Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um miúdo, um cavalo, um cão

por Pedro Correia, em 31.07.10

 

 

Da minha infância guardo calorosas recordações de uns livrinhos escritos por uma autora com um belo nome que jamais esqueci: Cécile Aubry. Esses livros narravam as aventuras de Poly, um pónei, e do seu dono, um miúdo que teria a minha idade à época. As aventuras de Poly, a par dos álbuns de banda desenhada, ajudaram-me ainda em criança a ler e amar a língua francesa - o que viria a ser reforçado com a adaptação dessas histórias a uma série televisiva que me prendia a atenção dado o meu gosto de sempre por animais. O próprio filho da autora interpretava esta e uma outra série - Belle e Sébastien, em que o pequeno cavalo dava lugar a um grande cão.

Nunca mais ouvi falar em Cécile Aubry. Até esta semana, quando soube da notícia da sua morte. Antes de se dedicar à literatura infantil, como autora de grande sucesso, tinha-se destacado como actriz em filmes como Manon, de Henri-Georges Clouzot, hoje um clássico do cinema francês, e A Rosa Negra, ao lado de Tyrone Power e Orson Welles. O rosto correspondia ao nome: era uma mulher muito atraente - como se comprova pelas capas da Life e da Paris Match aqui reproduzidas - que, no entanto, não se deixou enredar nas malhas do show business.

Escrevo estas linhas e sinto que estou a discorrer sobre tempos pré-históricos: Cécile Aubry é um nome oriundo de um mundo que deixou de ser o nosso. Um mundo muito mais simples, em que uma tarde de Verão podia ser preenchida a ler exemplares da revista Tintim, romances como O Príncipe e o Pobre, de Mark Twain, ou as narrativas desta mulher que abandonou o cinema para encantar a minha geração com histórias de miúdos e dos respectivos animais de companhia.

Histórias de um mundo ainda sem computadores que deixaram um rasto de ternura imune à erosão do tempo e à voracidade de todas as modas.

 

 


14 comentários

Imagem de perfil

De Ana Gabriela A. S. Fernandes a 31.07.2010 às 16:04

Pedro
Ando a preparar um post sobre a maior perda civilizacional, a tranquilidade, e dou com este seu post sobre uma série que exemplifica esse mundo a perder-se...
Sou de uma geração anterior à sua, vi a série da Lassie e um ou dois filmes do Fúria (cavalo lindíssimo). E li "Os Cinco" e "Os Sete" da Enid Blyton.
Mas ao ler esta descrição do miúdo e do seu pónei, ou do miúdo e do seu cão, as sensações são as mesmas, parece-me. Um mundo em que as crianças ainda tinham uma certa liberdade territorial (tão importante para explorar o mundo à sua volta e desenvolver a sua imaginação e criatividade) e uma grande tranquilidade e segurança emocionais.
Hoje vemo-los "ligados" a jogos virtuais, a responder a estímulos exteriores, alheios ao verão lá fora, às aventuras e descobertas, ao convívio...

Embora não concorde que esses sejam "tempos pré-históricos" pois foi ainda ontem... é verdade que esse mundo mágico se está a perder.
Mas ainda podemos fazer alguma coisa para tentar alertar para essa enorme perda. Afinal, as crianças têm direito a viver a infância, não é?
Ana
Imagem de perfil

De João Carvalho a 31.07.2010 às 17:47

Também viu o Mister Ed?
Imagem de perfil

De Ana Gabriela A. S. Fernandes a 31.07.2010 às 19:03

Ups, essa pergunta é para mim, João?
Vi, pois. Na altura nada era dobrado como hoje, ouvíamos no original. Um cavalo a falar americano era o máximo! Com as risadas colocadas cirurgicamente.
E viu "Os Vigilantes da Floresta"? E o "Chevalier de la Tempête"? E outros cavaleiros (havia muitas séries francesas) que já não me lembro do título?
E o "Zorro"? Acredita que eu tinha medo do Zorro e ele era o herói? Dava um salto sempre que ele surgia a empinar o cavalo, acredita? Era a risada geral lá em casa (snif).
E os "bonecos de ferro", como lhes chamávamos, os "Thunderbirds"? Bons tempos...
Ana
Sem imagem de perfil

De fernando antolin a 31.07.2010 às 20:45

Devemos ser de "colheitas" próximas, cara. A minha é de 55 e lembro-me bem de todas essas séries, mas isto neste blog é tudo malta jovem...
Imagem de perfil

De João Carvalho a 31.07.2010 às 23:49

Tudo malta jovem, Fernando. A começar por mim, que sou de 51 e estou cada vez mais novo...
Imagem de perfil

De João Carvalho a 31.07.2010 às 23:48

E ainda havia um imitador amador do Zorro: o Mascarilha.
Sem imagem de perfil

De Luisa a 31.07.2010 às 16:25

Este post fez-me "clic" na memória, porque também me lembro da autora e da série Belle et Sébastien. Apesar de ser uma memória um pouco tremida, fiquei com aquele sorriso próprio da nostalgia pregado nos lábios. Foi bom recordar.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 31.07.2010 às 23:16

Tudo isto me veio à memória quando tomei conhecimento da morte da Cécile Aubry, Luísa. Lembro-me até de que um dos livro do Poly se chamava 'Poly em Portugal'. A´série 'Bela e Sebastião' (tradução portuguesa) teve grande popularidade entre nós.
Sem imagem de perfil

De Henrique Pontes a 31.07.2010 às 16:42

Velhos hábitos dificilmente morrem, pode sempre transmiti-los aos seus próximos....
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 31.07.2010 às 23:17

Claro que sim. Também é para isso que servem os blogues. Para a partilha destas recordações.
Sem imagem de perfil

De alexandre carvalho da silveira a 31.07.2010 às 18:38

Quem foi criança nos anos 50-60, concerteza reconhece os personagens referidos: a cadela Lassie, o cavalo Furia, o cão Rin-Tin-Tin, as series Bonanza, Robin Hood (sem o chapeu com a pluma) , e as referidas no post, das quais apenas me recordo do poney Poly.
O suave mundo em que vivemos a nossa infancia já não existe, mas é bom recorda-lo, e falar dele aos nossos filhos; no meu caso, que tenho seis, sempre o fiz, e tive a possibilidade de guardar em casa, alguns exemplares do Tin-Tin, assim como alguns Dinky Toys, e até Legos, o que lhes permite apesar de tudo perceber um bocadinho como eram esses tempos. E tambem alguns livros da minha escola primaria, entre os quais os de leitura, e a historia da 4ª classe, cuja materia eles me dizem que agora só se aprende a partir do 9º ano.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 31.07.2010 às 18:49

Vejo que devo sugerir-lhe a nossa série «Passado presente», através do tag "disto já não há". Vá até ao início, que não se arrependerá.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 31.07.2010 às 23:17

De tudo isso temos já falado aqui, Alexandre, como o João já assinalou.
Sem imagem de perfil

De cruz a 07.09.2010 às 22:03

Obrigado pelo link e espero que não leve a mal ter pedido de "empréstimo" :) a foto do menino com o poney

http://portugal-mundo.blogspot.com/2010/09/poly-em-portugal-de-cecile-aubry-1965.html

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D