Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Estátuas dos nossos reis (5)

por Pedro Correia, em 31.08.18

4989377[1].jpg

0729a4bbbd4a03de39cb844eddd7f170--campo-grande-por

 

 

D. Afonso Henriques (1140-1185)

 

Autor: Leopoldo de Almeida

Ano da inauguração: 1951

Localização: Lisboa, inicialmente junto à entrada do salão nobre da Câmara Municipal, e desde 1997 no topo norte do Jardim do Campo Grande

Autoria e outros dados (tags, etc)

O que se passa na América Latina?

por Luís Naves, em 31.08.18

O que se passa na América Latina? Ainda não ouvi uma boa explicação, mas o cenário é preocupante: colapso na Venezuela (e talvez na Nicarágua), a Argentina a pedir ajuda ao FMI, o Brasil numa crise política alarmante, talvez à beira de uma eleição catastrófica. Se juntarmos a isto os problemas financeiros na Turquia (um dos canários da mina) e a crescente guerra comercial entre potências, está a formar-se um daqueles momentos de alta volatilidade que terminam em rebentamentos de bolhas ou quedas bolsistas. Há pelo mundo dívidas insustentáveis, países que mergulharam em súbitas dificuldades de liquidez, regimes presos por um fio, mas se desta vez ocorrer por contágio uma crise financeira, Portugal não tem muitas hipóteses de escapar à queda das exportações e ao aumento de taxas de juro e serviço da dívida, não dispondo de instrumentos para contrariar uma recessão — não é possível baixar impostos e não é possível aumentar a despesa. Se isto acontecer, veremos que o governo acreditou de tal forma na própria propaganda que não terá boa maneira de explicar à população como é que estamos de novo a enfrentar o abismo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A incompetente mediocridade

por Pedro Correia, em 31.08.18

thumbnail_20180815_233842-1[1].jpg

 

Tanto se fala hoje em dia no crescente desinteresse que suscita a leitura dos jornais. Os teóricos do costume adiantam as mais diversas teses para o fenómeno - sociais, económicas e até "civilizacionais".

Eu proponho uma tese menos bombástica mas talvez mais colada à realidade. E muito mais benévola para a capacidade de discernimento dos leitores, divorciados da galopante mediocridade evidenciada em tantos textos que nunca deveriam ter saído do tinteiro e fartos de lerem tanta frase grosseiramente incompetente naquilo a que se convencionou chamar "imprensa de referência". 

Eis aqui um exemplo, entre tantos outros - neste caso, um título publicado há dias num jornal de grande expansão nacional. Se coisas destas afugentam leitores, é sinal de inteligência e lucidez da parte destes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 31.08.18

0 Teatrices[1].jpg

 

 Teatrices, de M. Amália R. C.

Teatro

(edição Edições Vieira da Silva, 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

A guerra da Procuradoria

por jpt, em 31.08.18

jmv.jpg

 

O editorial de Eduardo Dâmaso na revista Sábado 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Belles toujours

por Pedro Correia, em 31.08.18

imagesVK1EX7NJ.jpg

 

Natalie Martínez

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Canções do século XXI (515)

por Pedro Correia, em 31.08.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

A pluma conivente

por jpt, em 30.08.18

seixas da costa.jpg

Julgo que este administrador integrou um governo ao qual Sócrates pertenceu. Socialista, passou a década seguinte botando na imprensa e no bloguismo, e cruzando altos postos. Nunca aflorou, escavando-a, a temática socratiana. Não lhe terá ocorrido. Um tipo tira a conclusão óbvia: foi conivente (cúmplice não o posso afirmar, sem provas seria difamação dizê-lo) com aquela ladroagem, com todo o nepotismo e patrimonalismo (ou então é um estúpido, pois não percebeu nada apesar de tantos indícios e de frequentar - e de que maneira - o poder político). A única coisa que lhe interessa retirar do momento actual, em registo de miserando "achismo", e assim de total inépcia intelectual, é que a "direita" (à direita de quê, do seixascostismo?) tem uma "candidata" contra os pintos monteiros do PS.

 

Há algumas semanas Santos Silva, outro que tal, entrevistou-se no Expresso e disse sobre o passado recente do PS e seus governos (dos quais julgo ser ele totalista desde Guterres) que não faz "julgamentos éticos" do passado. Um aldrabão militante, pois o que se exige, e sabe-o bem, são julgamentos (no sentido de avaliações críticas) políticos, sobre o funcionamento das instituições estatais e da sociedade civil (em particular os partidos) face a estas necroses patrimonialistas. Esta gente continua no seu incessante esforço de obscurecer - pelo adormecimento da opinião pública e através da obstrução ao funcionamento da justiça - as práticas criminosas do partido a que se associaram. São cúmplices (agora sim) desse obscurecimento do real, são coniventes com a criminalização do Estado português.

 

Há algum tempo sobre esta loquaz pluma conivente aqui utilizei o termo "colaboracionista". Com este estado de coisas. O bom do Pedro Correia, sempre exemplo de elegância, chamou-me a atenção, pois o termo está de tal forma semanticamente conotado (com a associação ao nazismo) que lhe pareceu exagerada e descabida (e talvez improdutiva) a sua utilização para com o antigo embaixador e secretário de estado. Tive que concordar com o nosso coordenador, sempre exemplar. Mas discordo agora, e radicalmente: esta investida do administrador socialista, cavalo no jogo de xadrez para o amansar da procuradoria-geral da república, é um vil acto de colaboracionismo. Com a ladroagem estabelecida. 

 

E depois dizem que são de "esquerda". Esquerda o quê? ...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Indignações

por Diogo Noivo, em 30.08.18

rober bodegas.jpg

Rober Bodegas 

 

O humorista galego Rober Bodegas fez uma série de piadas sobre ciganos num programa de televisão e colocou o vídeo no Twitter. A indignação voraz ateou a pira moral. Acusaram-no de discurso de ódio. Foi insultado por todos os “colectivos” possíveis e imaginários. Foi até comparado a Le Pen e a Salvini. Depois vieram as ameaças de morte. Em violenta ebulição nas redes sociais, o caso chegou às primeiras páginas dos jornais. Bodegas pediu desculpa e apagou  o vídeo da rede social. Vozes como a de Dani Acosta, humorista de etnia cigana, que alertavam para o óbvio – uma piada é uma piada –, foram olimpicamente ignoradas.

No El Pais, o escritor Andrés Barba traçou o mapa deste tipo de casos: 1) Comediante faz uma piada sobre um grupo étnico, colectivo, comunidade autónoma ou figura política; 2) Coletivo, grupo étnico ... descontextualiza o comentário e ataca em massa contra o comediante com uma violência que excede em muito a piada que o provocou e que acaba por dar à piada uma difusão que nunca teria tido de outro modo; 3) Um certo grupo de intelectuais argumenta que, embora seja verdade que a piada é de um extraordinário mau gosto, não é menos verdade que a liberdade de expressão é garantia de direitos democráticos e um dos pilares da civilização ocidental; 4) Oprimido por ameaças de morte ou pelas consequências da piada no plano laboral, o comediante dramatiza um pedido de desculpas que não sente, faz um comunicado de imprensa e reza a todos os santos para que o caso caia no esquecimento  o mais rapidamente possível.

O melhor resumo de esta e de outras indignações a propósito de textos de humor surgiu na rede que mais zurziu Bodegas, o Twitter: “não façam piadas, por favor. As piadas ofendem. Uma piada matou o meu cão e toda a minha família. Ainda recordo quando uma piada entrou pela minha janela e os matou a todos. É preciso ter cuidado com as piadas”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Durante séculos, a Humanidade mediu o tempo através da posição do Sol. E, portanto, era natural que o meio-dia não acontecesse ao mesmo tempo para os habitantes daqui e dacolá. Quando os relógios mecânicos apareceram, esta situação de disparidade do tempo não mudou. Por muitos anos, a convenção seguida foi que cada cidade ajustasse o seu tempo em função do meridiano em que se situava. E assim, para vermos um exemplo, quando eram 12h00 em Bristol, seriam 12h10 em Londres. Isto não constituía realmente um problema quando as comunicações de longa distância eram lentas ou inexistentes. Depois, o progresso veio baralhar as coisas. Com a chegada da ferrovia, impôs-se alguma uniformização. Os comboios que partiam de Londres regiam-se pelo tempo de Greenwich. Mas os comboios com origem em Bristol seguiam o tempo do meridiano local. Não é difícil perceber a dificuldade dos passageiros que vinham de Londres em acertar com a hora das ligações ou dos regressos. E vice-versa. Para acabar com o pandemónio, decidiu-se que todos os comboios britânicos utilizariam Greenwich como referência. Daí partiu-se, mais tarde, para um consenso que levou a que muitos países fixassem uma única hora legal dentro do seu território. E mesmo naqueles casos em que a dimensão impõe diversidade de fusos horários, persiste uma determinada organização. Se a hora de Nova Iorque e de Los Angeles não pode ser a mesma, subjaz à situação uma certa racionalidade. Estes princípios de organização do tempo pareciam um adquirido da Humanidade, uma daquelas bases a que se tinha chegado depois de milhares de anos da evolução. Algo tão básico como lavar os dentes depois de comer cebola. Que Diabo: se um tipo está em Braga, independentemente da posição do Sol, do meridiano ou do caraças, sabe que tem a mesma hora que teria se estivesse em Lisboa. Não é? Pois. A verdade é que não é. E isto graças à CP. A CP dos comboios está a contribuir para lixar os princípios de organização do tempo que o próprio transporte ferroviário tinha historicamente contribuído para harmonizar. Vejamos. A CP afirma que o Alfa que parte às 19h00 de Santa Apolónia chega a Braga às 22h25. Mas isso será na hora de Lisboa. Porque a Braga nunca chega antes das 22h40 ou 22h50, hora local. Nos dias bons, que não são assim tantos. Nos dias maus, as coisas são mais complicadas. Veja-se o caso de um passageiro que apanhou o Alfa que parte de Lisboa às 17h00. Entrou no comboio perfeitamente escanhoado e portador de uma vasta melena. Quando passou em Coimbra B já tinha mais barba e menos cabelo que o João Miguel Tavares. Aqui há uns anos, gerou-se grande polémica porque uma determinada classe profissional recebia subsídio para cortar o cabelo. Tendo em conta o tempo que as viagens da CP demoram, os revisores e maquinistas da empresa deviam ter direito a que lhes aparassem as pontas durante o trajecto, sob pena de os familiares não os reconhecerem no regresso a casa. E isto não é uma questão de centralismo. No percurso inverso acontece o mesmo. O Alfa que sai do Porto às 7h45 devia chegar a Lisboa às 10.40. Mas não. Em geral, chega depois das 11h00. Hora local, claro. O Dr. Costa, que ficou famoso por organizar uma corrida entre um burro e um Ferrari durante a campanha para umas autárquicas do século passado, devia promover agora uma competição entre ele próprio e um Intercidades. Em 1993, o burro ganhou. Da maneira que as coisas estão na CP, o Dr. Costa, não desfazendo, tem todas as condições para não lhe ficar atrás. Há mesmo uma possibilidade não despicienda de o material de guerra desaparecido de Tancos estar, afinal, em trânsito numa locomotiva da CP que partiu em 2017 e que ainda não chegou ao destino. Os cientistas afirmam que o tempo é uma grandeza física. Mas não na CP. Na CP, o tempo é uma enormidade. Uma grandiosidade. Nas epopeias portuguesas esteve sempre presente o Oriente. No tempo das Descobertas, como destino. Hoje, se o mar estivesse para cronistas, o Fernão Mendes Pinto dos nossos dias escreveria uma obra-prima baseado numa longa viagem iniciada numa estação ferroviária desenhada pelo Calatrava ali para os lados da Expo. O Adamastor dos nossos tempos fixou residência por alturas do Entroncamento. E muito poucos podem gabar-se de ter dobrado esse novo Cabo das Tormentas à hora prevista. A previsão de horário dos Alfa e Intercidades da CP existe para dar credibilidade à da ponte aérea da TAP. Que, por sua vez, existe para dar credibilidade às dos economistas. Que, por sua vez, existem para dar credibilidade às dos meteorologistas. Mas se isto é assim nos comboios rápidos (ihihihih), a coisa pia ainda mais fino noutros serviços. Na linha do Oeste, até se torna difícil fazer oposição. Em dias consecutivos, partidos políticos tentaram viajar na CP para demonstrar as insuficiências do seu desempenho. Em nenhuma das ocasiões o comboio chegou sequer a partir. Quando a próxima bancarrota chegar, a verdade é que já ninguém nos tira estes momentos de boa disposição. Se quisermos ser sinceros, não temos propriamente caminho de ferro. Temos um caminho das pedras destinado a testar a fibra heróica dos utentes. A situação chegou a tal estado que as contas da CP nas redes sociais são as primeiras a gozar com a coisa. Duas em cada três publicações dedicam-se a ridicularizar o serviço. Os atrasos, a falta crónica de wi-fi , a ausência de climatização, os cancelamentos, as supressões, os milhares de horas perdidas porque os passageiros não chegam a tempo de apanhar ligações. Tem tudo muita piada. Aliás, estou convencido de que o gestor de conteúdos da CP deve ser a mesma pessoa que se lembrou, com evidente optimismo, de chamar material circulante às locomotivas e automotoras da CP.

 

* artigo originalmente publicado na edição de Julho do Dia 15.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Estátuas dos nossos reis (4)

por Pedro Correia, em 30.08.18

44e7250a954e8318dc4b66b586bae068--portugal.jpg

12547[1].jpg

 

 

D. Afonso Henriques (1140-1185)

 

Autor: Soares dos Reis (réplica da existente em Guimarães)

Ano da inauguração: 1947

Localização: Lisboa, na Praça de Armas do castelo de São Jorge

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 30.08.18

250x[1].jpg

 

 Os Anos Trump - O Mundo em Transe, de Eduardo Paz Ferreira

Ensaio

(edição Gradiva, 2018)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Canções do século XXI (514)

por Pedro Correia, em 30.08.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

O último passo na Portela

por jpt, em 29.08.18

Portelas.jpg

 

É assim no aeroporto da Portela, uma execrável sala de fumadores, com uma extracção de fumo praticamente inexistente, e sem higiene. A empresa à qual o Estado concessionou o negócio aeroportuário deixa esta imagem do país – e para os que confundam a prevenção do tabagismo com o mero javardismo vou antecipando, enquanto murmuro desde já os impropérios merecidos, que vão lá ver o acesso à internet do aeroporto da Portela (agora nomeado segundo o candidato luso a generalíssimo), escrito num imundo portunhol – isto num país onde os maçónicos produzem textos sobre “o potencial económico da língua portuguesa” e os altos quadros ADSE se ofendem com a tradução simultânea dos representantes da Guiné Equatorial … Ainda bem que (me) prometi não escrever “palavrões”. Nem um mero “merda”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ambiente de trabalho

por Teresa Ribeiro, em 29.08.18

alteracao-do-contrato-de-trabalho-quais-mudancas-p

 

Lembro-me que demorei séculos a escrever a primeira notícia da minha vida. Tensa, insegura, ensaiei várias versões para começar o texto e não havia meio de me decidir qual a melhor. O meu chefe, numa secretária perto de mim, trabalhava com um ar imperturbável, mas eu percebia que me tinha debaixo de olho. Quase imperceptível descortinava-lhe uma expressão divertida, benevolente.

Parece um quadro de há cem anos, mas não foi assim há tanto tempo que tudo se passava a uma escala humana. Com tempo para aprender e possibilidade de se ser aquilo que se era: alguém a dar os primeiros passos, a quem não se podia exigir tudo, nem sequer muito. Sem pressões, a evolução dos estagiários era um processo natural, que dispensava exibições de carácter, currículos carregados de "skills" e a linguagem performativa que hoje todos os miúdos carrregam na mochila junto com a marmita do almoço.

A avaliação fazia-se, e chumbava quem tinha de chumbar. De entre os que ficavam havia quem se revelasse em pouco tempo e também os que precisavam de amadurecer. Como acontece com os frutos, os vinhos, as couves, enfim tudo o que cresce e se desenvolve na Natureza. E isto - sabia-se - era assim em todas as profissões.

Fomos, na minha geração, os últimos profissionais de cultura biológica.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (3)

por Pedro Correia, em 29.08.18

21140280_OuBAr[1].jpg

960[1].jpg

 

 

D. Afonso Henriques (1140-1185)

 

Autor: Soares dos Reis (réplica da existente junto ao Paço Ducal em Guimarães)

Ano da inauguração: 2016

Localização: Guimarães, junto a uma das entradas do estádio D. Afonso Henriques

Autoria e outros dados (tags, etc)

Leituras

por Sérgio de Almeida Correia, em 29.08.18

"In politics, you have to wear your choices"

 

"Politicians will often have to choose which of their commitments to prioritise in a given context, and this decision is likely to be conditioned by both the strength of their endorsement and basic strategic considerations. Two key points follow. First, that the refusal to fall victim to wishful thinking about what can be achieved is an epistemic virtue politicians of integrity must display. Second, as the dirty hands literature suggests, good political leaders may often have to act in direct contravention of some of their deepest convictions to avoid serious disasters (Walzer, 2007). Given that political integrity is a matter of balancing the demands of one’s role, and one’s deep commitments, such decisions do not necessarily betray one’s political integrity, because avoiding great disasters is one of the most central role-based obligations at play."

 

Por o tema ser de todos os tempos e não se tratar de um texto muito denso, hoje achei por bem aqui deixar uma pequena sugestão de leitura.

O texto é de Edward Hall, bastante recente, tem por título "Integrity in democratic politics", saiu no The British Journal of Politics and International Relations, 2018, Vol. 20 (2), 395-408, e temos a sorte de o ter disponível em acesso livre. Não sei se assim permanecerá por muito tempo, por isso o melhor é aproveitarem. Os que se interessam pelo tema, obviamente.

Tenho muitas dúvidas sobre as conclusões a que Hall chega, talvez porque eu tenha uma concepção do conceito demasiado antiquada, dirão alguns, ou excessivamente rígida, apostarão outros.

De qualquer modo, serviu para me ajudar a fazer uma reflexão sobre o tema e olhar para hipóteses que nunca me tinham ocorrido. Eventualmente até poderão estar correctas, mas não é isso que por agora importa.

Ler os outros para se aprender e se pensar um pouco melhor é um dos exercícios mais salutares que conheço. E dos mais baratos.  

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 29.08.18

250x[1].jpg

 

 Os Ricos, de Maria Filomena Mónica

Ensaio

(reedição A Esfera dos Livros, 6.ª ed, 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Canções do século XXI (513)

por Pedro Correia, em 29.08.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (2)

por Pedro Correia, em 28.08.18

1dec80b24de112f1bd68cfa95ee0f1d2[1].jpg

AH21.jpg

 

  

D. Afonso Henriques (1140-1185)

 

Autor: João Cutileiro

Ano da inauguração: 2001

Localização: Guimarães, frente às antigas Portas da Vila, entre a Praça do Toural e o Largo João Franco

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/10



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D