Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Lisboa em Agosto

por Adolfo Mesquita Nunes, em 19.07.10

Agora que Lisboa começa a esvaziar-se, e até que chegue Setembro com as insuportáveis campanhas do regresso às aulas, ouviremos vezes sem conta a lengalenga do 'que bom é Lisboa em Agosto lai lai lai'. Nunca tive grande pachorra para essa conversa, confesso. E recupero, explicando, o que uma vez já escrevi sobre o assunto:

 

Fica-me mal, tenho plena consciência disso, mas não gosto de Lisboa em Agosto. Não sinto apego pelas ruas surdas, pelas avenidas enormes ou pelos lugares à espera nas esplanadas e miradouros. Em Agosto, Lisboa deixa de ser um privilégio, uma cidade escondida, objecto de duelos e conspirações. De repente, a cidade esquece quem a conhece e abre as suas portas a quem, cá vivendo, se deu ao luxo de a ignorar durante onze meses. Já não é preciso chegar cedo, reservar, correr, rezar. Basta cruzar a esquina e sentar. Como se aquela vista, aquele lugar, não merecesse um combate sério para o alcançar. Como se o prazer de lisboetar pudesse, afinal, esperar pelo vazio. 

Autoria e outros dados (tags, etc)


11 comentários

Sem imagem de perfil

De l.rodrigues a 19.07.2010 às 11:47

Talvez essa gente tenha outra luta para travar no dia a dia, que não é por um lugar num restaurante ou esplanada... E só quando o Verão impõe uns dias de descanso se possam dar ao luxo de "lisboetar", já que nem para Allgarvar têm possibilidades...
Imagem de perfil

De Adolfo Mesquita Nunes a 19.07.2010 às 11:51

Meu caro,

Sinta-se livre para ler no meu post, ou dele retirar, aquilo que lá não está.

Um abraço,
a.
Sem imagem de perfil

De l.rodrigues a 19.07.2010 às 11:57

Meu caro,
apenas me ocorreu que ignorar Lisboa 11 meses por ano não é necessariamente um luxo,
(e essa ideia está lá).
Imagem de perfil

De Adolfo Mesquita Nunes a 19.07.2010 às 12:05

A ideia que lá não está, nem poderia estar, é a de que usufruir de Lisboa está apenas ao dispor de quem tem tempo e dinheiro ou, pior, a ideia de que só com dinheiro e tempo livre em abundância se pode sentir Lisboa, fazendo do meu post, precisamente, um exercício de diletantismo de que não sou adepto.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 19.07.2010 às 11:54

Acho que este ano Lisboa não vai sentir tanto o Agosto, Adolfo. Por causa do lai-lai-lai governamental.
Imagem de perfil

De Adolfo Mesquita Nunes a 19.07.2010 às 12:05

Achas? Pois que eu acho que é no próximo Agosto que a coisa se vai sentir a sério...
Imagem de perfil

De João Campos a 19.07.2010 às 12:01

Por acaso costumo dizer que gosto muito de Lisboa em Agosto. Precisamente por isso: menos trânsito, menos tempo e confusão para chegar onde quer que seja de autocarro (recordo que não ando de carro em Lisboa), lugares mais calmos, e um anoitecer tardio para que possa aproveitar alguma coisa do dia entre a saída do trabalho e a hora do jantar.

A marcar férias, prefiro Setembro - assim já posso ir para a Zambujeira do Mar e encontrar a coisa também nestes preparos, ou seja, calminha e agradável. Mas eu sou alentejano, deve ser por isso :)
Imagem de perfil

De Adolfo Mesquita Nunes a 19.07.2010 às 12:31

o melho do que dizes é mesmo essa do anoitecer tardio (embora muitas vezes ventoso!). mas isso depende mais do verão do que da deserção :)
Imagem de perfil

De João Campos a 19.07.2010 às 12:43

Facto. No entanto, Agosto ainda nos calha ao Verão (hehe) - e quando não está vento, o miradouro da Graça (indo para lá de eléctrico, obrigatoriamente) é bem capaz de ser dos melhores sítios da cidade para se sentar das sete às nove a ler um livro e a beber uma cerveja.
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 19.07.2010 às 12:23

"Lisboetar" é fixe! - vou-te roubar a expressão, até porque assenta que nem uma luva naquilo que eu gosto de fazer, por cá, em todas as estações :)
Imagem de perfil

De Adolfo Mesquita Nunes a 19.07.2010 às 12:31

se esconderes a autoria, ainda vais parar ao não há coincidências da ana :)

Comentar post



O nosso livro





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D