Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Convidado: JOÃO TUNES

por Pedro Correia, em 28.07.10

 

Chega para lá esse Ministério

 

O meu ramo de engenharia não é a civil, acho que as autoestradas nos trocaram o tempo ganho e o encurtamento de distâncias pela monotonia com o juro do roubo das paisagens. Para mais, detesto pagar as portagens. Portanto, o ramo das Obras Públicas não é comigo. É mesmo o ramo ministerial que me está mais distante. Prefiro as Finanças, para as odiar quando me descontam o IRS. Ou a Cultura para me lembrar de Carrilho em oportunidade aproveitável de simpatia. Também gosto da Defesa para me rir do caricato de terem abolido o serviço militar obrigatório substituindo-o pelos submarinos obrigatórios. Enfim, e resumindo, as Obras Públicas estão-me sempre, qualquer que seja o ângulo de apreciação, em último lugar de proximidade e estima. No entanto, se tento afastar de mim o cálice das Obras Públicas, estas, nos últimos anos, teimam em não me largarem. Primeiro, Santana Lopes ministeriou um tipo que, antes e quando presidente da empresa em que eu trabalhava, tentou “despedir-me com justa causa” por umas coisas que escrevi num fórum interno da empresa. Santana caiu e subiu ao Ministério das Obras Públicas um meu antigo camarada de partido com quem tive colaboração próxima e de quem não só tinha boa opinião como acrescia uma estima pessoal. Mas não tardou que ele se saísse com boutades atrás de boutades e, inclusive, me pusesse a viver no meio do “deserto”, ofendendo-me e ao resto da malta da margem sul. Percebi, assim, que este amigo e antigo camarada, por força de enturmar na equipa de Sócrates, se tornara um trapalhão. Depois veio o Doutor Mendonça, que foi vários anos meu vizinho de residência, com as nossas famílias a partilharem convívios e com quem conspirei fartamente na camaradagem da dissidência no PCP sob a utopia pueril de “democratizar o partido”, ou seja, tornar quadrado o que é redondo. Fiquei à espera do que lhe aconteceria após frequentar uns tantos conselhos de ministros chefiados por Sócrates, um especialista a degradar ministros que não tenham tomado posse já em estado de degradação. Não tardou a resposta temida. Primeiro, propagandeou o TGV como forma de captar banhistas espanhóis para a Costa da Caparica. Agora acaba de me ofender, enquanto transmontano de origem, esparvoeirando a dizer que era mais barato oferecer automóveis e combustíveis ao pessoal do vale do Tua que manter-lhes o comboio em andamento. Convenci-me que há aqui sina não escrita na palma da mão. Pelo sim e pelo não, tenho debaixo de olho todos os tipos de algum gabarito que conheço e sejam potencialmente ministeriáveis. Algum de entre eles, certo e a saber, vem a seguir ao Mendonça. Para as Obras Públicas, é claro.   

 

João Tunes


9 comentários

Imagem de perfil

De João Carvalho a 28.07.2010 às 16:40

Boa malha. Parabéns, João Tunes.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 28.07.2010 às 18:38

É com todo o gosto que hoje recebemos aqui o João. Com um texto delicioso, como aliás já se esperava.
Sem imagem de perfil

De Joana Lopes a 28.07.2010 às 21:21

Andaste com más companhias no passado... Esperavas o quê? :-)
Abraço
Sem imagem de perfil

De Hélder S. a 28.07.2010 às 21:54

Li e gostei.
Principalmente da teorização de que a envolvência com Sócrates transforma as pessoas, sempre para pior.
Já faz algum tempo também apareceu um texto (doutro autor) em que se procurava demonstrar a como o deslumbramento provinciano era também a razão para os desmandos da clique dominante.
Sem imagem de perfil

De ariel a 29.07.2010 às 00:10

Grande malha, muito bem.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 29.07.2010 às 05:00

Onde é que eu já ouvi isso?...
:o)
Sem imagem de perfil

De ariel a 31.07.2010 às 01:39

Ahh, sou uma copiona...
:)))
Sem imagem de perfil

De Sílvia a 29.07.2010 às 10:05

Acutilante e irreverante, disse o Pedro. Concordo. Gostei de ler.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D