos, para as coisas verdadeiramente importantes. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Não sei se com razão ou falta dela, mas parece-me evidente que o Dr. Costa não gosta de socialistas. Vejamos. O Dr. Tozé Seguro era militante do PS ou não era? Era, coitado. E o Eng. Sócrates? Também era. Pois o Dr. Costa não só o renegou como, antes disso, só para o arreliar, foi ao Estabelecimento Prisional de Évora visitá-lo com aquele casaco em tons de verde, aos quadrados, que o Dr. Costa usa nos momentos em que se sente desconfortável com o passado. E a Dra. Maria de Belém não está ainda a pagar as dívidas da candidatura presidencial em que o Dr. Costa apoiou o Dr. Nóvoa? Pois está. E não é socialista? É. Ah que não é bem assim, que o Dr. Costa levou socialistas para o governo. Pois foi. E lá está. Mais uma prova. A pobre da Ministra Vitorino, como se não lhe bastasse aturar o marido em casa, ainda tem que levar com o Ministro Cabrita nas reuniões do Executivo. No cenário hipotético de vosselências estarem casadas com o Ministro Cabrita, gostavam de ainda ter de levar com ele no trabalho? É o que eu digo. E, já agora, quem foi que convidou o Dr. Carlos César para Presidente do PS, quem foi? O Dr. Costa, naturalmente. Vosselências gostavam de pertencer a uma organização presidida pelo Dr. Carlos César? Pois claro que não gostavam. O Dr. Costa faz tudo, tudo, para lixar os socialistas. Se dúvidas houvesse, bastaria atentar na forma como o Dr. Costa discursa sempre que está em reuniões do partido. É nos congressos, é nas comissões políticas, é nos comícios, é em todo o lado onde o Dr. Costa for submetido à provação de falar para mais de dois socialistas. Reparem como nessas alturas o homem está sempre zangado. Berra, ulula, vocifera. Perante terríveis desgraças, o Dr. Costa apresenta invariavelmente um sorrisinho. Salvo, claro, se estiver num encontro do PS. Nesse caso, amofina-se-nos. Sobe-lhe a mostarda ao nariz, fica-nos com os azeites. Pode estar a anunciar as maiores maravilhas, o aumento de cinquenta cêntimos aos pensionistas, o investimento estratosférico em mais quinze enfermeiros para o Sistema Nacional de Saúde, eu sei lá. Mas é sempre como se estivesse com prisão de ventre ou tivesse batido com o dedo pequeno do pé na perna de uma mesa. Repare-se na ‘rentrée’ dos socialistas. O PS organizou um comboio para transportar os militantes entre Pinhal Novo e Caminha. Viste-o no comboio? Nem eu. O Dr. Costa preferiu ir de véspera à xaropada do Festival de Vilar de Mouros só para não ter de se cruzar com os camaradas antes de tempo. Mas nem assim o Dr. Costa conseguiu controlar os maus fígados provocados pela presença de socialistas. No dia seguinte, estavam ali os militantes aos gritos no comício, PS, PS, Costa, Costa, Costa, queremos mais cunhas, queremos mais tachos, queremos mais assessores e directores-gerais, ou lá o que aquela gente berra nos ajuntamentos do PS, e o homem, furioso, de trombas, decidiu prometer uma redução do IRS de 50% para os portugueses que emigraram até 2015. Repare-se como a embirração com os socialistas leva o Dr. Costa aos actos mais diabólicos. A maior parte dos que ali estavam, tirando um ou outro emigrante atraído por engano pelo cheiro a bifanas, são dos que ficaram, dos que alombaram com a troika, dos que, Deus lhes perdoe, colaram cartazes com a cara do Dr. Costa, dos que foram, inclusivamente, ao Congresso de Matosinhos dar 93% dos votos ao Eng. Sócrates depois da bancarrota. E o que faz o Dr. Costa? Pois o Dr. Costa, enxofrado, diz-lhes olhos nos olhos: vocês, cambada de tansos, digo, cambada de camaradas tansos, vocês que ficaram, vão continuar a pagar os impostozinhos todos aqui ao Costa: o das varandas viradas para o Sol, os dos combustíveis, o do sal, o do açúcar, o do camandro e o mais que o Centeno se lembrar e, para aprenderem, o IRS todinho. Agora, aplaudam a medida aqui do Costa. E os tansos camaradas, digo, camaradas tansos, aplaudiram. Note-se que o Dr. Costa não se deteve sequer perante argumentos de inconstitucionalidade ou violações do princípio da igualdade. O Dr. Costa queria a todo o custo atazanar os socialistas que ali estavam e não olhou a meios. Agora, que o Dr. Costa não vá à bola com socialistas e aproveite todas as ocasiões para os vexar, é lá entre eles. O que já não parece correcto é prejudicar terceiros. Vamos que há, entre os portugueses que emigraram, um ou outro que se deixa enganar e que regressa por causa da redução temporária do IRS. Ah e tal que não há quem caia numa coisa dessas. Não é bem assim. Há sempre espíritos mais frágeis que se deixam enrolar. No fundo, na ânsia de aperrear os socialistas presentes em Caminha, o que o Dr. Costa propôs aos portugueses emigrados até 2015 é uma daquelas estratégias típicas dos esquemas de ‘time-sharing’: estás a entrar no campismo de Portimão na tua auto-caravana, com a patroa, os miúdos, a namorada do mais velho que trabalha no Lidl, o cão e a tua sogra, convidam-te para passar uma tarde grátis num ‘resort’ mal-amanhado na Praia da Rocha, enfiam-te um chapéu de palha na cabeça e uma caipirinha pela goela abaixo e, quando dás por ela, tens uma caneta na mão para assinar um contrato Vip Gold por 30 anos, relativo à utilização na primeira semana de Maio de uma fracção virada a norte, no rés-do-chão, sem direito a utilização de garagem e com um aspirador de oferta. Ora aqui é a mesma coisa. Os desgraçados que caírem na esparrela estarão a “poupar” uns cêntimos no IRS durante um par de anos para, ao mesmo tempo, entregarem ao Dr. Costa uma cabazada de impostos indirectos, contribuições para a Segurança Social, taxas para o audiovisual, comparticipação para as eólicas, IMI em tranches ou em fatias e calhando, um dia destes, direito de pernada. Ninguém merece. Mesmo que se trate de emigrantes socialistas.

 

* artigo publicado na edição de Setembro do Dia 15.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Pág. 1/10



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D