Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Estátuas dos nossos reis (5)

por Pedro Correia, em 31.08.18

4989377[1].jpg

0729a4bbbd4a03de39cb844eddd7f170--campo-grande-por

 

 

D. Afonso Henriques (1140-1185)

 

Autor: Leopoldo de Almeida

Ano da inauguração: 1951

Localização: Lisboa, inicialmente junto à entrada do salão nobre da Câmara Municipal, e desde 1997 no topo norte do Jardim do Campo Grande

Autoria e outros dados (tags, etc)

O que se passa na América Latina?

por Luís Naves, em 31.08.18

O que se passa na América Latina? Ainda não ouvi uma boa explicação, mas o cenário é preocupante: colapso na Venezuela (e talvez na Nicarágua), a Argentina a pedir ajuda ao FMI, o Brasil numa crise política alarmante, talvez à beira de uma eleição catastrófica. Se juntarmos a isto os problemas financeiros na Turquia (um dos canários da mina) e a crescente guerra comercial entre potências, está a formar-se um daqueles momentos de alta volatilidade que terminam em rebentamentos de bolhas ou quedas bolsistas. Há pelo mundo dívidas insustentáveis, países que mergulharam em súbitas dificuldades de liquidez, regimes presos por um fio, mas se desta vez ocorrer por contágio uma crise financeira, Portugal não tem muitas hipóteses de escapar à queda das exportações e ao aumento de taxas de juro e serviço da dívida, não dispondo de instrumentos para contrariar uma recessão — não é possível baixar impostos e não é possível aumentar a despesa. Se isto acontecer, veremos que o governo acreditou de tal forma na própria propaganda que não terá boa maneira de explicar à população como é que estamos de novo a enfrentar o abismo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A incompetente mediocridade

por Pedro Correia, em 31.08.18

thumbnail_20180815_233842-1[1].jpg

 

Tanto se fala hoje em dia no crescente desinteresse que suscita a leitura dos jornais. Os teóricos do costume adiantam as mais diversas teses para o fenómeno - sociais, económicas e até "civilizacionais".

Eu proponho uma tese menos bombástica mas talvez mais colada à realidade. E muito mais benévola para a capacidade de discernimento dos leitores, divorciados da galopante mediocridade evidenciada em tantos textos que nunca deveriam ter saído do tinteiro e fartos de lerem tanta frase grosseiramente incompetente naquilo a que se convencionou chamar "imprensa de referência". 

Eis aqui um exemplo, entre tantos outros - neste caso, um título publicado há dias num jornal de grande expansão nacional. Se coisas destas afugentam leitores, é sinal de inteligência e lucidez da parte destes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 31.08.18

0 Teatrices[1].jpg

 

 Teatrices, de M. Amália R. C.

Teatro

(edição Edições Vieira da Silva, 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

A guerra da Procuradoria

por jpt, em 31.08.18

jmv.jpg

 

O editorial de Eduardo Dâmaso na revista Sábado 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Belles toujours

por Pedro Correia, em 31.08.18

imagesVK1EX7NJ.jpg

 

Natalie Martínez

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Canções do século XXI (515)

por Pedro Correia, em 31.08.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

A pluma conivente

por jpt, em 30.08.18

seixas da costa.jpg

Julgo que este administrador integrou um governo ao qual Sócrates pertenceu. Socialista, passou a década seguinte botando na imprensa e no bloguismo, e cruzando altos postos. Nunca aflorou, escavando-a, a temática socratiana. Não lhe terá ocorrido. Um tipo tira a conclusão óbvia: foi conivente (cúmplice não o posso afirmar, sem provas seria difamação dizê-lo) com aquela ladroagem, com todo o nepotismo e patrimonalismo (ou então é um estúpido, pois não percebeu nada apesar de tantos indícios e de frequentar - e de que maneira - o poder político). A única coisa que lhe interessa retirar do momento actual, em registo de miserando "achismo", e assim de total inépcia intelectual, é que a "direita" (à direita de quê, do seixascostismo?) tem uma "candidata" contra os pintos monteiros do PS.

 

Há algumas semanas Santos Silva, outro que tal, entrevistou-se no Expresso e disse sobre o passado recente do PS e seus governos (dos quais julgo ser ele totalista desde Guterres) que não faz "julgamentos éticos" do passado. Um aldrabão militante, pois o que se exige, e sabe-o bem, são julgamentos (no sentido de avaliações críticas) políticos, sobre o funcionamento das instituições estatais e da sociedade civil (em particular os partidos) face a estas necroses patrimonialistas. Esta gente continua no seu incessante esforço de obscurecer - pelo adormecimento da opinião pública e através da obstrução ao funcionamento da justiça - as práticas criminosas do partido a que se associaram. São cúmplices (agora sim) desse obscurecimento do real, são coniventes com a criminalização do Estado português.

 

Há algum tempo sobre esta loquaz pluma conivente aqui utilizei o termo "colaboracionista". Com este estado de coisas. O bom do Pedro Correia, sempre exemplo de elegância, chamou-me a atenção, pois o termo está de tal forma semanticamente conotado (com a associação ao nazismo) que lhe pareceu exagerada e descabida (e talvez improdutiva) a sua utilização para com o antigo embaixador e secretário de estado. Tive que concordar com o nosso coordenador, sempre exemplar. Mas discordo agora, e radicalmente: esta investida do administrador socialista, cavalo no jogo de xadrez para o amansar da procuradoria-geral da república, é um vil acto de colaboracionismo. Com a ladroagem estabelecida. 

 

E depois dizem que são de "esquerda". Esquerda o quê? ...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Indignações

por Diogo Noivo, em 30.08.18

rober bodegas.jpg

Rober Bodegas 

 

O humorista galego Rober Bodegas fez uma série de piadas sobre ciganos num programa de televisão e colocou o vídeo no Twitter. A indignação voraz ateou a pira moral. Acusaram-no de discurso de ódio. Foi insultado por todos os “colectivos” possíveis e imaginários. Foi até comparado a Le Pen e a Salvini. Depois vieram as ameaças de morte. Em violenta ebulição nas redes sociais, o caso chegou às primeiras páginas dos jornais. Bodegas pediu desculpa e apagou  o vídeo da rede social. Vozes como a de Dani Acosta, humorista de etnia cigana, que alertavam para o óbvio – uma piada é uma piada –, foram olimpicamente ignoradas.

No El Pais, o escritor Andrés Barba traçou o mapa deste tipo de casos: 1) Comediante faz uma piada sobre um grupo étnico, colectivo, comunidade autónoma ou figura política; 2) Coletivo, grupo étnico ... descontextualiza o comentário e ataca em massa contra o comediante com uma violência que excede em muito a piada que o provocou e que acaba por dar à piada uma difusão que nunca teria tido de outro modo; 3) Um certo grupo de intelectuais argumenta que, embora seja verdade que a piada é de um extraordinário mau gosto, não é menos verdade que a liberdade de expressão é garantia de direitos democráticos e um dos pilares da civilização ocidental; 4) Oprimido por ameaças de morte ou pelas consequências da piada no plano laboral, o comediante dramatiza um pedido de desculpas que não sente, faz um comunicado de imprensa e reza a todos os santos para que o caso caia no esquecimento  o mais rapidamente possível.

O melhor resumo de esta e de outras indignações a propósito de textos de humor surgiu na rede que mais zurziu Bodegas, o Twitter: “não façam piadas, por favor. As piadas ofendem. Uma piada matou o meu cão e toda a minha família. Ainda recordo quando uma piada entrou pela minha janela e os matou a todos. É preciso ter cuidado com as piadas”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Durante séculos, a Humanidade mediu o tempo através da posição do Sol. E, portanto, era natural que o meio-dia não acontecesse ao mesmo tempo para os habitantes daqui e dacolá. Quando os relógios mecânicos apareceram, esta situação de disparidade do tempo não mudou. Por muitos anos, a convenção seguida foi que cada cidade ajustasse o seu tempo em função do meridiano em que se situava. E assim, para vermos um exemplo, quando eram 12h00 em Bristol, seriam 12h10 em Londres. Isto não constituía realmente um problema quando as comunicações de longa distância eram lentas ou inexistentes. Depois, o progresso veio baralhar as coisas. Com a chegada da ferrovia, impôs-se alguma uniformização. Os comboios que partiam de Londres regiam-se pelo tempo de Greenwich. Mas os comboios com origem em Bristol seguiam o tempo do meridiano local. Não é difícil perceber a dificuldade dos passageiros que vinham de Londres em acertar com a hora das ligações ou dos regressos. E vice-versa. Para acabar com o pandemónio, decidiu-se que todos os comboios britânicos utilizariam Greenwich como referência. Daí partiu-se, mais tarde, para um consenso que levou a que muitos países fixassem uma única hora legal dentro do seu território. E mesmo naqueles casos em que a dimensão impõe diversidade de fusos horários, persiste uma determinada organização. Se a hora de Nova Iorque e de Los Angeles não pode ser a mesma, subjaz à situação uma certa racionalidade. Estes princípios de organização do tempo pareciam um adquirido da Humanidade, uma daquelas bases a que se tinha chegado depois de milhares de anos da evolução. Algo tão básico como lavar os dentes depois de comer cebola. Que Diabo: se um tipo está em Braga, independentemente da posição do Sol, do meridiano ou do caraças, sabe que tem a mesma hora que teria se estivesse em Lisboa. Não é? Pois. A verdade é que não é. E isto graças à CP. A CP dos comboios está a contribuir para lixar os princípios de organização do tempo que o próprio transporte ferroviário tinha historicamente contribuído para harmonizar. Vejamos. A CP afirma que o Alfa que parte às 19h00 de Santa Apolónia chega a Braga às 22h25. Mas isso será na hora de Lisboa. Porque a Braga nunca chega antes das 22h40 ou 22h50, hora local. Nos dias bons, que não são assim tantos. Nos dias maus, as coisas são mais complicadas. Veja-se o caso de um passageiro que apanhou o Alfa que parte de Lisboa às 17h00. Entrou no comboio perfeitamente escanhoado e portador de uma vasta melena. Quando passou em Coimbra B já tinha mais barba e menos cabelo que o João Miguel Tavares. Aqui há uns anos, gerou-se grande polémica porque uma determinada classe profissional recebia subsídio para cortar o cabelo. Tendo em conta o tempo que as viagens da CP demoram, os revisores e maquinistas da empresa deviam ter direito a que lhes aparassem as pontas durante o trajecto, sob pena de os familiares não os reconhecerem no regresso a casa. E isto não é uma questão de centralismo. No percurso inverso acontece o mesmo. O Alfa que sai do Porto às 7h45 devia chegar a Lisboa às 10.40. Mas não. Em geral, chega depois das 11h00. Hora local, claro. O Dr. Costa, que ficou famoso por organizar uma corrida entre um burro e um Ferrari durante a campanha para umas autárquicas do século passado, devia promover agora uma competição entre ele próprio e um Intercidades. Em 1993, o burro ganhou. Da maneira que as coisas estão na CP, o Dr. Costa, não desfazendo, tem todas as condições para não lhe ficar atrás. Há mesmo uma possibilidade não despicienda de o material de guerra desaparecido de Tancos estar, afinal, em trânsito numa locomotiva da CP que partiu em 2017 e que ainda não chegou ao destino. Os cientistas afirmam que o tempo é uma grandeza física. Mas não na CP. Na CP, o tempo é uma enormidade. Uma grandiosidade. Nas epopeias portuguesas esteve sempre presente o Oriente. No tempo das Descobertas, como destino. Hoje, se o mar estivesse para cronistas, o Fernão Mendes Pinto dos nossos dias escreveria uma obra-prima baseado numa longa viagem iniciada numa estação ferroviária desenhada pelo Calatrava ali para os lados da Expo. O Adamastor dos nossos tempos fixou residência por alturas do Entroncamento. E muito poucos podem gabar-se de ter dobrado esse novo Cabo das Tormentas à hora prevista. A previsão de horário dos Alfa e Intercidades da CP existe para dar credibilidade à da ponte aérea da TAP. Que, por sua vez, existe para dar credibilidade às dos economistas. Que, por sua vez, existem para dar credibilidade às dos meteorologistas. Mas se isto é assim nos comboios rápidos (ihihihih), a coisa pia ainda mais fino noutros serviços. Na linha do Oeste, até se torna difícil fazer oposição. Em dias consecutivos, partidos políticos tentaram viajar na CP para demonstrar as insuficiências do seu desempenho. Em nenhuma das ocasiões o comboio chegou sequer a partir. Quando a próxima bancarrota chegar, a verdade é que já ninguém nos tira estes momentos de boa disposição. Se quisermos ser sinceros, não temos propriamente caminho de ferro. Temos um caminho das pedras destinado a testar a fibra heróica dos utentes. A situação chegou a tal estado que as contas da CP nas redes sociais são as primeiras a gozar com a coisa. Duas em cada três publicações dedicam-se a ridicularizar o serviço. Os atrasos, a falta crónica de wi-fi , a ausência de climatização, os cancelamentos, as supressões, os milhares de horas perdidas porque os passageiros não chegam a tempo de apanhar ligações. Tem tudo muita piada. Aliás, estou convencido de que o gestor de conteúdos da CP deve ser a mesma pessoa que se lembrou, com evidente optimismo, de chamar material circulante às locomotivas e automotoras da CP.

 

* artigo originalmente publicado na edição de Julho do Dia 15.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Estátuas dos nossos reis (4)

por Pedro Correia, em 30.08.18

44e7250a954e8318dc4b66b586bae068--portugal.jpg

12547[1].jpg

 

 

D. Afonso Henriques (1140-1185)

 

Autor: Soares dos Reis (réplica da existente em Guimarães)

Ano da inauguração: 1947

Localização: Lisboa, na Praça de Armas do castelo de São Jorge

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 30.08.18

250x[1].jpg

 

 Os Anos Trump - O Mundo em Transe, de Eduardo Paz Ferreira

Ensaio

(edição Gradiva, 2018)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Canções do século XXI (514)

por Pedro Correia, em 30.08.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

O último passo na Portela

por jpt, em 29.08.18

Portelas.jpg

 

É assim no aeroporto da Portela, uma execrável sala de fumadores, com uma extracção de fumo praticamente inexistente, e sem higiene. A empresa à qual o Estado concessionou o negócio aeroportuário deixa esta imagem do país – e para os que confundam a prevenção do tabagismo com o mero javardismo vou antecipando, enquanto murmuro desde já os impropérios merecidos, que vão lá ver o acesso à internet do aeroporto da Portela (agora nomeado segundo o candidato luso a generalíssimo), escrito num imundo portunhol – isto num país onde os maçónicos produzem textos sobre “o potencial económico da língua portuguesa” e os altos quadros ADSE se ofendem com a tradução simultânea dos representantes da Guiné Equatorial … Ainda bem que (me) prometi não escrever “palavrões”. Nem um mero “merda”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ambiente de trabalho

por Teresa Ribeiro, em 29.08.18

alteracao-do-contrato-de-trabalho-quais-mudancas-p

 

Lembro-me que demorei séculos a escrever a primeira notícia da minha vida. Tensa, insegura, ensaiei várias versões para começar o texto e não havia meio de me decidir qual a melhor. O meu chefe, numa secretária perto de mim, trabalhava com um ar imperturbável, mas eu percebia que me tinha debaixo de olho. Quase imperceptível descortinava-lhe uma expressão divertida, benevolente.

Parece um quadro de há cem anos, mas não foi assim há tanto tempo que tudo se passava a uma escala humana. Com tempo para aprender e possibilidade de se ser aquilo que se era: alguém a dar os primeiros passos, a quem não se podia exigir tudo, nem sequer muito. Sem pressões, a evolução dos estagiários era um processo natural, que dispensava exibições de carácter, currículos carregados de "skills" e a linguagem performativa que hoje todos os miúdos carrregam na mochila junto com a marmita do almoço.

A avaliação fazia-se, e chumbava quem tinha de chumbar. De entre os que ficavam havia quem se revelasse em pouco tempo e também os que precisavam de amadurecer. Como acontece com os frutos, os vinhos, as couves, enfim tudo o que cresce e se desenvolve na Natureza. E isto - sabia-se - era assim em todas as profissões.

Fomos, na minha geração, os últimos profissionais de cultura biológica.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (3)

por Pedro Correia, em 29.08.18

21140280_OuBAr[1].jpg

960[1].jpg

 

 

D. Afonso Henriques (1140-1185)

 

Autor: Soares dos Reis (réplica da existente junto ao Paço Ducal em Guimarães)

Ano da inauguração: 2016

Localização: Guimarães, junto a uma das entradas do estádio D. Afonso Henriques

Autoria e outros dados (tags, etc)

Leituras

por Sérgio de Almeida Correia, em 29.08.18

"In politics, you have to wear your choices"

 

"Politicians will often have to choose which of their commitments to prioritise in a given context, and this decision is likely to be conditioned by both the strength of their endorsement and basic strategic considerations. Two key points follow. First, that the refusal to fall victim to wishful thinking about what can be achieved is an epistemic virtue politicians of integrity must display. Second, as the dirty hands literature suggests, good political leaders may often have to act in direct contravention of some of their deepest convictions to avoid serious disasters (Walzer, 2007). Given that political integrity is a matter of balancing the demands of one’s role, and one’s deep commitments, such decisions do not necessarily betray one’s political integrity, because avoiding great disasters is one of the most central role-based obligations at play."

 

Por o tema ser de todos os tempos e não se tratar de um texto muito denso, hoje achei por bem aqui deixar uma pequena sugestão de leitura.

O texto é de Edward Hall, bastante recente, tem por título "Integrity in democratic politics", saiu no The British Journal of Politics and International Relations, 2018, Vol. 20 (2), 395-408, e temos a sorte de o ter disponível em acesso livre. Não sei se assim permanecerá por muito tempo, por isso o melhor é aproveitarem. Os que se interessam pelo tema, obviamente.

Tenho muitas dúvidas sobre as conclusões a que Hall chega, talvez porque eu tenha uma concepção do conceito demasiado antiquada, dirão alguns, ou excessivamente rígida, apostarão outros.

De qualquer modo, serviu para me ajudar a fazer uma reflexão sobre o tema e olhar para hipóteses que nunca me tinham ocorrido. Eventualmente até poderão estar correctas, mas não é isso que por agora importa.

Ler os outros para se aprender e se pensar um pouco melhor é um dos exercícios mais salutares que conheço. E dos mais baratos.  

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 29.08.18

250x[1].jpg

 

 Os Ricos, de Maria Filomena Mónica

Ensaio

(reedição A Esfera dos Livros, 6.ª ed, 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Canções do século XXI (513)

por Pedro Correia, em 29.08.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (2)

por Pedro Correia, em 28.08.18

1dec80b24de112f1bd68cfa95ee0f1d2[1].jpg

AH21.jpg

 

  

D. Afonso Henriques (1140-1185)

 

Autor: João Cutileiro

Ano da inauguração: 2001

Localização: Guimarães, frente às antigas Portas da Vila, entre a Praça do Toural e o Largo João Franco

Autoria e outros dados (tags, etc)

A mochila etíope (II)

por Diogo Noivo, em 28.08.18

 

20170906_083058.jpg

De Adis rumo ao Sul - Fotografia minha

Camiões e violência étnica

 

De Adis Abeba para Sul a viagem inicia-se numa estrada profundamente danificada. Há buracos com o comprimento de autocarros. Literalmente. A isto acresce a inobservância de todas as regras de trânsito: carros, motos, bajaj (tuk-tuk de uso local), pessoas e animais circulam nas mesmas vias, frequentemente em sentidos conflituantes. A sinalização é escassa e decorativa. Uns quilómetros depois surge um troço de autoestrada imaculado, produto da engenharia chinesa.

 

Antes de chegar ao lago Koka e de volta à penosidade de uma estrada secundária, dois camiões jazem incendiados na berma da estrada. Na Etiópia, a vida acontece na berma da estrada: é na berma da estrada que se constroem as casas de barro prensado, é na berma da estrada que se monta um pequeno negócio abrigado por chapa de zinco, é na berma da estrada que se vê a vida passar. Assim, a presença daqueles camiões neste local não era desleixo. Pergunto a Ermiyas, o meu camarada etíope de viagem, a causa. Íamos sozinhos no carro, mas a frase “mau governo” sai entre dentes. Para perceber o porquê da frase e a razão pela qual foi dita em surdina importa entender primeiro a organização político-territorial do país.

 

A Etiópia é um estado federal onde a cada um dos nove estados federados corresponde a uma etnia maioritária - no total, existem no país mais de duas dezenas de grupos étnicos. Oromos e amharas são os mais numerosos, sendo, respectivamente, 34% e 27% da população. A etnia tigrínia, que representa pouco mais de 6%, tem um estado próprio e é a força preponderante na Frente Democrática e Revolucionária do Povo da Etiópia (FDRPE), a coligação que detém o poder político federal. Este arranjo político-institucional é fruto de uma tentativa de domesticar a violência.

 

Em 1974, quando depôs o imperador Haile Selassie, o golpe da junta militar comunista (Derg) pôs fim a um sistema autocrático e feudal e, em simultâneo, destapou um conjunto de tensões políticas e étnicas há muito latentes, às quais respondeu com terrorismo de Estado. Com diferentes velocidades e intensidade, estas tensões transformaram-se em conflitos armados. À luta pela independência da Eritreia, em curso desde a década de 1960, juntaram-se outras protagonizadas por movimentos de base étnica como, por exemplo, a Frente de Libertação Afar, o Partido Revolucionário do Povo Etíope, a Frente Islâmica de Libertação da Oromia, a Frente de Libertação Oromo e a Frente de Libertação Nacional Ogaden.

 

A Etiópia torna-se então o cenário de diferentes guerras civis que com frequência se misturaram e sobrepuseram. Do lado do Estado, as purgas e os assassinatos transformaram o regime militar ditatorial numa tirania de corte personalista liderada pelo infame Major Mengistu Haile Mariam. Neste período de tirania militar, que foi de 1974 a 1991, momentos houve em que a Etiópia foi palco – e vítima – de um estado de guerra total. Os avanços e recuos destes conflitos foram determinados pelas identidades étnicas, pela demografia, pela geografia, mas também pela influência das potências enfrentadas na Guerra Fria.

 

Findo o regime militar em 1991 e obtido o reconhecimento internacional da Eritreia em 1993, o país virou-se para dentro à procura de soluções. Desde o final do reinado de Halie Selassie que a fragmentação da sociedade em diferentes etnias, línguas e culturas estava no centro da contestação social. As tentativas dos diferentes regimes em forjar uma unidade nacional mediante a eliminação da preponderância das identidades étnicas saíram sempre goradas – e o custo dessas tentativas foi medido em cadáveres.

IMG-20170918-WA0012.jpg

Vila na periferia de Gondar - Fotografia minha

A solução de um estado federal que conferisse autonomia política e administrativa às principais etnias foi a via encontrada para acomodar as diferentes identidades e evitar maior desagregação territorial, sendo esta a base do actual regime.

 

Da teoria à prática há sempre uma distância considerável e, por isso, os méritos do federalismo são mitigados por quatro problemas de gestão política. Primeiro, a descentralização é débil. O poder político está concentrado no Estado Federal, em particular na FDRPE, no poder desde 1991, controlada pela etnia tigrínia. Segundo, a ausência de liberdades políticas. A imprensa não é livre, o acesso à internet é controlado e a oposição é oprimida, algo que foi bastante visível em 2015, ano em que foram realizadas as últimas eleições legislativas onde a FDRPE ficou com 500 mandatos parlamentares num total de 547 – os 47 de diferença foram conseguidos por partidos leais à coligação no poder. Terceiro, muitos dos representantes locais são encarados pelos seus constituintes como fantoches do poder central, cooptados por via da corrupção. Por último, e embora se tenha encontrado uma forma equilibrada de distribuir os recursos do orçamento de Estado, a maior parte dos fundos e projectos internacionais de apoio ao desenvolvimento bem como a construção de infraestruturas estão localizados na região Tigré ou nas zonas definidas pela etnia que a controla.

 

Às tensões étnicas e nacionalistas do passado acresce então o sentimento de marginalização económica e política. E, devido à natureza autoritária do poder incumbente, não existem no sistema político etíope mecanismos e canais eficazes através dos quais os cidadãos possam exprimir o seu descontentamento e encontrar soluções. Era a tudo isto que Ermiyas se referia quando respondeu “mau governo”.

 

Os dois camiões ardidos eram então uma recordação do sucedido onze meses antes, em Outubro de 2016, mês em que os oromos celebraram o festival anual Irreechaa, evento onde se celebra o fim da época das chuvas e se pedem colheitas prósperas à natureza. Milhões de oromos acorrem à localidade de Bishoftu, relativamente próxima do lago Koka, por onde passava em viagem. Ter-se-ão infiltrado na massa de peregrinos manifestantes anti-governo e a polícia reagiu com brutalidade: os números oficiais referiam cerca de 50 mortos, embora diferentes organizações não governamentais coloquem a cifra na ordem dos 100. O caos e a violência deixaram um rasto de destruição que o passar dos meses foi apagando. Em Setembro sobravam dois camiões ardidos, uma espécie de memento mori que a todos recordava os efeitos da violência étnica (e a brutalidade que o regime usa para a reprimir).

 

O episódio do festival Irreechaa foi antecedido por meses de protestos oromos contra o Executivo. Iniciados em Novembro de 2015, e motivados por causas diversas – desde um plano para expandir a cidade de Adis Abeba que retiraria terrenos de cultivo à região oromo a manifestações contra o permanente clima de intimidação que rege a vida política –, os protestos alastram-se a várias cidades da Oromia. Entretanto, a etnia amhara iniciou os seus próprios protestos contra o Governo e dele obteve a mesma reacção. Em Outubro de 2016 o Governo Federal decretou o Estado de Emergência, findo em Julho de 2017. A Comissão Etíope para os Direitos Humanos, organismo dependente do Governo e por ele criado para refrear as acusações de autoritarismo vindas do estrangeiro, fez o balanço dos protestos ocorridos em 2016 e concluiu que há 600 mortos a lamentar.

 

Semanas depois de ter visto os dois camiões, e já numa região diferente, ouviria a frase “mau governo” outra vez. A 18 de Setembro de 2017, de caminho a Harar, no Este do país, sou aconselhado a não seguir viagem. “Há refugiados em direcção a Harar porque as coisas estão complicadas junto à fronteira com a Somália”, disse-me Agu, diácono numa igreja ortodoxa. De facto, era notória agitação e o nervosismo das pessoas que se iam juntando na rua. Pouco a pouco formou-se uma caravana de gente apeada que transportava como podia o pouco que tivera tempo de arrumar. Perguntei a razão. Foi então que ouvi o fatídico “mau governo”.

 

A causa imediata eram confrontos entre somalis e oromos. Naquele primeiro dia as autoridades federais contabilizaram 18 mortos, um número contestado pelos representantes locais, que registaram mais de 30. O número de refugiados internos andava na ordem das dezenas de milhares. Porém, a violência foi menos intensa do que em Fevereiro e Março daquele ano, quando os confrontos entre oromos e somalis provocaram centenas de mortos – o número exacto nunca foi apurado.

 

Com estradas cortadas, esperámos junto à rádio por novidades. Enquanto houve notícias, Agu traduziu o que ouvia para inglês. Faltava saber o que esteve na génese dos confrontos. Mas disso não falavam na rádio. “Isto é instigado a partir de Adis. Metem-nos uns contra os outros para aparecerem [a FDRPE e os tigrínia] como os únicos capazes de garantir a unidade da Etiópia”. A tese tem alguns argumentos válidos e adeptos nas regiões Oromia e Amhara, mas é impossível de demonstrar. Vale por ilustrar a desconfiança que existe em relação à FDRPE.

 

Sem prejuízo do progresso alcançado desde 1991, a Etiópia está no 134º lugar do Global Peace Index 2017, uma lista que avalia o nível de segurança em 164 países. Nos diferentes parâmetros, analisados numa escala de 1 (muito baixo) a 5 (muito elevado), a Etiópia é especialmente mal classificada em Conflitos Internos Combatidos (4.3), Acesso a Armamento (4.0), Intensidade de Conflito Interno (4.0) e Protestos Violentos (3.5). Em relação a 2016, a Etiópia caiu 16 lugares e piorou na generalidade dos indicadores. Foi, de resto, o país que mais pontuação perdeu.

 

Invertida a marcha em segurança graças à amabilidade daquele diácono que me cuidou como se fossemos família, segui viagem em direcção ao orfanato onde passaria os próximos dias.

 

Estes factos e dados reportam a 2017. Eleições recentes alteraram o status quo - sem prejuízo dos sinais positivos que resultaram das eleições, o real significado da alteração ainda está por ver.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 28.08.18

250x[1].jpg

  

 O Sonho de Bruno, de Iris Murdoch

Tradução de Vasco Gato

Romance

(edição Relógio d'Água, 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Canções do século XXI (512)

por Pedro Correia, em 28.08.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

As eleições no Brasil.

por Luís Menezes Leitão, em 27.08.18

capa1n_veja.jpg

É difícil uma revista conseguir retratar melhor o sentimento que hoje assola o Brasil. Aqui em São Paulo, onde me desloquei em viagem de trabalho, ninguém tem quaisquer saudades de Dilma Rousseff, que acusam de ter deixado a economia de rastos, embora considerem que Temer trouxe apenas melhorias insignificantes. Quanto a Lula, apesar da sua enorme popularidade, ninguém o dá como possível candidato, mesmo que seja libertado, em virtude da lei da ficha limpa que ele próprio fez aprovar. O seu substituto Fernando Haddad teve um mandato desastroso como prefeito em São Paulo, nem sequer tendo conseguido ser reeleito, pelo que não levará os votos dos apoiantes de Lula, a menos que este se envolva intensamente na campanha dele, para o que teria que ser libertado. Os mercados veriam com bons olhos a eleição de Alckmin, do PSDB mas este não descola nas sondagens e tem o maior índice de rejeição dos candidatos. Quanto a Bolsonaro, espera na sombra, nem sequer se dando ao trabalho de ir aos debates, esperando ser eleito da mesma forma que Collor o foi em 1989, como um tiro no escuro por parte daqueles que não queriam ver Lula na presidência, e que deu o resultado que se sabe. Mas, nesta eleição, aqueles que votarem não estarão iludidos, sendo o pavor e a rejeição que vão ditar as escolhas do eleitorado, que bem pode dar um grito nas urnas. "Les jeux son faits".

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (1)

por Pedro Correia, em 27.08.18

Afonso-Henriques-111[1].jpg

53943917-statue-of-king-dom-afonso-henriques-by-th

 

 

D. Afonso Henriques (1140-1185)

 

Autor: Soares dos Reis

Ano da inauguração: 1887

Localização: Guimarães, junto ao castelo e ao paço ducal

Autoria e outros dados (tags, etc)

festa-do-emigrante-torre-de-vilar.jpg

 

A minha filha e a minha irmã têm-me repetidamente exigido que não escreva "palavrões" no blog/FB. Aceito agora. O governo anuncia redução fiscal aos emigrantes que retornem: já leio inúmeros a botarem contra nós, que nos baldámos do país, quais veros traidores; e leio vários opinadores, até autores, sempre prontos (e bem) à verrina contra a corveia que os encargos fiscais por cá são, destinada a alimentar a mesquitamachadose, mas agora a invectivarem esta redução fiscal; e num pais que nunca teve uma poltica demográfica mas teve, e muito, uma apropriação geracional da riqueza, com o escandaloso esbulho que o pós-25 de Abril fez ao futuro, é vê-los a criticar parcas medidas para captar mão-de-obra que pague impostos (e não os imigrados vítimas do "dumping" social que os defensores dos "refugiados" tanto julgam adorar). Saiba essa gente, que me reduz a nacionalidade por ser emigrante, e que se está nas tintas para as curvas do país em nome das suas doutas preferências do dia, que não direi palavrões. Deixo-lhes mesmo, aos agora tão incomodados com as reduções fiscais anunciadas para os miseráveis retornados que andaram lá fora a explorar pretos (afrodescendentes), (pérfidos) brancos e gentes de várias outras etnias, um poema do tão português (e vindo de Durban julgo que nunca mais cruzou a fronteira daquele enclave onde lhe botaram a pitoresca estátua) Pessoa:

 

Alma de Côrno

 

Alma de côrno – isto é, dura como isso; 
Cara que nem servia para rabo; 
Idéas e intenções taes que o diabo
As recusou a ter a seu serviço –

 

Ó lama feita vida! ó trama em viço!
Se é p’ra ti todo o insulto cheira a gabo
- Ó do Hindustão da sordidez nababo!
Universal e essencial enguiço!

 

De ti se suja a imaginação
Ao querer descrever-se em verso. Tu
Fazes dôr de barriga à inspiração.

 

Quer faças bem ou mal, hyper-sabujo,
Tu fazes sempre mal. És como um cú,
Que ainda que esteja limpo é sempre sujo!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 27.08.18

250x[1].jpg

 

 As Pescas em Portugal, de Álvaro Garrido

Ensaio

(edição Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2018)

"Este livro não está redigido segundo o Acordo Ortográfico de 1990"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Obrigado, Santana Lopes.

por Luís Menezes Leitão, em 27.08.18

2_NAC_Lancamento_Projecto_United_At_Work.jpg

Pela segunda vez o PS vai agradecer a maioria absoluta que lhe proporcionou. Merece desde já ser feito militante honorário, uma vez que faz mais pelo resultado eleitoral do partido do que qualquer líder do PS.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Canções do século XXI (511)

por Pedro Correia, em 27.08.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fotografias tiradas por aí (423)

por José António Abreu, em 26.08.18

Porto2018_8_600.jpg

Porto, 2018. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adeus rios, olá estátuas

por Pedro Correia, em 26.08.18

Terminou ontem a série que aqui mantive durante dois meses, dia após dia, dedicada aos rios portugueses. Com 60, no total.

Amanhã começa outra série. Desta vez dedicada às estátuas dos Reis de Portugal. Também uma por dia, previsivelmente.

Espero que gostem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pensamento da semana

por Pedro Correia, em 26.08.18

 

Podemos escolher os inimigos. Mas convém nunca esquecer quem são os adversários.

 

Este pensamento acompanhou o DELITO durante toda a semana

Autoria e outros dados (tags, etc)

Blogue da semana

por Teresa Ribeiro, em 26.08.18

Uma referência na blogosfera, dispensa apresentações: o Aventar é a nossa escolha para blogue da semana.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O comentário da semana

por Pedro Correia, em 26.08.18

«Na passada semana fui passar quatro dias à capital lusa. Praticamente em todas as lojas da Baixa o/a empregado/a dirigia-se a mim com um "português" escorreito "May I help you?"... que me irritava solenemente
Num restaurante, em primeiro lugar perguntei se poderia comer, responderam-me que sim e que tinham lugar na esplanada, caso preferisse. Preferi, lá perguntei se podia ser em qualquer mesa vazia, responderam-me que sim. A seguir trazem-me a ementa na língua de Molière e depois perguntam-me se já escolhera, também como se fosse um francês... ou seria um canadiano do Quebeque?
É preciso ser-se assim tão desprezível com a nossa língua para se singrar no turismo? Porque será que ninguém costuma falar comigo de início em língua estrangeira nas cidades atafulhadas de turistas em Itália?»

 

Do nosso leitor Carlos Ernesto Faria. A propósito deste meu texto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 26.08.18

thumbnail_20180822_130208-1[1].jpg

 

 Ofertório, de Luís Carmelo

Poesia

(edição Nova Mymosa, 2018)

"Edição em total desacordo com o Acordo Ortográfico"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Canções do século XXI (510)

por Pedro Correia, em 26.08.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

Leituras

por Pedro Correia, em 25.08.18

20866133_CCLPL[1].jpg

 

«O amor pela beleza é o que nos torna diferentes, porque se não o possuíssemos seríamos semelhantes aos animais

Emmanuelle Arsan, Emmanuellep. 119

Ed. Impresa, 2009. Tradução de Miguel Santos

Autoria e outros dados (tags, etc)

Carta para Eduardo Prado Coelho

por Patrícia Reis, em 25.08.18

Querido Eduardo
Sobrevivemos mais um ano e as histórias são múltiplas, impressas numa vertigem que te encantaria e, depois, seria pretexto para te sentires derrotado. Existem poucas pausas. Não te faria sentido esta velocidade e, embora possa perceber que tivesses a tua página aqui ou em outra rede social, serias mais voyeur do que participante, creio. Tu gostas de observar, bem sei, de ver como se vai de A para B e que atalhos puros ou conspurcados farão esse caminho. Darias muitas gargalhadas com as enormidades recheadas de pensamentos pequenos, pequeninos, minados de inveja - ah, esse sentimento tão português!. E pasmarias com a quantidade de imagens e comentários sobre a perfeição de uma vida para consumo alheio. A intimidade é aterrorizadora, arranjámos uma montra para disfarçar as pregas, os buracos, as bainhas descaídas de uma vida que se entende cada vez menos. O planeta tem gestos políticos cada vez mais fortes, cada vez mais, mas pasmamos e fazemos pouco, fazer implica um movimento de auto preservação que parece que só teremos na iminência de um ataque daqui a doze horas. Até lá empurramos com a barriga. Ficarias desgostoso com as politiquices e com a política fria e pouco humanista que parece crescer e multiplicar-se pelo mundo fora. Não é o Trumpo, é tudo, são todos. É assustador como a banalidade do mal de que falava Arendt não prescreveu, como não conseguimos melhorar. Sim, tenho de te dizer que não melhorámos em nada. De resto, querido Eduardo, a tua morte parece estar calada nas coisas da cultura, quem se lembra de quem? Seria bom estares aqui para explicar o conceito: cultura, o que é? Porquê a sua importância? Rumores e boatos temos em fartura, conquistas poucas, egos mexidos em excesso. Infelizmente, o tempo traz a idade e a idade as limitações - quantas vezes falámos sobre isto? - e, também por isso, a nossa mm escreve com a sua velocidade de cágado e protege-se numa cápsula protector que tem uma porta invisível, apenas reconhecida por ela. Não a vejo como gostaria. Não falamos ao telemóvel, bem sabes como odeia essa coisa de falar para dentro de uma pequena caixa que vai aquecendo na pequenez das mãos. Not even the rain has such small hands, não é assim? Das mãos da mm nasce uma rede de apoio e de afecto que se estende por mim, pelos meus. Embora longe não existe distância. E de ti, querido, mantemos a proximidade, em pensamento, em saudades. Já te disse que não deverias ter ido tão cedo? Sim, eu sei, é tarde. Beijo-te daqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Por estes rios acima (60)

por Pedro Correia, em 25.08.18

x21Y9pE[1].jpg

DSCF6147[1].JPG

 

  

RIO XÉVORA

 

Nascente: Serra da São Mamede, concelho de Portalegre

Foz: Rio  Guadiana, em Badajoz (Espanha)

Extensão: cerca de 75 km

 

«Ao aproximarmo-nos da que já foi vila sede de concelho [Ouguela], a primeira visão que temos é de uma elevação coroada por muralhas de um castelo medieval. Subindo a encosta, em breve se vêem as casas do arrabalde, organizadas em três ruas íngremes com vista para a planura que se estende no sopé do monte, fruto do trabalho de deposição dos dois cursos de água que aqui confluem: a Ribeira de Abrilongo e o Rio Xévora.»

Do blogue Entre Tejo e Odiana

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 25.08.18

350x[1].jpg

 

 A Noite Imóvel, de Luís Quintais

Poesia

(edição Assírio & Alvim, 2017)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Canções do século XXI (509)

por Pedro Correia, em 25.08.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

indiana.png

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Pouca terra, e pouca vergonha

por João Campos, em 24.08.18

lego train.jpg

Sim, pelos vistos a CP tem um serviço que permite a entidades públicas e privadas fretarem comboios. Sim, é possível que esses comboios tenham prioridade na passagem em relação às composições regulares que percorrem as linhas (não sei se têm ou não, nem julgo que esse seja o ponto pertinente). E não, em circunstâncias normais não seria sequer notícia o facto de o Partido Socialista fretar um comboio para levar os seus militantes em excursão até à festa do partido em Caminha - aliás, seria sem dúvida uma excelente escolha. O problema é que as circunstâncias presentes da CP e do seu serviço ferroviário (passe a generosidade) são tudo menos normais - e não houve uma alma no PS capaz de dizer em voz alta que uma viagem de ida e volta de Lisboa e Pinhal Novo até Caminha num comboio fretado à CP talvez não fosse a melhor ideia quando a CP tem sido notícia pelos atrasos e pelas supressões de comboios, pelas avarias constantes, pela falta de asseio nas composições, pelo ar condicionado avariado em dias de muito calor, pela falta de informações, pelo serviço Intercidades a ser feito por automotoras do serviço Regional, e pela degradação generalizada do serviço que presta de Norte a Sul do país. 

 

Bem vistas as coisas, não admira que tal não tenha ocorrido a ninguém. Abunda muita coisa no PS de António Costa - arrogância, prepotência, incompetência, esperteza saloia, uma profunda ignorância e um ainda mais profundo desprezo pelos cidadãos. Já a vergonha, essa, é mais difícil de apanhar por lá do que um comboio a horas na Linha do Algarve. Parafraseando Elisa Ferreira, "os comboios são da CP, são do PS". 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Por estes rios acima (59)

por Pedro Correia, em 24.08.18

IMG_9757[1].JPG

867118Master[1].jpg

 

 

RIO XARRAMA

 

Nascente: a noroeste de Évora, por confluência de várias linhas de água

Foz: Rio Sado, na freguesia do Torrão, concelho de Alcácer do Sal

Extensão: cerca de 70 km

 

«Numas partes, nos vales por onde elas correm, encontram-se campos cultivados de cereais, e com algum arvoredo: é o que sucede em diversos sítios das ribeiras de Odivelas, de Xarrama e de São Cristóvão.»

Andrade Corvo

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sinais de tempestade tropical

por Sérgio de Almeida Correia, em 24.08.18

Assembleia_Legislativa.jpg

 

Na semana que agora finda, a RAEM foi abalada pela notícia de que os contratos de dois juristas portugueses que desempenham funções de assessores-coordenadores na Assembleia Legislativa de Macau iriam ser dispensados no final do corrente ano, não sendo os seus contratos renovados.

Um, Paulo Cardinal, desempenhava funções desde 1992, tendo trabalhado desde então com todos os presidentes da Assembleia Legislativa de Macau. O outro, Paulo Cabral Taipa, requisitado aos quadros da República Portuguesa em 1997, exercia funções junto do órgão legislativo local desde 2001.

Aparentemente seria uma situação como qualquer outra. Todavia, o seu afastamento, além de inexplicável de um ponto de vista objectivo, tem sido visto pelos mais diversos sectores da comunidade jurídica de Macau ora como mais uma grosseira violação das garantias conferidas pela Declaração Conjunta Luso-Chinesa sobre a Questão de Macau e da Lei Básica de Macau, ora como mais um acto inamistoso para com a comunidade portuguesa. E, ainda, como alguns rapidamente se apressaram a dizer, como um caso de simples saneamento político.

A notícia foi conhecida na manhã de sábado, 18 de Agosto, através do semanário Plataforma, que deu conta através da sua edição online do sucedido. Ao longo do dia foram várias as manifestações de choque e repúdio, incluindo do Presidente da Associação de Advogados. E prosseguiu na manhã de segunda-feira, com grande destaque em três jornais de língua portuguesa e na imprensa de língua inglesa, merecendo honras nos jornais televisivos desse dia e dos dias seguintes, até culminar no final da semana com um artigo de fundo do constitucionalista João Albuquerque, com as declarações de Leonel Alves, um conhecido e influente advogado local que foi deputado durante 33 anos, estando actualmente retirado da vida política, e do politólogo Eric Sautedé.

Nesse mesmo dia 18 de Agosto teve também lugar um jantar de despedida do Embaixador Vítor Sereno, oferecido pelas chamadas associações de matriz portuguesa, durante o qual o diplomata não deixou de manifestar a sua preocupação e sublinhar a importância dos juristas portugueses na RAEM.

Entretanto, ainda na terça-feira, dia 21 de Agosto, três deputados da Assembleia Legislativa – o veterano Ng Kuok Cheong, o recém-entrado Sulu Sou e o português José Pereira Coutinho – enviaram uma carta ao Presidente da AL, Ho Iat Seng, e à sua Mesa, pedindo esclarecimentos sobre a decisão de não renovação dos contratos daqueles juristas que viram assim abruptamente interrompida a sua carreira.

Quem não conhece a realidade local será tentado a perguntar qual a razão para tanto escarcéu.

Bom, o problema é que os juristas agora afastados são dois dos melhores que nas últimas décadas passaram pela RAEM, produzindo um trabalho de reconhecido valor em prol do Direito de Macau, das garantias jurídico-constitucionais de todos os seus residentes e da qualidade das suas leis, tendo o mérito do seu trabalho sido objecto de reconhecimento dentro e fora de portas. Em causa estão dois juristas portugueses de excepcional mérito, que inclusivamente deram aulas na Universidade de Macau, no Instituto Politécnico e no Centro de Formação de Magistrados. No caso de Paulo Cardinal com vasta produção científica e obra publicada, em português, inglês e chinês em matéria de Direitos Fundamentais. Ambos têm com o seu trabalho prestigiado o direito e a presença portuguesa em Macau. Muito discretos, em relação a nenhum deles há memória de terem qualquer actividade política ou filiação partidária, embora Cardinal, actualmente a finalizar o seu doutoramento na Universidade de Coimbra, onde tem sido acompanhado pelo Prof. Gomes Canotilho, tenha sido ao longo dos anos presença nalgumas conferências e seminários de natureza académica.

O caso causa maior perplexidade porque Ho Iat Seng, o presidente vitalício da Associação Industrial e desde 2000 membro da Comissão Permanente da Assembleia Popular Nacional, acompanhado pelo seu Vice-Presidente, irmão do Chefe do Executivo da RAEM, esclareceu que a não renovação dos contratos teria a ver com uma vaga ideia de reforma dos quadros de assessoria.

O estrondo foi imediato, vindo de onde veio e decidido por aqueles que de todos os deputados da AL são dos que têm menos legitimidade (nenhum deles veio do sufrágio directo). Até porque ninguém começa uma reforma sem um plano, sem uma ideia, dispensando os seus melhores quadros, os mais antigos, os mais competentes, os mais experientes, no auge das suas carreiras, com todas as suas faculdades ao rubro e num momento de grande preocupação política e jurídica, com importantes leis a serem discutidas e trabalhadas (Organização Judiciária, Segurança Interna, Concessões de Jogo, entre outras) quando falta cerca de um ano para a escolha de um novo Chefe do Executivo.

Depois, é crónica a falta de assessores e de juristas qualificados em Macau e na própria Assembleia Legislativa, sendo que são os deputados quem mais se tem queixado dessa ausência, não fazendo por isso qualquer sentido a dispensa de juristas da craveira técnica, intelectual e humana do dispensados, gente com uma carreira construída com base no conhecimento, no trabalho e na seriedade.

Enquanto se aguardam os eventuais esclarecimentos do Presidente AL, que desde Março, após uma deslocação a Pequim, se começou a assumir como potencial candidato a Chefe do Executivo no processo burocrático que se avizinha, certo é que no momento em que passa um ano sobre a tragédia do tufão Hato, que deixou um rasto de destruição e colocou a nu as múltiplas fragilidades e a atabalhoada e caricata gestão política e administrativa (basta ler os relatórios que vão aparecendo) de umas das regiões mais ricas do mundo, e onde as diferenças são também abissais e inexplicáveis (ainda há dias foram encerradas as praias devido à presença de cólera e as piscinas públicas por falta de nadadores-salvadores, em greve, que se queixaram de chegarem a trabalhar 18 horas por dia e sem direito a folgas desde Março, tudo em pleno mês de Agosto), a introdução de mais um foco de instabilidade por uma decisão perfeitamente desastrada do Presidente da AL, tanto política como de gestão administrativa, concorre para o agravamento do clima de apreensão e insegurança – não obstante o ridículo reforço dos mecanismos de controlo policial de tipo orwelliano – que com cada vez mais intensidade se manifesta em diversos sectores das comunidades.

Para já, tanto por parte da RPC como da parte de Portugal, com excepção das prudentes declarações do Cônsul-Geral de Portugal, Vítor Sereno, continua a imperar o silêncio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Porco machista

por Diogo Noivo, em 24.08.18

O João Pedro George é uma das minhas leituras semanais imprescindíveis. No mês passado escreveu um texto intitulado “Mulheres”, culto, irónico e pouco consentâneo com o pensamento único, embora nele nada houvesse de insultuoso ou chocante. Versava sobre a importância das mulheres na vida de alguns escritores portugueses, autores de outras épocas e, por conseguinte, de sociedades diferentes daquela onde vivemos. Como se diz em Espanha, lo han puesto a parir. Entre os vários mimos repartidos por leitores indignados surgiu o proverbial “porco machista”, epíteto usado como título da crónica onde João Pedro George responde às críticas. Dessa resposta, retenho este parágrafo:

 

As pessoas são completamente livres para lerem estas crónicas como quiserem, porém, e usando da mesma liberdade, deixem-me que vo-lo diga que algumas lêem apenas para não pensar. Todas saberão ler palavras soltas, mas nem todas as entenderão combinadas, sobretudo quando assentam em técnicas de discurso e em procedimentos retóricos como a ironia, as antífrases, os subentendidos, a sátira, em suma, quando exigem mais do que um nível de leitura ou de interpretação (além de um certo esforço de atenção). Por certo, é a capacidade ou incapacidade de identificar esses e outros efeitos textuais que distingue aqueles que sabem ler um texto e aqueles que, ignorantes das infinitas possibilidades da escrita, não conseguem ir além dos estreitos sentidos literais e das análises superficiais. Será verdade, como oiço tantas vezes dizer, que os tempos não vão para leituras atentas e meditadas, e que há cada vez mais pessoas que precisam de tudo minuciosamente explicado e óbvio, sem ironias, nem entrelinhas, nem associações ou cruzamentos entre planos da realidade

 

De facto, quem não entende isto, azeite. Resta saber se há lagares em quantidade suficiente. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 24.08.18

250x[2].jpg

 

 O Farol de Amor, de Rachilde

Tradução e apresentação de Aníbal Fernandes

Romance

(edição Sistema Solar, 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Belles toujours

por Pedro Correia, em 24.08.18

640full-lauriane-gilliéron[1].jpg

 

Lauriane Gilliéron

Autoria e outros dados (tags, etc)

Canções do século XXI (508)

por Pedro Correia, em 24.08.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

Notas de um Verão a Norte - o regresso a Paredes de Coura

por João Pedro Pimenta, em 23.08.18

Os jornalistas musicais portugueses costumam dividir a humanidade em dois grandes grupos: os que estiveram no concerto dos Arcade Fire no festival de Paredes de Coura de 2005 e os que não estiveram. Eu insiro-me numa terceira via: os que estiveram lá nesse mesmo dia e não viram os Arcade Fire.

 

Sim. Em 2005, por uma hora, dadas as recusas de última hora de dilectos amigos meus em seguir comigo, que já tinha bilhete, perdi o concerto dos estreantes Arcade Fire, que ao que asseguram os assistentes, ficou para a história como uma "epifania", o "espectáculo da década" que "catapultou o festival", etc. À época conhecia o grupo e já tinha ouvido algumas canções de Funeral, o álbum inicial, e ainda hoje Rebellion (Lies) continua a ser a minha faixa favorita dos canadianos. Mas como a minha ideia era ver os Pixies, precedidos dos Queens of the Stone Age, não liguei muito, mas ficou um travo de pena. Vi depois os Arcade Fire em Lisboa, num espectáculo memorável ao lado da ponte Vasco da Gama. Mas ainda havia uma lacuna por cicatrizar. Este sábado, finalmente, encontrei os canadianos em Paredes de Coura, treze anos depois de eles se terem ido embora antes de eu chegar. Com mais discografia em cima, e a entrega e a emoção de sempre. Talvez as expectativas que estavam muito lá em cima ficassem ligeiramente goradas, até por não ser a primeira vez que os via. E o último álbum, em destaque, é o mal amado da discografia dos Arcade. Mas começaram logo com ele, com uma bem disposta Everything Now (o vídeo atrás traduzia como "tudo agora"), seguida dos hinos do costume - Rebbelion, pois claro, e ainda faixas de Neon Bible, The Suburbs e Reflektor, tudo a acabar num muito celebrado Wake Up, com a plateia literalmente iluminada. No dia com mais público de sempre do festival, os Arcade Fire regressaram a terras do Alto Minho. 2005 está enfim vingado.

arcade coura.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/4



O nosso livro





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D