Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os sacrificados que paguem a crise

por João Carvalho, em 01.07.10

Já recentemente assinalámos que «Portugal tem mais de cinco milhões de pobres declarados e pobres envergonhados, o que corresponde a mais de metade da escassa população». A partir de hoje, com a subida de impostos e o agravamento do custo de vida, o nosso país entra em nova fase de empobrecimento social e o número de portugueses pobres passa inevitavelmente a crescer mais depressa.

Em Portugal, onde o(s) governo(s) socialista(s) promete(m) sempre não aumentar impostos e criar melhores condições de vida, já todos sabemos o que isso significa: os impostos sobem, as promessas caem e os mais sacrificados são os primeiros a pagar as crises. Os portugueses viviam melhor há cinco anos.


11 comentários

Sem imagem de perfil

De zeparafuso a 01.07.2010 às 21:37

Não tenho duvidas, João, concordo em absoluto consigo. ( Como diz o Sejeiro Velho, por experiência própria, julgo eu, pois segundo as suas palavras há uns tempos o computador até era dos filhos, não tem nada seu, vivia acima das suas possibilidades ). Eu há cinco anos vivia melhor, mas há trinta ainda vivia melhor, deixei de viver relativamente bem quando me ensinaram a dizer que os Portugueses tinham que apertar o cinto. Nesta altura já não tenho cintura, o que vou apertar ?
Imagem de perfil

De João Carvalho a 02.07.2010 às 00:38

Meu caro, um dia destes receio que reste às pessoas apertar o gargomilo a uns quantos.
Sem imagem de perfil

De zeparafuso a 02.07.2010 às 20:20

Eu faria parte dos " Apertadores " de bom grado ! Alguns merecem mesmo. Mas o nariz só crescia ao Pinóquio da história.
Sem imagem de perfil

De José Sejeiro Velho a 02.07.2010 às 09:02

1980/2010 - O seu exemplo não reflecte a situação da maioria dos portugueses sensatos que mantiveram a cabeça fria, os pés assentes na terra e não se deixaram atrair pelos cantos de sereia das facilidades de crédito: casas com prestação mensal superior a 25% do seu salário, carros com cilindrada superior à indispensável, férias nas Malvinas em vez de na Cruz Quebrada, roupa e calçado de marca para si e para os filhos, colégios privados em vez de escola pública, e por aí fora.
É verdade, sempre vivi muito acima das minhas possibilidades, por isso estou na situação em que estou. Mas não culpo ninguém por isso. Foi uma opção conscientemente tomada.
Sem imagem de perfil

De zeparafuso a 02.07.2010 às 20:17

Pois! Eu é que tive azar ! Tenho casa própria, um apartamentozito , mas é meu, está pago. Tenho um Renault 5 há 22 anos. Mesmo assim já não tenho cintura para apertar. Se tivesse vivido como o caro Sejeiro diz que viveu, hoje estava na mesma só que de barriga mais cheia, ainda tinha cintura. Não me parece que o caro Sejeiro viva debaixo da ponte. (desculpe a ousadia ), Mas ainda há gente em piores condições que eu, que viveram uma vida como a minha e há os outros como o caro Sejeiro , que mesmo com todas essas vivências ainda têm cintura. O burro fui eu.!
Sem imagem de perfil

De José Sejeiro a 03.07.2010 às 11:25

"Join the club "
Somos quarenta e tal, todos com reforma inha ), menos eu e mais três. Como não podemos pagar, há umas almas com contas a prestar ao Deus que temem, que pagam por nós.
Mas também vou contribuindo: escrevo e mando por e-mail cartas para o neto da D. Amélia que está na Austrália, ensinei a ler o Sr. . Mário, a D. Violante já sabe escrever o nome todo, e outras contribuições do género. Se se juntasse a nós, podia de vez em quando levar o Tio Jerónimo a ver o mar; coitado, foi pescador toda a vida e agora morre de saudades do cheiro da maresia .
Sem imagem de perfil

De zeparafuso a 03.07.2010 às 14:03

Pois caro Sejeiro ! Ainda tem uma reforma inha ! Eu ainda tenho que trabalhar, para não passar fome, porque a minha reforma. inha , segundo a contagem de tempo que pedi o ano passado é de €392,00. Não tenho, como vê, vergonha de o dizer, assim como, sendo eu da geração dos colonialistas, fui militar (obrigado), praça (durante 48 meses), daí o eu dizer que foi burrice minha não ter vivido acima das minhas possibilidades, com carros de alta cilindrada, grandes vidas, ainda ficava com alguma barriga. Mas não vale a pena estar para aqui num mar de lamentações, porque nunca fui lamechas, apenas não concordo com a forma como estou a ser governado e ainda por cima por pessoas que tentam fazer agora, aquilo que dizem porque lutaram para que os portugueses tivessem uma vida melhor. Estamos num País de Pinóquios . Poderá aparecer algum que deixe de mentir.......mas não será fácil.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D