Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A nova carreira de José Sócrates

por Pedro Correia, em 01.07.10

Notícia do dia: José Sócrates tornou-se opinion maker do Público. Pode ser o início de uma carreira alternativa à política, actividade que desenvolveu em exclusivo durante toda a sua vida adulta.

Foi, no entanto, uma estreia pouco auspiciosa. Neste artiguinho destinado a justificar a decisão governamental de exercer um veto político numa empresa privada, contra a opinião do Conselho de Administração e da esmagadora maioria dos representantes dos accionistas, o primeiro-ministro jamais demonstra convictamente que “interesse nacional” poderá justificar o veto governamental a uma decisão legítima da PT - um gesto que por momentos faz recuar Portugal ao período da economia estatizada e não tardará a ter efeitos contraproducentes assim que o Tribunal das Comunidades chumbar esta golden share.

Como o insuspeito Vital Moreira hoje assinala na Causa Nossa, "as instituições da UE não aceitam as golden shares e a decisão vai ser seguramente impugnada na justiça europeia", podendo até suscitar uma OPA da Telefónica sobre a PT. Mais uma trapalhada à vista - a juntar a tantas outras.

Mas afinal que "interesse nacional" pode ter estado na origem deste veto? "A PT é uma empresa muito importante para o País. E a participação da PT na Vivo é um activo estratégico de sucesso no mercado brasileiro - é mesmo a empresa de telecomunicações nº 1 no Brasil. Sucede que a internacionalização da PT e a sua presença no Brasil é absolutamente fundamental para a economia portuguesa", escreve Sócrates nesta sua nova pele de colunista do Público.

A participação da PT na Vivo é vital para os interesses nacionais? Nada que tenha convencido o Financial Times. "A estupidez colonial ainda não morreu [em Portugal]", comenta o prestigiado jornal londrino, que a propaganda socrática tanto gosta de invocar nas raras vezes que ali surge uma boa notícia para a economia portuguesa.

É, em síntese, uma decisão mal fundamentada, atentatória da liberdade negocial e do princípio basilar da livre concorrência, possivelmente ferida de ilegalidade à luz do direito comunitário e provavelmente geradora de efeitos muito mais perversos do que aqueles que pretenderia atenuar. E quase tão incompreensível como o pesado silêncio que o Presidente da República tem mantido nesta matéria.


10 comentários

Sem imagem de perfil

De Pedro Rosa de Oliveira a 01.07.2010 às 17:31

como escrevi no FB: Dia 8 é previsivel que Sócrates vá cozer com batatas as 500 acções que o Estado detém na PT.A acontecer será mais uma trapalhada que envergonha o país.

p.s. Caro Pedro tem página no FB?
abraço
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 01.07.2010 às 23:21

Por enquanto ainda não, meu caro.
Abraço
Sem imagem de perfil

De Bic Laranja a 01.07.2010 às 19:09

Fala-se muito do P.I.B., sempre do P.I.B. e só do P.I.B.. Ora o valor da produção em território nacional muitas vezes some-se em P.N.B. doutros países. Os lucros da Qimonda foram sempre parar à sede na Alemanha e quando a casa-mãe faliu, o património duma unidade produtiva (plenamente operacional) em território português foi cobrir a falência. Dantes gerava P.I.B., mas não mandávamos nele. Isto importa, pois, quanto retorno de lucros do capital se haveria de subtrair ao P.I.B. gerado da Qimonda?
Ninguém faz a conta.
Tal como do P.N.B. português ninguém fala. Quanto lucro das Teixeira Duarte e das Mota-Engil em Angola - ou da Vivo nas mãos da Telecom - torna a Portugal? Não há quem no divulgue. Financia partidos? Pode ser...
Talvez afinal haja mais massa de que ninguém fala (e olhe que ela nota-se).
Mas nada disto é ponderado no 'interesse nacional' que o articulista do Público refere. No P.S. sempre se confunde o partido com o estado. Já vê, pois, o 'interesse nacional' do articulista?!...
Cumpts.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 01.07.2010 às 23:22

Excelente reflexão que aqui nos deixa.
Sem imagem de perfil

De nb a 01.07.2010 às 19:34

Cavaco já perdeu o meu voto, mas aqui não sei o que poderia fazer.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 01.07.2010 às 19:44

Talvez dizer que a situação "é insustentável"...
Sem imagem de perfil

De Amêijoa fresca a 01.07.2010 às 20:23

Regime carunchoso - Parte II

Esses escritos admiráveis,
de tão doutos comportamentos,
são, sem dúvida, memoráveis
dos actuais deslumbramentos.

Estas acções tão douradas
são muito questionáveis,
em mãos deterioradas
ganham cores enfunáveis.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 01.07.2010 às 23:22

A verve continua em forma, meu caro.
Imagem de perfil

De Daniel João Santos a 01.07.2010 às 22:16

Estranho... eles normalmente passam para administradores de grandes empresas privadas e não para colunistas... ou será que Sócrates está em estágio?
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 01.07.2010 às 23:23

Um dia ainda o haveremos de ouvir comentar jogos de futebol na televisão.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D