Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O mundo é de quem o reinventa (73)

por Ana Vidal, em 01.12.12

Comunistas e unicórnios

por Rui Rocha, em 01.12.12

30 de Novembro de 2012. Já se fez noite em Pyongyang. A KCNA, a agência noticiosa governamental (sim, reconheço que nem sempre evito os pleonasmos) acaba de anunciar uma descoberta extraordinária. Um grupo de cientistas norte-coreanos encontrou provas irrefutáveis da existência dos unicórnios. Jo Hui Sung, responsável pela instituto que conduziu a investigação, explica, com a seriedade que a situação impõe, que o achado foi detectado a 200 metros do templo Yongmyong, no centro da capital. A credibilidade da descoberta resulta de no local ter sido encontrada uma pedra rectangular com a inscrição "Covil do Unicórnio". Parece-me prova definitiva. Escusam de vir com a conversa da falsificação e da refutação do Popper. Para além do mais, a Coreia do Norte é uma espécie de Entroncamento em versão premium. Ali onde se cruzam a Linha do Norte e a Linha da Beira Baixa surgem abóboras e nabos de dimensões descomunais. Em Pyongyang e arredores vão-se observando factos extraordinários em dimensão comunista. Na verdade, a mesma KCNA anunciou, após a morte de Kim Jong Il, em Dezembro de 2011, que, no momento do seu último suspiro, uma rocha começou a brilhar intensamente e um pedaço de gelo no local do seu suposto local de nascimento partiu-se sozinho com um ruído que pareceu fazer tremer os Céus e a Terra. O próprio Jong Il tinha cometido feitos extraordinários em vida, como sabemos (e sabemos porque a KCNA nos disse): a ele se devem a invenção do hambúrguer e mais de 1500 livros escritos em menos de três anos. Nada que nos espante se nos recordarmos que o "Querido Líder", na primeira vez em que pegou num taco de golfe, fez 11 buracos numa só tacada (se dúvidas houvesse deste recorde, 17 guarda-costas testemunharam o acontecimento), tendo acabado o percurso com, para aí, 40 pancadas abaixo do par. No fundo, nada disto nos devia surpreender. Sobretudo se tivermos em conta que, aqui bem mais perto, não sei quantos homens e mulheres crescidinhos, sem qualquer limitação aparente ao nível da capacidade de querer e de entender, aplaudem de forma entusiástica o pensamento de Álvaro Cunhal.  

Fotografias tiradas por aí (95)

por José António Abreu, em 01.12.12

Porto, 2004.

 

«Há coisas de que nunca nos devemos recordar. É necessário metê-las numa vitrina de museu e deixá-las esquecidas.»

J. D. Salinger (1919-2010)

Lisboa antiga (66)

por Pedro Correia, em 01.12.12

 

ALCÂNTARA

«Seguiu pelo Terreiro do Paço, pelo Aterro, quase até Alcântara. Ia como um sonâmbulo, sem reparar na gente que o acotovelava, nem na beleza da tarde de Verão, que morria num esplendor de ouro vivo.»

Eça de Queiroz, Alves & Cª.

Foto: blogue Monumentos Desaparecidos

O Natal é brutal (publicidade do Continente).

As canções do século (1066)

por Pedro Correia, em 01.12.12

Pág. 16/16



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D